Laço Comprido

Você conhece todas as modalidades de Laço?

O juiz de provas e inspetor da ABQM Thiago Nitta detalha quais são as modalidades. Bem-estar animal é um dos mais importantes a ser julgado

Publicado

⠀em

Apaixonado por cavalos desde pequeno, Valter Firmino de Holanda fez um curso de Três Tambores e no mesmo dia conheceu o Laço; até hoje

As provas de laço nada mais são do que a representação da rotina diária dos criatórios de gado espalhados pelo mundo. Cada modalidade é utilizada na lida diária do manejo com gado, adaptada à realidade e ao relevo da região.

No Brasil existem três modalidades de laço: Laço em Dupla, também chamado de Team Ropping; Laço Individual, o Tie Down Ropping; e o Laço Comprido, modalidade exclusiva do Brasil.

Para entender um pouco mais sobre cada uma das modalidade, conversamos com médico veterinário, o juiz de prova e inspetor técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM), Thiago Nitta.

Nitta explica, primeiramente, a representação na lida diária de cada modalidade. “O Laço Individual, por exemplo, simula quando nasce um bezerro no campo. O peão precisa laçar o animal para ele fique contido para fazer o curativo do umbigo, identificação, entre outras atividades cotidianas”, explica.

Já o Laço em Dupla, afirma o juiz, é a simulação de quando um animal que está a campo precisa ser contido para um tratamento médico, por exemplo, sem a necessidade de levá-lo para o curral.

“Sem o laço, o peão precisaria tocar todo o rebanho até o curral, um estresse muito maior do que simplesmente laçar o animal que precisa de tratamento”, exemplifica.

Já o Laço Comprido, pontua, como nasceu no Mato Grosso do Sul, devido ao bioma da região, os campos são muito extensos, e o boiadeiro precisa de um laço mais comprido para laçar o animal. “Na Vaquejada é a mesma lógica. É uma região com muita caatinga, e como o vaqueiro iria laçar o animal? Por isso se usa a técnica de pegar o animal pelo rabo para fazer a contenção”, explica.

Laço Individual ou Tie Down Ropping

A modalidade consiste em o cavaleiro laçar o pescoço do gado, enquanto está montado no cavalo. O laçador pode realizar apenas uma laçada e em 30 segundos.

Após laçar o bezerro, o laçador precisa descer do cavalo e pear ele em três patas. Ao terminar a manobra, o atleta dele levantar as mãos para indicar que terminou a prova.

Existem dois tipos de provas de Laço Individual, pontua Nitta: a cronometrada, que consiste na vitória do conjunto que realizar a prova no menor tempo e a técnica que avalia a técnica utilizada, vencendo o conjunto com a maior perfeição das habilidades.

Laço em Dupla ou Team Ropping

Como o próprio nome diz, a prova é realizada por uma dupla de laçadores o cabeceiro e o pezeiro. O cabeceiro é o cavaleiro que fica a esquerda do brete, e tem a tarefa de laçar a cabeça do animal.

Já o pezeiro fica ao lado direito e, como o próprio nome diz, é o responsável por laçar as patas traseiras do animal.

Os cavalos precisam ficar frente a frente antes da largada. Ambos os animais não podem sair antes do boi, para não sofrer punições.

Ao abrir a barreira, o bezerro sai em disparada e o cabeceiro começa a atividade, saindo do brete para laçar o animal. Após, é a vez do pezeiro laçar.

 “Não é qualquer gado que pode participar da prova de Laço em Duplas. São bezerros treinados e desmamados”, ressalta o juiz.

Nessa modalidade existem dois tipos de avaliação: cronometro, que a dupla mais rápida ganha e a prova técnica em que os laçadores são avaliados individualmente e nenhum deles pode ser desclassificado.

Laço comprido

A prova é realizada com um laço confeccionado com couro, com 18 a 20 metros de comprimento e em uma das pontas possui um argola, na outra uma presilha.  

O cavaleiro fica com seu animal no brete à espera do boi. Assim como nas outras modalidades, o cavalo não pode sair antes que o gado, para não sofrer penalização.

O laçador lança o laço antes do cavalo ultrapassar os 100 metros da pista, chamado de raia. Na sequência, o atleta tem 30 metros para fazer a laçada nos chifres do animal.

Laçado o boi, é preciso dar uma volta com ele para retornar ao brete, exigindo sintonia total entre cavaleiro e cavalo.

Se a prova estiver ok, o juiz levanta uma bandeira branca, caso contrário, é levantada uma bandeira vermelha.

O vencedor será aquele chegar ao final sem errar nenhuma laçada.

As notas podem variar entre zero e cem, sedo setenta considerado uma laçada normal.

Bem-estar animal

Nitta reforça que em todas as modalidades os juízes possuem uma conduta muito criteriosa com relação ao bem-estar dos animais, tanto dos bezerros quanto dos cavalos. “Somos muito rígidos com relação aos instrumentos utilizados, a fim de averiguar se estão dentro das regras, observamos a forma como o bezerro cai no solo, se ele cai com as costas no chão, o chamado Jerky Down, o conjunto também é desclassificado, entre outras ações realizadas pelos juízes durante as provas a fim de garantir o bem-estar dos animais”, finaliza o juiz.

Por: Camila Pedroso

Fotos: Arquivo                     

Mais notícias no portal Cavalus

WordPress Ads
WordPress Ads