Esse fato se deu após sua vitória em Camanducaia, em evento realizado pela ACF do Brasil

Esta história faz parte da cobertura do rodeio de Camanducaia/MG. Eu já escrevi e li tantas histórias. Algumas felizes, outras tristes, mas essa me chamou a atenção. Superação descreve em uma palavra a vida de Geudivan Oliveira, 28 anos, representante de Camapuã/MS.

Muitas pessoas ligadas ao no nosso esporte desanimam, ou até mesmo desistem, por motivos que, olhando a história deste competidor, podem parecer pequenos. Acho legal esse formato da Liga Nacional de Rodeio, que o Antônio Carlos leva para todo os eventos que a ACF do Brasil organiza.

O formato dá a chance para os competidores chegarem até a Festa do Peão de Barretos. E esse cara merece estar lá por tudo que passou. Ele foi campeão da etapa da Liga dos Campeões e Liga Nacional de Rodeio, realizadas pela ACF do Brasil em Camanducaia, entre os dias 26 e 28 de julho.

A vitória deu a Geudivan a chance de montar pela primeira vez na Festa do Peão de Barretos. Não dá para falar do começo da carreira dele, sem falar do começo de sua vida. Perdeu o pai aos seis anos de idade, sua mãe criou ele e mais oito irmãos sozinha. Não precisa dizer que teve uma infância difícil.

Rodeio
Geudivan Oliveira tem uma história de superação fantástica

“Quando decidi, ainda moleque, montar em bezerros, era muito óbvio que eu teria que fazer isso escondido, minha mãe não ia permitir que eu entrasse nessa vida. Porém, eu tinha uma inspiração, meu irmão mais velho, Gilvan Oliveira ‘Charola’, que já montava em rodeios”, conta o campeão.

Criado em fazendas, com sua família, Geudivan mudou para Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, para servir o exército. E ao invés de se afastar da ideia de ser um competidor de Montaria em Touros, foi durante esse período que tudo ficou ainda mais claro.

“Eu tinha uns amigos que montavam em touros de rodeio, foi quando eu comecei a treinar e decidi que era algo que queria fazer. Resolvi abandonar o exército e ir para o rodeio”, reforça. Em 2010, Geudivan começou a carreira de peão e logo estava viajando com seu grande ídolo, o irmão Gilvan.

“Dezoito dias depois de eu sair do exército, meu irmão faleceu em um acidente de trânsito. Foi um momento muito triste, ele era, e ainda é, meu ídolo, só consegui viajar com ele para uns seis rodeios. Quando eu parei de servir, achei que teríamos uma longa vida juntos na estrada, mas a estrada tirou vida dele. A vontade de parar foi imediata, pensei em desistir, largar mão de tudo. Mas, meus amigos me deram força e continuei”, lembra com um pouco de tristeza.

A volta foi dolorosa. Quando chegou a sua primeira final, sentiu muito. “Eu ainda estava superando a morte do meu irmão, consegui entrar na primeira final da carreira e quebrei o maxilar. O ano de 2010 foi um ano para esquecer”.

No ano seguinte, Geudivan conseguiu entrar em algumas finais e o primeiro título de campeão só veio em 2012, na cidade de Rochedo/MS. “A primeira moto ganhei em Camapuã, em 2014, onde ganhei outras três vezes, incluindo um carro pela Liga de Rodeio do Mato Grosso do Sul”. Tetracampeão em sua cidade, já vivendo de rodeio em rodeio, faltava algo na carreira dele, a Festa do Peão de Barretos.

“Eu pedi para um amigo, o Marcelo, que trabalha com o tropeiro Marcelo Tomateiro, uma chance de montar na ACF do Brasil e Liga Nacional de Rodeio, em Ilicínea/MG. Ele conseguiu me ajudar, montei bem e entrei liderando a final, mas cai. Me deram uma nova oportunidade em Camanducaia e desta vez sai como campeão e com a vaga para Barretos”, comemora o competidor.

“O sonho de todo competidor é estar em Barretos e muitos encerram a carreira sem conseguir chegar lá. Eu, pela primeira vez, vou ter essa oportunidade. Tenho que agradecer a ACF do Brasil, que me deu a oportunidade, a Liga Nacional de Rodeio, que realiza o sonho de muitos competidores, e está realizando o meu sonho.”

A próxima etapa da ACF do Brasil, Liga dos Campeões e Liga Nacional de Rodeio acontecerá de hoje, 9, até 12 de agosto.

Por Eugênio José
Foto: Ney Costa

Escreva um comentário