Juiz e criador brasileiro foi a primeira personalidade internacional a receber essa honraria

Os mais de 30 anos de vida profissional no cavalo e todos os feitos realizados em prol da raça Paint Horse levaram o brasileiro Francisco Garcia, 53 anos, a subir no palco principal da APHA Convention & Awards para receber o 2018 Destinguished Service Award no último dia 5 de março. “Foi a coisa mais legal que aconteceu na minha vida. Gostaria que todo mundo tivesse oportunidade na vida de passar por um momento como esse. Quando fui chamado ao palco para receber o prêmio e fazer meus agradecimentos, achei que nem fosse conseguir chegar, de tanto que minhas pernas tremiam. A emoção foi tamanha e tudo que eu disse lá no dia ou que eu possa falar hoje em agradecimento é pouco perto da oportunidade de vida de passar por um momento como esse. Se você está com as baterias descarregadas, isso te dá um poder indescritível”, contou Chico com uma emoção de arrepiar.

A American Paint Horse Association reuniu pessoas de todo os Estados Unidos e do mundo que são ligados à raça e à Associação para sua reunião anual, que aconteceu de 2 a 5 de março, em Fort Worth, Texas. Com viagem programada, pois é a pessoa que representa a ABCPaint junto à APHA, Chico nem imaginava que iria passar por tudo que passou. Há três meses, ele recebeu um e-mail do secretário Executivo da APHA, Billy Smith, avisando que seu nome tinha sido selecionado pelo comitê executivo como personalidade internacional para receber esse prêmio de distinção pelos serviços prestados à American Paint Horse Association. “Na hora, não conseguia acreditar e liguei para ele, que me confirmou e disse que meu nome foi bem cotado em meio a pessoas do mundo inteiro. Mesmo assim ainda era inacreditável. Fui para os Estados Unidos, participei das reuniões, inclusive do comitê de juízes, é um evento bem bacana, pois decidem-se muitas coisas importantes nesses dias”.

Com o secretario executivo Billy Smith

A festa de premiação dos melhores do ano e Hall da Fama, a entrega desses prêmios, aconteceu no último dia. Quando Chico chegou  na festa, mais de 300 pessoas no salão para o jantar de gala, seu nome foi anunciado e a emoção já começou por aí, uma mesa com seu nome separada e ele foi tomando conhecimento da dimensão realmente do que estava por vir. “Eu circulei pela festa e todo mundo me dando parabéns, os que eu já conheço e alguns são muito amigos, e pessoas que eu não conhecia também. Pessoas super famosas lá vindo falar comigo. Encontrei o Carl Thorrow, um ex-presidente da APHA, que já veio ao Brasil para o Mega Halter e Nacional Paint, e ele me disse que tinha sido convidado para me apresentar, sempre tem alguém que apresenta o cavalo ou a pessoa que está sendo homenageada. Nessa hora já comecei a ficar apreensivo”.

O reconhecimento e o profissionalismo do americano são fatores que sempre o emocionaram e participar de um momento como esse foi algo indescritível, conta. Ele diz que pensou que ia ter um infarto de tanta emoção. “Quando o Carl começou a falar da minha vida minha boca foi secando, uma sensação que não consigo descrever. Achei que fosse morrer de tanto que eu tremia e meu coração estava disparado. Jamais imaginei algo desse tipo. Primeira vez na história, não me lembro disso ter ocorrido em outras associações, mas na Paint foi a primeira vez, que uma figura internacional recebeu esse tipo de homenagem durante a convenção e a premiação anual da raça nos Estados Unidos. E o Carl foi falando tudo que sabe sobre mim, a contribuição como juiz, criador e fomentador da raça Paint Horse. Quando ele me chamou para subir ao palco, eu levantei e nem sei como conseguir chegar lá”, lembra ele do momento que recebeu das mãos do presidente da APHA uma placa de madeira com quase um metro de tamanho com uma foto dele estampada.

Com Carl e Linda Thorrow

Foi um momento de extrema valorização e que Chico se sentiu como se flutuasse de tanta emoção. “A minha vida foi sempre no cavalo, desde antes de eu resolver trabalhar com isso. Depois que me formei em Agronomia, tomei a decisão de ser profissional do cavalo, fiz um monte de cursos, comecei a montar  treinar, entrei na ABCAppaloosa como inspetor nos anos 80, fiz curso para juiz da ABQM em 1995, entrando para o Quarto de Milha e logo depois para a ABCPaint também. Tive oportunidade, durante muitos, de acompanhar todos os juízes americanos que vieram para o Brasil julgar, fato que foi uma grande escola para mim. Além disso, também sou criador, treinei cavalos, também trabalho com assessoria em leilão, compra e venda de animais. Oportunidade de diferentes visões por diferentes ângulos que se tem da atividade equestre e que são fundamentais na minha formação profissional”.

Chico Garcia mora em Botucatu/SP, onde gerencia, junto com sua esposa Valéria, seu haras, é Juiz APHA, AQHA, ABQM, ABCPaint, ABCAppaloosa, criador, assessor de leilões, clientes com cavalos alojados para diversas finalidades, assessoria para criadores. Foi ideia dele o Mega Halter, evento que começou com Conformação e 40 cavalos e depois, na última edição, tinha diversas modalidades e 800 cavalos. “Me sinto hoje um profissional do cavalo privilegiado. E receber esse reconhecimento, também me senti representando todos os brasileiros. E tudo que vivi nesses anos, todas as coisas que já fiz e participei, seja aqui no Brasil ou lá fora, é aprendizado. Todos os dias aprendo alguma coisa e conhecimento é para ser compartilhado. Acho que temos que deixar um legado, uma marca na história e uma das formas é compartilhar esse conhecimento. O Brasil é berço de grandes profissionais e me sinto muito orgulhoso de ser parte de tudo isso.”

Por Luciana Omena
Fotos: Jequitibá Comunicação

Escreva um comentário