Cavalgadas Brasil

Cavalgadas e Tradições Equestres

Publicado

em

Paulo Junqueira Arantes fala em sua coluna da semana sobre o seu fascínio pelas Tradições Equestres em uma cavalgada pela Toscana

Os cavalos tiverem um papel importante ao longo da história humana em todo o mundo. Acima de tudo, sempre tiveram o poder de unir as pessoas. Durante séculos, os indivíduos e as comunidades se reuniram em eventos que mostravam habilidades equestres e celebravam a beleza dos cavalos. Assim sendo, muitos desses eventos se tornaram tradições que perduram até hoje.

As Tradições Equestres despertam meu interesse em conhecer as fascinantes histórias que existem em cada uma delas. Eventualmente, cavalguei em alguns destinos aonde tive oportunidade de conhecer ou acompanhar algumas dessas tradições.

A maioria são eventos históricos excepcionais que acontecem ou aconteceram ao redor do mundo, reunindo cavalos e cavaleiros apaixonados em manter viva as tradições de suas regiões.

Em outros textos já citei a Tradição do Round Up na Islândia, do Pasola na Indonesia, do Festival Nadaan na Mongolia e da Tbourida no Marrocos.

Paulo Junqueira Arantes fala em sua coluna da semana sobre o seu fascínio pelas Tradições Equestres em uma cavalgada pela Toscana

Tradições Equestres – Toscana

Hoje escrevo sobre a cavalgada que fiz em 2013 na Itália, região de Maremma – Toscana. 

O Cavalo Maremma – Maremmano – originário da região de Maremma na Toscana já gozava de boa reputação na época pré-romana. Uma vez criado em estado semi-selvagem, usado pelos exércitos romanos, desenvolveu-se posteriormente com ancestrais de várias origens.

Paulo Junqueira Arantes fala em sua coluna da semana sobre o seu fascínio pelas Tradições Equestres em uma cavalgada pela Toscana

Ademais, a raça foi aprimorada no século 15 por iniciativa de famílias nobres florentinas promovendo o cruzamento com cavalos árabes. Aos poucos, evoluiu para dois tipos: o antigo e muito rústico tipo latino e o tipo toscano.

Hoje, a população de cavalos Maremma está concentrada nas regiões da Toscana e Lazio, a maioria ao pé da serra, nos bosques de sobreiros e azinheiras, em semi-liberdade.

Paulo Junqueira Arantes fala em sua coluna da semana sobre o seu fascínio pelas Tradições Equestres em uma cavalgada pela Toscana

Durante nossa cavalgada conheci um pouco da tradição e porque o Maremmano é por excelência o cavalo dos Butteris, vaqueiros da região de Maremma.  Dócil, resistente e com um caráter forte, ele também é utilizado pela polícia montada italiana.

Durante a cavalgada cruzamos por cidades de origem etrusca, com panoramas incríveis. Passamos por grutas da idade do bronze, cruzamos um vilarejo medieval esculpido em rocha com passagens subterrâneas e uma imponente fortaleza.

Paulo Junqueira Arantes fala em sua coluna da semana sobre o seu fascínio pelas Tradições Equestres em uma cavalgada pela Toscana

La Maremmana

A necessidade de pastorear o gado acabou gerando um estilo particular de lida conhecido como ‘a la maremmana’. Desta atividade pastoril, adaptada ao temperamento combativo do gado, nasceu a sela ‘maremmana’, sela de trabalho em couro ornamentado, com moldura de madeira e forte acolchoamento.

Hoje a equitação em Maremma é reconhecida e defendida pela Associação Nacional de Equitação de Maremmana.

Por Paulo Junqueira Arantes
Cavaleiro profissional e Diretor da agência Cavalgadas Brasil
www.cavalgadasbrasil.com.br

Veja outras notícias da editoria Turismo Equestre no portal Cavalus

Comentar com o Facebook

Cavalgadas Brasil

Expedições em Eswatíni e Lesoto

Paulo Junqueira conta sobre dois reinos incrustados na África do Sul, destinos pouco conhecidos

Publicado

em

A expedição que fiz para Lesoto e Eswatíni foi uma viagem não programada/agendada. Em 2010, fui a Witteberg, na África do Sul para conhecer e cavalgar com o Wiesman.

Paulo Junqueira conta sobre dois reinos incrustados na África do Sul, Lesoto e Eswatini, destinos pouco conhecidos e de muita cultura

Sua propriedade é um paraíso para amantes de cavalos, pois tem dois premiados criatórios. A saber, de cavalos Boerperd sul-africanos e cavalos Árabes de Enduro. Eles são criados selvagens nas encostas das montanhas Witteberg.  

Assim, em uma conversa com Wiesman soube da existência do Reino de Lesoto, que ficava bem próximo e resolvi ‘dar uma esticada lá’.

Paulo Junqueira conta sobre dois reinos incrustados na África do Sul, Lesoto e Eswatini, destinos pouco conhecidos e de muita cultura

Lesoto (oficialmente Reino do Lesoto) é um pequeno país da África Austral. Montanhoso, é o antigo reino da Bassutolândia, um dos países etnicamente mais homogêneos da África: 99% de sua população é da etnia basoto.

Vive da agricultura e criação de ovelhas na cordilheira do Drakensberg. Assim também, domina a maior parte do território e atinge mais de 3 mil metros de altitude.

Paulo Junqueira conta sobre dois reinos incrustados na África do Sul, Lesoto e Eswatini, destinos pouco conhecidos e de muita cultura

É o único país do mundo com toda a área acima dos mil metros. Ou seja, mais de 80% do território está acima dos 1,8 mil metros de altitude. Além disso, a geografia única do país valeu-lhe o título de ‘Reino no Céu’.

Reino de Eswatíni

Recém-nomeado, o Reino de Eswatíni tem nome de origem indígena, que significa ‘Terra dos Suazi’. Pequeno, é o menor país do hemisfério sul, possui muita cultura, aventura e vida selvagem.

Antiga Suazilândia, Eswatíni é um dos destinos mais subestimados (e menos visitados) da África. Antes demais nada, existe desde meados do século 13. Ademais, é uma das poucas monarquias nativas africanas ainda existentes. Junto com Lesoto e Marrocos.

Dessa forma, minha sugestão é explorar a Grande Reserva de caça Mkhaya, conhecida como ‘Refúgio para espécies ameaçadas’. Em contrapartida, outra opção é partir do histórico santuário de vida selvagem de Mlilwane e seguir pelas trilhas que cruzam planícies e montanhas. Passando por comunidades rurais da Suazi.

Essas reservas têm habitats bem diferentes. Enquanto Mlilwane são montanhas e áreas de pastagem, Mkhaya é uma típica savana espinhosa.

Uma combinação incrível! Reservas naturais, rica cultura Suazi, paisagem diversificada e abundante vida selvagem fazem desse pequeno reino um novo e interessante destino para um safari a cavalo.

Por Paulo Junqueira Arantes
Cavaleiro profissional e Diretor da agência Cavalgadas Brasil
www.cavalgadasbrasil.com.br

Veja outras notícias da editoria Turismo Equestre no portal Cavalus

Comentar com o Facebook

Continue lendo

Cavalgadas Brasil

Cavalgada da Água Boa

Publicado

em

Paulo Junqueira conta sua experiência com a Cavalgada da Água Boa no Rio Grande do Norte

Cavalguei, alguns anos atrás, na região de Tibau do Sul, a Cavalgada da Água Boa. O município fica entre a Lagoa das Guaraíras e o Oceano Atlântico, no Rio Grande do Norte. A hospedagem foi no Hotel Marinas.

Logo depois de me acomodar, fomos para o Haras Água Boa, do amigo Rogério Bivar. Localizado, portanto  a 10 km do hotel e a 4 km do mar. Antes de mais nada, o haras cria cavalos Mangalarga Marchador de marcha picada desde 1999. E são vários os animais premiados em exposições.

Foto: Paula Silva

Cavalgamos nas praias com oportunidade para vários galopes. Assim como nadamos com os cavalos e cavalgamos em noite de lua cheia. Cada dia teve um diferencial de natureza.

A renomada fotógrafa Paula da Silva acompanhou nossa cavalgada. Por consequência, suas fotos da viagem foram publicadas em várias revistas internacionais.

Paulo Junqueira conta sua experiência com a Cavalgada da Água Boa no Rio Grande do Norte, feita alguns anos atrás em companhiade amigos

Não só falésias, como também berçário de tartarugas-marinhas, santuário ecológico. E, inegavelmente, muita praia bonita. Os cavalos muito cômodos, estavam sempre dispostos. Assim sendo, mostraram que a seleção do haras faz diferença.

Paulo Junqueira conta sua experiência com a Cavalgada da Água Boa no Rio Grande do Norte, feita alguns anos atrás em companhiade amigos

Durante os quatro dias de cavalgada, passamos pelas praias de Sagi. A saber, desde a divisa com a Paraíba, Mata Estrela, praia de Baia Formosa, praia de Sibauma, praia do Canto, Chapadão e praia da Pipa.

Paulo Junqueira conta sua experiência com a Cavalgada da Água Boa no Rio Grande do Norte, feita alguns anos atrás em companhiade amigos
Foto: Paula Silva

Na Barra do Cunhau atravessamos a balsa com os cavalos. Nosso destino, então, em algumas noites, foi a famosa Pipa que fica a pouco minutos de Tibau do Sul. Esse, sem dúvida, é um excelente destino de praia para cavalgar no Brasil.

Por Paulo Junqueira Arantes
Cavaleiro profissional e Diretor da agência Cavalgadas Brasil
Crédito da foto de chamada: Paula Silva
www.cavalgadasbrasil.com.br

Veja outras notícias da editoria Turismo Equestre no portal Cavalus

Comentar com o Facebook

Continue lendo

Cavalgadas Brasil

Cavalgadas noturnas – Cavalgada de Lua Cheia

Publicado

em

Paulo Junqueira conta nesse artigo sobre os encantos da Cavalgada da Lua Cheia entre outros passeios; assim como fornece dicas importantes

Cavalgar a noite tem o seu encanto, especialmente em noites claras com lua cheia. Com toda a certeza, existem vários locais que organizam cavalgadas a noite. Eu fiz uma vez a tradicional Cavalgada de Lua Cheia, na Chácara do Rosário, do amigo João Pacheco.

Localizada em Itu/SP, a sede da chácara é um monumento histórico (de 1756), arquitetônico e paisagístico. Assim como possui um grande acervo de peças históricas e móveis de época. Logo após a cavalgada, o sarau na casa fechou a programação com estilo.

Chácara do Rosário – Foto: Cedida

Sempre que possível organizo minha cavalgada na Bahia (região Trancoso/Praia do Espelho/Caraíva) na semana de lua cheia. É uma experiência incrível cavalgar na praia com a lua iluminando o mar que fica com um brilho especial e também a chegada pela praia no rio Caraíva a noite.

Eu tive oportunidade de cavalgar a noite muitas vezes em vários destinos. A maioria foram cavalgadas planejadas, para aproveitar essa sensação de cavalgar confiando nos sentidos do cavalo. Mas tive algumas experiências em cavalgar a noite que não eram previstas, algumas delas ficaram marcadas na minha memória.

Bahia – Foto: Paula Da Silva

Experiências em cavalgadas noturnas

Na região de Calafate, Argentina, sul do continente americano, no verão só fica escuro por volta das 23 horas. Dessa forma, em 2014, quando eu estava pesquisando roteiros com o Esteban Echeverria, dono da Estância Rio Mitre, passamos o dia cruzando montanhas. Quando nos demos conta já eram quase 22 horas.

Se fôssemos retornar pelo caminho ‘normal’ e descer rodeando a montanha, teríamos longo trecho acidentado e perigoso já no escuro. Estávamos no topo de uma montanha muito alta e tomamos a decisão de descer em linha reta.

Com efeito, a vertical era tão forte que tivemos que descer puxando os cavalos. Eram cavalos cruzados crioulos muito fortes e tive que descer aos pulos para não correr o risco de ele vir para cima de mim. Meu joelho até hoje reclama dessa experiência…

Paulo Junqueira conta nesse artigo sobre os encantos da Cavalgada da Lua Cheia entre outras cavalgadas; assim como fornece dicas importantes
Calafate, Argentina

Outra vez, em 2017, levei uma equipe da EPTV Globo fazer uma filmagem de cavalgada na ilha do Marajó. Nosso grupo era composto de um casal francês, uma alemã, o jornalista e o cinegrafista da TV. Nesse dia tínhamos uma travessia longa entre fazendas e devido aos atrasos ocorridos por causa da filmagem, aconteceu de ao cair a noite estarmos ainda longe de nosso destino.

Então, não tivemos outra opção a não ser seguir em frente. Minha preocupação maior foi tranquilizar os estrangeiros que estavam muito receosos com os trechos que atravessamos no escuro com a água na altura da sela. Foi uma aventura imprevista que terminou bem e resultou em uma experiência inesquecível para todos nós.

Ilha do Marajó

Estrada Real

Quando em 2016 percorri toda a Estrada Real (foto de chamada), 1780km, tínhamos um destino para chegar a cada dia. Alguns percursos eram mais difíceis e/ou mais longos. Assim, quando acontecia algum imprevisto, acabávamos tendo que cavalgar a noite. Na sua maioria foram momentos interessantes, cavalgar sob a luz das estrelas ou da lua.

Porém, tivemos uma experiência muito ruim. Foi em um dia de percurso mais longo. No meio do caminho tivemos que parar para trocar uma ferradura. Tive que chamar o carro de apoio, que já estava na cidade do Serro organizando as coisas para nossa chegada. Perdemos um bom tempo com isso e tivemos que cavalgar um longo trecho a noite no acostamento de uma rodovia muito movimentada.

Para não ter problemas nessas cavalgadas

Pegando o exemplo acima, faço algumas sugestões para que sua cavalgada noturna seja algo muito especial e não um problema. Em primeiro lugar, os cavalos ficam mais relaxados do que nós, humanos, quando se trata de uma cavalgada noturna. Eles enxergam muito bem com pouca luz.

Foto: ©️www.slawik.com

Tapetum lucidum é o nome da camada reflexiva responsável pela visão noturna superior do cavalo e de alguns outros animais. Ela é a responsável pelo brilho dos olhos refletidos na luz no escuro. Além disso, os cavalos têm três vezes mais receptores do que os humanos. Então mesmo um estímulo de luz fraco é melhor percebido e o contraste entre a luz e a escuridão é aumentado.

Embora os cavalos enxerguem bem no escuro, é aconselhável acostumá-los aos poucos, antes das primeiras cavalgadas noturnas. Você deve familiarizar seu cavalo com situações diferentes, como por exemplo, faróis de carros vindo em sua direção.

Dicas

  • Os cavalos são animais sensíveis e muitas vezes percebem o estado de espirito do cavaleiro. Surpreendentemente, mais rapidamente do que o próprio cavaleiro. Por isso, é importante que você esteja seguro e tranquilo a fim de não deixar seu cavalo tenso ou com medo.
  • Um colete refletivo é um item que deve ser obrigatório em seus passeios noturnos, mesmo que não esteja numa estrada.
Paulo Junqueira conta nesse artigo sobre os encantos da Cavalgada da Lua Cheia entre outras cavalgadas; assim como fornece dicas importantes
Equipamentos de segurança utilizados em cavalgadas noturnas na Europa – Foto: Alessandra Sarti
  • É útil carregar uma lanterna em caso de emergência, mas lembre-se de que a luz pode assustar seu cavalo. Se você precisar usar sua lanterna, aponte-a para o chão (embora ele também possa se assustar com isso). Use a luz com moderação. Seu cavalo, provavelmente, pode ver melhor sem a luz do que com ela.
  • Cavalgar no escuro também ajuda você a aprender a confiar mais em seu cavalo e a construir um vínculo mais forte, já que ele pode ver a trilha melhor do que você.
  • Sempre que possível, conheça seu caminho: percorra a trilha durante o dia primeiro para ambos se familiarizarem com ela. Lembre-se de que seu cavalo enxerga bem à noite, mas pode não prestar atenção em coisas que são importantes para você, como galhos baixos.
  • Cuidado com animais: a vida selvagem é mais ativa à noite. Esteja ciente de que seu cavalo pode se assustar mais facilmente porque qualquer pequeno animal que se mover por perto pode parecer algo muito maior.

Por fim, seja paciente com seu cavalo. Qualquer nova experiência leva algum tempo para se acostumar e essa vale muito a pena!

Por Paulo Junqueira Arantes
Cavaleiro profissional e Diretor da agência Cavalgadas Brasil
www.cavalgadasbrasil.com.br

Veja outras notícias da editoria Turismo Equestre no portal Cavalus

Comentar com o Facebook

Continue lendo
X
X