O rollback deve ser um movimento contínuo e fluido e é importante na composição da nota final da modalidade

O rollback consiste em três manobras separadas – uma parada, um giro de 180 graus e uma retomada para galope. No entanto, é muito mais fácil falar do que fazer. O treinador, ganhador de mais de US$ 3 milhões na carreira pela National Reining Horse Association, Craig Schmersal, deu algumas técnicas que usa em casa para garantir rollbacks precisos.

Começando

  1. A primeira coisa que você precisa em um cavalo antes de ensinar o roolback é a flexibilidade. Ele deve estar disposto ceder a nuca. Usando as duas mãos, se eu puxar a cabeça dele para a direita, só quero que ele mova a cabeça. Eu não quero que o corpo dele se mova para a direita até eu encostar a rédea no pescoço esquerdo.

2. O cavalo precisa saber como ceder à pressão das pernas do cavaleiro.

3. O cavalo tem que saber como voltar (rollback). Não quero, de imediato, puxar ele de volta. Eu quero que ele volte com uma rédea bastante solta, sem a pressão do movimento completo.

Quero que o cavalo quase trave na posição inversa no rollback. Então, encosto a rédea externa para ver se ele vai dar um giro sozinho. Se ele não o fizer, eu vou controlar minha rédea direta, e puxá-lo um ou duas vezes para realizar um bom spin ou dois. Eu paro, volto e encosto novamente no pescoço de novo com a rédeas de fora. Não quero pressioná-lo, principalmente quando ele está só começando a entender o que quero dele no rollback.

Rédeas rollback
O rollback deve ser um movimento contínuo e fluido

Eu só quero que ele faça uma volta, e quando eu adicionar a rédea no pescoço, venha até mim. Eu não quero que ele reaja com a cabeça e não quero que ele dê mais de três passos para trás assim que sentir o comando. Quando eu movo minha mão, se eu fiz o meu trabalho corretamente, o cavalo vai realizar o que peço.

Algumas pessoas acham que precisam realizar a parada, ficar parados um pouco e depois pedir o rollback. Para meus cavalos, isso não importa. Se realizam o esbarro, para e voltam para trás na mesma trajetória, então eles sabem como fazer o rollback. Quando meu cavalo sente o comando, sabe que é a hora de retornar. É por isso que não me preocupo em gastar muito tempo nessa manobra. Não quero o rollback mais bonito e sim o correto.

Pense à frente

Uma vez que eu consiga fazer bem o rollback, passo a me certificar de que o corpo dele esteja reto. Então uso minha perna interna e empurro sua garupa e costelas um pouquinho para fora, para acertar a caixa torácica dele. Quero facilitar ao máximo para meu cavalo, e se a caixa torácica dele estiver presa para fora, ele terá que trabalhar muito para virar.

Se o cavalo não conseguir realizar o que expliquei acima, então faço movimentos circulares com ele bem flexionado, nariz voltando para dentro do círculo. Por exemplo, movo a cabeça para a direita e uso a perna direita para pedir que ele volte em um círculo à direita. Antes de pedir o rollback, olhe para trás e certifique-se de que a garupa esteja alinhada. Se você puder ver a garupa fora da sua visão periférica, não peça o rollback. Só quando o corpo tiver na posição é que encosto a rédeas e peço que ele vire.

Quando você está no rundown, precisa estar pensando um passo à frente:

  1. Certifique-se de que seu cavalo está correndo em linha reta

2. Verifique a garupa: se estiver alinhada, mova a rédea externa para o pescoço e peça ao seu cavalo que vire.

3. Se a garupa tiver no seu campo de visão ao olhar para trás, use a perna interna para movê-lo antes de pedir o rollback.

Problemas

Sempre penso em todos os problemas que posso evitar que meu cavalo tenha e tento encontrar maneiras de me livrar deles. Eu gosto de colocar um cavalo na pior das hipóteses em que posso pensar quando treino e depois me certificar de que ele saiba não entrar nessas situações. Às vezes, coloco o cavalo em uma posição desconfortável e depois faço o rollback.

Eu faço isso repetidamente, tantas vezes, que eu tenho meus cavalos na mão e sempre que peço algo eles sabem fazer. Eu pego as experiências ruins e tento recriá-las. Faço tudo o que posso para garantir que eu não fique preso no jeito errado.

Por Craig Schmersal
Fonte: AQHA

Escreva um comentário