A representante da feira no Brasil Patrícia Opik se reuniu com os representantes da Unibens Turismo e Universidade do Cavalo em Essen

Com a palavra ‘união’ em mente, nada melhor do que unir profissionais que já desenvolvem um trabalho reconhecido em suas áreas para elaborar um grande projeto objetivando ampliar a participação brasileira na próxima edição da Equitana, em março de 2021.

A ideia surgiu na reunião realizada na manhã de quarta passada, 13 de março, em Essen, na Alemanha. Somando os trabalhos feitos pela representante da Equitana no Brasil, Patricia Opik, junto a agência Unibens Turismo e Universidade do Cavalo.

Patrícia, que há cinco edições é responsável pela comercialização da feira, além de fazer ampla divulgação para atrair turistas, tem uma boa parceria com a Unibens e a UC, que sempre formam grupos para uma experiência personalizada no evento. O potencial de trabalho das três áreas envolvidas é grande e deverá proporcionar o crescimento da participação brasileira na maior feira de cavalos do mundo.

“Este grupo unido, com toda certeza, somará forças e abrangerá o maior número possível de pessoas que queiram conhecer ou voltar à Equitana. Nós já desenvolvemos um serviço personalizado com nossos clientes, pensando em todos os detalhes para uma viagem perfeita”, disse Kelly Bruno, da Unibens Turismo.

Ainda, segundo Kelly, com a força da Patrícia Opik, como representante da Equitana no Brasil, o trabalho oficial pode ser ampliado, “Como por exemplo, as opções de pacotes. Para concluir, temos ainda toda parte técnica com o Aluísio Marins, da Universidade do Cavalo. Acreditamos que esta união proporcione um grande impacto no Brasil”.

Para Patrícia Opik, após todo o trabalho realizado nos últimos anos entre os três separadamente, esta união chegou na hora certa, para fortalecer o Brasil na Equitana. “Já éramos amigos e acreditamos que esta junção profissionalize ainda mais o trabalho que podemos fazer para trazermos mais brasileiros para a feira”.

“Acredito que ofereceremos total segurança para os visitantes, investidores com opções para os que querem apenas turismo e também para aqueles que queiram fazer negócios no evento. Nós três conhecemos a feira muito bem e isto ajuda muito. Acabamos sendo os olhos do Brasil na Equitana. A participação brasileira tem crescido tanto nos últimos anos, através de visitação e investimento, que esta união é resultado de trabalho sério de muitos anos, pois somos reconhecidos como especialistas no que fazemos”, concluiu Patrícia.

Já Aluísio Marins, da Universidade do Cavalo, ressaltou que várias ideias surgiram nesta primeira reunião, como a formatação do ‘Equitana Business’ e também a criação de experiências específicas que somem à feira.

“Aqui existe muito a ser trabalhado ainda. Temos empresários e profissionais no Brasil que querem importar ou exportar e podemos fazer esta ligação. Estou muito animado com este grupo de trabalho e, muito em breve, já apresentaremos ao mercado brasileiro como será o trabalho que faremos juntos”.

Considerada a maior feira equestre do mundo, a Equitana acontece de dois em dois anos. Este ano foi realizada de 9 a 17 de março, contando com mais de 750 expositores de diversas localidades, abrangendo todos os segmentos da cadeia produtiva do cavalo. Balanço dos organizadores diz que mais de 200 mil visitantes vão a Esse a cada edição, que oferece não só a área comercial, mas também seminários, conferências, concursos e shows equestres.

Texto e Foto: Susi Freitas, que esteve em Essen na Alemanha acompanhando a Equitana de perto
Na foto: José Nilton (Unibens Turismo), Patrícia Opik, Aluisio Marins e Kelly Bruno

Escreva um comentário