O desmame é um período de transição muito crítico

Realizado, normalmente, no quinto ou sexto mês de vida, o desmame é um período crítico, pois a separação da mãe é sempre muito estressante para o animal. Este estresse promove um aumento na concentração plasmática do cortisol e diminui a resposta imune do potro por até 40 horas.

Além de diminuir o consumo alimentar, o que aumenta muito a susceptibilidade a doenças infecciosas (diarreias, pneumonias, etc) e úlceras gástricas. Ou seja, o estresse acaba sendo fisiológico no animal nesta fase, deixando-o muito mais vulnerável às doenças. Por isso é fundamental que as mudanças no manejo neste período sejam as menores possíveis para diminuir ainda mais estas tendências.

O desmame mais adequado é aquele em que são retiradas as éguas do lote, uma de cada vez, restando apenas os potros. Desta forma, o estresse é muito menor e o potro acaba sentindo a falta da mãe apenas nos três primeiros dias.

Além disso, recomenda-se iniciar o fornecimento da ração desde a fase de amamentação e não prender os potros nesta fase em hipótese alguma. Eles estão acostumados a viver sempre soltos com outros animais, quando se veem sozinhos – sem a mãe e outros animais – ficam extremamente estressados.

É possível, portanto, que apresentem maior tendência a se machucar e desenvolver doenças. O desmame não é recomendado em cocheira mesmo quando feito em lotes, pois o estresse ocasionado sempre é maior que o realizado ao pasto.

É normal neste período que os potros percam peso e/ou estacionem em altura, porque o próprio estresse promove perda de apetite e diminui a taxa de crescimento. Mas, logo após 20 a 30 dias, inicia-se a fase de ganho de peso compensatório, em que o animal retorna seu crescimento normalmente.

Um erro neste período que é aumentar a ração para melhorar este estado ou iniciar o fornecimento de ração somente após o desmame – o aumento da ração, juntamente com o ganho de peso compensatório, pode aumentar as chances do aparecimento de Doenças Ortopédicas do Desenvolvimento (Fisite, OCD).

Desta forma, é importante a adaptação do animal e o fornecimento gradual da ração desde novo para que atinja a idade do desmame com um peso ideal e não comprometer seu desenvolvimento.

A ração comercial deve continuar contendo em torno de 17 a 20% de Proteína Bruta, 3.400 Kcal/ Kg de Energia Digestível, Lisina, vitaminas e minerais (Cálcio e Fósforo – 2:1). O fornecimento neste período varia em torno 0,8 a 1% do peso vivo ao dia, devendo ser aumentado gradativamente de forma que aos 12 meses de idade atinja de 1 a 1,2% do peso vivo ao dia de ração.

É muito importante enfatizar que neste período de vida os potros não devem apresentar excesso de peso, pois isso prejudica as articulações.

O excesso de energia na dieta destes animais acelera a taxa de crescimento, o que ocasiona Doenças Ortopédicas do Desenvolvimento. Aqueles que apresentarem distúrbios ortopédicos, bem como possuírem uma taxa de crescimento muito acelerada, devem receber metade da recomendação diária de ração. Ou, em casos graves, não serem suplementados até minimizarem os problemas.

O pasto verde e de qualidade é essencial neste período, mas deve-se ter cautela na utilização da alfafa – é recomenda após os 10 meses de idade -, antes disso, favorece o aparecimento das DOD.

O sal mineral é indicado em torno de 30 gramas por animal por dia e é indispensável neste período, para que o cumprimento das exigências minerais especificadas a esta categoria seja alcançado.

O uso de probióticos na fase do desmame também é indicado, uma vez que irá auxiliar na digestão e aproveitamento do volumoso.

POTRO SOBREANO

A taxa de crescimento a partir dos 12 meses de idade diminui consideravelmente, o que significa que a concentração dos nutrientes exigidos no programa alimentar destes animais seja menor, por isso, o índice de distúrbios ortopédicos (DOD) são mais baixos.

A partir desta idade, os animais conseguem ter maior aproveitamento e absorção dos nutrientes oriundos das fibras do capim, pois o funcionamento da câmara de fermentação (ceco) é maior do que as dos animais desmamados.

Nesta fase a porção volumosa da dieta é maior. Os potros devem ficar em pastagens de boa qualidade e podem também receber feno de alfafa.

A ração comercial ainda precisa ser específica para potros até que os animais completem 24 meses, sendo fornecida de 1,2 a 1,5% do peso vivo por dia, dividido em dois ou três tratos. O sal mineral é recomendado na quantidade de 40 gramas por animal por dia.

Por Cláudia Ceola
Médica Veterinária – Supervisora Técnica de Equinos Guabi Nutrição Animal
Foto: Tau Zero

 

Foto: Cedida

Escreva um comentário