A doença é conhecida por diversos termos, como: paralisia, ‘typing up’, azotúria, doença da segunda-feira, miosite por exercício, mioglobinúria paralítica

É uma enfermidade que acomete principalmente equinos que ficaram por longos períodos sem exercer atividades físicas, não estando excluída de atingir também cavalos realizem exercício excessivo. Alguns cavalos que são submetidos a atividade prolongada ou exaustiva sem ter condicionamento físico ideal para função, a probabilidade de lesões é extremamente alta, pois as condições que o organismo do animal, não são compatíveis para todo o período utilizado.

Os maiores índices de acometimento em equinos são em atletas e/ou animais utilizados para cavalgadas, por isso o nome é também caracterizado como ‘doença da segunda-feira’. Pois animais que ficam em repouso, sem exercício físico rotineiro, não consegue condicionamento para esforços ou período de uso prolongado, e quando submetidos a essas condições, que duram de horas a dias, causam inflamação do tecido muscular.

Dentre os sinais clínicos mais aparentes, a presença de coloração escura da urina, tremores musculares, dor e paralisia muscular, sem conseguir movimentação, relutância de movimentos e decúbito, são encontrados na maioria dos animais. O médico veterinário, em casos de suspeita, poderá realizar outros exames, que será possível observar no exame bioquímico o aumento da atividade da enzima creatinaquinase (CK) em associação com aumento da atividade da aspartatoaminotransferase (AST), que são correlacionadas à lesão muscular e na urinálise se há presença de mioglobina, proteína está que está presente em toda a musculatura.

Os principais músculos acometidos são os daregião da garupa (músculo glúteo e femoral) e os da região lombar, que ao exame físico, tem a consistência firme e sensibilidade dolorosa nas regiões. A inflamação do tecido muscular pode haver como consequência morte de células, que assim, quando filtradas pelos rins pode desencadear disfunção renal, podendo levar a óbito quando não tratada.

A alimentação é um fator muito importante, pois animais que ficam estabulados ou que não tem uma rotina ideal de exercícios físicos, devem ter um controle adequado de concentrados na dieta, sendo um dos fatores que pode predispor a enfermidade. Assim, quando o animal for acometido, ele deve permanecer numa dieta na base de forragem (feno, capim), e permanecer em repouso, mas pode variar dependendo de cada situação, e gravidade das lesões.

Em situações extremamente graves, é recomendado que o animal não volte a ter esforço físico e independente do acometimento, deve ser feito fluidoterapia, com fins de reduzir a probabilidade lesão renal e hidratar o paciente. A enfermidade ocorre com frequência, sendo a principal solução, a prevenção. Fornecendo para os equinos uma alimentação adequada, balanceada entre volumosos e concentrados, com ritmos de exercícios físicos diários ou constantes, para que não ocorra a fadiga muscular e cause lesões, sendo prejudicial para o animal. Para isso, mantenha sempre seus animais sob cuidados de um médico veterinário.

Por Sofia Maia Laurencio

Orientação: Profº Arthur Araújo Chaves – UniSALESIANO – Araçatuba

Escreva um comentário