Rodeio

Pressão no começo da carreira foi fundamental para o sucesso

Anderson de Oliveira é o atual campeão nacional da ACR – Associação dos Campeões de Rodeio

De acordo com Anderson de Oliveira, a pressão no começo da carreira foi fundamental para o sucesso. O competidor, de Mundo Novo/MS, teve uma infância cercada pela convivência na fazenda. De fato, cresceu na lida do gado e com influência dos tios, com quem ele morava.

“Eu tinha dois tios competidores, um no rodeio em Touros e outro no Cutiano, então minha inspiração veio dali”, lembra Anderson de Oliveira. Aos 33 anos de idade, o atleta é um competidor com prestígio de ter vencido grandes eventos. A saber: Colorado no Paraná e Rio Verde em Goiás. Entre tantos outros. Assim como, tem 17 motos e dois carros na carreira.

“Trabalhava com gado e uns amigos estavam montando na Fazenda Macu. Ficava ao lado de onde eu morava. Então, me chamaram para montar, eu tinha 22 anos na época. Montei e peguei gosto”, explica Anderson.

Em seu primeiro rodeio, de pequeno porte, levou o terceiro lugar. “Ganhei o mesmo salário que eu ganhava na fazenda. Foi ai que enxerguei o que queria para minha vida”. Anderson de Oliveira, não só é um atleta técnico e bom no boi, como também é um dos competidores mais calmos.

Pressão

Dessa forma, um requisito básico para montar em touros e ter sucesso. Segundo ele, a pressão fez essa base para que tomasse atitude mais tranquila. “Não tinha muitas oportunidade para montar por aqui. Foi quando surgiram alguns eventos no Paraguai”.

Como mora perto, Paloma no Paraguai foi seu primeiro grande rodeio. “Lá a gente sofria uma pressão psicológica muito grande. O tropeiro dava o sedém com uma arma na cintura. O portereiro também, e abriam a porteira de qualquer jeito. Mas eu nem reclamava, mesmo com o joelho todo roxo (risos)”.

Toda essa pressão e as dificuldades, na visão dele, foram um teste. Já que propiciaram campo para ele desistir no começo. “Assim como toda essa pressão se transformou em calma. Sou bem tranquilo para montar e em tudo”.

Carreira

Os rodeios dos sonhos de Anderson rumo ao sucesso eram os do Paraná, Pérola, Colorado, Douradina, entre outros. Olhando para trás, não imaginava chegar onde chegou.

“Lembro que uma vez montei em uns três rodeios grandes e fiquei assustado. Afinal eu estava montando com os competidores que via pela televisão”. Sobre sua ascensão para os rodeios maiores, o competidor conhecido como Sucuri, destaca duas passagens.

“A primeira chance veio quando o salva-vidas Dici me deu uma oportunidade na IPR – Internacional Pro Rodeo, em Iguatemi /MS. Fui campeão e comecei a montar mais em eventos fora do Mato Grosso do Sul”.

Em seguida, Anderson ganhou espaço na Ekip Rozeta, em etapa na cidade de Taquaritinga/SP. “Venci o touro Convento (Cia Califórnia), muito respeitado na época. Dali em diante minha carreira deslanchou. Ganhar Colorado e Rio Verde no mesmo ano foi importante também”.

ACR

Pelos critérios da ACR – Associação de Campeões de Rodeio, o competidor com mais vitórias na temporada sagrou-se campeão da temporada 2019.

E com cinco vitórias, sendo a última na última etapa, onde conseguiu desempatar com outros quatro concorrentes, Anderson de Oliveira conquistou o seu primeiro título nacional.

Ele venceu as etapas de Itapagipe/MG, São Jorge do Patrocínio/PR, Ipaussu/SP, Toledo/PR e Avanhandava/SP.

“Sempre montei bem em todos os campeonatos que passei, mas faltava um título nacional. Ganhar a ACR no meio dos campeões de rodeio, foi algo muito especial para minha carreira.”

Colaboração: Eugênio José
Foto: André Brazão

Veja mais notícia da modalidade Rodeio no portal Cavalus