Evento arrecadou recursos para projeto que usa a dança do ventre para resgatar a autoestima de mulheres vítimas do câncer de mama

Mais de 120 mulheres participaram neste domingo (27) da 2ª edição da Cavalgada Rosa de Botucatu/SP. O evento teve como objetivo chamar a atenção para a campanha ‘Outubro Rosa’, que visa a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de mama e do colo do útero.

Além disso, a cavalgada também teve como objetivo arrecadar fundos para o projeto Ventre Vidas, que usa a dança do ventre para resgatar a autoestima de mulheres que estão ou já estiveram em tratamento de câncer de mama.

Ao mesmo tempo, kits de higiene também foram arrecadados durante a Cavalgada Rosa e serão doados ao projeto Casas de Apoio do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), onde pacientes da região de Botucatu em tratamento contra câncer podem se hospedar. 

Além das mulheres montadas a cavalo, cerca de 20 participaram do evento de bike
Além das mulheres montadas a cavalo, cerca de 20 participaram do evento de bike

Bike na Cavalgada Rosa

Ao todo, a Cavalgada Rosa contou com a participação de 102 mulheres montadas a cavalo. Além destas, de acordo com uma das organizadoras do evento, Gabriela Araújo, 20 mulheres seguiram o percurso de bike.

“Essa segunda edição foi muito melhor do que a primeira, nossa arrecadação, shows e atrações aumentaram muito. Sem falar no patrocinadores, que eu preciso agradecer demais. Afinal, sem eles não seria possível a gente reverter 100% da quantia da venda do almoço para o projeto”, frisa Gabriela.

Almoço especial da Cavalgada Rosa arrecadou recursos para o Projeto Ventre Vidas
Almoço especial da Cavalgada Rosa arrecadou recursos para o Projeto Ventre Vidas

Entre as participantes de bike estava Nani Scolastrici, do Meninas da Cuesta. “Foi uma satisfação muito grande estar aqui. As meninas da bike com a cavalgada nesse projeto maravilhoso. Esse foi o primeiro ano juntas de muitos, com certeza”. 

Outra integrante das duas rodas, Márcia Sodré disse que união com as mulheres do cavalo veio em bom momento. “A gente já estava querendo fazer o Outubro Rosa com as meninas da bike, só que quando vimos que a Gabi já estava fazendo alguma coisa no mesmo objetivo, resolvemos nos unir ao que esta acontecendo”.

Dessa forma, a cavalgada saiu do Mirante do Martins e seguiu por cerca de 10 km até a Chácara do Cordeiro, onde foi servido um almoço especial. Ainda segundo a organizadora, a comilança após a cavalgada – que foi de arroz carreteiro, feijão tropeiro e farofa, tudo à vontade – contou com a presença de mais de 600 pessoas. 

Projeto Ventre Vidas

O projeto Ventre Vidas é estruturado pela Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp) e usa a dança do ventre como método terapêutico auxiliando no tratamento de mulheres que foram vítimas do câncer de mama.

Mulheres atendidas pelo projeto Ventre Vidas se apresentaram durante o almoço da Cavalgada Rosa
Mulheres atendidas pelo projeto Ventre Vidas se apresentaram durante o almoço da Cavalgada Rosa

Segundo a coordenadora do projeto, Sônia Regina Augusto, o objetivo principal é o de resgatar a autoestima e autoconfiança destas mulheres nesse momento em que elas ficam tão fragilizadas por conta do tratamento tão doloroso. 

“A gente fala que são dois mundos tão diferentes e tão parecidos ao mesmo tempo. O do cavalo muitas vezes não entende as mulheres no meio e a gente sofremos preconceito de um olhar destorcido da dança e da pessoa vulgarizar ela, não entender esse lado terapêutico”, explica.

2ª edição da Cavalgada Rosa agitou Botucatu no fim de semana
2ª edição da Cavalgada Rosa agitou Botucatu no fim de semana

Atualmente, o projeto atende 20 mulheres, contabilizando de 200 a 500 atendimentos mensais. Mesmo assim, ainda assim existe uma lista de espera de mulheres que desejam entrar no programa. 

Leia mais notícias no portal Cavalus

“Mas para gente conseguir aumentar e receber mais pacientes a gente precisa de recursos financeiros”, frisa Sônia.

Quem também quiser  ajudar o Ventre Vidas basta entrar em contato com através da página oficial do projeto no Facebook. Ao mesmo tempo também é possível conhecer toda a nossa história da iniciativa através da rede social.

Por Verônica Formigoni e Natália de Oliveira
Crédito das fotos: Divulgação/Ana Tineu