Hipismo

Após 12 semanas, festival de inverno chegou ao fim em Wellington

Maior competição do Hipismo, o WEF distribuiu ao todo mais de US$ 9 milhões em prêmios

Luiz Francisco de Azevedo e Comic

A principal disputa do último final de semana do Winter Equestrian Festival teve Brasil no pódio. Competições começaram dia 10 de janeiro e foram encerradas no domingo, 1° de abril, no Palm Beach International Equestrian Center, em Wellington, Flórida. Ao lado de representantes de mais de 40 países, a participação brasileira – que esse ano contou com cerca de 35 cavaleiros e amazonas entre profissionais, amadores e jovens talentos – já é uma tradição. E semana a semana os nossos atletas mostraram que o talento é nato. Em todas as 12 semanas, teve brasileiro no pódio. Seja em provas de menor calibre como as de premiação mais alta e grande visibilidade.

Para encerrar, vimos as cores da nossa bandeira tremular com importantes qualificações. No sábado, 31 de março, no GP 5* Rolex, a 1.55/1.60 metro, com U$ 500 mil em jogo, a maior fatia dos mais de US$ 9 milhões distribuídos ao longo dessa temporada, o top brasileiro Luiz Francisco de Azevedo, o Chiquinho, 33 anos, teve um grande resultado. Montando Comic, em sua segunda competição após uma após uma lesão que o tirou das pistas por um ano, garantiu o vice cruzando a linha de chegada sem faltas no desempate em 42s52.

Pódio do GP Rolex

Estiveram em pista 40 conjuntos top mundiais dos quais seis habilitaram-se ao desempate com armação da pista do brasileiro Guilherme Jorge, course-designer dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Na temporada passada (2017) do WEF, maior e mais longa competição do hipismo mundial, Luiz Francisco e Comic, um garanhão sela holandês filho de Verdi em Heartbreaker, de 11 anos, foram vice no GP Fidelity Investments, durante a quinta semana do evento. Logo depois, Comic se lesionou e ficou um ano longe das competições. Em seu retorno às pistas há uma semana, em 24 de março, garantiu o sexto posto no GP FEI 4*, a 1.60 metro.

“Meu sentimento hoje é realmente inacreditável, porque no ano passado também tive um ótimo resultado com esse mesmo cavalo”, comentou o brasileiro, um dos herdeiros do medalhista olímpico Luiz Felipe de Azevedo, o Felipinho. “Mas ele teve um pequeno acidente e tivemos uma longa interrupção. Certamente o Comic ainda não está em sua melhor forma, mas ao ficarmos em segundo lugar nessa prova, mostra o quão especial ele. Isso é uma grande vitória para mim”. Chiquinho reforça que o cuidado foi extremo na hora de escolher a melhor data para volta-lo às pistas. O objetivo dele é integrar o Time Brasil nos Jogos Equestres Mundiais.

Margie Engle

Sagrou-se campeã neste GP a norte-americana e aniversariante Margie Engle, em plena forma aos 60 anos, apresentando Royce, pista limpa, 39s356. Em terceiro lugar chegou o irlandês Conor Swail, com Rubens Ls La Silla, uma falta, 40s179.

Zé Reynoso e Magnólia

Na abertura da 12ª semana, na quarta, 28, com Magnolia Mystic Rose, José Roberto Reynoso Fernandez Filho venceu prova FEI 5*, a 1.45 metro, e com Zambia Mystic Rose, foi em primeiro lugar em em prova FEI 5*, a 1.40 metro. Ambas as éguas são de propriedade do Haras Rosa Mystica, de Nilson Leite, e foram formadas no Brasil pelo cavaleiro Bartholomeu Bueno de Miranda, o Totty. Passaram para o medalhista olímpico Doda Miranda em outubro 2017 e  há cerca de um mês estão com Zé Roberto.

Foram 66 conjuntos top mundiais em pista na prova FEI, 1.45 metro, 39 habilitaram-se ao desempate e nada menos que 25 voltaram a zerar. Zé Roberto levou Magnolia Mystic Rose, filha de Zirocco Blue VDL em Majorca Toc, à vitória cruzando a linha de chegada na imbatível marca de 25s711. “A Magnolia ainda não tem muita experiência em GPs, mas é muito boa”, destacou Zé Roberto, que está no WEFE pelo segundo ano consecutivo. “Eu gostaria de conseguir competir aqui todos os anos e se tiver um bom patrocinador, fico. Esse evento é incrível, um dos melhores do mundo, pode estar aqui é um sonho que se tornou realidade”.

Na sexta-feira, 30, a tropa de elite do hipismo brasileiro dominou o placar na prova de velocidade FEI5*, a 1.45 metro.  Montando a craque Sharapova Império Egípcio, uma filha de Baloubet du Rouet,  Francisco Musa, tetracampeã brasileiro senior top, garantiu a vitória sem faltas em 58s08, único conjunto que andou abaixo da casa dos 60 segundos. Em segundo lugar chegou o cavaleiro olímpico do Brasil Eduardo Menezes, apresentando Caruschka 2, pista lipa, 60s97. Em mais um importante resultado para o Brasil, Yuri  Mansur apresentando Vitike foi 6º colocado, sem faltas, 62s97. Participaram da disputa 48 conjuntos top mundiais.

Colaboração: Assessoria CBH
Fotos: PBIEC