Treinador marcou as duas maiores notas da carreira no evento

Kenny Afonso da Cunha caminha a passos largos para se tornar um dos melhores cavaleiros da raça Quarto de Milha. Ele mostrou, novamente, toda a técnica e talento ao ser o destaque da prova de Laço Individual Técnico durante o 42° Campeonato Nacional ABQM, realizado em Araçatuba, no final de julho. Foi dele as duas maiores notas – 228,5 e 228 pontos.

Nas finais da Aberta Sênior, ele venceu na sela de Kokinho Whiz Het (Gizmo Whiz x Boneca Cardinal MN, por Koko Bars) marcando 228 pontos. O campeão é de Fabiano Barbosa e saiu da criação de João Roberto Turato. De forma inusitada acabou ficando também como reservado campeão da categoria com 228,5 pontos.

Com Billy Is It (PG Billy Gray x Minie Melody Bars) marcou 224 pontos na primeira passada e empatou com Daniel Lopes e Gun Lady Chex. Segundo regulamento, caso haja empate na primeira ou na segunda colocação, os conjuntos voltam para a pista.

Kenny Cunha. Foto: ABQM/Cedida

Kenny já tinha o primeiro lugar da Senior assegurado com Kokinho Whiz Het e os 228. Mas com Billy Is It precisou fazer mais duas passadas para decidir o reservado. Ele e Daniel empataram novamente e tiveram que entrar na pista pela terceira vez nessa final. E ai com 228,5 pontos Kenny ficou com o segundo lugar.

A outra nota 228 foi marcada na final da Aberta Junior, quando ele foi para o galope da vitória novamente, dessa vez montando Ralf Dunt’ It (Country Dunt’ It x BS Easter Sage MA, por Tinny Cutter), de criação e propriedade de Marcelo Fontes Metring.

No ranking Top 10 do evento, o nome do Keninho aparece ainda mais três vezes. Foi campeão Aberta Castrado com Woody Dunit Tazz, nota 225,5; terceiro lugar Aberta Castrado com Little Hit Whiz, nota 224; melhor nota da classificatória da Aberta Castrado com Kokinho Whiz Het, 224.

Premiação. Foto: Miguel Oliveira

“Ter feito a maior nota foi uma realização grande, sentimento de alegria misturado com agradecimento a Deus e à minha família. Em especial meu pai, que vem dando oportunidade há um bom tempo para fazermos o que gostamos. Ele é o grande idealizador do nosso centro de treinamento e mantém a família sempre unida”, conta o jovem treinador de 24 anos, reforçando o lema do pai: ‘juntos somos mais fortes’.

“E vem dando certo. Eu que entrei na pista para apresentar, mas com uma base muito forte por trás. Meu pai e meus irmãos Renato, com suas orientações precisas, e Jefferson, me ajudando no aquecimento dos cavalos. Todo mundo, sempre junto. E a gente vem fazendo um trabalho focado nas provas de Laço. Nos preparamos o ano todo para as provas da ABQM, investindo na estrutura do CT. Sempre  com esse foco, junto com ótimos clientes e bons amigos, que dão dicas na hora certa. Sem dúvida, todos esses fatores culminaram para ser um grande Nacional para nós, que vai ficar na memória”.

Kenny, Jefferson, Paulo e Renato – CT Paulo Cunha. Foto: Namie Kishimoto

Ralf Dunt’ It, que já tinha sido campeão do Potro do Futuro ABQM de Laço Individual Aberta e reservado na Prova Técnica ANLI 2018 com o Jefferson ano passado, é um cavalo bastante especial para Kenny. “Ele é especial, sempre se mostrou de muito talento. Já veio domado para nós e iniciamos ele no bezerro, treinamento já direcionado para a modalidade. Sempre correspondeu, se mostrou especial e agora comprovando em mais um evento”.

O Kokinho Whiz Het é um cavalo que chegou para o CT Paulo Cunho no final de novembro do ano passado. Apesar de já ter idade de Aberta Senior, não tinha iniciado o treinamento completo, ainda não laçava. “Mas ele sempre se mostrou uma máquina. O Congresso da ABQM esse ano foi sua primeira prova, marcou na faixa dos 217 pontos, classificando para a Copa dos Campeões. Então apostamos muito nele no Nacional e o que pensávamos se concretizou, com ele se mostrando um grande vitorioso. Com o 228,5 do Billy, essas notas foram as maiores que eu já marquei, são notas altíssimas. Um marco na minha carreira sem dúvida”.

Para um treinador, fala Kenny, é importante e gratificante ver seu nome aparecer dessa maneira no top 10. “É um fato inesquecível na vida de qualquer pessoa. Fiquei extremamente feliz, demorou cair a ficha lá na hora. Só depois que acabou tudo é que realmente me dei conta do que tinha feito. No dia do Laço Técnico, lacei 24 bezerros e não errei nenhum. Tudo foi fluindo, as provas foram acontecendo, e quando acabou os títulos tinham ficado para mim”.

Kenny e Paulo. Foto: Rodolfo Lesse

Aberta Senior, campeão e reservado; Aberta Junior, campeão e reservado – com Dun It With Gun nota 222,5; Aberta Castrado, campeão e terceiro lugar. Sem contar os demais cavalos que foram finalistas, mas não ficaram no top 10. “Realmente demorou a cair a ficha. Sucesso de toda a equipe. Nunca é uma vitória só minha, muitas pessoas estão envolvidas, desde os meninos do manejo do CT, tratadores, veterinários, ferradores e nós treinadores”.

No dia seguinte, Kenny lembra que começou um pouco menos inspirado que no anterior. “Acabei errando dois bezerros no começo da prova de cronômetro e precisei colocar a cabeça no lugar. Conversei muito com meu pai e meus irmãos, e ainda os amigos. Voltei para a final e consegui recuperar e ficar como reservado campeão da Aberta Livre”. A categoria que teve mais inscritos, 110, e a diferença de dele para Daniel Lopes foi de 90 milésimos. Com GSP Dak Del Cielo Daniel marcou 8s245; e Kenny com Little Hit Whiz, 8s335.

Com esse tempo, Kenny com Little Hit Whiz ficaram com o título da Aberta Livre Castrado. “Realmente um Campeonato Nacional para nunca mais esquecer. O saldo foi totalmente positivo, mas nunca esquecendo tudo isso é resultado do trabalho do meu pai e de toda a nossa equipe. Só tenho que agradecer a Deus e a todos que me apoiam e estão junto comigo”

Por Luciana Omena
Fonte: ABQM
Foto de chamada: Kenny Cunha e Ralf Dun It. Crédito: Miguel Filho

Escreva um comentário