A ingestão de fezes por animais recebe o nome de ‘Coprofagia’

Os cavalos que apresentam este distúrbio ingerem suas próprias fezes em uma quantidade substancial, e em alguns casos, quase todas as fezes produzidas no dia. Esse comportamento é aceitável em potros nas primeiras duas semanas de vida, pois entendemos que essa ingestão ajuda na formação da flora intestinal do animal, por isso que as fezes ingeridas muitas vezes são da mãe.

Entretanto, a Coprofagia em cavalos adultos é considerada anormal, pois pode ser induzida por determinadas circunstâncias que merecem nossa atenção:

1 – Animais confinados em baias, com pouco exercício ou dieta de volumoso insuficiente;

2 – Animais submetidos a restrições alimentares durante grande período de tempo; e

3 – Pode estar relacionado a infestações de parasitas estomacais;

Excluídas essas possíveis causas é importante lembrar que a qualidade dos alimentos concentrados vem crescido a cada dia com foco na melhoria dos resultados e essa qualidade associada a uma baixa digestibilidade é um prato cheio para o surgimento desse tipo de problema.

Nesses casos, contudo, os problemas são diversos pois será observado a diminuição do apetite, performance, possível surgimento de diarreias e perdas de peso. Fato curioso e notório é que a Coprofagia aumenta o risco da infestação de endoparasitas pela constante ingestão de fezes infectadas.

Entre as formas de tratamento, existem medicamentos que aumentam a digestibilidade da dieta. Eliminando assim a presença do alimento ‘in natura’ nas fezes, tornando a ingestão das mesmas um hábito totalmente desagradável para o animal.

Por Allan Rômulo
Medico Veterinário, empresário fundador da Univittá Saúde Animal, pós-graduado em administração de empresas pela FGV. Formulador e desenvolvedor de tecnologias para nutrição animal, com experiência em marketing veterinário e venda de produtos de conceito
Foto: Cedida

Escreva um comentário