Andrea Busby, Michele McLeod e Cody Hyde falam sobre a égua falecida em 2006 e o quanto ela foi importante em suas carreiras

A notável égua Kellies Chick morreu inesperadamente em 29 de novembro de 2016, devido a uma sinusite que se desenvolveu rapidamente para uma meningite. Com um coração tão grande quanto suas mãos, ‘Skye’, como ainda é carinhosamente chamada, irradiava uma presença maior que a vida sentida entre todos os que compartilhavam seus extraordinários talentos.

A égua castanha de 2008, filha de Darkelly em The Skye Chick, por Fiesta In The Sky, somou e, ganhos em sua carreira US$ 312.944,00, tendo sido montada por vários dos nomes mais respeitados dos Três Tambores nos Estados Unidos. Em seu último ano de vida, foi de propriedade do Busby Quarter Horses, montada por Andrea Busby. “Skye fez muitos os sonhos de muitas pessoas se tornarem realidade. Cavalos como esse se comportam de maneira diferente – estar perto deles é a melhor parte. Sentimos saudade dela todos os dias”, comentou Andrea.

Cody Hyde

A carreira de Skye começou nas pistas de Corrida, onde ela obteve índice de velocidade 98 e AAA. Ela fez a transição para a arena quando o treinador de cavalos Cody Hyde convenceu Kelly Conrado, de Hudson, Colorado, a comprá-la aos três anos de idade, em 2011. Conrado procurava filhos AAA de Darkelly, e Hyde indicou essa potranca. O treinador trabalhou com Skye naquele inverno e a deixou pronta para os futurities em abril de 2012.

Mas Conrado não estava totalmente convencido, ele achava que Skye era muito grande e pesada. Queria que Hyde montasse um outro cavalo nos futurities, mas o treinador sabia que ela iria valer a pena e convenceu o dono da égua a deixa-la em treinamento. E ele aprendeu a lidar com ela, aquecê-la da forma correta para que ficasse leve e fácil de conduzir na hora da prova. “Quando você tem um cavalo grande e forte, que pode se mover como um pequeno cavalo e é atlético, é uma combinação mágica”.

Skye ganhou mais de US$ 26.000,00 com Hyde em seu ano de estreia nas pistas de Tambor e ficou conhecida por realizar passadas sem esforço, virando os tambores com graça como qualquer outro cavalo com metade do tamanho dela. Embora a atitude de Skye tenha se tornado notória, Hyde se lembra dela como um cavalo gentil e amoroso.

Michele McLeod

Ivy Conrado fez campanha com Skye em 2013, antes do pau a vender para Charlie Cole e Jason Martin, da Highpoint Performance Horses, em Pilot Point, Texas. O talento de Skye floresceu na sela de Michele McLeod, quatro vezes finalista do mundial da PRCA. No começo, McLeod usou Skye para aliviar a pressão de seu cavalo principal, Slick By Design. “Quando começamos a montá-la, eu e minha filha Katelyn, não esperávamos que ela se esforçasse do jeito que ela fazia, mesmo sendo ainda uma égua jovem”, disse Michele.

Skye ganhou quase US$ 49.000,00 em 2013 com Ivy, Michele e Katelyn. Um acidente com Skye em dezembro de 2013 fez Michele quebrar vários ossos no rosto. Apesar da confiança abalada, Skye fez o melhor ano de sua carreira em 2014, ganhando US$ 119.383,00. Entre os êxitos, Katelyn e Skye foram segundo lugar nas semifinais do The American, Michele e Skye estabeleceram o recorde da arena de Nampa, Idaho, foram vitórias em vários rodeios profissionais.

A capacidade de Skye de vencer com vários competidores foi um testemunho do talento bruto da égua. EM 2014, Skye e Michele foram destaque na NFR, marcaram o menor tempo da final, e ficaram em quarto lugar no mundial. “Todos os dias, me sinto abençoada por ter passado esse tempo com ela, ter feito provas memoráveis e tê-la morando comigo. Ela deu muitas oportunidades à nossa família”.

Andrea Busby

O ano de 2015 continuou sendo bom para Skye. Novamente no The American, dessa vez foram para a final, com o tempo mais rápido, mas acabaram derrubando o tambor e não levaram o título. Seus ganhos esse ano chegaram a US$ 101.563,00. Até que seu inegável talento despertou o interesse de Jeff e Andrea Busby. Depois de algumas tentativas, compraram a égua de Jason e Charlie no outono de 2015.

“A primeira vez que eu a montei, pensei, bom Deus, ela é pesada. Como ela poderia ser a Skye que tanto ganhou”, lembra Andrea. Nas primeiras vezes que competiram juntas, Andrea e Skye venceram o Mountain States Circuit Finals Rodeo em 2015, classificando-se para a grande final dos circuitos regionais da PRCA. “Era incrível montá-la. Mesmo sendo grande, o que ela fazia nas pistas era impressionante. Sua força para virar era uma sensação incrível”.

Mas as memórias favoritas de Andrea com Skye não têm nada a ver com as vitórias em provas ou rodeios. “Eu ia até as cocheiras todas as manhãs para vê-la, e conversava com ela. Passei muito tempo com ela todos os dias. Houve momentos em que ela não era sempre divertida, mas suas peculiaridades a faziam ser quem ela era. Skye gostava de sair de sua baia, correr, brincar, mas quando ela estava pronta para a ação, deixava todo mundo apostos. Ela tinha a atenção de todo mundo nos dias de treino no rancho”.

O espaço deixado por Skye nos corações de todos que conviveram com ela pode nunca ser preenchido, mas seu carisma vive nas memórias que ela deixou em todos que tiveram a sorte de compartilhar seu tempo na Terra. “Sou grata por ter tido a chance de amá-la, pela chance de apresentá-la, as coisas que ela me ensinou, lugares que ela me levou. Fico triste, mas ainda sei que foi uma honra e um privilégio tê-la, e sempre serei grata por isso.”

Por Blanche Schaefer/Barrel Horse News
Adaptação Luciana Omena

Escreva um comentário