Com a vitória, ele subiu duas posições no ranking mundial de Tie-Down Roping, mas ainda está quase US$ 10 mil distante da zona de classificação para a NFR

Faltam duas semanas para a temporada regular da PRCA acabar. Dia 30 de setembro o ranking fecha e os 15 melhores em cada uma das modalidades se classificam para a final, a famosa National Finals Rodeo. Cada atleta tem uma trajetória diferente em busca dos dólares necessários para alcançar a classificação. Para o brasileiro Marcos Alan Costa, o desafio era imenso, já que entrou na disputa praticamente no meio.

Ter a missão de vencer praticamente todos os rodeios para poder subir no ranking é impensável. Mas era o que Marcos Alan precisava há cerca de um mês, um mês e meio. Ele vem pontuando, até ganhando etapas, mas seus adversários diretos também. Então a diferença dele para o décimo quinto colocado se manteve na casa dos dez mil dólares. Marquinhos vem fazendo um bom trabalho.

Keyla e Marcos Alan em Albuquerque

São US$ 70.548,71 somados de final de março até aqui. Agora, ele está em 20° lugar e com duas semanas apenas, restando rodeios em que a premiação não é tão expressiva, a missão ficou ainda mais complicada. “Para Deus nada é impossível, vou tentar a classificação, mas estamos pensando já no começo da temporada 2020, em outubro. Restabelecido fisicamente, quero começar o campeonato desde o começo, como tem que ser, mantendo boas performances”, contou o brasileiro campeão mundial 2017.

No New Mexico State Fair & Rodeo, em Albuquerque, New Mexico, que aconteceu de 10 a 15 de setembro, Marquinhos fez 8s7 na primeira rodada para ganhar US$ 1.200,00 pelo terceiro lugar, marcou 8s4 na segunda passada, ganhando mais US$ 1.411,00 pelo segundo lugar. A soma de 17s1 deu a ele o título da etapa e mais US$ 2.435,00 pelo menor tempo na média. Keyla Polizello Costa, esposa de Marcos, também entrou na zona de classificação dessa etapa, com 15s28, ficou em 15° lugar nos Três Tambores.

Keyla em sua passada no rodeio de Albuquerque. Nessa etapa, ela esteve em pista ao lado de cavalos e competidoras que estão no Top 30 do mundial. É um rodeio que está entre os melhores do circuito, então foi muito importante essa boa performance

A rodada também foi boa para outro brasileiro, Junior Nogueira. Pontuou em Albuquerque, ao lado do parceiro Kaleb Driggers. Foi quarto lugar com uma laçada de 4s1. Empatados com Jake Cooper/Caleb Anderson ganharam cada um US$ 2.848,00. Juninho lidera o ranking de Laço Pé agora com US$ 113.040,73. Seu concorrente direto, Jake Long, praticamente não pontuou, chegando a US$ 106.896,49, pouco mais de 400 dólares só a mais que na rodada passada.

Acontecendo desde 1953, o New Mexico State Fair & Rodeo também contou a história de Logan Patterson e Orin Larsen, que dividiram em 2019 a vitória no Bareback com 91 pontos. Ambos os cowboys levaram para casa US$ 4.266,00 e para cada um essa vitória significou uma coisa diferente. Para Patterson, a chance de chegar perto da classificação para a NFR. Ele agora é o 18° no mundial.

Logan Patterson

“Sempre que você pode dividir uma vitória com um cara assim, você se sente muito bem”, disse Patterson, 25 anos. “Larsen é um cara bom de se estar por perto também”. Pouco menos de seis mil reais o separam do valor de corte para a NFR. Se Patterson mantiver esse ritmo, poderá conseguir sua primeira classificação. Em 2018, ele foi o terceiro melhor do Rookie Standing (Novatos).

Na programação dele, irá ainda em dez rodeios até a janela se fechar. “É apertado, mas ainda restam bons rodeios. Estou animado”, concluiu. Para Larsen, 28 anos, a meta é alcançar a liderança do ranking mundial PRCA de Bareback. Ele segue como terceiro melhor do mundo, garantido na NFR, hoje somando US$ 173.442,41, no calcanhar de Clayton Biglow e Kaycee Feild.

Sage Kimzey em Pendleton

Nessa rodada, o rodeio que tinha maior premiação era o famoso Pendleton Round-Up, em Pendleton, Oregon. A arena desse rodeio é adaptada de uma pista de corrida de cavalos, ou seja, os atletas da PRCA correm na grama. Apesar de ser inusitado, oferece também um pouco de risco aos cavalos. Mas todo mundo sonha e gosta de correr essa etapa. Foram US$ 540.649,00 de premiação no total e Sage Kimzey se destacou.

O pentacampeão mundial da PRCA de Montaria em Touros e atual líder do ranking mundial não tira o pé do acelerador. Venceu seu terceiro título em Pendleton somando 174,50 em duas montarias. De Strong City, Oklahoma, o cowboy de 25 anos, que nunca tinha montado em Hell Hound antes da rodada final, também ganhou Pendleton em 2015 e 2016. “Existem pouquíssimos momentos que deixam você sem palavras e a volta da vitória nesse rodeio é um desses momentos”, comentou Kimzey, que tenta seu sexto título mundial.

Por Luciana Omena
Fonte: PRCA

Escreva um comentário