O problema é que na maioria das vezes estas tentativas estão relacionadas com violência, submissão e coação

Animal levantando a cabeça

Agir dessa forma aumenta ainda mais o medo e o trauma dos animais acometidos por este problema. Assim, toda vez que uma pessoa levantar a mão em sua direção, o cavalo se lembrará da violência sofrida e irá ativar seu instinto de preservação, tentando fugir.

Mas o problema é maior quando o animal deixa de pensar em fugir e se defende atacando: empinando, dando manotada, mordida e às vezes pode até machucar pessoas ao balançar a cabeça. Um cavalo traumatizado sempre é perigoso para que tenha que lidar com ele.

A técnica descrita aqui se baseia no princípio de exercer pressão em resposta a atitudes negativas. E aliviar a pressão quando o animal responde positivamente. Inicialmente tentamos colocar a mão nas orelhas. Sendo que em geral o cavalo em correção para este problema não irá permiti-lo. Pois tem um histórico de não deixar colocar cabresto, cabeçada e muito menos deixar tosar os pelos das orelhas ou curá-las.

Além da violência, outros motivos que podem ocasionar o trauma são quando aparecem fungos, verrugas e feridas que causam grande desconforto e dor. Tudo isto pode se tornar um problema tão sério que o manejo dos cavalos fica muito dificultado, e seu valor comercial chega a cair.

Técnica passo-a-passo:

  1. Deve-se ter paciência e persistência, repetindo-se a técnica quantas vezes forem necessárias até que o problema acabe.
  2. Depois de uma tentativa frustrada de manipular as orelhas, colocar uma corda em uma das quartelas dianteiras do animal, passando-a por cima da cernelha em direção ao outro lado, depois entre os braços (encontro ou axilas), e retornando por cima da cernelha.
  3. Erguer a mão escolhida e amarrar firmemente.
  4. Novamente tentar levar as mãos até as orelhas do cavalo, e quando ele negar, fazê-lo trabalhar na guia em círculos, apenas com três membros tocando o solo, o que se torna extremamente difícil para ele. Não se deve usar de violência. A ideia é mostrar ao animal que sua reação indesejada causa um reforço negativo da parte do treinador.
  5. Chega o momento em que o animal vai começar a ceder e cooperar, deixando-se tocar, estando em pé, ajoelhado ou deitado, dependendo da intensidade do trauma. É aí que chega a hora da pessoa dar o reforço positivo para esta atitude positiva. A partir desse momento tenha movimentos suaves e sutis, faça carinho e massageie, mostre para o animal que não há motivos para ter medo e com a sequência da técnica ele se deixará tocar sem a necessidade da corda.

Por Leonardo Feitosa
Fonte: Editora Passos

3 Comentários

  1. I’d need to test with you here. Which is not one thing I normally do! I get pleasure from studying a put up that may make people think. Additionally, thanks for permitting me to remark!

  2. This is the suitable blog for anybody who wants to search out out about this topic. You realize so much its virtually hard to argue with you (not that I truly would need…HaHa). You undoubtedly put a brand new spin on a subject thats been written about for years. Nice stuff, simply great!

  3. I know top Blog professionals would really like your blog. You have a good head on your shoulders. You always know just what to say. I truly appreciate this page. Neat post.

Escreva um comentário