Para muitos apaixonados por cavalos e cavalgadas, participar de uma Expedição e percorrer longas distâncias, enfrentando grandes desafios é uma oportunidade de realizar o sonho de uma grande aventura a cavalo!

A partir de 2008 surgiram alguns eventos que apesar de diferentes, tinham propostas semelhantes – o objetivo principal em partilhar uma aventura a cavalo, em que o constante desafio, a resistência, a autodisciplina, a solidariedade, o amor pelos cavalos e o respeito pelo ambiente local são a base.

Em 2010 tive oportunidade de participar num dos trabalhos da ‘Travessia do Continente’, evento pioneiro idealizado e realizado por apaixonados por cavalos, por aventura e pela Patagônia.

Jane Willians, idealizadora da Travessia do Continente. A foto de chamada também é na Travessia do Continente – Patagônia

A travessia cruzou o continente sul americano, partindo de Porto Montt, Chile, na costa do Pacífico até Porto Madryn, Argentina, na costa do Atlântico, num total de 900 quilômetros em 21 dias.

Os 11 participantes percorreram durante três semanas uma média de 45 quilômetros por dia, em oito horas. Cada um recebeu dois cavalos, com os quais fez um revezamento a cada três ou quatro dias. O preço para participar foi de US$ 8.300,00 por pessoa (em 2010) e as vagas esgotaram rápido.

Infelizmente depois de três anos de sucesso, o evento foi descontinuado. Em 2009, foi criado o Mongol Derby, prova de resistência equestre de 1.000 quilômetros considerada a mais radical e exigente do mundo até hoje.

Massae Hayakawa

Em 2014, surgiu Gallops, com a proposta de ser um evento itinerante. É uma combinação de uma grande cavalgada, um Raid desafiador, uma experiência humana e cultural e uma descoberta de paisagens naturais de tirar o fôlego. Mais do que uma aventura equestre, uma aventura humana!

Já em 2015 surgiu The Ride Horseback Expeditions, cujo maior evento é a Expedição Wild Coast, que em dez dias percorre 330 quilômetros da costa sul africana.

O Gallops, que represento no Brasil, reúne 100 cavaleiros e amazonas num Raid semelhante ao Paris-Dakar – organizado em equipes de cinco participantes que percorrem 200 quilômetros divididos em cinco etapas ao longo de seis dias.

Bruna Durães

Depois de Omã em 2014 e Marrocos em 2017, agora em março de 2019 acontece o Gallops India, que contará com a presença inédita de duas brasileiras, a Massae Hayakawa e a Bruna Durães. Trata-se da primeira participação brasileira nessas grandes aventuras equestres!

Elas vão compartilhar essa experiência com mais 100 cavaleiros de todo o mundo, de todas as idades (18 a 70 anos), tanto mulheres como homens de várias origens de equitação (polo, cavalgadas, salto, adestramento).

Antes da América do Sul, só teve uma participante feminina em todos esses eventos, a uruguaia Valeria Ariza. Na semana que vem, escrevo conto detalhes da participação dela e dos eventos Mongol Derby e Expedição Wild Coast.

Por Paulo Junqueira Arantes
www.cavalgadasbrasil.com.br

Escreva um comentário