Geral

Aprendizado ou trauma: fique atento com aquela ‘pegada’ na boca do cavalo

Claudia Ono faz uma reflexão em sua coluna da semana sobre o assunto.  O que acontece depois? Quais as consequências?

Quando você dá uma pegada na boca do seu cavalo, você se esquece de que existe um ferro dentro envolvido, que é o freio. Que esse ferro causa dor e, principalmente, insegurança. A mesma insegurança, portanto, que causaria dentro das nossas bocas. E olha que somos caçadores, não caças… 

Psicologicamente a pegada causa receio e o cavalo rapidamente irá associar esse receio ao local onde a ação acontece. Ou seja, se der a pegada no segundo tambor, logo ele entenderá que esse tambor é o local do castigo.

De fato, quando você pega forte o cavalo defende a boca (até nós faríamos isso), se perde no trabalho, deixa de focar no percurso para prestar atenção na embocadura. Além disso, a paleta dele acaba escapando para fora e ele não consegue se manter no giro e acaba abrindo para se reequilibrar.

O resultado

Os cavalos não nascem ansiosos ou nervosos. Sobretudo, eles ficam assim como consequência das ações pelas quais passa na doma (principalmente) e início de treinamento. 

Se em casa tudo é tranquilo e seguro, quando sai para a prova existe a tensão do cavaleiro, as rédeas mais curtas, o reio, a pegada na boca.

Com efeito, ele aprende que na prova ele passará por situações ruins, que deve se defender disso.  Por isso algumas coisas devem ser feitas nunca. Isso mesmo, nunca! 

Se a adrenalina da prova faz seu cavalo ficar mais duro de frente é porque ele fica mais ‘para frente’ também. Então mostre que não há motivo; caminhe, trote, monte com seu corpo relaxado. Seja a mesma pessoa dos treinos, não mude. E trate seu cavalo como o mesmo cavalo dos treinos, não mude nada.

As consequências do aumento da pressão no dia da prova são: cavalos ansiosos, cavalos nervosos, cavalos que amarram nas retas, cavalos que largam e só pensam em correr, cavalos que não largam, cavalos que brigam nos giros, cavalos que passam reto pelos tambores. 

Enfim, se mostrar ao seu cavalo que em casa ou fora dela, em treino ou em prova tudo pode ser seguro, terá um cavalo seguro.  Apenas cavalos medrosos são inseguros.

A insegurança gera nervosismo. Isso tudo reflete na hora da prova. E se ele trabalhar mal será ‘corrigido’ em casa; e tudo se ficará ainda pior. O correto? Evitar o estrago ao invés de correr atrás de consertar depois.

Aprendizado ou trauma: fique atento com aquela ‘pegada’ na boca do cavalo

Um exemplo

Imagine o seguinte cenário: Todos os dias você chega na quadra da escola para jogar vôlei. Na entrada, para pegar a bola e iniciar o jogo, você precisa passar por um corredor de pessoas e sempre uma delas dá um beliscão em você. Isso aconteceu uma vez. Depois se repetiu semanalmente.

Você entra na quadra, vê o corredor humano e a bola no final dele.  Tem que pegar a bola para jogar, mas precisa passar pelas pessoas e levar um beliscão.

Ao final de um tempo você vai estar nervosa antes de chegar a quadra. E vai sentir o beliscão toda a vez que pensar que precisa pegar a bola.

Para consertar isso, as pessoas param de te beliscar.  Mas você entra no corredor humano e acha que vai tomar um beliscão. Na semana seguinte, a mesma coisa. Vai levar um bom tempo para você seguir relaxada até a quadra e passar pelo corredor para pegar a bola.

Pense nisso. Pense no seu cavalo.

Por Claudia Ono
Três Giros
Fotos: Cedidas

 Leia também:
Saiba porque Mary Burger é considerada uma das maiores estrelas nos Três Tambores