Saúde Animal

O corpo do cavalo fala – comportamento animal

Perceber os sinais te ajuda a entender as atitudes para que possa adotar um manejo de segurança

Publicado

⠀em

Uma visão prática e simples da avaliação de um cavalo. Avaliação que serve não apenas para o esporte, como também o lazer. De tal sorte que evidencia sua conformação, seu equilíbrio e suas proporções.

Por isso, antes de entrarmos no assunto propriamente dito, devemos ter sempre em mente a segurança. Quer seja para quem vai manejar os cavalos, que seja para os animais. Premissa, sobretudo, que evita acidentes e outros sérios prejuízos.

Entender sobre comportamento animal colocará luz nas atitudes do seu cavalo. Suas reações e sinais emitidos. Desse modo, implementaremos um bom manejo com total segurança.

Perceber os sinais do corpo do cavalo ajuda-nos a entender as atitudes para que possamos adotar um manejo de segurança no trato com eles

O que é comportamento animal?

Basicamente, o comportamento animal é a forma como um animal reage ao ambiente que o cerca e as suas condições fisiológicas. Comportamentos, simples ou complexos, são resultados da resposta do cavalo a um estímulo.

Visto que o estimulo é uma mudança em algum aspecto do ambiente ou uma mudança que ocorre dentro do animal. Portanto, quando o comportamento não é aprendido nem modificado pela experiência, ele é considerado instintivo.

Duas reações são bem importantes, entre tantas outras: fuga e defesa. A saber, a reação de ansiedade/medo faz parte de um sistema de comportamento defensivo. Construído pela evolução para enfrentar perigos.

A fórmula mais conhecida de resposta é a luta ou a fuga. Como resultado, são divididas em quatro direções básicas de respostas comportamentais:

  • Agressão (mostra-se perigoso, atacar ou revidar);
  • Bater em retirada (evitando o perigo, fugindo);
  • Imobilização (paralisar-se quando fugir é inviável);
  • Desfalecimento (submissão /pacificação para não sentir dor).

Cuidados para se tomar com o cavalo

Dessa forma, por mais que se considere um animal manso e bem manejado, nunca é demasiado o cuidado na abordagem. Sempre se faz necessário preveni-los de nossa chegada, falando calmamente evitando surpreendê-los, evitando gestos bruscos e gritos.

Exemplos:

  • Abordando um cavalo preso – chamá-lo pelo nome ou com uma expressão amigável sem nunca ficarmos atrás dele.  Em segundo lugar, não se deixe apertar contra a baia ou parede;
  • Abrir a porta da baia sempre devagar e ao entrar. Além disso, dirigir a cabeça não deixando chance de nos encurralar em um canto;
  • Abordar um cavalo solto – se dirigir calmamente para o cavalo. Ao mesmo tempo, quando estivermos muito próximos, falar e estender a mão baixa para que ele cheire. Ou lhe dar algum alimento que lhe agrade. Convém, eventualmente, aproximar-se pelo lado procurando passar o braço ou uma corda a volta do pescoço. Em seguida, colocar o cabresto. Nunca correr atrás dele, o que dificultará muito a sua contensão.
Perceber os sinais do corpo do cavalo ajuda-nos a entender as atitudes para que possamos adotar um manejo de segurança no trato com eles

O corpo do cavalo fala

Você já olhou para seu cavalo? É preciso ler o cavalo prestando atenção aos sinais que ele nos dá com seu corpo, com seu olhar, com seus sons, sua respiração, nos seus movimentos, em tudo.

Do mesmo modo, o cavalo está a todo instante enviando sinais claros e precisos, sinais que demonstram o que passa pela sua cabeça, nos permitindo saber o que está acontecendo com ele.

São três os sinais de linguagens corporais distintas:

  • Repressão – animais corajosos e dominadores colocando o corpo na frente impedindo nosso avanço;
  • Empurrão – com o ombro (Escápula ou Paleta) é uma forma violenta de dominação do tipo ‘chega para lá’;
  • Apresentação da traseira – demonstra que vai escoicear.

Um dos sinais de comunicação mais utilizado e fácil de ser observado é o transmitido palas orelhas. Só para ilustrar, as orelhas mostram sempre onde está direcionada a atenção do cavalo. Conforme sua posição, então, vai mostrar seu ânimo e sua intenção.

Exemplos:

  • Inclinação aguda para frente indica tensão, curiosidade ou atenção;
  • Caídas para o lado indica cansaço, relaxamento ou alguma patologia;
  • Voltadas para traz abaixadas indica animosidade, violência, perigo.

O importante é ter conhecimento dessa noção básica do comportamento dos cavalos. Assim sendo, preste atenção nos sinais e, antes de mais nada, tenha uma excelente convivência, aproveitando a sua utilização com harmonia.

Por Roger Clark
Médico Veterinário, Juiz e Inspetor Zootécnico ABQM e ABC PAINT | Consultor em Comportamento e Bem-Estar Animal
Crédito das fotos: Divulgação/Pixabay

Veja mais artigos de Saúde Animal no portal Cavalus

Saúde Animal

Quais os impactos do esparavão ósseo para os equinos?

Patologia afeta as articulações dos equinos impactando o bem-estar animal e gerando queda no desempenho

Publicado

⠀em

Cavalos atletas costumam demandar cuidados constantes com o aparelho locomotor. Afinal, a região – composta por ossos, músculos, articulações e cascos – está sujeita a uma série de lesões. Isso por conta do esforço e dos movimentos exigidos para execução das atividades esportivas.

Entre algumas das patologias que podem atingir esses animais, está o Esparavão Ósseo. Sobretudo, a doença afeta a articulação tarso-metatarsiana dos membros dos equinos, causando desconforto, dor e, consequentemente, queda no desempenho do animal.

Além disso, é caracterizada por um processo de degeneração crônica que afeta a cartilagem, juntamente com os tecidos que compõem a articulação do equino. Portanto, a doença é considerada bastante dolorida, sendo mais frequente em animais adultos.

Causa e diagnóstico

Uma das principais causas para o surgimento da patologia é o estresse mecânico e repetitivo sobre a articulação do jarrete ou a carga excessiva de exercício.

Como resultado, os animais afetados pela doença apresentam claudicação leve e progressiva, que pode ser unilateral ou bilateral. Em alguns casos a lesão evolui para a perda total da cartilagem. Sendo possível, aliás, observar maior nível de estresse e resistência do equino para realizar exercícios comuns à sua rotina.

O cavalo com uma lesão na região locomotora apresenta sinais clássicos, sendo o principal a redução de performance. O criador, tratador, quem está na rotina do animal, precisa ficar em alerta em qualquer mudança no comportamento do animal, já que a dor em alguns casos não é evidente.

Para o diagnóstico da lesão é necessário a realização de anamnese, avaliação clínica do sistema locomotor, incluindo inspeção das articulações, e a realização de exames de imagem, como raio X, ultrassom e ressonância magnética, que serão responsáveis por identificar qual o tipo e grau da lesão apresentada pelo equino.

O tratamento do esparavão ósseo está diretamente associado a gravidade das lesões apresentadas pelo cavalo. Podendo englobar repouso, ferraduras corretivas, fisioterapia e uso de medicamentos.

Fonte: Assessoria de Imprensa/Ceva Saúde Animal
Crédito da foto: Divulgação/Ceva Saúde Animal

Veja mais artigos de Saúde Animal no portal Cavalus

Continue lendo

Saúde Animal

Eletro-Acupuntura no tratamento de equinos

O uso do equipamento trata, entre outros, da Paralisia de Nervo Radial

Publicado

⠀em

Dentre os nervos do plexo braquial dos equinos, o radial tem seu papel de destaque. Portanto, sua origem é entre o espaço intervertebral C7 e T1 do plexo. O nervo radial se divide em dois ramos. Um ramo profundo, que inerva o músculo ulnar lateral e músculo extensor digital do carpo. Por outro lado, um ramo superficial que segue, em direção lateral, entre a cabeça lateral do músculo tríceps braquial e o músculo extensor radial do carpo. E inerva o músculo tríceps braquial, tensor da fáscia do antebraço e o ancôneo.

A claudicação em equinos decorrente da paralisia do nervo radial, tem baixa ocorrência e se manifesta através da incapacidade do animal em estender o cotovelo, carpo e dígito. Eventualmente, esta alteração ocorre secundária a uma lesão na raiz nervosa por trauma, queda ou compressão. De tal forma que é comum em animais que permanecem em decúbito lateral prolongado, acima de 280 minutos. Como resultado desta compressão do nervo radial, há uma alteração postural, transitória ou permanente.

Há uma variedade de tratamentos das paralisias de nervo. Antes de tudo, a escolha entre um ou outro depende da etiopatogenia e sinais clínicos de cada caso. Há opção do uso de antibióticos, anti-inflamatórios, complexos vitamínicos, procedimentos fisioterápicos, acupuntura, repouso prolongado.

Tratamento dos equinos via medicina chinesa

Pela medicina tradicional chinesa, a paralisia de nervo radial é caracterizada por uma estagnação de Qi. Dentre as estratégias de tratamento, deve-se ativar o fluxo de sangue e relaxar os músculos e tendões. Além disso, deve-se revigorar os meridianos envolvidos na paralisia. Quando temos uma paralisia de nervo radial, como visto anteriormente, temos a inativação dos músculos do cotovelo, carpo e dígitos. Assim sendo, o tratamento atua nos meridianos que envolvem essa região: Triplo Aquecedor, Intestino Delgado e Intestino Grosso.

Eletro-Acupuntura no tratamento de equinos via medicina chinesa. O uso do equipamento trata, entre outros, da Paralisia de Nervo Radial
Crédito da foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

Estudo de caso

A seguir, relato um caso de um equino com paralisia de nervo radial, tratado com eletro-acupuntura. O animal em questão era uma égua, da raça árabe, alojada no Hospital Veterinário de Grandes Animais da Universidade de Brasília (UNB). Encaminhada para o tratamento com acupuntura, pois tinha uma paralisia de nervo radial decorrente de decúbito lateral prolongado durante um procedimento cirúrgico. O animal em questão apresentava muita dificuldade de locomoção e de apoio com o membro anterior direito.

Assim, antes do início do tratamento com acupuntura, o animal apresentou piora no estado geral. Desenvolveu, portanto, um quadro de miosite. Entre os sintomas: dor generalizada, dificuldade em ficar de pé. Recebia tratamento à base de anti-inflamatórios, analgésicos e fluidoterapia. Dessa forma, iniciamos o tratamento basicamente para melhora do estado geral da égua, restabelecendo o livre fluxo de Qi pelo corpo. Usamos as técnicas de agulhamento seco e farmacopuntura, com injeção de vitamina B12 nos respectivos pontos.

Logo após duas sessões, o animal apresentou menos dor. Com um quadro estável, o tratamento com eletro-acupuntura para a paralisia de nervo. Portanto, estabelecemos um tratamento utilizando os pontos de acupuntura que circundavam a inervação.

Utilizou-se uma frequência de 10Hz-100Hz, em uma corrente densa-dispersa, durante 20min. Pontos utilizados: ID10-VB21, TA15-B13, TA 9-TA5, IG4-IG11. Logo após a primeira sessão com o eletro, notamos nítida melhora da locomoção. Nesse ínterim, depois de mais duas sessões, a égua recebe alta.

Conclui-se que a utilização da eletro-acupuntura no tratamento da paralisia de nervo radial em equinos consiste em uma boa alternativa terapêutica. É um procedimento sem efeitos colaterais, pouco invasivo e pouco traumático ao animal.

Por Letícia Viana Valle Vieira | Médica Veterinária | @leticiavvvieira
Crédito da foto de chamada: Divulgação/The Horse

Veja mais artigos de Saúde Animal no portal Cavalus

Continue lendo

Saúde Animal

Estereotipias em equinos: estresse, confinamento e deficiência nutricional

Essas, em especial, são as principais causas desse mal

Publicado

⠀em

Comportamentos estranhos apresentados pelos equinos são sinais, entre outros, de estresse ou falta de alimentos adequados. É extremamente importante atenção a estes comportamentos a fim de reestabelecer a saúde e o bem-estar desses animais.

Antes de da domesticação, os cavalos eram animais selvagens. Assim, aproveitavam sua liberdade, desfrutando de áreas extensas para se exercitar à vontade. Com o tempo, o ser humano modificou essa rotina. E os equinos se tornaram animais domésticos. Mas que ainda precisam de algumas de suas necessidades naturais para evitar as estereotipias.

 O que são as estereotipias em equinos

Estereotipias são comportamentos estranhos do animal. Antes de mais nada, demonstram que algo está errado. Causas prováveis: estresse, confinamento e até mesmo a nutrição. Por isso, é muito importante que o cavalo descanse em intervalos consideráveis. Procure sempre tirá-lo do confinamento. Deixe-o ao ar livre e em movimento. Dessa forma os equinos fazem contato com outros cavalos e com humanos. E não esqueça de tomar muito cuidado com o manejo nutricional do animal.

 As estereotipias mais comuns são: mastigar madeira, aerofagia (engolir ar), andar em círculos. Assim como ingestão da cauda ou crina, bater os pés, sacudir a cabeça. E ainda comer terra ou as próprias fezes (coprofagia). Normalmente, esses comportamentos são repetitivos e identificados rapidamente. Fica claro que há a necessidade de mudar o tratamento que o cavalo recebe, já que cada um deles pode ter uma causa diferente.

Estereotipias em equinos: estresse, confinamento e deficiência nutricional. Essas, em especial, são as principais causas desse mal

Causas

  • Aerofagia: este vício caracteriza-se pelo ato do animal ‘engolir ar’, utilizando alguma superfície sólida (porta da baia, cochos, entre outras), ocasionando o desgaste excessivo dos dentes incisivos. É mais comum a ocorrência em animais nervosos e hiperativos.
  • Andar em círculos: o confinamento é a principal causa desse comportamento. Isso demonstra que o animal precisa de espaço livre para se exercitar e sentir a liberdade que tem por natureza. É indicado deixar que o cavalo tenha seus momentos livres em um piquete.
  • Bater os pés: esse comportamento pode ser causado pelo confinamento ou a antecipação da alimentação. Esse movimento pode causar desnivelamento do piso da cocheira e até mesmo o desgaste desigual das ferraduras.
  • Sacudir a cabeça: é normal que o cavalo tenha esse comportamento para espantar insetos, porém se o movimento se tornar repetitivo durante um exercício físico ou trabalho, é importante verificar se não há afecções de ouvido ou da área nasal.
  • Mastigar madeira: as principais causas são tédio, estresse e deficiência nutricional e pode ocorrer por falta de minerais ou utilização de um único volumoso.
  • Comer terra ou as próprias fezes (coprofagia): em potros de duas a cinco semanas, a coprofagia pode ser considerada um comportamento normal, já que auxilia na formação da microbiota intestinal. Agora, se ocorrer com animais adultos a situação se torna preocupante, porque pode causar doenças e cólicas. Esse ato é o resultado de uma alimentação com pouco sal ou de um volumoso com baixa qualidade. Essa deficiência nutricional da falta de sal mineral é considerada grave, já que os minerais exercem várias funções metabólicas no organismo animal.

Por: Luzilene Araujo de Souza, técnica de equinos da Guabi
Fonte: Assessoria de Imprensa
Crédito das fotos: Divulgação/The Horse e Equisearch

Veja mais artigos de Saúde Animal no portal Cavalus

Continue lendo
X
X