A atleta Rafaela Negrini juntou sua paixão pelos cavalos e o dom com artesanato para fazer os famosos bichinhos de crochês

Fazer crochê é realmente uma arte e um dos principais requisitos que se precisa é ter paciência. Mas para quem tem o dom para o artesanato tudo fica mais fácil, ainda mais se o que vai criar é relacionado ao universo em que vive.

Rafael Negrini é de Jundiaí/SP, uma cidade que tem a tradição das romarias e cavalgadas ao seu em torno, mas não é desse mundo que ela faz parte, porém foi aí que ela começou a gostar de cavalos.

“Minha paixão por cavalos começou na infância. O fato de eu passar todos os finais de semana e férias no campo, fazendo passeios a cavalo, facilitou muito o contato com esse animal maravilhoso. Há sete anos resolvi conhecer a Hípica de Jundiaí, onde comecei a fazer aulas. Só para poder retomar o contato com os cavalos, pois sentia muita falta. Mas me apaixonei tanto pelo esporte de Salto, que hoje tenho um cavalo, e participo de competições, atualmente a 1,10m de altura”, conta.

E todo esse envolvimento com os animais também é com o artesanato, pois sua tia a ensinou a arte do crochê. Recentemente vendo as novidades dessa área, chegou aos amigurumis.

“Apaixonei-me por eles, resolvi fazer e realmente são viciantes e lindos demais. Eu uso uma lã 100% algodão, própria para a prática dos amigurumis. O cavalinho é um dos bichinhos mais demorados, pois ele é grande e a crina e o rabo são colocados fio por fio”, detalha Rafaela.

Além de cavalinho, ela faz porquinho, unicórnios, ursinhos, sapinhos entre outros.

Se você gostou é fácil, basta entrar em contato pelo Instagram @raero_arts Rafaela Negrini ou pelo whatsapp (11) 98212-7855 e fazer seu pedido.

Por Verônica Formigoni

3 Comentários

  1. Esse é realmente uma febre que vem crescendo, eu tenho duas paixões, manicure e pedicure e também crochê;
    Esse artigo me balanços, kkkk.
    Vou voltar a fazer Crochê.
    Um abraço.

Escreva um comentário