Geral

Grupos de estudos online inovam a forma de passar conhecimento

O médico veterinário Helio Itapema colocou em prática uma ideia antiga, reformulada por conta da quarentena

Desde março vem acontecendo semanalmente dois Grupos de Estudos com foco em Equinos via os aplicativos de mensagens Whatsapp e Telegram. A iniciativa foi do médico veterinário Helio Itapema. “Eu tinha um projeto antigo de ministrar alguns cursos em parceria com a Villa Campus ainda este ano, mas com as mudanças devido às medidas de distanciamento social, tivemos que adaptar, por hora”, conta.

Portanto, Helio colocou em prática grupos de estudos online, ideia que veio justamente devido ao tempo excedente que passou a existir quando a quarentena foi decretada. Dessa forma, assim que voltou para casa logo após o Grand Prix Haras Raphaela a plataforma foi formatada. Ele explica que a realização tem apoio da Villa Campus e contam ainda com a parceria da Doma Jeans e da Vetnil. Acima de tudo, diversos grupos de estudos universitários da área de medicina veterinária têm ajudado nas divulgações. “E estamos sempre em busca de novas parcerias”.

Helio conta que ficou bastante surpreso com a adesão e com a qualidade de raciocínio de algumas pessoas que se destacam através da participação contínua e consistente nas reuniões semanais e nos debates via Whatsapp e Telegram. “Estamos achando o resultado espetacular, considerando termos mais de 2.000 pessoas na somatória dos grupos. O feedback que estamos recebendo é super positivo e buscamos sempre perguntar se o formato está bom, se estão conseguindo acompanhar, etc”, reforça.

Quem se inscreveu tem demonstrado realmente interesse. “As horas que antecedem as discussões são bem legais, pois a turma manda foto dos estudos preparatórios para a discussão. Assim, se conseguirmos captar mais patrocinadores, certamente conseguiremos seguir adiante, oferecendo cada vez mais qualidade, novos recursos”.

Na prática

Em primeiro lugar, o pré-requisito para ingressar em um dos grupos é estar cursando medicina veterinária ou ser formado. Em seguida, o interessado deve fazer contato com o Helio através do Instagram @heliovet. Caso o contato se encaixe no pré-requisito ele envia o link para ingresso no grupo.

A partir dai, os encontros vão sendo combinados semanalmente. As datas são bem flexíveis e conciliadas também com a agenda de trabalho, já que os profissionais continuam atendendo seus clientes observando todas as medidas de segurança. Então, uma semana antes de ser aberta a discussão, são definidos agendas e temas. Ambos divulgamos por todos os parceiros e nas redes sociais.

“Buscamos fazer as discussões de uma a duas vezes por semana, mas sempre trazemos assuntos complementares que são relevantes, como pequenos bate-papos sobre algum assunto que tenha relação com casos a campo”.

Até o momento, já foram tratados os seguintes temas: síndrome cólica (três módulos); machismo no meio equestre; o impacto do isolamento social para o cavalo de esporte; hemiplegia laringeana; áreas de atuação do médico veterinário no Brasil; síndrome metabólica equina; não desanime, a veterinária ainda é um bom negócio; claudicação em cavalos atletas; a rotina do centro de reabilitação equestre; laminite.

No início, a ideia era manter os grupos online enquanto durasse a quarentena. Mas deu tão certo que, a repercussão e o tamanho que os grupos tomaram foram tão positivas, que possivelmente deve seguir mesmo com o fim do isolamento social.

Eu participei de um dos grupos no meio da semana e posso atestar que a cada encontro uma verdadeira aula completa de cada tema é passada. A discussão, de fato, é bastante produtiva para quem ainda está estudando ou já ingressou no mercado de trabalho. A experiência de um acaba sendo somada a do outro e assim o conhecimento se multiplica. Muito bacana a iniciativa.

Por Luciana Omena
Crédito da foto de chamada: Divulgação/Pexels

Veja mais notícias no portal Cavalus