Sediada em Pilar do Sul, a Rações Fazendeiro foi criada no final dos anos 1990 pela família Rosa

Administrada hoje por Jonathan Clayton Rosa, 29 anos, formado em Técnico em Pecuária, Informática para Gestão de Negócio e MBA em Empreendedorismo, a Rações Fazendeiro tem como compromisso principal a dedicação na elaboração de produtos destinados a alimentação animal, como a linha para equinos de alta performance. Os produtos foram idealizados dentro de uma linha completa, que apresenta destaque tanto para animais de produção, como equinos, suínos, aves, codornas, coelhos e peixes, e também cães, gatos e pássaros.

Tendo como máxima elevada exigência e rigor na seleção dos ingredientes que irão participar da formulação de seus produtos, a Rações Fazendeiro tem um processamento industrial de alta tecnologia, o que permite associar a melhor nutrição ao melhor aproveitamento dos nutrientes. Fomos conversar com eles para saber mais a respeito da empresa. Confira entrevista!

Quando e como a empresa surgiu?

Jonathan: O idealizador da empresa foi o Luis, meu pai. A empresa surgiu em 1998, com sede no sitio da família em Jarinu/SP, inicialmente um distribuidor de milho e farelo de trigo ensacado. Após cinco anos de mercado, apareceu a oportunidade do arrendamento de uma fábrica de ração desativada. Assim iniciamos a elaboração de rações prontas. No começo apenas para aves e suínos e, com o tempo, coelhos, e por fim cavalos, bovinos e pequenos ruminantes.

Qual é a linha que a empresa segue?

Jonathan: Segue a linha da nutrição animal, suprindo toda as necessidades dos pequenos e médios criadores.

Como foi o começo?

Jonathan: Começamos em um prédio alugado, assumindo uma marca já existente no mercado. Mas essa marca acabou sendo extinta, então criamos a Rações Fazendeiro, já por volta de 2004. Nunca investimos pesado em marketing. A ideia da empresa sempre foi um produto de qualidade a um preço justo.

Como a empresa foi ganhado espaço, crescendo e se firmando no mercado equino?

Jonathan: A partir de 2006, a Rações Fazendeiro começou a investir em produtos para cavalos, adquirindo equipamentos de ponta. Assim começamos atuar no mercado de equinos. Com o tempo, a empresa cresceu muito graças a essa tecnologia de produção. Em 2009, procuramos a prefeitura de Pilar do Sul/SP, onde estamos sediados, em busca da concessão de um terreno para a construção da nossa sede oficial, onde estamos hoje. Em 2010, assinamos  o contrato e começamos a construção das instalações. Em paralelo, passamos o portfólio de produtos de 12 para 28 e tivemos um crescimento de 2010 a 2014 de 120 %! Em 2015, foi inaugurada a sede da empresa em Pilar do Sul e Jarinu foi desativada. Com uma empresa totalmente nova e com equipamentos de ponta, tivemos nota máxima no Ministério da Agricultura. Também formamos uma parceria com a ABPSL (Associação Brasileira Cavalo Puro Sangue Lusitano) e desenvolvemos uma linha Premium para Equinos, aumentando nossa linha de 28 para 36 produtos.

Como está a atuação da empresa nos dias de hoje?

Jonathan: A empresa hoje atua nas lojas agropecuárias, com sua linha tradicional de produtos, e atua junto aos criadores de equinos, com sua linha premium, sempre buscando novas parcerias e novas tecnologias para sempre melhorar a qualidade dos produtos. Estamos buscando novos mercados e a projeção é que até o final de 2018 crescermos 60 %.

Você tem uma ligação com os cavalos?

Jonathan: Minha ligação com os cavalos vem desde a infância. Pequeno, morava no sítio e meus tios sempre tiveram cavalos. Esta paixão nasceu ali. Pela dedicação aos estudos, acabei me afastando um pouco dos cavalos, mas em 2012 voltei com força total. Eles são meu refúgio, meu descanso. Não monto com a frequência que gostaria, por um problema no joelho, mas estou sempre perto do meu cavalo, e também, quando visito dos clientes nos haras. Posso me considerar abençoado por trabalhar em algo que faço com extremo prazer.

Fotos: Arquivo Pessoal/Divulgação

Escreva um comentário