As lesões do ‘joelho anatômico’ dos equinos podem comprometer o desempenho esportivo dos animais e acontecem com frequência em equinos iniciantes nas pistas

O joelho anatômico dos equinos, representado pela articulação fêmuro-tíbio-patelar, é a maior e mais complexa articulação do cavalo. E as lesões a ela relacionadas são uma causa importante das claudicações do membro pélvico.

Ele é composto de quatro ossos (fêmur, patela, tíbia e fíbula), duas articulações com grande mobilidade (fêmuro-patelar e fêmuro-tibial) e uma articulação sinovial com mínima mobilidade (tíbio-fibular), meniscos, treze ligamentos e alguns músculos que dão a sustentação e a propulsão para este complexo aparato suspensor.

joelhos em equinos

Foto 1 – Compartimentos Articulares

Como em qualquer articulação, as lesões no joelho podem ser separadas em lesões nos tecidos moles (ligamento, menisco…).

E lesões ósseas, sendo que em ambas as causas podem ser por esforço, por trauma, por infecção, por malformações congênitas ou por processos degenerativos.

Resumidamente, as principais afecções relacionadas a esta articulação estão relacionadas com a Osteocondrose, que é um defeito na calcificação endocondral decorrente de fatores genéticos.

joelhos em equinos

Foto 2 – Fragmento óssio característico de OCD

Lesão cística subcondral: mais comum no côndilo medial do fêmur; geralmente de origem congênita.

1) Fixação patológica da patela: fixação da patela no ligamento patela medial, mais comum em animais adultos;

2) Lesão dos meniscos e seus ligamentos: mais afetado é o menisco medial; não é uma afecção tão comum nos equinos;

3) Lesões dos ligamentos colaterais: a maioria é de origem traumática;

4) Fraturas: mais comum em potros e de origem traumática;

5) Artrite: inflamação articular com mais frequência nos cavalos atletas.

Os equinos com algum tipo de comprometimento nesta articulação apresentam como principal sintomatologia a claudicação que vai variar com a gravidade do problema. Atrofia da musculatura glútea do lado afetado e o desgaste anormal das pinças também podem ser características da afecção.

Na palpação podem ser sentidos uma distensão e espessamento da capsula articular femoropatelar. O diagnóstico dos problemas de joelho nos equinos se torna bem difícil devido à complexidade anatômica e funcional desta articulação.

É essencial ter uma história completa incluindo informações sobre o problema atual, problemas clínicos anteriores e tipo e intensidade da atividade física desenvolvida pelo animal. Um cuidadoso exame clínico, incluindo inspeção, palpação e testes de flexão, é fundamental.

Os bloqueios anestésicos são de grande valia para localizar o foco da afecção. Os exames radiográficos são uma ferramenta importante para diagnosticar as lesões ósseas relacionadas à esta articulação, ainda mais com o surgimento da radiografia digital que melhorou muito a qualidade da imagem. Outra importante ferramenta diagnóstica é a ultrassonografia que auxilia identificar as lesões nos tecidos moles.

Ainda se faz necessário grandes avanços na medicina veterinária no Brasil, para termos diagnósticos mais precisos com a implementação da cintilografia e principalmente da ressonância magnética. O tratamento das lesões obviamente vai variar com a causa do problema e pode ir desde um simples repouso até uma intervenção cirúrgica.

Considerando a osteoartrite como um dos principais problemas relacionados com o cavalo atleta, o seu tratamento requer a realização de infiltrações articulares com o uso de corticosteróides e ácido hialurônico concomitante com o uso de condroprotetores injetáveis.

Novas terapias para a osteoartrite visando minimizar a inflamação e o catabolismo da cartilagem articular como a administração de antagonistas dos receptores da interleucina 1 e a terapia com genes transferidos por adenovirus têm sido testados com resultados promissores.

As afecções do joelho não são muito frequentes em equinos, mas quando ocorrem causam manqueiras e podem resultar no comprometimento definitivo da capacidade esportiva. O diagnóstico preciso e o tratamento apropriado é fundamental para maximizar as chances de recuperação.

O veterinário precisa ter bom conhecimento da anatomia e fisiopatologia do joelho para avaliar os resultados dos exames diagnósticos a fim de instituir o tratamento adequado para cada afecção

Por Dr. Alfredo Poci Ferri e Dr. Paulo Eduardo L. Pacheco
Fonte: Editora Passos

Escreva um comentário