Os melhores animais, cavaleiros, criadores ranqueados pela ABQM estão sediados na cidade

Bauru é um baú recheado de muitos tesouros, que são descobertos a cada ano no cenário nacional do universo equestre. A cidade tem um papel importante no desenvolvimento da raça Quarto de Milha, que é colocar em evidência os esportes equestres.

De acordo com Instituto Brasileiro Geografia e Estatística – IBGE, a extensão de Bauru é de 673.488 km², sendo que 604,51 km² constituem a zona rural. Seu solo não é bom para a produção rural, tendo então no século 20 se formatada em cima da indústria e do comércio.

Porém, a criação de equinos é uma referência da região de Bauru, que abrange 15 municípios de acordo com Escritório de Defesa Agropecuário – EDA: Agudos, Arealva, Avaí, Borebi, Cabrália Paulista, Duartina, Iacanga, Lucianópolis, Paulistânia, Pederneiras, Piratininga, Presidente Alves, Reginópolis e Ubirajara.

ST Cajuina e Marcio Matheus Tolentino (direita)

E segundo a Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo, essa região possui um plantel de 6.716 equinos, com 625 propriedades cadastradas, sendo os mais populosos Fazenda Caruana e Haras 4 Irmãos.

Bauru faz parte da história do cavalo Quarto de Milha. Foi lá que tudo começou a se organizar, quando Heraldo Araújo Pessoa conheceu a raça através do amigo Francisco Correa Furquim, em Araçatuba. Cidade que ele também foi apresentado a Renato Eugênio Resende Barbosa – Tô e o tio dele, Dr. José Eugênio, que depois veio a ser o primeiro presidente da ABQM.

E por precisar de registro de uns animais que vendeu, Dr. Heraldo resolveu reunir algumas pessoas que tinham Quarto de Milha para saber quem tinha interesse igual ao dele. Das 40 pessoas que ele localizou na época, 38 aceitaram e responderam sua carta.

El Shady Zorrero

Então, em 1969 foi criada a Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Quarto de Milha – ABQM. E assim foi se constituindo o que precisava uma entidade, inclusive o primeiro Inspetor da época, Emilio Fanton, foi de Bauru. Hoje, segundo a ABQM, Bauru conta com um plantel de 6.641 animais registrados, com 988 proprietários e 462 criadores.

As provas eram realizadas no Recinto Mello Moraes, espaço doado por Marcos Ferraz. Em 1975 foi criado o Clube do Laço no local, onde mais tarde formou-se a Associação Paulista do Cavalo de Trabalho – APCT, ANBT e em 1996 foi fundado o Núcleo Bauruense do Cavalo Quarto de Milha, que há 23 anos trabalha no fomento dos Três Tambores, Seis Balizas, Cinco Tambores e Maneabilidade na região de Bauru.

A cidade se tornou um polo equestre muito grande, chegou sediar por anos os eventos oficiais da ABQM. Muitos criatórios renomados hoje foram formados na cidade, tornando a região um celeiro de craques.

Rollin In The Fame

É de Bauru: a Reprodutora mais pontuada da ABQM, ST Cajuína; o Reprodutor número 1 das estatísticas no Brasil, El Shady Zorrero; Rollin In The Fame, égua recordista mundial nos Três Tambores; o animal mais pontuado da ABQM, ST Tapioca; e ainda o criador mais pontuado, Marcio Matheus Tolentino; e os quatro melhores cavaleiros do Brasil – Vagner Simionato, Sidnei Junior, Décio Talon e Abelino Rodrigues de Araujo Filho.

Bauru é realmente um lugar diferente, considerado por todos os treinadores entrevistados ideal para treinar cavalos devido ao seu solo arenito, onde a base dele é areia fina e argila, o que causa menos impacto e faz com que o animal tracione mais no caso dos Três Tambores, impulsionando para frente sem medo.

Com o desenvolvimento dos esportes na região, o mercado aquecido desse segmento, empresas foram criadas para atender a esse nicho. Entre elas> M Reis, Terrasemen, Mineral Fanton (hoje All Nova), Protec Horse, Avanti Comunicação, Central de Reprodução, Valor Animal, entre tantas outras.

ST Tapioca e Vaguinho Simionato

Uma terra que carrega muitas histórias do Quarto de Milha, dos Três Tambores, de outras modalidades também. Fique ligado que publicaremos outras matérias do ESPECIAL que a Revista Tambor & Baliza fez na Edição 83, apresentando um pouco mais desse universo. Se você não leu a primeira, clique aqui.

Por Verônica Formigoni
Fotos: Hugo Lemes, Beto Negrão e Gabriel Oliveira