Internacional

Campeões mundiais dizem não para PBR e ficam na PRCA em 2018

Publicado

⠀em

As duas mais importantes associações de rodeio dos Estados Unidos fazem esforços constantes para ter os melhores em seus campeonatos

A temporada 2018 já começou nos Estados Unidos e a notícia de que quatro campeões mundiais teriam dito não para a Professional Bull Riders agitou o mundo do rodeio. Sage Kimzey, J.W. Harris, Shane Proctor e Mike Lee farão suas viagens esse ano pelo árduo circuito da Professional Rodeo Cowboys Association, que congrega mais de 600 rodeios por ano. Segundo nosso parceiro Eugênio José, a PBR tem feito um grande esforço para ter em seu campeonato os melhores do mundo, incluindo alguns que montam na PRCA, mas nem sempre consegue atraí-los.

Sage Kimzey. Foto: André Silva

Cooper Davis, campeão pela PBR em 2016, Cody Teel, e o próprio J.W. Harris foram alguns dos que migraram da PRCA para a PBR. A especulação é que a grana é o motivo maior, é que atrai os competidores. Mas esse ano não veremos Kimzey, tetracampeão mundial PRCA, que montou na final mundial da PBR em 2017, nem Harris, Proctor e Lee na PBR.

Kimzey, 23 anos, é um dos melhores da atualidade, por seu estilo e também suas conquistas. Tem quatro títulos da NFR conquistados de forma consecutiva, foi campeão do The American e Calgary ano passado. Ele foi convidado pela PBR para montar na final da divisão de acesso, aceitou em 2017, ganhou vaga para a final mundial e terminou a temporada no top 35, o que lhe dava direito de seguir em 2018 pela PBR, mas recusou. A ideia dele era montar nos dois, mas como o regulamento da PBR não permite faltas, ele preferiu ficar somente na PRCA e tentar o quinto título mundial.

J.W. Harris

Tetracampeão também pela PRCA em montaria em touros, Harris fez suas últimas quatro temporadas na PBR. Recebeu alguns convites para montar, sem precisar participar das divisões de acesso em 2014, e foi ficando. Revelação do ano da PBR em 2015, sempre se qualificando para as finais e terminando em boas colocações. Mas aos 31 anos, ele anunciou que volta em definitivo para a PRCA nesta temporada. Mesmo tendo faturando meio milhão de dólares nesses quatro anos de PBR, ele decidiu não continuar.

Shane Proctor

Campeão mundial pela PRCA em 2011, Proctor, 32 anos, monta pelas duas associações há muito tempo. Conseguiu fazer por cinco anos seguidos as duas finais, da PBR e PRCA, no mesmo ano, e tem nove qualificações para a PBR World Finals. Ele chegou a montar na etapa de abertura da PBR em Nova Iorque, mas decidiu não seguir. Quer tentar o título de All-Around da PRCA esse ano. Proctor monta em touros e também é cowboy de Sela Americana. Para ter tempo de conquistar os dólares necessários nas duas modalidades, ele terá que deixar a PBR nesta temporada.

Mike Lee

A grande surpresa dessa lista é Lee. Diferente dos outros três, ele nunca montou na PRCA antes. Talvez esse seja o motivo, conquistar novos espaços e novas aventuras, montar em rodeios diferentes. E a decisão dele foi anunciada logo após as finais mundiais. Lee, que foi campeão mundial pela PBR em 2004, terá tempo para participar de rodeios abertos, além dos da PRCA, e também irá seguir o CBR – Championship Bull Rider, o terceiro campeonato em importância nos Estados Unidos. Dos 34 anos, 17 foram dedicados a PBR, onde ultrapassou marcas importantes, como mais de 500 touros montados e mais de três milhões de dólares ganhos.

Ter uma fivela de campeão do mundo pela PRCA as vezes é o sonho e supera qualquer milhão de dólares que a PBR oferece. Para os americanos, especialmente, é uma tradição sem precedentes.

Por Luciana Omena
Colaboração Eugênio José

Internacional

Como competir em solo Americano?

Processo é burocrático e exige muitos cuidados para não ter o visto negado, por isso vamos apresentar um passo a passo para evitar dores de cabeça na realização deste sonho

Publicado

⠀em

Como competir em solo americano

Com o sucesso dos competidores brasileiros nos Rodeios da PBR e da PRCA nos Estados Unidos, muitos atletas do Brasil têm em mente a realização de um sonho: competir em solo americano. Entretanto, para alcançar este objetivo é preciso percorrer um longo caminho que vai desde a parte burocrática do visto até conseguir um local para ficar e finalmente competir.

Visto

O primeiro passo para conseguir competir nos Estados Unidos e tirar o passaporte junto à Polícia Federal mais próxima e depois a parte mais complexa: conseguir o visto.

Existem tipos diferentes de vistos, designados para os mais variados objetivos de viagens: B1 e B2 – destinados para turismo e negócios e o P1 – para atletas.

Os vistos B1 e B2 possuem validade de 10 anos, mas o passageiro pode permanecer no destino apenas 6 meses, tendo a obrigação de voltar. Neste modelo de visto, o passageiro pode até competir em provas internacionais, mas não pode ter ganho financeiro, pois este deve ser declarado.

Segundo Monica Bedani Amá, da agência Monica Viagens, o indicado é o atleta conseguir primeiramente o visto B1 ou B2 e, depois que estiver nos Estados Unidos, mudar o status do seu visto para P1.

Como conseguir o visto?

O processo para a retirada do visto é complexo e neste momento muitos atletas acabam tendo sua entrada nos EUA barrada. Para conseguir o visto, você precisa comprovar, através de documentos, que tenha vínculos com o Brasil e como tal, pretende voltar em uma data específica.

Essa comprovação ocorre por meio de registro em Carteira de Trabalho – comprovando que você possui emprego fixo, um bom salário e casa ou carro em seu nome. “Este é o principal erro dos atletas que querem competir fora e estão em busca do visto. Muitos não possuem emprego fixo, salário e por serem de origem humilde, não possuem nenhum bem no nome deles. Diante dessa realidade, a possibilidade de ter o visto negado é eminente”, explica Mônica.

Ainda segundo Mônica, cada detalhe é analisado, por isso, o auxílio de uma assessoria se faz necessário, para que você não esqueça nenhuma informação ou mesmo, cometa algum erro bobo, que pode resultar na negativa. Se o atleta teve uma negativa, pode no dia seguinte tentar novamente, corrigindo os erros que o levaram a receber o não.

Passaporte P1 para atletas

O segundo passo após a obtenção do passaporte B1 ou B2 é conseguir o P1, destinado aos atletas que participarão de competições com remuneração financeira. Nesta modalidade, Monica explica que é necessário a contratação de um advogado de imigração. “Essa contratação se faz necessária, pois o atleta deverá comprovar toda a sua vida atlética por meio de documentos. Não é possível conseguir esse visto sem o auxílio deste profissional”.

Essa comprovação é realizada por meio de documentos que atestem a carreira do atleta, como posição no ranking de uma associação, títulos, ganhos financeiros com as vitórias, matérias que por ventura tenha participado, enfim tudo que possa comprovar que o peão de fato compete.

“Essa é uma fase que precisa ser realizada com muito cuidado. O atleta precisa documentar desde o início da sua carreira e nada pode ser deixado para trás. Além disso, o atleta precisa de um patrocinador, uma empresa legalizada que estará com a sua logo estampada na camiseta do atleta”, ressalta. Essa é uma parte muito importante, já que, de acordo com Mônica, a empresa precisa estar com toda a documentação em dia, regularizada, para que possa ter validade junto à embaixada.

Outro documento necessário é a carta de um atleta renomado, que já está participando de competições nos Estados Unidos, que ateste que o requerente é um atleta, que possui ganhos e é filiado à uma associação. “Este atleta também precisa ser uma pessoa de renome, para que a carta tenha validade”, afirma Monica.

Estadia nos Estados Unidos

Não basta apenas comprar passagem, conseguir o visto e viajar, é preciso ter em mente onde vai ficar, treinar e o principal, com quais animais serão feitos os treinos. Em Burleson, Texas, o brasileiro Frederico Werneck possui uma propriedade destinada especificamente para isso, abrigar atletas brasileiros que querem competir nos EUA.

O Werneck Ranch foi lançado em 2006, e a ideia surgiu depois que o laçador encontrou uma grande lacuna no mercado. Os competidores que desejavam vir aos EUA, participarem das provas, não conseguiam encontrar animais competitivos. “Aqui não é igual ao Brasil, em que criamos vários animais. Aqui se cria dois, três e estes são tratados como membros da família”, comenta.

Diante dessa lacuna no mercado, Werneck resolveu adquirir alguns animais para competições, com exemplares de diversas categorias e para diversas modalidades, para oferecer aos brasileiros que quisessem ir aos EUA competir. “Eu busquei bons animais, pois aqui, culturalmente, o dono dos cavalos ganha uma porcentagem do prêmio”. Assim, nascia o Werneck Ranch, uma propriedade que abriga competidores estrangeiros que querem “conquistar a vida” em solo americano.

Ao longo dos anos, a propriedade já recebeu nomes de destaque no cenário nacional e internacional, e atualmente recebe em média 10 alunos por mês, oferecendo moradia e os animais para treinamento e competição.

Procura grande para competir em solo americano

O número de brasileiros que está em busca de “um lugar ao sol” nas competições americanas é grande. Segundo Mônica, por dia, ela chega a receber por volta de 10 atletas que querem competir nos Estados Unidos e destes, entre 3 e 4 apenas conseguem.

“É preciso estar atendo a todos os detalhes para conseguir o visto e ter a chance de ir realizar o grande sonho de competir nos Estados Unidos”, finaliza.

Por Camila Pedroso. Redação Cavalus

Fotos: Arquivo pessoal

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Silvano Alves entra para PBR Team Series

Em contrapartida, José Vitor Leme é destaque no campeonato, liderando a corrida de “Melhor jogador da temporada”

Publicado

⠀em

Mais um brasileiro na PBR Team Series. Silvano Alves acaba de assinar com o Nashiville Stampede. Agora, ele se junta ao time formado pelos brasileiros Kaique Pacheco, Dener Barbosa, Manoelito de Souza Junior, João Henrique Lucas, Fernando Henrique Novais, Lucas Fideles Souza, Thiago Salgado, além de Ryan Dieteater, Justin McBride, Dustin Ortiz, Jaxton Mortensen e Mason Moody.

Histórico de Silvano na PBR

Considerado uma das lendas do esporte, Silvano Alves é um nome sempre presente nos livros de recordes da entidade. O cowboy foi o primeiro a fazer uma dobradinha, vencendo os Campeonatos Mundiais da PBR em 2011 e 2012 consecutivamente.

Alves ainda se igualou a Adriano Moraes sendo um dos dois únicos tricampeões mundiais da entidade, e um dos dois únicos cmpetidores a serem nomeados Rookie of the Year (2010) e Campeão Mundial (2011) em anos consecutivos.

Durante a temporada individual de 2022, Alves se classificou para sua 13ª Final Mundial consecutiva da PBR, concluindo a campanha em 39º lugar. Desde as Finais Mundiais em maio, Alves tem sido uma força consistente na Challenger Series, registrando sete Top 10 em 11 eventos inscritos.

Leme, o atual destaque da temporada

José Vitor Leme está simplesmente voando na PBR Team Series. Integrante do Austin Gamblers, o brasileiro ajudou o time a vencer mais uma batalha, da etapa de Anaheim, Califórnia.

Leme foi muito importante para a vitória dos Gamblers contra os Nashiville Stampede na noite de sexta e contra o Kansas City Outlaws no sábado. O brasileiro venceu 7 de 10 touros que montou e lidera a corrida de “Melhor jogador da temporada”. Com o resultado, Austin Gamblers ultrapassou o Ridge Riders.

A próxima etapa do campeonato será em Bridgestone Arena, em Nashville, Tennessee, para o evento homestand do Nashville Stampede, que será realizado entre os dias 19, 20 e 21 de agosto.

Fonte: PBR

Fotos: PBR

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Cavalo desenganado vence prova da Tríplice Coroa da NCHA

O National Cutting Horse Association (NCHA) Summer Spectacular aconteceu em Fort Worth, Texas, de 16 de julho a 5 de agosto

Publicado

⠀em

Cavalo desenganado pelos médicos vence prova da Tríplice Coroa da NCHA

Quem viu a final do NCHA Classic/Challenge de Apartação 2022 se maravilhou com o desempenho Quackman (Sannman X Duck On A Chain). Ao marcar 222 pontos, sob a sela de seu proprietário Tom Kaufmann, venceu a categoria Amador. O que muitos não sabem é a superação desse cavalo desenganado pelos médicos após um incidente grave dois anos atrás.

Com provas para cavalos de quatro anos hípicos – Classic/Challenge – e para cavalos de cinco e seis anos hípicos – Derby, o NCHA Summer Spectacular concede títulos entre os mais importantes a cada temporada. Acontece todos os anos no Will Rogers Complex, em Fort Worth, Texas, um dos locais mais tradicionais para o cavalo de boi do mundo. E faz parte da Tríplice Coroa da NCHA, junto ao Super Stakes e ao Futurity.

Um cavalo desenganado pelos médicos

Movimentos ágeis e precisos de Quackman encantaram juízes e público. Mas, é a sua força interior que tem chamado atenção quando se conhece mais a fundo sua história. Uma experiência de quase morte, seguida de uma cirurgia de correção, o tiraram das pistas em 2020, ano em que começou a ser treinado para Apartação.

“Desde o início ele se mostrou forte, tanto física como mentalmente. Praticamente, treinava sozinho antes do acidente”, comenta o proprietário e cavaleiro de Quackman, Tom Kaufmann, de Granbury, Texas.

Seu talento não foi superado pelas adversidades. Quackman passou pelo teste mais difícil de sua vida, quando um acidente alguns meses após iniciado o tratamento colocou sua carreira em espera. “Ele engasgou com um cubo de alfafa. Ao engasgar, contraiu uma infecção bacteriana no esôfago, que desceu para os pulmões”, relembra Kaufmann à reportagem da Quarter Horse News.

Ele e a esposa Michelle o levaram prontamente a um hospital veterinário altamente conceituado e foram informados de que o cavalo nunca mais seria montado, que a carreira dele estava acabada. Recebendo, inclusive, indicação para que o casal o sacrificasse, já que teria muita dificuldade de respirar.

Cavalo desenganado pelos médicos vence prova da Tríplice Coroa da NCHA
Tom Kaufmann com Duck On A Chain quando ganharam o 2012 Breeder’s Invitational – Foto: Erin Miller

Dedicação e amor

Kaufmann procurou uma segunda opinião e o levou para casa na esperança de reabilitá-lo. Cuidaram dele com afinco e carinho. Michelle o colocou em um nebulizador e o deixou em um pequeno pasto atrás da propriedade. Local agradável e fresco com grama verde.  Quackman também recebeu antibióticos.

Além de enxergar o potencial do futuro vencedor, Kaufmann tinha uma motivação a mais. Quackman, o cavalo desenganado pelos médicos, é a primeira cria do casal, filho da égua que ele montou em 2012 em seu retorno às pistas para competir.

Fazendo conjunto com Duck On A Chain, Tom venceu o Breeder’s Invitational Amateur Classic/Challenge. Depois, cruzou a égua – que possui US$ 83.127 em ganhos de acordo com o EquiStat – com o garanhão Sannman. “Vejo muitas semelhanças entre eles, principalmente na postura dentro da pista”.

Os pulmões de ‘Crash’ se recuperaram com cuidados e zelo de Kaufmann e Michelle. Em seguida, o cavalo desenganado passou por uma cirurgia no palato para corrigir os danos causados ​​pela tosse. Ao todo, foram oito meses afastado dos treinos enquanto outros cavalos de sua idade se preparavam para o Futurity.

A volta por cima

Kaufmann e Michelle não conseguiram colocar Quackman em atividade antes de março de 2021. Primeiro, foi Russ Elrod que ficou com ele por um tempo, competindo no circuito da Costa Oeste. Depois, foi a vez de RL Chartier o treinar, finalizando a preparação para o NCHA Futurity.

Kylie, filha do casal, apresentou o cavalo o NCHA Futurity Limited Non Pro 2021. Foi o primeiro cheque (de US$ 6.000) do antes cavalo desenganado pelos médicos que deveria ter sido sacrificado.

Já em 2022, durante o próprio Summer Spectacular, Michelle o montou na categoria Intermediate Amateur para animais de 4 anos hípicos, e avançou para a final. O conjunto levou US$ 3.550. O cavalo teria mais uma batalha pela frente, a final da categoria Amador com Tom. Quackman estava pronto.

“Chegamos ao Will Rogers quando eles estavam passando o gado. Minha esposa deu algumas voltas com ele e eu assumi em seguida. Apartamos sem dificuldades, o senti ligado no gado a todo o instante, prestando atenção no trabalho. A cada montada ele ficava cada vez mais atento”, comenta o feliz dono e cavaleiro.

Com os US$ 9.515 pela vitória, Quackman, ‘aka’ Crash, já soma ganhos de US$ 21.621. É o único descendente de Duck On A Chain com premiação, mas do lado paterno colocou Sannman à beira de se tornar um EquiStat Elite $ 1 Million Sire, ou seja, um garanhão produtor de mais de um milhão em ganhos.

Por Luciana Omena • Redação Cavalus 
Fonte: Quarter Horse News
Foto de chamada: Quackman e Tom Kaufmann durante o NCHA Summer Spectacular| crédito: Video West Productions

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Arizona Ridge Riders vence a etapa do PBR Outlaw Days

Time com o maior número de brasileiros lidera o ranking do PBR Times Series

Publicado

⠀em

Arizona Ridge Riders vence a etapa do PBR Outlaw Days

Neste final de semana, os brasileiros brilharam nas pistas americanas do PBR Team Series. Na etapa de Kansas City, Missouri, o time com o maior número de atletas com a camisa verde e amarela, incluindo seu técnico, o Arizona Ridge Riders, foi o campeão da rodada de PBR Outlaw Days.

A rodada começou na sexta-feira (5) quando os Ridge Riders derrotaram os anfitriões Kansas City Outlaws. No sábado, a vítima da vez foi o Oklaroma Freedom.

Já no domingo (7), o time formado pelos brasileiros Luciano de Castro, Maurício Moreira, Eduardo Aparecido, Marco Eguchi, Vitor Losnake, Alisson de Souza, Paulo Lima, Sandro Batista, além dos americanos Chase Dougherty, Josh Steele, Keyshawn Whitehorse, Ross Freeman e Tyce Willis, e os técnicos Colby Yates e o brasileiro Paulo Crimber, já estava com o título nas mãos, e logo na primeira rodada enfrentaram o Nashiville Stampede e dominaram a equipe adversária para conquistar a vitória no evento Outlaw Days, da PBR Team Series.

Passo a passo rumo à vitória na rodada da PBR

Depois de assistir Ryan Dirteater (Hulbert, Oklahoma) do Stampede ser derrotado por Show Me Homie (Jo-Z Bucking Bulls/KC/Spark-lin Acres), Alisson de Souza (Taubaté, Brasil) puxou os Ridge Riders rumo à vitória, quando montou Dark Fantasy (Paradigm Bull Co.) conquistando 77,5 pontos.

Contudo, na segunda rodada, outro brasileiro, Kaique Pacheco colocou “água no chope” ao dar a liderança ao time do Stampede montando Tested’s Viper (Hookin’ W/Leflore Bucking Bulls) e batendo 87 pontos.

O vencedor da Final Mundial da PBR de 2018, Marco Eguchi (Poá, Brasil) foi derrotado por Falcon Eddie (Lari Crane/Gene Owen) em 5s62, no que seria a primeira e única vez que um Ridge Rider atingiria o solo antes dos 8s em um jogo contra o Stampede.

Na terceira rodada, mais um embate de brasileiros na PBR: Thiago Salgado (Naviraí, Brasil) foi escalado para o combate defendendo os Nashville e Sandro Batista (Pedra Preta, Brasil) para os Ridge Riders. Salgado não foi páreo para Another Lunatic (Frihauf Cattle Co.), e Batista, mesmo com muita dificuldade, venceu Contusion (Sho-Me Rodeo) por 70,25 pontos.

Apesar de ter sido premiado com um re-ride, os treinadores dos Ridge Riders optaram por manter a pontuação e o resultado garantiu a vitória time.

A PBR Team Series segue agora para o Honda Center em Anaheim, Califórnia, para o segundo de dois eventos em local neutro programados para a temporada regular de 2022. A rodada será realizada nos dias 12 e 13 de agosto.

Por Camila Pedroso. Redação Cavalus

Foto: Andy Watson/Bull Stock Media

Fonte: PBR / PBR Brazil

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Fernando Salgado lidera ranking da NRHA em 2022

Treinador e competidor brasileiro da modalidade Rédeas obteve bons resultados nos últimos meses; veja também os destaques do Brasil na PRCA

Publicado

⠀em

Fernando Salgado lidera ranking da NRHA em 2022

Não é novidade para ninguém que o Brasil exporta talentos para os Estados Unidos e Europa em todos os esportes. No esporte equestre não podia ser diferente. E entre os destaques de 2022, o brasileiro Fernando Salgado, na modalidade Rédeas. Na edição de agosto da revista da NRHA – National Reining Horse Association, ele aparece em primeiro lugar no ranking de treinadores.

Morando e trabalhando nos Estados Unidos desde 2011, Fernando Salgado soma, de acordo com a Reiner de agosto, US$ 203.305,00 em ganhos na temporada 2022, a melhor marca. A NRHA divulga mês a mês o ranking dos 25 melhores treinadores, amadores e proprietários de acordo com os ganhos do ano.

“Ano passado tive um pouco de má sorte, posso chamar assim, com meus cavalos de futurity (potros). Eu estava com um grupo muito bom de cavalos, mas eles sofreram lesões e alguns outros problemas. Com isso, eu desci para o Nível 3 esse ano, permanecendo com um grupo de cavalos muito bom. Quis aproveitar essa condição”, conta Fernando Salgado.

“Desde o começo do ano, tenho ido a muitas provas e, graças a Deus, tive resultados muito bons em todas. O que me coloca em número um da temporada até o momento. Algo que é, sem dúvida, um sonho. E estou trabalhando muito duro para conseguir me manter até o fim do ano nessa posição”, reitera o brasileiro, que tem seu centro de treinamento na cidade de Gainesville, Texas.

Entre os resultados de Fernando Salgado na temporada, vitória no Winter Slide Derby Open, segundo lugar no Flórida Reining Classic Open, campeão do OKRHA Ride & Slide Derby Open, vice-campeão do Cactus Reining Classic Open, quarto lugar no NRBC Open, vitória no Mother’s Day Derby Open, dois cavalos na final do NRHA Derby Open.

O Cactus Reining Classic também foi classificatória oficial para o The Run For a Million e Fernando Salgado conquistou uma vaga para essa concorrida prova. “Eu estou muito animado de competir no Run For a Million, que será em Vegas daqui a duas semanas. É, sem dúvida, uma competição que está mudando a Rédeas.”

Fernando Salgado lidera ranking da NRHA em 2022
Revista Reiner/agosto2022

Ganhos de Fernando Salgado já são maiores

Os ganhos mais recentes de Fernando Salgado não estão computados na Reiner por conta da data de fechamento da revista. Segundo suas anotações, ele já soma mais de US$ 260 mil esse ano. Isso porque, o brasileiro ganhou o Reining by the Bay, realizado em Woodside, Califórnia, de 16 a 23 de julho. E agora, de 30 de julho a 7 de agosto, em Ocala, Flórida, colocou cinco cavalos no top15 no The North American Reining Stakes.

Com Flinns Smoking Gun, Fernando Salgado foi campeão da categoria Open Futurity do Reining by the Bay nos níveis 3 e 4 ao marcar 221 pontos. Entrando no top10 do Nível 4 também com Spook First Gotta. Nesse mesmo evento, nas categorias Derby e Stakes, o brasileiro obteve outros bons resultados.

Com Stop Like A Inferno e Bob Reiner, marcou 221,5 pontos empatando com o brasileiro Gabriel Borges em terceiro Nível 4 e segundo Nível 3 Stakes Open. Enquanto no Derby Open, com Vinny Gun, Stop Like A Inferno e Bob Reiner, 221,5 pontos, sétimo lugar Nível 4 e terceiro Nível 3.

Vale destacar ainda a participação do brasileiro Gabriel Borges no Derby Open, quarto lugar Nível 4 e segundo Nível 3, 224 pontos, com Silver Whizkey Shot.

No The North American Reining Stakes, que acabou no último final de semana, Fernando Salgado marcou 221 pontos com FS Inferno, empatando em oitavo lugar Open Futurity Nível 4 e terceiro Nível 3. Com Overthemoonforyou entrou na zona de premiação do Nível 3. Cristiano Coelho também participou dessa categoria.

Já com Vinny Gun e Twomilliondollarchex, Fernando Salgado empatou em oitavo lugar Open Stakes Nível 4 e quinto Nível 3 ao marcar 226,5 pontos. Ele também pontuou Xtra Wimp It Good com 224,5 pontos, 15° Nível 4 e 11° Nível 3.

Fernando Salgado lidera ranking da NRHA em 2022
Keyla Polizello Costa – Foto: Arquivo Pessoal

Campeonato Mundial de Rodeio da PRCA

Junior Nogueira vem sendo o grande destaque do Team Roping, semana após semana pela PRCA – Professional Rodeo Cowboys Association. Segue liderando o ranking mundial de Laço Pé (Heeling), agora com US$ 168.455,18. Soma recorde da temporada regular para a modalidade dentro do campeonato.

Na última rodada, Juninho e seu parceiro Kaleb Driggers:

  • Lea County PRCA Rodeo (Lovington, NM) – terceiro lugar round 1 – 4s4 – $1,667 (cada)
  • Lea County PRCA Rodeo (Lovington, NM) – segundo lugar round 2 – 4s4 – $1,814 (cada)
  • Lea County PRCA Rodeo (Lovington, NM) – campeões (média) – 8s8 – $3,382 (cada)
  • Dodge City (Kansas) Roundup Rodeo – segundo lugar round 2 – 4s4 – $2,588 (cada)
  • Kansas’ (Phillipsburg) Biggest Rodeo – sétimo lugar – 4s7 – $1,255 (cada)
  • XIT Rodeo & Reunion (Dalhart, Texas) – terceiro lugar – 5s1 – $2,209 (cada)
  • Douglas County Fair and Rodeo (Castle Rock, Colo) – quinto lugar – 5s5 – $2,585 (cada)

Marcos Alan Costa, no Tie-Down Roping, voltou a ganhar alguns dólares na rodada mais recente. Participando do Dodge City Roundup Rodeo, em Dodge City, Kansas, Marquinhos foi sétimo colocado com, 9s4, somando US$ 801,00 para o ranking mundial. Ele agora tem US$ 50.113,09 e ocupa a 26ª posição.

Julho foi um ótimo mês para a brasileira Keyla Polizello Costa nos Três Tambores. “Foi realmente um mês abençoado. Dos anos que estou competindo aqui, foi meu melhor mês na PRCA. Cheguei a US$ 12.393,01, 95ª melhor amazona do ranking mundial. Subi dez posições”, conta a brasileira, casada com o laçador Marcos Alan, nos Estados Unidos desde 2017.

“Foram rodeios muito difíceis, bastante disputados. Especialmente os de Nevada e Colorado, pois competi lado a lado com as melhores do mundo. E também fico feliz por ter pontuado com os três animais que estou montando no momento: Zumanity Cristal CMV, Your Lion Bugs Me (Max) e The Dragon Roll (Pipe)”.

Keyla pontuou em:

  • Deadwood (South Dakota) Days Of ’76 Rodeo – quarto lugar – 17s56 – $2,311
  • Mesquite (Texas) Championship Rodeo – oitavo lugar – 15s57 – $56
  • Rooftop Rodeo (Estes Park, Colo.) – décimo segundo lugar – 16s66 – $522
  • Silver State Stampede (Elko, Nev.) – décimo segundo lugar – 17s72 – $514
  • Home Of Champions Rodeo (Red Lodge, Mont.) – décimo primeiro lugar – 17s72 -$548

A boa notícia é que agosto começou bem também para a amazona brasileira. Ela foi nona na média do Dodge City Roundup Rodeo, Kansas (40s03, $531), mesmo tendo derrubado um dos tambores na final, sendo penalizada. Na primeira rodada, a classificatória, Keyla  marcou o quarto tempo, 17s35 e levou $2,299.

No mesmo final de semana, empatou em quinto com Jessica Routier. As duas fizeram 17s02 e ganharam $1,080 no Kansas’ Biggest Rodeo, em Phillipsburg. Conquistas que melhoraram ainda mais a posição dela no ranking mundial WPRA/PRCA. Atualizado em 08 de agosto, Keyla já é a 78ª melhor amazona de 2022, com US$ 16.302,79. Bem perto da meta de alcançar um posto entre as 50 melhores do mundo.

Outros resultados: www.prodeo.com.

Por Luciana Omena
Foto de chamada: Fernando Salgado | crédito: Arquivo Pessoal

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Matheus Fumero é o representante do Brasil no Mundial de Jovens da AQHA

Um dos maiores eventos de raça única do mundo, etapa é realizada até o próximo dia 7 de agosto e reúne jovens atletas com 18 anos ou menos

Publicado

⠀em

Matheus Fumero é o representante do Brasil no Mundial de Jovens da AQHA

Começou hoje (28) o Mundial de Jovens da American Quarter Horse Association (AQHA), o maior encontro de uma única raça, aberto exclusivamente para atletas jovens de 18 anos ou menos.

A etapa ocorre até o próximo dia 7 de agosto em OKC Fairgrounds, em Oklahoma City (EUA) e desta vez, conta com a participação do brasileiro Mateus Fumero, na modalidade de Rédeas.

O jovem recebeu a notícia que iria participar de um dos maiores eventos da raça Quarto de Milha no dia de seu aniversário, 30 de junho, e de uma forma bem inusitada. Justin Billings, Chefe de Provas da AQHYA e outros membros gravaram um vídeo anunciando o atleta brasileiro na competição.

“Ele ficou muito surpreso e feliz ao assistir o vídeo da AQHYA, não estava acreditando. Como pai, foi muito satisfatório saber que meu filho vai representar o Brasil no Mundial de Jovens”, comentou Renato Fumero, pai do atleta, ao site da ANCR.

A participação de atletas no evento se dá por meio de um convite, oferecido à atletas de entidades associadas. Dr. Flávio Ribeiro, competidor Amador de Laço Individual que reside nos Estados Unidos há 20 anos, solicitou a Dawn Forrest, voluntária organizadora do Mundial de Jovens, o convite para a participação do jovem no Campeonato.

Histórico de Matheus

O jovem atleta iniciou na modalidade de Rédeas no final de 2020 e é treinado por Jone Carlos da Silva. Matheus possui no seu currículo vitórias importantes, como os ABQM Awards Aberta de Rédeas 2020 e 2021.

Em sua última apresentação, Matheus conquistou o título de campeão na Categoria Jovem 13, com nota 70, e ainda garantiu o segundo lugar na Jovem 15, durante a 3ª Etapa do Núcleo Anhanguera do Cavalo de Rédeas (NACR), em junho.

Mundial de Jovens da AQHA

Conhecido anteriormente como American Junior Quarter Horse Association, a American Quarter Horse Youth Association World Championship Show estreou em 1972 em Amarillo, Texas, e foi o primeiro evento mundial organizado pela AQHA.

Mais tarde, o AJQHA World Show de Amarillo para Tulsa, Oklahoma, onde permaneceu por décadas antes de se mudar para Fort Worth, Texas. Em 2008, o AQHYA World Show mudou-se para sua casa, o State Fair Park, em Oklahoma City.

Em 2017, a AQHA adicionou o Campeonato Juvenil Nível 2, realizado simultaneamente com o AQHYA World Show. E em 2018, a AQHA coroou pela primeira vez sete campeões mundiais 13-&-Under nos principais eventos da associação: Western Pleasure, Hunter Under Saddle, Horsemanship, Hunt Seat Equitation, Showmanship, Ranch Riding and Trail.

Hoje, o AQHYA World Championship Show é o maior show de cavalos de raça única do mundo aberto exclusivamente para jovens de 18 anos ou menos. O evento homenageia 42 campeões mundiais e 33 campeões Adequan® Nível 2.

Por: Camila Pedroso

Fonte: ANCR / AQHA

Foto: Adilson Silva/ Foto Perigo /AQHA

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Estreia do PBR Team Series tem Missouri Thunder como vencedor

Rodada ocorreu na arena Cheyenne Frontier Days, o principal Rodeio dos Estados Unidos

Publicado

⠀em

Estreia do PBR Team Series tem Missouri Thunder como vencedor

Finalmente, a tão esperada PBR Team Series estreou nesta segunda e terça-feira (25 e 26) na arena Cheyenne Frontier Days, o principal Rodeio dos Estados Unidos. Os oito times estiveram frente e frente em busca da tão sonhada vitória na primeira etapa do novo campeonato, a nova liga de competição por equipes da Professional Bull Riders (PBR).

Nesta primeira rodada, o time Missouri Thunder foi dominante. O time conquistou a primeira vitória na história da prova, eliminando o Ariat Texas Rattlers por 89,25-0.

Como uma das três equipes vencedoras da segunda-feira, após uma derrota do Arizona Ridge Riders (1-1) para o Carolina Cowboys (1-1) no primeiro jogo na noite de terça-feira, o título da PBR Team Series seria disputado por Thunder e o Nashville Stampede.

Na rodada bônus, os treinadores do Thunder, Coleman e Luke Snyder resolveram dar uma chance a Callum Miller e confrontando com o touro Alakazam, não conseguiu chegar aos 8 segundos, mas os pontos conquistados anteriormente, garantiram a vitória do Missouri Thunder.

Na classificação geral da PBR Team Series, o Thunder ocupa o primeiro lugar no ranking, tendo acumulado 263,5 pontos agregados e um ponto de bônus na rodada. Eles estão um jogo a frente do número 2 do Carolina Cowboys.

Brasileiros que se destacaram na rodada da PBR

O bicampeão mundial da PBR, Jose Vitor Leme, fez uma ótima corrida na rodada bônus nesta terça (26) conquistando 90 pontos para o Austin Gamblers, montando Montana Jacket (Berg/Coleman/Ogden) por 90,75 pontos. 

Na primeira noite do evento, os brasileiros deram um show a parte na Arena Cheyenne Frontier Days. Adriano Salgado marcou 89,25 pontos montando American Gangster (Jane Clark / Gene Owen), dando a vitória ao Missouri Thunder, enquanto todos os seus companheiros de equipe e atletas da equipe concorrente foram ao chão antes dos oito segundos.

Próxima rodada

A PBR Team Series viaja para o T-Mobile Center em Kansas City, Missouri, para Outlaw Days, o primeiro dos oito homestands de três dias da equipe na temporada de 2022. 

O evento será nos próximos dias 5,6 e 7 de agosto. Os confrontos de jogos para a noite de abertura da competição são:

Nashville Stampede x Ariat Texas Rattlers

Austin Gamblers x Carolina Cowboys

Oklahoma Freedom x Missouri Thunder

Kansas City Outlaws vs Arizona Ridge Riders

Por: Camila Pedroso

Fonte e Fotos: PBR/ PBR Brazil

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

WCRA: Junior Nogueira vence em Utah com tempo recorde

Laçador brasileiro lidera o ranking da World Champions Rodeo Alliance, entidade que já pagou, desde 2018, mais de US$ 12 milhões em prêmios; veja também resultados do High School Nationals

Publicado

⠀em

WCRA Junior Nogueira vence em Utah com tempo recorde

Junior Nogueira, ao lado do seu parceiro Kaleb Driggers, foi campeão do Team Roping no Utah Days of ‘47 Rodeo. O rodeio, integrante do calendário anual da WCRA – World Champions Rodeo Alliance, contou com disputas em todas as modalidades. E a premiação, como sempre expressiva, foi de US$ 562.500,00.

A decisão dessa etapa da WCRA, dia 25 de julho, assim como as fases classificatórias (de 20 a 23 de julho), aconteceram no Utah State Fairpark, em Salt Lake City. 288 atletas em nove disciplinas, entre os melhores do ranking e convidados da organização, estiveram na arena.

Juninho e Kaleb entraram na final em terceiro lugar e marcaram o melhor tempo da noite de segunda-feira. 4s06, aliás, foi o recorde da arena de Utah no Team Roping durante toda a semana. Os campeões mundiais e agora bicampeões de etapas da WCRA, superaram Andrew Ward e Buddy Hawkins, que acabaram em segundo lugar com 4s36.

Com a vitória, Junior Nogueira e Kaleb Driggers lideram o ranking 2022 da WCRA Laço Pé e Cabeça, respectivamente. O Utah Days of ‘47 Rodeo foi o 25° evento da entidade, que desde seu lançamento em maio de 2018, junto a seus parceiros, pagou mais de US$ 12,1 milhões em dinheiro aos atletas.

Essa foi ainda a terceira etapa da Tríplice Coroa WCRA 2022. E seis competidores eram elegíveis ao bônus de US$ 1 milhão. A Tríplice Coroa consiste em um mesmo atleta, na mesma modalidade, ganhar o primeiro lugar em três grandes rodeios consecutivos da WCRA.

RC Landingham, do Bareback, é o único que permanece na disputa. Depois de Corpus Christi e Utah, ele precisa vencer o WCRA’s Cowtown Christmas Championship. Resultados completos, clique aqui.

WCRA Junior Nogueira vence em Utah com tempo recorde
Imagem: WCRA Rodeo

Da WCRA para a PRCA: Junior Nogueira é destaque

Unstoppable’s – ou imparáveis, na tradução para o português – é como a mídia especializada nos Estados Unidos têm chamado a dupla do momento no Team Roping. Junior Nogueira e Kaleb Driggers vivem uma ocasião única em suas carreiras, colhendo os frutos de talento, perseverança, sintonia e amizade que os une.

De acordo com o Team Roping Journal, nenhuma outra dupla fez o que Juninho e Kaleb fizeram até essa altura em 2022. Em apenas 39 rodeios oficializados pela PRCA – Professional Rodeo Cowboys Association em julho, eles quebraram os recordes de ganhos da temporada regular da associação.

Ainda faltam dois meses completos para o encerramento da temporada regular da PRCA, mas os dois laçadores já acumularam o valor inédito de US$ 152.018,86 cada um no ano. Entre os últimos resultados: segundo lugar na primeira rodada de Spanish Fork, Utah, 4s3; na mesma noite, quarto lugar na média de Ogden, Utah, 10s9 somados; quarto colocado também do California Rodeo Salinas, 52s4.

Clay Smith estabeleceu o recorde anterior em 2019, quando somou US$ 150.512 em ganhos no mesmo período. Enquanto Travis Graves teve o recorde de US$ 147.653 de premiações em 2010 para a mesma época do ano. Além de ser uma marca inédita na PRCA e para o laçador brasileiro, ele se distancia ainda mais dos concorrentes. Buddy Hawkins, o segundo no ranking mundial de Laço Pé tem US$ 89.825,36.

“É muito legal bater o recorde. Depois de conseguir algo fico feliz, mas já estou pensando em realizar outra coisa. Sou muito grato, porque isso significa muito. Mesmo que estejamos sempre querendo fazer melhor e ser melhor, gosto de me concentrar em apreciar as bênçãos que tivemos este ano”, comenta Junior Nogueira ao Team Roping Journal.

WCRA: Junior Nogueira vence em Utah com tempo recorde
Jonh Crimber – Foto: Reprodução/Instagram

Jonh Crimber vence pela segunda vez o High School Nationals

A NHSFR – National High School Finals Rodeo, final nacional para os atletas de rodeio do colegial, aconteceu de 17 a 24 de julho, no Cam-Plex Event Center, em Gillette, Wyoming. A final de uma das competições mais importantes das categorias de base do rodeio americano reuniu quatro atletas de cada um dos 44 estados e ainda de Canadá, Austrália, México e Nova Zelândia, totalizando mais de 1600 concorrentes em 16 disciplinas.

O jovem bullrider John Crimber, filho de Paulo Crimber, ex-competidor brasileiro de montaria em touros, trilha um caminho de sucesso desde pequeno. Com dupla cidadania (americana e brasileira), aos 16 anos coleciona títulos em todos os degraus do circuito escolar de rodeio, se preparando para estrear no profissional.

De Freshman ele passou a Sophomore, como são conhecidos os alunos do segundo ano do colegial. Primeiro veio a classificação para a final estadual após vencer, outra vez, a temporada da Região 3 (Texas). Em seguida, ele competiu a State Finals e se classificou novamente para a Nationals Finals. De Decatur, Texas, John Crimber somou 169 pontos para ficar com o título da NHSFR na Montaria em Touros.

“Me sinto tão abençoado por ser coroado campeão mundial de Montaria em Touros @nhsra de 2022. Que semana divertida foi essa aqui em Gillette, com alguns amigos incríveis. Não tenho palavras para agradecer o suficiente à minha família, por se sacrificar tanto para que eu possa fazer o que amo e seguir os meus sonhos! Sem contar os dois títulos consecutivos, quando era Freshman e agora como Sophomore.”

Por Luciana Omena
Foto de chamada: Junior Nogueira em Big Fork, Montana | Crédito: Clay Guardipee Photo/TRJ

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Três brasileiros na lista dos melhores dos últimos 10 anos

Ranking do Equi-Stat, que desde 1985 reúne informações completas sobre as estatísticas do esporte western, divulgou compilado da última década em Apartação, Rédeas e Working Cow Horse

Publicado

⠀em

Três brasileiros na lista dos melhores dos últimos 10 anos

As estatísticas de treinadores profissionais das modalidades western dos últimos dez anos incluem três brasileiros na lista dos melhores. O EquiStat é um banco de dados que compila e publica levantamentos detalhados e reúne informações completas do esporte western há mais de 30 anos

Franco Bertolani e Gabriel Bittar Borges, da Rédeas, e Armando Costa Neto, da Apartação, são os três brasileiros na lista dos melhores profissionais de acordo com o Equi-Stat. A publicação considerou, para os treinadores já consagrados, ganhos nos últimos dez anos, e para os profissionais em ascensão, dos últimos cinco anos.

E é importante ressaltar que, desde a sua criação, o Equi-Stat tornou-se uma fonte popular de informações estatísticas, firmando-se como uma parte importante da indústria do cavalo em todo o mundo. Há credibilidade e confiança de que são dados corretos e atualizados.

De acordo com o site oficial, com base apenas em premiações em dinheiro, o serviço rastreia adequadamente os ganhos dos melhores cavaleiros, cavalos, criadores, proprietários, garanhões e matrizes do setor. Os números são precisos e o Equi-Stat informa que se esforça para manter um banco de dados completo e justo.

Três brasileiros na lista dos melhores dos últimos 10 anos
Armando Costa Neto – Foto: Arquivo/Divulgação NCHA

Brasileiros na lista dos melhores do Equi-Stat dos últimos 10 anos

A lista dos melhores treinadores em ascensão considera os profissionais cujos ganhos vitalícios antes de 1º de janeiro de 2017 não excederam US$ 100.000,00. E ai, faz uma classificação dos 15 melhores levando em conta os eventos de 1º de janeiro de 2017 a 1º de junho de 2022.

Na Apartação, Armando Costa Neto aparece em 13° lugar. Entre 2017 e 2022, ele ganhou US$ 186.214,00. Até 2017, entretanto, ele tinha US$ 18.288,00. E o Equi-Stat mostra ainda que o total de ganhos do brasileiro até 2021 é de US$ 204.502.00

Armandinho está sediado em Mineral Wells, Texas. E, de acordo com as estatísticas, ele deve essa sua posição aos cavalos Sweet Lil Kit Kat (LTE $36,177), Arosesuchastyle (LTE $34,700), Bill Oreylly (LTE $22,266), Watch Me Whip (LTE $18,830) e Niki Sixx (LTE $14,629).

Desde que mudou-se para os Estados Unidos, o treinador brasileiro vem obtendo diversas conquistas. Entre elas, a mais importante, único tríplice coroado na categoria Non Pro pela NCHA quando ainda era amador.

Franco Bertolani e Inferno Sixty Six – Foto: Arquivo/Wattemberry NRHA

Quando falamos dos treinadores profissionais com experiência, a lista dos melhores do Equi-Stat considera os ganhos totais em provas da categoria Open de 1º de janeiro de 2012 a 1º de junho de 2022.

Na Rédeas, Franco Bertolani aparece em sétimo lugar, com US$ 1.433.552,00. Morando em Aubrey, Texas, ele é head trainer do Cardinal Reining Horses. Entre os cavalos que ajudaram o brasileiro a se posicionar bem nessa classificação: Dun It For Whizkey (LTE $235,915), Inferno Sixty Six (LTE $216,165), CFR Centenario Wimpy (LTE $143,709), Masked Gun (LTE $97,308), Hollys Hijacker (LTE $95,151).

Em 2017, o que era algo distante, tornou-se realidade com muito trabalho, dedicação e talento. Ao final daquela temporada, Franco Bertolani chegou ao status de NRHA Million Dollar Rider, ou seja, ultrapassou um milhão de dólares em ganhos nas provas de Rédeas. Primeiro e único brasileiro com essa comenda.

Hoje, há dez anos morando nos Estados Unidos, tem no currículo títulos nas maiores e mais prestigiadas provas da modalidade, assim como está sempre se classificando entre os melhores e entrando em todas as finais.

Três brasileiros na lista dos melhores dos últimos 10 anos
Gabriel Bittar Borges com Checksworthy – Foto: Arquivo/Wattemberry NRHA

Morando em Scottsdale, Arizona, Gabriel Bittar Borges é o 11° colocado na lista dos melhores treinadores em ascensão na Rédeas. Entre 2017 e 2022, ele ganhou US$ 134.390,00, sendo que até 2017 seus ganhos eram de US$ 5.497.00. E no total, segundo o Equi-Stat, os ganhos do brasileiro até 2021 chegam a US$ 139.888,00.

Tudo isso graças aos cavalos Checksworthy (LTE $43,179), One Ruf Kid (LTE $18,279), Gotta Shiney Playboy(LTE $18,091), Lenas Shining Gun (LTE $14,481), Dunsurprizedya (LTE $13,665).

O jovem brasileiro, que entre outros, já foi assistente de Andrea Fappani, reúne em seu currículo êxito em provas de grande expressão da Rédeas nos Estados Unidos, como NRHA Futurity, NRHA Derby  e NRBC.

O maior ganhador, considerando Apartação, Rédeas e Working Cow Horse nessa lista dos melhores dos últimos dez anos é Lloyd Dennis Cox com US$ 5.284.807.00. Um dos nomes mais famosos da indústria, sem dúvida, e uma ‘fera’ na Apartação. Ao todo, em toda sua carreira de quase 30 anos, beira os 10 milhões em ganhos.

Clique aqui para ver a lista completa.

Por Luciana Omena
Crédito das fotos: Arquivo/Divulgação

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

José Vitor Leme assina um dos maiores contratos da PBR

Brasileiro acertou sua contratação com a Austin Gamblers até 2025, duração máxima permitida pela PBR

Publicado

⠀em

Austin Gamblers

O brasileiro José Vitor Leme acaba de assinar um dos maiores contratos entre atletas da história da PBR. A Austin Gamblers, equipe de montaria que receberá a estreia do PBR Team Series, anunciou ontem (19), que assinou oficialmente com o atleta, um contrato até 2025 (quatro anos), a duração máxima de um contrato na competição.

A PBR não revela números, mas estima-se que seja um dos maiores da modalidade.

A equipe também já assinou com todos os seus 11 atletas, antes mesmo da abertura da competição que será no próximo dia 25, em Cheyenne, Wyoming.

Ao site da PBR, JJ Gottsch, CEO do Austin Gamblers, anunciou que era um dia histórico para os fãs e apaixonados pelo esporte. “José está agora consolidado como uma pedra angular e líder dos Gamblers nos próximos anos, e não poderíamos estar mais animados por ele e por todos os nossos atletas realizarem suas estreias e levarem para casa um campeonato”.

Histórico campeão de José Vitor Leme na PBR

Com 25 anos, Leme é um dos atletas mais condecorados da história da elite da montaria mundial. Ele foi o primeiro cowboy a ser escolhido no PBR Team Series Draft inaugural, resultado de suas duas conquistas consecutivas de títulos mundiais em 2020 e 2021, conquista que apenas dois atletas conseguiram.

Em 2021, Leme realizou uma das melhores temporadas da liga, com a quebra de cinco recordes, a conquista de 24 vitórias na temporada – o maior número em uma rodada -, 24 corridas de 90 pontos, além de uma corrida com a pontuação de 98,75 – a maior da temporada.

Além disso, também foi nomeado capitão do time da Austin Gamblers por seus companheiros de time.

“Jose é um talento único em uma geração e sei que fará um ótimo trabalho guiando nossos pilotos durante a temporada inaugural”, afirmou Michael Gaffney, treinador dos Gamblers. 

Início da nova temporada

Os Gamblers começarão sua temporada na próxima semana (25), com o lançamento da PBR Teans em Cheyenne, Wyoming. Austin vai jogar contra o Arizona Ridge Riders.

Confira todas as emoções da PBR Team Series aqui no portal Cavalus.

Por: Camila Pedroso

Fonte e fotos: PBR

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Categorias

COPYRIGHT © 2021 CAVALUS. TODOS DIREITOS RESERVADOS
ESSE SITE É PROTEGIDO PELO GOOGLE RECAPTCHA
POLÍTICA DE PRIVACIDADE | TERMOS DE SERVIÇO