Como qualquer outro animal, o cavalo necessita de um ambiente favorável e uma alimentação adequada

Só dessa forma, poderá ter um bom desempenho em sua vida de atleta. Os programas de alimentação para equinos variam de acordo com a idade, categoria (e não sexo) e atividade que será destinado. Um cavalo bem nutrido, além de apresentar boa saúde, fertilidade e longevidade, desempenhará melhor sua função.

Muitos criadores têm dificuldades para acertar o tipo de ração, principalmente, pelas suas exigências energéticas. Antes de tudo, é importante que o proprietário do haras, da fazenda, enfim do estabelecimento, tenha sempre uma assistência de um veterinário ou de um zootecnista, para que este profissional indique a melhor dieta.

É importante saber quais as atividades que este animal irá praticar e medir sua intensidade e o tempo do exercício físico, para que seja prescrita uma dieta ideal. Uma alimentação balanceada, água limpa à vontade e volumoso de qualidade são essenciais para o animal dispor de uma boa performance. A água disponível em cocho limpo é fundamental para manter o equilíbrio hídrico e eletrolítico do atleta, pois há uma grande perda de minerais pelo suor, especialmente do cloro, sódio e potássio.

Por ser considerado um herbívoro, é preciso que o cavalo se alimente com um volumoso de boa procedência. Seja o capim verde ou o feno (de Tifton, Coast-Cross, Jigss e Alfafa), para que sua flora intestinal tenha uma digestão favorável. Estima-se que o animal deva ingerir no mínimo 1,5% de seu peso corporal em volumoso. Quanto à indicação de concentrado, a quantidade pode variar entre 0,5 a 1,5% do peso vivo, dependendo da intensidade do exercício físico.

O funcionamento da flora intestinal é fundamental para o desempenho do animal. Não adianta o criador gastar fortunas com alimentação se esta não for absorvida pelo seu aparelho digestivo. Muitas vezes, o animal come mais do que o necessário para engordar e não consegue ganhar peso. Por que será? Porque a flora intestinal não está absorvendo o alimento de forma adequada. É simples o entendimento.

A matéria prima utilizada para a fabricação das rações tem que ser de boa qualidade, para que possam ser devidamente digeridas e absorvidas pelo organismo. Além disso, a presença da fibra longa, ou seja, o volumoso – como feno de alfafa e/ou o feno de gramínea ou até mesmo a gramínea in natura (capim verde) – é essencial para o funcionamento adequado do sistema digestivo.

Mudança de ração

Este é um assunto que necessita de muita cautela, pois temos que adaptar a flora intestinal aos ingredientes contidos na nova ração a ser fornecida. Depois da avaliação do veterinário, a troca do alimento deve ser realizada gradativamente. Ou seja, na mudança, ofereça uma quantidade de ração antiga junto com a nova. Aos poucos, o animal vai se adaptando e o profissional avalia constantemente a evolução desta nutrição. O recomendado é realizar a mistura dos produtos no mínimo cinco dias para depois iniciar o fornecimento de 100% do novo produto.

Há diversas dietas e rações industriais formuladas para atender as necessidades dos cavalos atletas, principalmente, os participantes de provas de explosão, que necessitam de fontes energéticas de rápido aproveitamento. Cavalos que participam de provas como Três Tambores, Seis Balizas, Maneabilidade e Velocidade, entre outras modalidades.  São rações com multipartículas, com alta digestibilidade e palatabilidade. São formuladas com proteína, energia digestível, com inclusão de óleo vegetal, minerais orgânicos (cromo, zinco, cobre e selênio), vitaminas (A, D, E e C), biotina (fortalecimento dos cascos), prebiótico, probiótico e aminoácidos essenciais como a lisina.

Para aqueles animais que serão submetidos ao máximo de seu condicionamento físico, há no mercado concentrados ‘extrusados’ energético, que proporcionam rápida liberação de energia, alta digestibilidade e palatabilidade. Por conterem carboidratos, óleo vegetal e melaço conferem uma interação perfeita na disponibilidade do equilíbrio energético.

Como qualquer ser, uma dieta equilibrada é a condição básica para uma boa saúde, fertilidade e longevidade do equino, além de ser o principal combustível dos cavalos atletas. É preciso respeitar seus limites, seus horários e hábitos. Evitar ao máximo as causas de estresse que possam influenciar negativamente em sua criação e evolução.

O ser humano é seu aliado. É o criador que sabe realmente onde estão os pontos positivos e negativos de uma criação, visando sempre à melhoria do ambiente e, consequentemente, o bom desenvolvimento e a boa performance do cavalo atleta.

Por Claudia Ceola
Médica veterinária e supervisora técnica de equinos da Guabi Nutrição e Saúde Animal
Foto: wisconsinhorse

Escreva um comentário