A competidora usou cada obstáculo como oportunidade para mostrar sua vontade de vencer

O maior desejo de Victória Vargas Bruzulatto, era montar como seus pais, que todos os finais de semana faziam passeios com Mangalarga, porém, suas limitações não permitiam. “Me faltava equilíbrio e força por não possuir alguns músculos e desestruturação óssea, além da diferença de tamanho entre as pernas (encurtamento de fêmur congênito) ”, explica a jovem de 17 anos, de Jundiaí/SP.

Após diversas cirurgias anuais e significativa melhora na diferença entre as pernas, ela pediu à mãe para aprender conceitos básicos de monta. “Após muitas indicações, minha mãe encontrou Samara Yoshikawa, treinadora do CT Victory Ranch. Explicou sobre minhas limitações e que eu não poderia cair de forma alguma, para não prejudicar o tratamento. E ela aceitou me treinar”.

Após um ano, Victória conquistou mais equilíbrio, confiança e mobilidade no cavalo. Nas aulas de equitação, ela conheceu os Três Tambores e, desde então, passou a ter como objetivo se desenvolver para um dia praticar o esporte, assim como sua treinadora e outros competidores que ela admirava.

Ela recorda que ao adquirir seu primeiro Quarto de Milha, Astro Marlboro, com quem forma conjunto, enfrentou muitas dificuldades, pois ele era um potro de quatro anos. “Eu não conseguia, por exemplo, encostar a perna direita no cavalo; a força para me manter sentada na sela era maior do que eu suportava”.

E ele acabava se desequilibrando devido à sua deficiência óssea e falta de mobilidade do joelho. “Por esses motivos, tive de aprender muito mais os comandos vocais e na rédea. Mas minha maior dificuldade foi não ter força com a perna direita e compensar todo o peso na esquerda, tirando o equilíbrio do cavalo no giro e saída dos tambores”.

Foto: Beto Negrão

Victoria garante que todos esses obstáculos a fizeram crescer como competidora. Sua persistência a fez conquistar diversos títulos no Handcap 3: Campeã do Regional Oeste e Campeã do Grand Prix 2017 com 21,212; Campeã Super Semana do Tambor NBHA com 22s; Campeã Circuito Barrel Race – Etapa FNSL, com 22s; Campeã da VIII Copa Victory Fly com 24s, entre outros. Além disso, Victória também foi indicada para representar o Brasil no Mundial NBHA no Panamá.

A competidora finaliza a entrevista fazendo seja agradecimentos: “Agradeço primeiramente a Deus, a minha treinadora, Samara, minha mãe e a todos que contribuem com a Categoria Paratleta.”

Por Verônica Formigoni

Escreva um comentário