Saúde Animal

Habronemose reduz o valor comercial do cavalo

E impacta negativamente no bem-estar desse animal

O valor comercial dos cavalos pode diminuir em até 30% quando há registro de habronemose cutânea equina, de acordo com observações feitas no campo. Essa doença – também conhecida como ‘ferida de verão’ – prejudica o bem-estar dos animais. E ainda, impede que eles participem de provas. Sobretudo, se não controlada de forma rigorosa, pode causar uma rápida disseminação nos haras ou fazendas.

Portanto, o causador dessa enfermidade é o Habronema sp, verme presente no estômago dos cavalos, que é eliminado pelas fezes, sobre as quais pousam moscas. As moscas carregam o verme até pequenas lesões na pele do animal. De acordo com especialistas, quando o verme carregado pelas moscas entra em contato com pequenas feridas de pele, há uma reação local que leva à formação de grandes feridas que não fecham.

Inclusive esse é o principal relato de quem cria cavalos e que já teve problemas com habronemose. Essas feridas coçam e atraem cada vez mais moscas, causando grande mal-estar aos cavalos. Assim sendo, os equinos enfrentam constantes desafios ambientais. Por isso, é comum sofrer lesões.

Acima de tudo, esses pequenos ferimentos podem ser a porta para doenças mais importantes, como a habronemose. Em primeiro lugar, o ‘start’ para impedir o problema é vermifugar periodicamente todos os animais da propriedade, quebrando o ciclo do parasita.

Controle

Todos os animais da tropa devem ser vermifugados, para que o causador da habronemose seja eliminado do ambiente, impedindo a recorrência da doença. Além disso, cavalos recém-chegados devem passar por quarentena e receberem o produto antes de ingressar na tropa.

Também é preciso dar atenção especial à higiene do ambiente, limpando as baias duas vezes ao dia. O esterco retirado deve ir direto para as esterqueiras que, quando usadas corretamente, são capazes de matar os ovos e larvas das moscas.

Para tratamento da habronemose é necessário tratar a ferida com cuidado. Alguns medicamentos já existentes no mercado veterinário fazem esse controle. Como resultado, seguindo esse protocolo e os cuidados citados anteriormente, o criador evita que a doença se torne crônica, garantindo a performance e aumentando o bem-estar dos cavalos.

Colaboração: Baity Leal | gerente da linha produtos para equinos da Ceva Saúde Animal, médica veterinária e mestre pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Fonte: Assessoria de Imprensa
Crédito da foto: Divulgação AQHA/Cindy Miller

Veja mais artigos de Saúde Animal no portal Cavalus