Uma das ações implementadas visa atrair um número maior de iniciantes à modalidade

Modalidade criada por italianos e franceses, a Equitação de Trabalho tem o objetivo de reunir, numa única competição, cavaleiros montando cavalos de diversas raças para demonstrar o trabalho diário de campo, com obstáculos e situações reais. A competição é composta por quatro etapas distintas, três delas disputadas individualmente – Ensino – Maneabilidade – Velocidade, nas quais o cavaleiro monta sempre o mesmo cavalo. A quarta fase – Prova da Vaca, uma prova semelhante ao Team Penning, somente é disputada nas provas que tenham competições por equipe.

Ana Luiza Faria Coutinho e Universo Imperial

Para 2018, a temporada do Campeonato Brasileiro começou no início de março, com a primeira etapa realizada no Haras das Mangueiras, em Itapira/SP. O tradicional palco da modalidade recebeu 58 conjuntos inscritos nas três provas realizadas dia 3 e organizadas pela Cia de Equitação de Trabalho, que inovou colocando em disputa dois novos produtos: o Campeonato Brasileiro de Tempo Ideal 2018 e a disputa das Cinco Argolas.

“Além das provas completas, que já vêm sendo realizadas desde o ano de 2012, a diretoria da empresa viu necessidade de adaptar a competição para aqueles conjuntos que queiram entrar nas provas, sentir o gosto da disputa e ainda não estejam familiarizados com a modalidade. Desta forma, o resultado já foi gratificante e logo na estreia tivemos 15 conjuntos inscritos nas categorias, que são as mesmas de Nível I do campeonato de provas completas”, contou Ney Messi, fundador da empresa.

Luciano Pereira e Toureiro do TOP

Na prova de Tempo Ideal, os vencedores foram: Camila Roncoletta e Marfin D2 – Amador, Guilherme Henrique e Sabrina Iguatemi – Cavalos Novos A, Valdir Gimenes e Yankee – Aspirantes (todos montando Mangalarga Marchadores) e Ana Luiza Faria Coutinho e Universo Imperial – Aberta Amadores (Puro Sangue Lusitano).

Mostrada ao público pela primeira vez, a disputa das Cinco Argolas – uma espécie de desafio para os craques do obstáculo bônus, característico da Equitação de Trabalho – chamou bastante atenção. O objetivo da prova é coletar as cinco argolas colocadas no croqui no menor tempo possível. Já na largada a amazona Stella Pereira montando Toureiro do TOP fizeram bonito e conseguiram coletar todas as argolas o que lhes garantiu a vitória na categoria Amador. Na sequência, Gabriel Elmor Tavares e Destino das Mangueiras venceram a categoria Mirim, com Luis Henrique Pereira e Burbon do TOP, campeões na categoria Aberta.

Luis Henrique Pereira e Burbon do TOP

Depois de toda essa agitação, as provas completas foram para a pista e seus campeões revelados: Matheus Sabadini de Oliveira e Aida do Retiro – Aberta Jovens Cavaleiros; Gabriel Elmor Tavares e Destino das Mangueiras – Mirim; Sergio Antunes de Oliveira e Fronteiro Interagro – Cavalos Novos B; Anderson Leite de Moraes e Incalto – Aberta Amadores; Edmar Brito e Incrível Interagro – Cavalos Novos A; Luciano Pereira e Toureiro do TOP – Principal. Para o ranking exclusivo da ABCCMM, venceram representando a raça Mangalarga Marchador, Ricardo Bacellar e Astro V8.

Ricardo Bacellar e Astro V8

Foi anunciada durante a etapa a fundação da Associação Brasileira de Equitação de Trabalho – ABET, visando a expansão da modalidade a todo o território nacional e abrangendo todas as raças de cavalos. Para o ano que vem, já estão desenhando campeonatos regionais em Brasília, Belo Horizonte, Goiânia e Londrina (já confirmados). A presidência da ABET ficará a cargo de Ney Messi. A próxima etapa do Campeonato Brasileiro acontecerá no dia 26 de maio, ainda sem local definido.

Por Equipe Cavalus
Colaboração: Cia de Equitação de Trabalho
Fotos: Ney Messi

Escreva um comentário