Atleta de Desdemona, Texas, Diaz conta como foi encerrar a temporada 2019 de Saddle Bronc em 16° lugar

Os competidores que disputam em alto rendimento o ranking mundial da PRCA perseguem uma colocação entre 1º e 15° lugares em cada uma das modalidades. Para Isaac Diaz faltou apenas pouco mais de mil dólares para que ele tivesse classificado para a tão esperada final mundial.

Isaac Diaz somou na temporada 2019 em Saddle Bronc Riding US$ 89.785,81, enquanto JJ Elshere ficou com a última vaga ao conquistar US$ 90.811,49. Se tivesse conseguido, seria sua sétima NFR. Na PRCA desde 2006, o atleta tem somados US$ 1.170.740,00 na carreira e esteve na NFR nos anos de 2007, 2009, 2012, 2013, 2015 e 2018.

“Eu ainda adoraria ganhar uma fivela de ouro, mas estou surpreendentemente contente em tentar ser uma luz para os meus amigos de rodeio”, comenta Isaac Diaz em artigo para o The Cowboy Journal. Em sua visão, há sempre tempo para tudo. Ele atua na Sela Americana, enquanto a esposa, Britany Fleck, corre nos Três Tambores.

Os dois estão sempre juntos na estrada, a caminho dos rodeios, e se sentem abençoados por fazerem o que amam. “É muito bom ter o controle da nossa própria rotina. Mas essa maratona da PRCA fica insana se tentamos criar um filho no meio de tudo isso”, conta ele, que tem com Britany, a pequena Whitlee desde dezembro do ano passado.

Um revés

Não importa o que você faça para ganhar a vida, certamente haverá dias bons e outros ruins. Assim como Isaac Diaz em maio desse ano, em Miles City, Montana. Após sua montaria, viu que algo não tinha ido muito bem ao sentir uma dor forte no abdômen. Saiu da arena nem sabe como de tanta dor e ao chegar ao carro, estava batido.

Inesperadamente, ao chegar ao aeroporto, seu vôo estava atrasado e ele perdeu a conexão em Dallas. Precisando muito de um médico, teve que ficar deitado no chão do saguão, com dor. “Só conseguia pensar em que estava no melhor momento em 14 anos de carreira na PRCA. Antes de tudo, até aquele momento eu estava em décimo lugar no ranking”.

A situação era bem ruim, de fato, mas Isaac lembra que não se chateou. “Eu tinha um pouco de paz comigo. Acho que Deus se revela para mim sempre, todos os dias. Senti como se ele estivesse me avisando: ‘Ei, tudo vai dar certo’”.

Quando finalmente conseguiu chegar em casa, o Dr. Tandy Freeman, diretor médico do Justin Sportsmedicine Team, especializado em atletas de rodeio, lhe disse que havia rasgado os músculos do abdômen e da virilha e precisava de cirurgia. Foram dez semanas em recuperação.

Chances

Em todos os anos de carreira, essa foi a primeira vez que Isaac ficou afastado por lesão. Perdeu uma parte do começo da temporada, mas como tinha somado bem até antes do acidente, voltou para os rodeios confiante. E a parada foi uma chance de ficar um pouco em casa curtindo a esposa e a bebê.

A carreira dele começou na Califórnia, onde nasceu. Sua família mais próxima não é ligada ao rodeio, mas tinha parentes distantes que sim. Davie era uma cidade em que o estilo western fervilhava. Seu ‘padrinho’ foi Mike Fletcher, ou simplesmente tio Fletch. Isaac aprendeu a laçar, embora tenha se encontrado no Saddle Bronc. Cresceu no rodeio, participando dos circuitos escolares e universitários.

Quando voltou a montar em agosto, Isaac estava apreensivo a respeito do seu corpo. Tinha trabalhado duro na reabilitação de sua lesão, mas não sabia como as coisas iam se desenrolar em cima de um cavalo novamente. Sentiu dor na primeira montaria, contudo descobriu que era apenas o tecido se acostumando.

Em seguida, se sentindo bem, passou as últimas semanas da temporada regular na estrada. Mas não deu. Por pouco mais de mil dólares ficou em 16° lugar. Está fora da NFR.

Isaac Diaz, atleta de Desdemona, Texas, conta como foi ter encerrado a temporada 2019 da PRCA de Saddle Bronc em 16° lugar
Britany, Isaac e a pequena Whitlee

Inspiração

Sua esposa Britany e ele agora precisam descobrir como cuidar de Whitlee e serem competitivos no circuito mundial. “Agora que somos pais, estamos descobrindo como fazer o rodeio funcionar para nós dois. Mas uma coisa que eu sei sobre a nossa atividade: o rodeio é uma família”.

Enquanto esteve na fase de recuperação, pode ir aos rodeios com a esposa e cuidar da filha enquanto ela competia. Agora, se precisam ir a cidades diferentes, sabe que ela sempre encontra uma amiga para ficar com Whitlee. Desse modo, conseguem ficar em paz.

“Eu diria que estamos satisfeitos com o lugar em que Deus nos colocou agora com a nossa garotinha. Nós dois temos nossos objetivos na profissão, estamos tentando criar cavalos. Tudo o que fazemos gira em torno deles. E para nossa alegria, Whitlee adora cavalos”.

Viver a vida de forma correta, acima de tudo após ter passado por alguns momentos turbulentos na vida, é motivo de orgulho para Isaac. “Claro que eu queria ter a chance de disputar o título esse ano, mas estou feliz de poder ser exemplo”.

E complementa: “Só tenho vontade de continuar enquanto me mantiver competitivo. E o sucesso que tiver em virtude de tudo que eu fizer, sempre será para Deus. Se eu nunca ganhar uma fivela de ouro, ficarei bem com isso. Desde que, quando me aposentar eu continue sendo um bom exemplo.”

Fonte: The Cowboy Journal
Tradução e adaptação: Luciana Omena
Fotos: Matt Cohen e Cedida

Escreva um comentário