A arena coberta do Haras Sulera recebeu uma multidão de aficionados pelo Laço em Dupla para três dias de disputas emocionantes

Em busca de uma estrutura diferenciada, com duas pistas cobertas, mais conforto aos laçadores e público, e ainda para não correr o risco da chuva estragar a festa, Cleber Zanovello transferiu a sexta edição de sua prova anual de Laço em Dupla do Haras EZ, em Floreal/SP, para Bálsamo/SP. A  6ª Prova do Clebão aconteceu entre 1° e 3 de dezembro com 2391 inscrições, 500 bois e a presença de laçadores de diversas regiões. Ao todo, R$ 250.000,00 em prêmios mais fivelas e brindes dos patrocinadores.

Leonardo Batistella, Beto Picinato e Cleber Zanovello

“A prova foi muito boa, crescemos bastante nos últimos anos, e isso em deixa feliz. Acredito que se não fosse um pouco de medo da crise, os laçadores até teriam feito até mais inscrições. Mas foi um sucesso, casa lotada, muitos amigos, laçadores de várias cidades. Foi um prazer receber a todos”, conta Cleber.

O maior destaque desta edição foi o Desafio das Cordas. “Foi a maior inovação de dentro do laço, uma sacada minha mesmo, que lancei para esta prova. Entrei em contato com pelo menos sete proprietários de cordas de laço e todos compraram a ideia na hora, mandando cada um seu time. E foi um sucesso. No dia do desafio, a internet parou. E depois, os comentários nas redes sociais e nos grupos de whatsapp foram positivos, todo mundo ficou bastante satisfeito com esse formato. E o público também contribuiu para o sucesso. Nunca vi tanta gente como tinha lá na pista na sexta-feira”.

Time Tomahawk

No Desafio das Cordas – Royal, Precision, Power, Tomahawk, Classic, Fast Back e Cactus – as duplas foram formadas por laçadores patrocinados pela mesma marca de corda. Cada time tinha quatro vagas, o laçador poderia fazer duas inscrições com parceiros diferentes e a média foi feita após dez rodadas. A vitória ficou para a marca Tomahawk Ropes e o time foi formado por Tu do Santos, Rodrigo Paoliello, Rafael Paoliello, Juninho Positel, Diego Barone e Leandro  César. Em segundo lugar ficou a Power Ropes, com Jorge Cury, Luquinha Astorga, Pedro Borges, Rafael Contini, Rodrigo de Lima e Everton Chiozzini e o terceiro foi para o time da Classic, formado por Manuel Procópio, Thales Araujo, Athos, Adriano Rodrigues, Bruno Luz, Gordinho Mota e Zé Soares. Prêmio também para a melhor dupla no individual, Robertinho Jandaia e Zenilton de Jesus.

Rodrigo de Lima e Marcelo Silva

Outro momento bastante interessante foi a disputa da Elite Team Roping, marcando a abertura da nova temporada desse campeonato com recorde de inscritos entre toda as demais provas já realizadas nos dois anos que a ETR existe. É uma categoria para profissionais, que reuniu a nata da modalidade. A vitória ficou para Rodrigo de Lima e Marcelo Silva com 31s01 de somatória. Ainda entre os resultados, ganharam um carro ‘zero’ km as melhores médias em duas categorias. Na prova das Somatórias #6 e #4, com média 6s04, o prêmio ficou para Neto Martins e Arthur Luiz; Beto Picinato e Leonardo Batistella foram os mais rápidos na prova para as Somatórias #3 e #2, com a soma de 12s47. Para a Somatória #8 a premiação foi um Trailer ‘zero’ km e a vitória ficou para duas duplas empatadas: Junior Alegria e Arthur Luiz e Paulo Henrique e Jean da Silva, que somaram 23s75 dividindo o valor do prêmio.

Os ganhadores na #8
Neto Martins e Arthur Luiz,
ganhadores do carro na #6

E para o ano que vem público e laçadores podem esperar ainda mais inovações. “Só tenho gratidão por todo mundo que vem, as amizades que fiz ao longo desses muitos anos que estou nesse meio. Ter pessoas tão importantes do cavalo que fazem questão de vir na minha prova, é muito legal. E cada ano recebemos mais gente. Amizade, é o que resume fazer um evento como esse. Amizade, reconhecimento, o nome que construímos. Conseguir organizar e ter a confiança de todo mundo que veio trabalhar, laçar e prestigiar”.

Cleber encerra agradecendo demais ao José Roberto Sulera, proprietário do Haras Sulera, a todos os laçadores e público, patrocinadores, todos os que trabalharam na prova, desde o manejo, passando pelos locutores Alessandro Mendes e Rony Fernandes, os juízes Danilvo Coroa e Edson Oliveira dos Santos, mesa de inscrição. “E um agradecimento especial à minha família, que me dá o suporte para poder realizar meus sonhos”.

Por Luciana Omena
Foto Marilza Barros

Escreva um comentário