Nomes como Charles Darwin, Marco Polo, Oscar Wilde e Aime Tschiffely estão nos registros como exploradores
Catherine Waridel

Imagine andar cinco quilômetros por hora até completar a marca de dez mil milhas terrestres contínuas em uma só viagem a cavalo? Centenas de cavaleiros, ou aventureiros, detém o título de Cavaleiros de Longa Distância por terem, em algum tempo, passando por lugares diversos no planeta, feito uma longa jornada no lombo de cavalos, vivendo todo tipo de experiência possível.

Certamente, abandonar o modo de vida sedentário e escapar ao mundo moderno para partir rumo ao desconhecido, em cima de um cavalo, é uma aventura. Requer planejamento. Requer também muito conhecimento do trajeto, com horas, meses e até anos de estudo, e sobre cavalos ou equitação. Mas, acima de tudo, requer amor ao cavalo, à natureza, e a vontade de viver algo inesquecível.

Qali Beg

“Ter coragem de quebrar as correntes das cidades e cavalgar em direção ao horizonte”, essa é uma frase de CuChullaine O’Reilly, um dos fundadores da The Long Riders Guild (1994), uma associação internacional de exploradores equestres. A associação representa homens e mulheres de todo o mundo que tenham viajado mais de mil milhas terrestres (1609 quilômetros) de forma contínua no lombo de um cavalo. Atualmente, garante O’Reilly, existem ‘várias centenas’ de ‘cavaleiros de longa distância’.

Dependendo da escolha do trajeto, o cavaleiro pode fazer sua longa travessia em um mesmo país ou cruzar fronteiras. A The Long Riders Guild congrega centenas de nomes de cavaleiros, entre os fundadores, membros e associados, que fizeram suas viagens memoráveis e entraram para a associação. Podemos encontrar marcados na história dos cavaleiros de longa distância os brasileiros Filipe Masetti Leite, o ‘Cavaleiro das Américas’, que já fez duas viagens e planeja a terceira, e ainda Paulo Junqueira Arantes, nosso parceiro do Cavalgadas Brasil.

Filipe Leite

Mais brasileiros estão nessa lista. Mas, temos também nomes como o de Catherine Thompson, que cavalgou diversas vezes atravessando as planícies e montanhas do Canadá; de Catherine Waridel, uma das fundadoras do Guild, que cavalgou sozinha de Crimea até Karakorum, na Mongólia, inspirada por um ícone, William of Rubrick; Douglas Preston, autor de best-sellers de ficção e também de um clássico moderno na literatura de viagens equestres. Em Cities of Gold, ele descreve a viagem que fez pelas montanhas e desertos do Arizona e do Novo México em 1989; Aimé Tschiffely, o maior explorador equestre do século 20, o primeiro a cruzas as três Américas a cavalo.

Muitos deles foram inspirados por Lord Byron, Charles Darwin, Jonathan Swift, Oscar Wilde e Qali Beg. Esse último, excelente cavaleiro que liderou sua tribo cazaque a cavalgar três mil milhas de Sinkiang, China, até Caxemira, Índia, em 1954. Os primeiros viajantes equestres, que se tornaram lendas, até hoje são lembrados. Passaram pelo mundo antes mesmo de muitos dos atuais membros do Guild terem sonhado em por o pé em um estribo.

Catherine Thompson

Para conhecer as viagens e as histórias de cada um desses aventureiros, navegue pelo The Long Riders Guild e viaje no tempo!

Por Luciana Omena

 

3 Comentários

  1. I do not even know the way I ended up here, however I thought this post was good.
    I don’t recognize who you’re however certainly you are going to a famous
    blogger when you aren’t already. Cheers!

  2. I do not even understand how I stopped up here, however I thought this put up was once good.
    I don’t recognize who you might be however certainly you are going to a famous blogger if you happen to aren’t already.
    Cheers!

Escreva um comentário