Aos sete anos, ela pratica Três Tambores e agora começou a trilhar boi no Breakaway Roping

A leve propagação do Breakaway Roping entre as mulheres aqui no Brasil está despertando os sonhos de muitas meninas. Não só as apaixonadas por laço, namoradas ou esposas de laçadores, mas as crianças também estão se interessando pela modalidade. Mesmo com todo cuidado, deixando espaço para escola, brincadeiras, estudo, Lavínia Pavan, 7 anos, é um exemplo de dedicação ao esporte equestre. E vem encantando todo mundo nas provas que participa.

Filha e neta de pessoas ligadas ao cavalo, a pequena pratica Três Tambores desde pequenininha. Com um ano de idade entrou na pista em provas que sua mãe, a treinadora e competidora Carina Pavan, realiza no CT Carina Pavan, em Maristela/SP, cidade que moram. Nos sonhos da pequena, estão a vontade de ser Médica Veterinária para trabalhar com cavalos e também ser treinadora igual sua mãe. E quem a vê competindo, pode apostar que ela seguirá mesmo esse caminho.

Cavaleira, ela não se intimida não. Sua segunda prova de Breakaway foi no Rancho Mombuca, na final do Circuito Interanchos, ela fez tudo como manda o figurino e foi aplaudida por uma arquibancada lotada e maravilhada. Lavínia se interessou pela modalidade ao ver sua mãe laçando e pediu que queria aprender também. Desde então, o pai de Carina, Vovô Lilo, vem sendo o treinador da neta. Uma vez por semana ela passa algumas horas preciosas, prestando atenção a cada detalhe, desde como girar a corda até o momento de pedir o boi, passando por todos as etapas do treinamento.

Seus companheiros nessa jornada, além do Vovô Lilo, da mãe Carina, do pai Eduardo e da irmãzinha Valentina, são os animais Question Cody e Victoria. A ideia é que ela continue treinando, sem a pressão de ir a provas. Para a mamãe, vê-la com toda essa dedicação e se realizando na pista, é motivo de muito orgulho: “É muito orgulho! Um sonho! Lavínia é dedicada em tudo que faz! A maior parte do seu tempo ela treina Três Tambores, mas gosta muito do Breakaway. Além de tudo, é criança, tem que estudar, tempinho para brincar. E ela faz tudo no tempo dela, e ainda vamos para as provas de Tambor nos finais de semana”.

Carina, Lavínia e Vovô Lilo

Ao ser questionada sobre o que ela sente quando está em cima de um cavalo, não titubeia ao responder: “Me sinto muito bem em cima do cavalo. Quando ele corre mais, é quando me sinto mais feliz. E quando o boi corre mais, eu gosto de chegar pertinho dele para poder laçar”. Com propriedade de quem já tem experiência e convive no dia a dia com os esportes equestres e os cavalos, ela diz que o que mais gosta no Breakaway é poder correr atrás do boi.

Com pouco tempo de treino, Lavínia já pegou o jeito do giro da corda, dos comandos aos cavalos, e agora está lapidando o seu arremesso. Tudo com muito cuidado, pois ela ainda é muito novinha. E cuidado o Vovô Lilo tem de sobra! Sem pular etapas, Lavínia vem mostrando que amor e dedicação podem levar qualquer pessoa a um futuro brilhante.

Por Luciana Omena
Fotos: Arquivo Pessoal e Ricardo Marioto

Escreva um comentário