Internacional

A indústria do cavalo perdeu Joe Hayes

Publicado

⠀em

Brasileiros usaram as redes sociais e grupos de mensagem para lamentar a morte do juiz de Rédeas americano

A notícia que acordou a todos no domingo, 24 de junho, de que Joe Hayes, 67 anos, de Gainesville, Texas, havia falecido em um acidente de carro na noite de sábado, 23, em Cooke County, Texas, abalou a indústria do cavalo, em especial da Rédeas.

Segundo o Quarter Horse News, o Sargento da patrulha de estradas da região, Mark Tackett, disse que Hayes acertou uma vaca às 22h37. O Corvette que ele dirigia saiu da estrada depois do impacto. Hayes morreu no local e era a única pessoa no veículo.

Juiz respeitado da National Reining Horse Association, Hayes também foi membro do Comitê de Juízes dessa associação e um criador de cavalos de sucesso. Como competidor, ganhou US$ 44.404,00 e animais criados por ele somam hoje US$ 910.648,00 em ganhos nas pistas, de acordo com o ranking Equi-Stat.

Em um post em seu Facebook, a NRHA expressou tristeza pelo falecimento de Hayes e enviou condolências à sua esposa, Liz. “A NRHA está profundamente triste ao saber da morte de Joe Hayes. Joe era membro vitalício da NRHA, juiz e atuou no Comitê de Juízes da NRHA. Um pilar na comunidade de Rédeas, é uma perda irreparável. Enviamos nossas condolências à sua esposa, Liz, e ao resto de sua família. ”

Toda a comunidade da Rédeas expressou seus sentimentos, entre eles os brasileiros que apenas conhecem sua trajetória ou que conviveram com ele. Mensagens nas redes sociais e grupos de Whatsapp foram muitas falando da perda e da tristeza pelo recebimento da notícia. Todos foram unânimes em ressaltar a pessoas que ele era e lamentar muito essa perda.

Eduardo Salgado e sua esposa Tatiana, quando chegaram aos Estados Unidos há cinco anos, foram acolhidos por Hayes e ficaram devastados. “Joe e Liz são como se fossem nossos pais aqui nos Estados Unidos e a tristeza é profunda com essa notícia. Ele nunca tinha alugado cocheira para ninguém e abriu as portas para gente com muito carinho quando chegamos. Eles sempre foram muito amorosos, educados, gentis, nos acolheram de forma tão boa, que a nossa afinidade foi instantânea”, conta Tatiana.

Eduardo e Tati Salgado, ao dos dos pais e de Joe e Liz Hayes, ‘seus pais americanos’ no Natal

No último dia 1° de junho Joe visitou Eduardo e a família. Após o acidente sofrido pelo treinador brasileiro, algumas ações de auxilio foram realizados e ele foi justamente levar o resultado da rifa que fizeram na Itália, país que ele tinha acabado de voltar de uma prova que julgou. “Todos os Natais, desde que estamos aqui, passamos juntos, todos os aniversários. Eles são as pessoas mais maravilhosas que já conheci, ele era incrível. As lembranças são muitas, todas boas e divertidas, que vamos guardar para sempre. Ver como Joe e Liz se tratavam com tanto amor, era sempre uma inspiração.”

Juiz de Rédeas, o goiano Wadson Lander, conheceu Joe em 1991 quando ele esteve no Brasil ministrando uma clínica. Depois disso, foi convidado por duas vezes para estar nos Estados Unidos montando e treinando juntos. “Ele era mais do que meu mestre, é meu segundo pai”, conta Wadson. Para ele, Joe era o perfeito ‘horseman’, um extremo conhecedor das linhagens dos bons cavalos de Rédeas. “Ele tinha um dom para escolher muito bem os cruzamentos para suas matrizes, sempre muito dedicado em tudo que fazia. Era também um excelente juiz e dedicou a vida dele à NRHA. Além de tudo isso, era um excelente amigo, homem, honesto, marido e pai”.

Joe e Wadson em novembro, no Brasil, quando o americano
veio julgar o ANCR Super Stakes

Wadson também lembra, que Joe tinha uma facilidade grande em passar seus conhecimentos às pessoas, e adorava fazê-lo. Seja falando de treinamento ou de julgamento, ele tinha prazer em ensinar. “A morte do Joe me chocou muito, pois eu estava ansioso para revê-lo em agosto próximo, já que ele estava escalado para vir julgar o Potro do Futuro da ANCR. Foi muito difícil saber dessa notícia, eu tenho um grande sentimento de amizade por ele e sua família”, encerra Wadson em sua homenagem: “Obrigado meu grande amigo e meu mestre, por tudo que me ensinou. Descanse em paz”.

Joe Hayes se preparou para ser um profissional do cavalo ao ser forma pela Cornell University. Sempre estudou assuntos ligados ao agronegócio e a indústria equina em todos os passos de sua vida acadêmica. Em 1974 ele iniciou profissionalmente e em tempo integral com o cavalo, indo trabalhar para Howard Pitzer, em Ericson, Nebraska. Two Eyed Jack, um dos melhores cavalos dessa época, deu a Joe a oportunidade de se destacar, entre outros, em Halter, Pleasure e Laço.

Em 2016, Joe e Liz foram ao colégio de Matheus, filho de Eduardo e Tati, para o Dia do Avô

Posteriormente, o trabalho de Joe com Goldfingers mudou o rumo de sua trajetória quando o renomado Bob Loomis os via em ação e o convidou para trabalhar com ele. Ele se mudou então para Lincoln, Nebraska e começou a atuar em Rédeas. Foram sete anos e meio trabalhando para Bob e sete NRHA Futurities, em que Bob ganhou quatro. Esse trabalho deu a Joe a chance de treinar e montar alguns dos melhores cavalos de Rédeas de época, como Lady Eldorado, Cassandra Cody, Benito Paprika e Topsail Cody, todos campeões de futurities.

Joe mudou-se para Gainesville, Texas, no outono de 1983 e iniciou sua carreira solo, montando seu centro de treinamento e criação de cavalos bem-sucedidos.

Por Luciana Omena
Fotos: Cedidas

Internacional

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho

A multicampeã dos Três Tambores viajou aos Estados Unidos com o marido, o laçador Luciano Pariz, e voltou com a mala cheia de histórias para contar

Publicado

⠀em

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho

Daiane Sudário participa de provas e rodeios há quase 25 anos. Entre os títulos nos Três Tambores, ela é bicampeã Nacional pela ANTT, bicampeã do Rodeio Internacional de Barretos, bicampeã do Rodeio de Americana, bicampeã do Superhorse Três Tambores, tetracampeã do Rodeio de Jaguariúna, campeã Top Team Crystal, campeã Nacional ANTT Silver Race.

Lendo essa lista você pode pensar: ‘ah, ela já viveu e conquistou tudo que queria’. Mas o que resta de nós sem nossos sonhos? E a atleta e empresária correu atrás de mais três no último mês. Ao lado do marido, o laçador de Team Roping Luciano Pariz, viajou aos Estados Unidos para conhecer a Disney, montar e correr uma prova em solo americano e ver de perto a final mundial da PBR – Professional Bull Riders.

Ficamos curiosos para saber mais detalhes dessa viagem incrível (quem a acompanha pelo Instagram @daianesudariopariz deve ter visto um pouco) e conversamos com ela para contar tudo aqui e inspirar suas próximas férias.

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho
Daiane Sudário e Luciano Pariz em Orlando

Daiane Sudário, essa foi sua primeira viagem aos Estados Unidos?

“Não. Eu tinha fui em 2011 e 2012. E nas duas vezes fui apenas para o Texas. O Luciano não conhecia e estava nos nossos planos fazer essa viagem. Entrou a pandemia e adiamos um pouco. Em seguida, pensamos em ir de lua de mel, mas o País ainda estava com as fronteiras fechadas e com muitas restrições devido a Covid-19.

Então, em 2022, as coisas praticamente normalizaram e vimos que daria certo. Corremos atrás de organizar tudo em tempo recorde para ir na mesma época da final da PBR. Isso nos animou ainda mais”.

E como conseguiu organizar tudo?

“Na verdade, quem montou tudo foi o Luciano, ele é muito bom nisso (risos!). E eu tinha um sonho de conhecer a Disney. Assim, ele organizou para irmos aos parques antes de seguir ao Texas. Depois, quem acabou de fechar os hotéis e passagens foi a Mônica Viagens”.

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho
Ao lado do marido realizando um grande sonho

Primeiro a Disney, conhecer o Mikey (risos!) e depois o Texas, o que fez primeiro quando chegou?

“Desde que fechamos a viagem, eu comecei a mandar mensagem para várias pessoas conhecidas que moram lá. Queria arrendar um cavalo. Mesmo que fosse uma prova pequena ou eu nem conhecesse o cavalo, queria sentir esse gostinho de competir lá. Sempre foi um grande sonho mesmo!

O João Leão, que mora nos Estados Unidos há 4 anos, e eu já o conhecia aqui no Brasil, me ligou no mesmo minuto, me convidando para ir à casa dele. Nós fomos e foi tudo maravilhoso. Conheci o rancho, fui muito bem recebida pela família dele e ainda montei os melhores animais que ele treina. Isso vai ficar guardado no meu coração, toda essa recepção e carinho com a gente”.

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho
Depois de ganhar o cheque de premiação no jackpot que o NRS Event Center faz toda quarta-feira em Decatur, Texas

Vi que ganhou um cheque de premiação.

“Isso. Após montar um pouco com o João, embarcamos os cavalos e fomos a uma prova que tem toda quarta-feira pertinho da casa dele. Eu classifiquei no 3D, entrando na zona de premiação.

Saí do Brasil com o pensamento de que, mesmo que não ganhasse nada eu já estaria realizando um sonho. Mas, quando classifiquei e ganhei um cheque americano com meu nome, hahahaha, foi demais!

O melhor de tudo, uma das coisas que mais eu gostei, foi que vivi cada momento. Estava entusiasmada e calma ao mesmo tempo, sem pressão e sem ansiedade, que de vez em quando atrapalha a gente, né”.

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho
Daiane Sudário pronta para competir no Stockyards Coliseum, em Fort Worth, Texas

E o rodeio em Fort Worth, como surgiu a oportunidade?

“Não bastando todas as emoções de ganhar premiação em solo americano, quando fui visitar o Fabiano Vieira (competidor de Montaria em Touros recém-aposentado), de quem sempre fui fã, ele selou um cavalo e falou: ‘vai treinar, vamos trocar umas ideias’. Ele é muito bom no Tambor e não sabe viu, esconde o leite (risos)!

E o rancho ele é muito bacana, tem animais para arrendar, além de um alojamento maravilhoso. Passei alguns dias lá e, antes de ir embora, fomos a um rodeio no centrinho de Fort Worth, no famoso Stockyards Coliseum.

Ahhh, foi outro sonho realizado. Eu já tinha assistido rodeio lá, mas nunca imaginei que fosse entrar naquela arena para competir. Para quem tem vontade de ir para o Texas e correr algum rodeio, prova, eu indico o rancho do Fabiano Vieira. Ele faz todo esse trabalho junto com a sua família, que eu também amei conhecer!”

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho
Luciano Pariz, Fabiano e Jilian Vieira, Daiane Sudário

Dica especial da Daiane Sudário para quem quer ir ao Texas.

“Acho que o que as pessoas que curtem rodeio e cavalos e farão uma viagem para o Texas devem conhecer é o Fort Worth Stockyards. É o centro da cidade de Fort Worth, Texas, onde tudo gira em torno do mundo western. Tem rodeio toda sexta e sábado o ano todo. Tem os tradicionais desfiles com a presença do famoso gado Longhorn.

E a gente sente a paixão dos moradores e também dos turistas pelo estilo de vida western. Lota toda semana, não tem show musical de banda famosa. É só o rodeio, as competições, o desfile do gado, as lojinhas e bares temáticos. É muito bonito de ver. E fiquei muito feliz de ter estado lá”.

Daiane Sudário fala da realização de mais um sonho
8h30 da noite na pista do Vieira Ranch

Você passaria uma temporada nos Estados Unidos?

“Ah, passaria sim. Acho que seis meses é pouco. Se eu fosse, teria que ser pelo menos um ano. Talvez correndo o circuito da PRCA mesmo, morando no trailer, como todo competidor. Gostaria de viver essa experiência, tenho muita vontade. Mas, não é algo que está nos planos imediatos. Mas tudo nos planos de Deus, quem sabe?”

Valeu a pena?

“Sim. Era um grande sonho. Desde que comecei a competir, em 1998, 1999, eu assistia pela TV a final da PRCA. Passava na ESPN e minha mãe gravava para eu ficar assistindo depois diversas vezes. Eu era alucinada, vidrada, era tudo muito diferente, incomum para a nossa realidade.

Estar lá depois de tanto tempo, montando e competindo de forma tranquila, foi muito especial. Não só competir, mas curtir cada momento, isso foi importante. Desde de selar e preparar o cavalo, aquecer, prestar atenção nas outras competidoras, como elas fazem a preparação delas.

Passear é muito gostoso, mas fazer algo que a gente ama, é diferente. Ter essa oportunidade em outro País foi muito especial. E mesmo com esse tempo de carreira que tenho, acho que o sonho nunca acaba.”

Por Luciana Omena
Crédito das fotos: Arquivo Pessoal

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Ednéio Almeida ganha seu primeiro título da PBR

Brasileiro faturou a Challenger Series, no Cowtown Coliseum, no Texas. Rodada da PBR continua neste domingo (19)

Publicado

⠀em

Ednéio Almeida ganha seu primeiro título da PBR

Deu Brasil neste final de semana na rodada da PBR (Professional Bull Riders)! Ednéio Almeida, cowboy do Ariat Texas Rattlers, venceu sua primeira prova da liga, o título da Challenger Series, no Cowtown Coliseum, no Texas, neste domingo.

O brasileiro começou bem a rodada, marcando logo 88 pontos, mas na rodada do campeonato foi derrubado por Ain’t Foolin em 3s13. Apesar do resultado negativo, a pontuação garantida no primeiro round foi suficiente para lhe dar a vitória.

Almeida ainda deixou o icônico Cowtown Coliseum com 37 pontos na Challenger Series.

Apesar de ser derrotado no primeiro round por Diablo, Jesse Petri, foi um dos seis pilotos a avançar para a rodada final. Apesar de ser derrotado no primeiro round por Diablo, Petri aproveitou sua segunda chance, vencendo White Face. O resultado lhe rendeu 87 pontos e o vice-campeonato.

A exibição de prata de Petri lhe rendeu 27 pontos na Challenger Series.

Outro brasileiro que se destacou foi Leandro Machado, que terminou a rodada em terceiro lugar, com muitos elogios pela sua performance na primeira rodada, quando venceu Modified, faturando 82 pontos.

Bovinos campeões da rodada da PBR

O gado foi uma atração à parte nessa rodada da PBR. Coroado como o Touro do Evento, Soul Train (5S Ranch), alcançou a pontuação máxima entre todos os animais competidores na primeira rodada, quando marcou 44,5 pontos por seus 3,96 segundos de trabalho contra o brasileiro Carlos Gomes Junior.

O PBR Challenger Series no Cowtown Coliseum continua no domingo (19) a partir das às 14h CT.

Classificação final da rodada da PBR no Cowtown

Top 5

1. Ednélio Almeida
2. Jesse Petri
3. Leandro Machado
Rafael José de Brito
Leonardo Lima

Por: Camila Pedroso

Fonte: PBR

Foto: PBR

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Marcos Alan Costa vence dois rodeios e sobe no ranking da PRCA

Laçador brasileiro, campeão mundial de Tie-Down Roping 2017, persegue mais uma classificação para a NFR; Junior Nogueira também pontuou

Publicado

⠀em

Marcos Alan Costa vence dois rodeios e sobe no ranking da PRCA

Uma boa semana para Marcos Alan Costa na PRCA – Professional Cowboys Rodeo Association. O laçador brasileiro, que segue a intensa maratona dos rodeios de verão nos Estados Unidos, venceu duas etapas e melhorou sua posição no ranking mundial de Tie-Down Roping.

Primeiro foi o Johnson County Sheriff’s Posse Rodeo, que aconteceu em Cleburne, Texas, de 8 a 11 de junho. Marcos Alan Costa, que tem o título de campeão mundial de Tie-Down Roping pela PRCA em 2017, marcou 8s4, o melhor tempo da competição. O primeiro lugar lhe rendeu US$ 1.730,00.

No mesmo período, de 9 a 11 de junho, Marcos Alan Costa foi ao Coleman PRCA Rodeo, em Coleman, Texas. Nesse rodeio a premiação era melhor e a vitória rendeu ao laçador brasileiro um pouco mais de prêmio. Seu tempo foi 8s6 e a premiação US$ 2.938,00.

Marquinhos também foi sétimo colocado no Gladewater Round-Up Rodeo, em Gladewater, Texas, realizado no mesmo final de semana. Somou US$ 568,00 por uma laçada de 10s5. Todas essas classificações contaram para o ranking.

O brasileiro persegue uma vaga entre os 15 melhores da modalidade. O objetivo é a classificação para a National Finals Rodeo 2022. Depois dos resultados dessa rodada, ele agora é o 19° colocado na soma geral, com US$ 26.804,00.

Marcos Alan Costa vence dois rodeios e sobe no ranking da PRCA
Marcos Alan Costa e a esposa Keyla Polizello Costa, que disputa nos Três Tambores, seguem juntos o campeonato mundial da PRCA

Marcos Alan Costa segue de acordo com as regras da PRCA

O sistema de competição dos rodeios sancionados pela PRCA permite que os atletas façam uma programação de viagem com o objetivo de participar do maior número de etapas que puder. Contudo, nem todas as classificações contam para o ranking mundial. E é o competidor que define, previamente, quais rodeios entram para essa lista.

Nas semanas anteriores, por exemplo, Marquinhos somou alguns dólares em Bandera e Mount Pleasant, no Texas, e em Durant, Oklahoma. Mas ele não havia assinalado essas etapas, permanecendo com a mesma soma geral no ranking.

Os atletas que concorrem ao difícil circuito mundial da PRCA se preparam para mais semanas intensas. Será o auge dos rodeios de verão. Etapas importantes e cruciais, como a de Reno ainda em junho, para que cada um entre na reta final do campeonato com chances de estar na final mundial.

Marcos Alan Costa vence dois rodeios e sobe no ranking da PRCA
Junior Nogueira – Foto Arquivo/Divulgação

Junior Nogueira continua líder

O atual campeão mundial de Team Roping (Laço Pé), o brasileiro Junior Nogueira, segue liderando o ranking na sua modalidade. Subiu, assim como seu amigo e compatriota Marcos Alan Costa, alguns dólares na última rodada.

Juninho foi terceiro lugar em Weatherford, Texas, um boi de 4s5 e premiação de US$ 2.346,00. E em Ponca City, Oklahoma, foi quarto lugar, com uma laçada de 4s9, levando US$ 1.711,00. O total dele na classificação geral do Laço Pé agora é de US$ 84.049,98.

Em tempo, bons ventos sopraram para o lado verde e amarelo nessa rodada também nos Três Tambores. Keyla Polizello Costa entrou na zona de premiação de duas etapas. Em Coleman, Texas, a amazona encerrou o rodeio no top10, com 17s02. E em Weatherford, Texas, foi sétimo lugar, 17s68. Ao todo, somou pouco mais de mil dólares.

Por Luciana Omena
Fonte: PRCA
Crédito da foto de chamada: PRCA Divulgação/San Sin

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Kevin Costner será o marechal do Calgary Stampede Parade 2022

O cargo de marechal da Calgary Stampede Parade já foi ocupado por nomes consagrados como Walt Disney, Chris Hadfield, Pierre Trudeau, William Shatner e Filipe Leite

Publicado

⠀em

Kevin Costner será o marechal do Calgary Stampede Parade

O tradicional Calgary Stampede Parade, que dá início ao The Greatest Outdoor Show on Earth, este ano será liderado pelo lendário ator Kevin Costner. O evento será realizado no dia 8 de julho e terá Costner como marechal do desfile.

Para se ter uma ideia da honraria, nomes como Walt Disney, Chris Hadfield, Pierre Trudeau e William Shatner já ocuparam o cargo de marechal da Calgary Stampede Parade.

O Parede Marshal ou marechal do Calgary Stampede Parade, é a pessoa que lidera o evento, abrindo as festividades do Rodeio, um dos maiores e mais famosos do mundo.

Ator, produtor, diretor e músico, Kevin Costner há mais de 35 anos tem entretido o mundo com seus filmes e programas de televisão. Desde 2018, o ator interpreta John Dutton, protagonista da série “Yellowstone”, da Paramont Network, que atualmente está em sua quinta temporada.

Yellowstone é um faroeste moderno filmado nas colinas e nas Montanhas Rochosas de Darby, Montana.

Kevin Costiner já participou do The Greatest Outdoor Show on Earth e filmou o filme Open Range e Let Him Go na cidade de Calgary.

O ator ainda é fã de longa data das paisagens do sul de Alberta e defensor assíduo do Calgary Stampede.

“Eu só queria dizer como foi bom ser selecionado como Parade Marshal”, disse Costner em um comunicado divulgado pelo Stampede. “Você não vê esse tipo de coisa chegando. Tenho muitas boas lembranças de estar em Calgary. Fez uma grande diferença para mim na minha vida fazer Open Range e Let Him Go lá. É um dos lugares mais bonitos e o mundo se concentra em Calgary e no Desfile, que começou há muito tempo em comemoração à herança ocidental. No dia 8 de julho estarei lá e me sinto muito honrado por fazer parte do que vocês fizeram por tanto tempo e continuar uma tradição. Vejo você no desfile!”, afirmou o ator.

John Scott no Calgary Stampede Parade

John Scott também participará do Stampede Parade 2022 como honorário Parade Marshal.

Terceira geração de fazendeiros, membro da comunidade e destaque na indústria cinematográfica há mais de 50 anos, Scott é um membro da comunidade e está no centro da indústria cinematográfica local há mais de 50 anos. Sua empresa, a John Scott Productions, fez parte de sete filmes vencedoras do Oscar.

Além do destaque na indústria cinematográfica, Scott é criador de cavalos e gado, tendo seu trabalho reconhecido pelo National Cowboy & Western Heritage Museum com o lendário Chester A. Reynolds Memorial Award durante a 60ª edição do Western Heritage Awards em setembro de 2021. 

Brasileiro no Calgary Stampede Parade

Em 2020, o brasileiro Filipe Leite, o Cavaleiro dos Américas, teve a honra de ser o primeiro brasileiro a ser convidado para ser o marechal do Calgary Stampede Parade, em um ano que, com o início do que seria uma pandemia mundial de Covid-19, o evento foi cancelado pela primeira vez desde a sua fundação em 1904.

O brasileiro recebeu o convite diretamente do presidente do Calgary Stampede, enquanto cavalgava com ele em Teslin, Yukon, em julho de 2019.

A ideia era encerrar seu trajeto do Alaska no desfile, mas a pandemia mudou os rumos e o evento foi cancelado. Mesmo assim, o anúncio foi realizado e ele recebeu a honraria.

“Fiquei em êxtase por ter meu nome em uma lista ao lado de tantas lendas. Às vezes, as coisas não acontecem quando ou da maneira como as visualizamos. Mas isso é vida”, comentou Leite.

Por: Camila Pedroso

Fonte:  Quarter Horse News

Fotos: Quarter Horse News

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Eduardo de Oliveira conquista seu primeiro título da PBR

Brasileiro venceu o Bulls on The Beach, primeiro evento da PBR Challenger Series realizado nste final de semana em Ocean City, em Maryland

Publicado

⠀em

PBR

O brasileiro Eduardo de Oliveira venceu o primeiro evento da PBR Challenger Series, o Bulls on The Beach, realizado em Ocean City, em Maryland neste final de semana.

Com uma exibição 2 por 4, Oliveira venceu seu primeiro evento PBR na carreira. E a vitória foi recheada de emoção.

Na primeira rodada foi superado por Rocky Malcoma em 7s19. Voltou determinado para a pista para o segundo round, conquistando 81,5 pontos.

No terceiro round, o brasileiro montando Gray Goose e novamente conquistou 81,5 pontos, assumindo a liderança.

Estes dois resultados seguraram a vitória do brasileiro, mesmo depois de cair de Cooter Brown em 4s06 na rodada final.

Os esforços de Oliveira lhe renderam 34,5 Challenger Series, levando-o ao terceiro lugar na classificação da série. Ele está agora a 36 pontos do piloto mais bem classificado.

O segundo lugar ficou com outro brasileiro, o Rafael José de Brito. Piloto do Texas Rattlers, Brito manteve a liderança por um tempo depois de vencer a primeira rodada ao montar Judgment Day por 86 pontos.

Mas, na segunda rodada, foi derrubado por Air Shift em 5s27, perdendo a liderança da rodada. No terceiro round, venceu All In por 68,5 pontos. No round 3, Brito atacou novamente quando superou o All In por 68,5 pontos. Em decisão comercial, Brito recusou a opção de re-passeio, decisão que rendeu dividendos.

O evento de Brito, no entanto, terminou antes do apito de 8 segundos, contrabalançado por Xoxo na rodada final em 3s17.

O segundo lugar lhe rendeu 28 pontos na Challenger Series.

Confira a classificação final do PBR Bulls on The Beach

1. Eduardo de Oliveira, 0-81 -81,5-0-162,50-34,5 Pontos.
2. Rafael José de Brito, 86-0-68.5-0-154.50-28 Pontos.
3. Cole Melancon, 0-88.5-0-0-88.50-17 Pontos.
4. Alex Jenks, 0-86.5-0-0-86.50-10 Pontos.
5. Michael Lane, 85.5-0-0-0-85.50-8 Pontos.
6. Brandon Chambers, 0-0-84.5-0-84.50-8 Pontos.
(gravata). Kyle McDaniel, 0-0-84.5-0-84.50-8 Pontos.
8. Travis Wimberley, 0-0-84-0-84.00-3 Pontos.
9. Jake Morinec, 82.5-0-0-0-82.50-3 Pontos.
10. Marcus Mast, 0-0-81.5-0-81.50-1.5 Pontos.

Por: Camila Pedroso

Fonte: PBR

Foto: PBR / Independentes

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Norte-americano de 18 anos bate recorde mundial de Bareback

O novato da PRCA Rocker Shane Steiner marcou a maior nota de todos os tempos na modalidade durante o Riggin Rally Xtreme Broncs, em Darby, Montana

Publicado

⠀em

Com apenas 18 anos, Rocker Shane Steiner bateu recorde mundial de Bareback durante o Riggin Rally Xtreme Broncs, em Darby, Montana

Levou apenas alguns meses para o novato Rocker Shane Steiner gravar seu nome no livro dos recordes. O atleta completou 18 anos em dezembro de 2021 e acabou de bater o recorde mundial de Bareback. A maior nota de todos os tempos na modalidade – 95 pontos – agora pertence a ele.

Natural de Weatherford, Texas, Rocker Steiner ingressou na PRCA – Professional Rodeo Cowboys Association há apenas cinco meses. E o início de sua carreira profissional não podia receber uma notícia melhor.

Além de conquistar seu primeiro título em uma etapa do campeonato mundial de Bareback, Steiner superou seus ídolos ao marcar 95 pontos a bordo do renomado Virgil, do C5 Rodeio. “Não consigo acreditar até agora. Esse foi um dos momentos mais especiais da minha vida”, comenta o atleta.

Ele disse à reportagem da PRCA logo após o rodeio que sonhava em montar esse cavalo desde que começou a praticar o esporte, há quatro anos. O mais surpreendente é que Steiner falou com um dos amigos semanas atrás sobre bater o recorde mundial de Bareback.

“A coisa mais louca é que eu mandei uma mensagem para um dos meus amigos cerca de duas semanas atrás e disse: ‘mano, e se eu bater o recorde mundial em Virgil?'” Steiner riu, acrescentando que seu pai, o campeão mundial da PRCA no Bulldog, Sid, sonhou que ele ganharia a etapa no famoso cavalo tordilho.

Para chegar à disputa do título do Riggin Rally Xtreme Broncs, em Darby, Montana, Rocker Steiner passou por uma classificatória. Ficou em segundo lugar na sua rodada, ganhando vaga para a final, dia 5 de junho. Só depois do sorteio soube que ia montar Virgil. “Eu estava com medo, mas estava pronto. Sabia que algo desse porte ia acontecer”, afirma o novato.

Virgil é uma lenda do Bareback, bicampeão mundial pela PRCA e bicampeão canadense. Steiner soube extrair tudo dessa montaria e o resultado foi a maior nota já vista na modalidade. “Era tudo o que eu sonhava, mesmo assim, demorei a acreditar”.

Atualmente em 10° no ranking mundial da modalidade, com US$ 44.841,41, ele busca classificação para a National Finals Rodeo. Boa parte desses ganhos deve-se à sua performance no famoso RodeoHouston e em etapas de elite como Denver, no Colorado.

Rocker Steiner em Houston – Foto: Divulgação/Wrangler Network

Recorde mundial de Bareback

Em 2002, Wes Stevenson foi o primeiro atleta de Bareback a marcar 94 pontos em uma montaria da modalidade. O texano estava a bordo de Cover Girl durante o Texas Stampede. No ano seguinte, 2003, o recorde mundial de Bareback foi igualado por Will Lowe, em Sky Reach, na etapa de Omaha, Nebraska.

Os dois mantiveram a marca sozinhos até 2009, quando Ryan Gray obteve 94 pontos em Grass Dancer, no rodeio de Eagle, Colorado. Em 2010, Tilden Hooper também recebeu 94 pontos dos juízes ao montar Big Texas, em Silver City, New Mexico.

A nota seria marcada mais duas vezes antes do feito de Rocker Steiner. Tim O’Connell – tricampeão mundial de Bareback – montou Stevie Knicks, em San Angelo, Texas, para 94 pontos. E no mesmo ano, no mesmo Riggin Rally, repetiu a nota em Gun Fire.

Ao superar essas lendas e seus ídolos, Steiner disse: “Eu não poderia ter imaginado algo melhor do que isso”.

Com apenas 18 anos, Rocker Shane Steiner bateu recorde mundial de Bareback  durante o Riggin Rally Xtreme Broncs, em Darby, Montana
Família Steiner – Foto: Divulgação RodeoHouston/KPRC

Família de campeões

Rocker Shane Steiner vem de uma linhagem vencedora. Bobby e Sid Steiner, avô e pai, são a terceira e quarta geração de uma companhia de rodeio lendária, a Steiner Rodeo Company.

Bobby competiu em Touros e no Bareback entre 1968 e 1973, classificando-se três vezes para a NFR, com um título mundial na Montaria em Touros em 1973. Enquanto Sid fez carreira no Bulldog (Steer Wrestling), de 1995 a 2002. Esse último o ano em que ganhou o campeonato mundial.

Outro dado curioso é como Shane ficou conhecido como ‘Rocker’. Seu pai ganhou o apelido de ‘Sid Rock’ por causa da sua fama de competir com determinação, além de carisma. Característica do avô, Bobby, que foi agraciado com o PBR Ring of Honor – uma homenagem ao seu legado.

As celebridades da família Steiner não param por ai. Tanto a mãe de Rocker, Jamie, quanto sua avó, Joleen, competiram nos Três Tambores. E as duas chegaram à National Finals Rodeo: Jamie em 2000, em Las Vegas; e Joleen em Oklahoma City, em 1970 e 1971.

Bobby e Sid, ambos membros do Cowboy Hall of Fame, trabalham no rancho da família, enquanto acompanham Rocker Shane e Steely, a outra filha de Sid, nos Três Tambores. A dupla também é proprietária do Steiner Steakhouse, um restaurante mexicano, em Austin, Texas, e continuam apoiando o rodeio de diversas formas.

Os dois estavam presentes no dia do recorde mundial de Bareback de Shane e puderam compartilhar da comemoração. “Estabelecer o recorde mundial de Bareback aos 18 anos é algo que dura para sempre, muito mais do que dinheiro ou pontos para o ranking”.

“Ninguém vai se lembrar de quanto dinheiro eu ganhei. Todo mundo vai se lembrar que eu estabeleci o recorde mundial de Bareback aos 18 anos em um dos melhores cavalos que já existiu na Terra.”

E ele segue animado, dizendo que já planeja superar a sua própria marca em breve.

Clique aqui e acompanhe a alegria do jovem cowboy em uma sequencia de fotos inspiradora.

Por Luciana Omena
Fonte: PRCA, National Cowboy & Western Heritage Museum, Click2houston
Crédito da foto de chamada: PRCA Divulgação/Roseanna Sales

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Vitor Losnake entra para PBR Team Series

Brasileiro foi escolhido para participar do time Arizona Ridge Riders que possui o brasileiro Paulo Crimber como técnico

Publicado

⠀em

PBR

Ótima notícia para os brasileiros! Na última quinta (2), a PBR realizou um Draft complementar para o PBR Team Series e o brasileiro Vitor Losnake foi um dos escolhidos!

A escolha ocorreu para definir mais atletas que irão compor os times na nova liga da competição que começa agora em julho.

Haviam 28 competidores na lista de disponíveis, e Losnake foi selecionado para fazer parte do time Arizona Ridge Riders, que é liderado pelo técnico brasileiro Paulo Crimber.

Além de Losnake, somente o bicampeão mundial Jess Lockwood (Oklahoma Freedom) e o campeão mundial Cooper Davis (Carolina Cowboys) foram selecionados para participar da PBR Team Series.

Cada equipe tinha o direito de escolher até dois competidores da lista, sem obrigatoriedade. No total, elas podem contar com até 12 atletas, sendo cinco titulares e dois reservas, além de cinco suplentes que podem treinar juntamente com a equipe e serem integrados ao time principal nos prazos pré-determinados pelo regulamento.

Nessa seletiva participaram os competidores que se inscreveram com a opção de não atuar em todos os eventos da nova liga. Como a maioria dos times já estavam contratando diretamente, dispensaram a escolha no “Draft”.

As equipes tem até o dia 18 de julho para relacionar oficialmente os sete competidores que farão parte do time principal (5 titulares e 2 reservas), sendo que os cinco escolhidos no primeiro “Draft” precisam obrigatoriamente estar entre eles.

As competições da nova PBR Team Series começam a partir de julho, entre os dias 25 e 26 durante o Cheyenne Frontier Days.

O novo campeonato reúne os melhores cowboys do mundo competindo em oito equipes, cinco contra cinco, em uma temporada de 11 eventos que terminam em novembro.

Confira as equipes do PBR Team Series

AUSTIN GAMBLERS

José Vitor Leme (1)

Austin Richardson (16)

Lucas Divino (17)

Cláudio Montanha Jr. (32)

Conner Halverson (33)

Técnico: Michael Gaffney

NASHVILLE STAMPEDE

Kaique Pacheco (2)

Dener Barbosa (15)

Ryan Dirteater (18)

Manoelito Junior (31)

João Henrique Lucas (34)

Técnico: Justin McBride

ARIAT TEXAS RATTLERS

Cody Jesus (7)

João Ricardo Vieira (10)

Brady Oleson (19)

Brady Fielder (26)

J.C. Mortensen (35)

Técnico: Cody Lambert

KANSAS CITY OUTLAW

Dalton Kasel (4)

Kyle Oliver (13)

Rafael Henrique (20)

Bob Mitchel (29)

Tate Pollmeier (36)

Técnico: J.W. Hart

MISSOURI THUNDERS

Colten Fritzlan (5)

Clayton Sellars (12)

Cody Teel (21)

Andrew Alvidrez (28)

Jessi Petri (37)

Técnicos: Luke Snyder e Ross Coleman

ARIZONA RIDGE RIDERS

Luciano de Castro (6)

Maurício Moreira (11)

Eduardo Aparecido (24)

Chase Dougherty (25)

Marco Eguchi (38)

Vitor Losnake

Técnicos: Colby Yates e Paulo Crimber

CAROLINA COWBOYS

Daylon Swearingen (3)

Mason Taylor (14)

Boudreaux Campbell (23)

Ramon de Lima (30)

Cannon Craves (39)

Cooper Davis

Técnico: Jerome Davis

OKLAHOMA FREEDOM

Eli Vastbinder (8)

Derek Kolbaba (9)

Chase Outlaw (22)

Briggs Madsen (27)

Cade Bunch (40)

Jess Lockwood

Técnico: Cord McCoy

Por: Camila Pedroso

Fonte: @abnerhenriquetherezio

Fotos: @abnerhenriquetherezio

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Atletas ucranianas do Salto Equestre reportam sua rotina de treinos

Primeira equipe do país no salto internacional, atletas relembram a fuga do país de origem e a adaptação na Eslováquia

Publicado

⠀em

Se a preparação para participar de provas é intensa e desgastante, imagine fazer isso em meio a uma guerra em seu país, com você fugindo tentando garantir a sua vida.

De fato, não existe maneira fácil de se preparar para uma competição internacional, mas cinco ucranianas saltadoras equestres Polina Shovkova (14), as irmãs Katya (14) e Jenya (11) Panasenko, Sonia Shulga (14) e Marta Lopaienko (15) mostraram que mais do que força de vontade, é preciso ter coragem para se preparar.

As atletas são a primeira equipe a representar a Ucrânia no salto internacional, enquanto participam da competição de uma estrela em Kaposvár, na Hungria.

A participação da equipe em Kaposvár ocorreu poucos meses depois de elas fugirem de sua cidade natal, Poltova, para escapar da guerra.

Atualmente, elas estão vivendo e treinando em Bernolákovo, um subúrbio de Bratislava, na Eslováquia, onde foram recebidas por membros da comunidade local de Vaulting e apoiadas financeiramente pelo Fundo de Solidariedade da Federação Equestre Internacional (FEI).

As atletas afirmam que estão em fase de adaptação no país, se acostumando com os cavalos. “Não nos sentimos muito à vontade com os cavalos daqui da Eslováquia no início, porque eles são maiores e têm um ritmo diferente dos nossos cavalos”, comentou Marta Lopaienko.

E as dificuldades não pararam por ai, afinal, elas não tiveram nenhuma competição na Ucrânia, pois são a primeira equipe de salto.

“Estávamos um pouco preocupadas em participar da nossa primeira competição internacional e foi importante para nós. Mas como Katya, nossa treinadora da Ucrânia, sempre diz: Você tem que fazer essa performance só para você”, reforçou a atleta.

Anthony Bro-Petit, de 29 anos, está acompanhando as atletas ucranianas. Ex- competidor internacional da França, desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento da infraestrutura esportiva do Vaulting, na Ucrânia antes da guerra.

“Preparar jovens atletas para uma competição ou um campeonato é sempre difícil porque, mesmo motivados, o foco mental é muito difícil de manter. A guerra acrescentou uma camada extra de dificuldade mental para essas meninas. Não é fácil se concentrar totalmente em seu treinamento quando você sabe que sua família não está segura”, afirmou Bro-Petit.

Ele ainda ressaltou que, pela pouca idade das atletas, é difícil mensurar o quanto ele pode incentivá-las. “As meninas ainda são muito jovens e é difícil saber o quanto posso empurrá-las durante o treino. Mas esta é uma boa experiência de aprendizagem para mim. Ainda estou aprendendo como treinador e tenho que desenvolver minhas habilidades”, afirmou.

Bro-Petit ainda ressaltou que as atletas, com certeza, teriam sido capazes de treinar mais adequadamente se não houvesse a guerra.  “Mas a equipe foi muito bem em sua primeira competição internacional e agora sabemos em quais aspectos precisamos focar mais durante nosso treinamento”.

Com a experiência de competição em Kaposvár no currículo, a equipe agora está de olho na competição internacional de salto que será realizada em Samorin, na Eslováquia no próximo mês.  

Mudança das atletas ucranianas para Eslováquia

Marta contou que a equipe soube que teria que deixar Poltava cerca de uma semana antes da data. “Pensávamos primeiro que iríamos para França, mas dois dias antes de partirmos disseram-nos que iríamos para a Eslováquia”, relembra.

O percurso que seria feito em um dia em condições normais, durou três dias por causa dos constantes engarrafamentos, até que a equipe chegou a fronteira com a Eslováquia.

“Na primeira noite não paramos e continuamos. Mas na segunda noite, paramos perto das montanhas dos Cárpatos e ficamos em um apartamento com apenas dois quartos. Haviam quinze atletas, e eu e as meninas dormimos em um sofá, e os outros dormiam no chão. Então, no terceiro dia, cruzamos a fronteira muito rapidamente. Pensamos que seria lento com todo o tráfego, mas atravessamos muito rápido”, relembra Marta. 

A viagem foi tão desgastante que, ao cruzar a fronteira, todos começaram a chorar.

A treinadora da equipe Kateryna (Katya) Andreiva e seu filho de 18 meses David, bem como três mães das atletas acompanharam as Vaulters à Eslováquia, enquanto outros membros de suas famílias permaneceram na Ucrânia. E essa situação tem causado muita angústia à mãe de Katya e Jenya, Ekateryna. “Quando você vem da guerra, pensa que teria sido melhor ficar em casa porque sua mente não pode se sentir segura”, disse Ekateryna.

“É mais difícil estar em um país seguro porque você se sente culpada por deixar sua família. Minha mãe está na região de Kharkiv e eu sei que ela está em um abrigo antiaéreo enquanto eu estou aqui na Eslováquia. Mas somos mães e tudo o que fazemos, fazemos pelos nossos filhos. Você não pensa em você. Você só pensa em seus filhos”, afirma. 

Rotina de treinos

As Vaulters estabeleceram uma rotina na escola local que atualmente abriga o grupo de Poltava, bem como 40 refugiados de outras partes da Ucrânia. As meninas começam todas as manhãs participando de aulas on-line com sua escola em Poltova, o que as deixa livres o resto do dia para treinar na escola de equitação local e no ginásio da escola que tem um cavalo mecânico e barris.  

“É bom ver que as meninas estão treinando muito duro”, disse a Secretária Geral da Federação Equestre Eslovaca, Zuzana Bačiak Masaryková.

As Vaulters e suas mães ainda esperam poder voltar para casa em Poltava após a competição em Samorin, que acontecerá de 9 a 12 de junho.  Até lá, as meninas estão determinadas a continuar seu treinamento. “Não temos certeza se o Vaulting é nosso esporte a longo prazo, mas em 2023, nosso objetivo é participar do Campeonato Mundial de Vaulting e vamos treinar muito para isso”, finalizou Marta.

 Por: FEI

Fotos: Richard Julliart 

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Keyla Polizello vence etapa da PRCA

Brasileira empatou em primeiro lugar com Latricia Mundorf no Bandera Pro Rodeo, valendo para o campeonato mundial da PRCA

Publicado

⠀em

Brasileira empatou em primeiro lugar com Latricia Mundorf na rodada de Bandera Pro Rodeo, valendo para o campeonato mundial da PRCA

Final de semana estrelado para Keyla Polizello. Correndo no Bandera Pro Rodeo, no Texas, valendo como etapa do campeonato mundial da PRCA – Professional Rodeo Cowboys Association, a brasileira, montando Zumanity Cristal CMV bateu o tempo de 17s48 e, empatada com Latricia Mundorf, conquistou o título de grande campeã.

A etapa, realizada na arena histórica do parque de Mansfield, entre os dias 27 e 29 de maio, contou ainda com BryAnna Haluptzok, em terceiro, Savannah Woodfin, em quarto e Jana Bean, em quinto lugar.

“Um presente de Deus vencer nesse final de semana o rodeio da PRCA, Bandera TX com Zumanity Cristal CMV, empatando com uma das maiores profissionais que já conheci e sou muito fã a Latricia Mundorf! Queria muito agradecer aos meus pais por estarem ao meu lado esses dias, ao meu marido e a todos que torcem por mim!! Que Deus continue sendo nossa melhor companhia! Meus parceiros muito obrigado por todo o apoio”, escreveu a atleta nas redes sociais.

Este não foi o primeiro rodeio da PRCA que Keyla conquistou. A atleta venceu em junho de 2018 a etapa de Cleburne, também no Texas.

Com o resultado, a atleta somou US$ 982,00 para o ranking mundial da modalidade Três Tambores da PRCA / WPRA.

Outros resultados do Bandera Pro Rodeo

A etapa de Bandera contou ainda com as modalidades de All-around cowboy, que uniu as modalidades de tie-down roping and team roping, com Chet Weitz, como o grande campeão; Bareback riding com Chad Rutherford vencendo com 85 pontos; Team Roping, com Quisto Lopez e Cody Thornton como campeões com 4s7; Saddle bronc riding com Jacobs Crawley liderando com 84.5 pontos; Tie-down roping com Greene, 9s0 como campeão e Bull riding com Brody Yeary, com 88 pontos em primeiro lugar.

Etapa Bandera da PRCA

Considerada a capital dos vaqueiros, Bandera possui a tradição de formar campeões do rodeio e de realizar grandes etapas da modalidade.

Seus rodeios são produzidos por RafterG Rodeo, empresa que produz eventos da modalidade desde 1957.

Por: Camila Pedroso

Fonte: prorodeo.com

Fotos: Arquivo pessoal

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Internacional

Confira os times da PBR Team Series

14 brasileiros foram selecionados para participar do principal evento da PBR do segundo semestre

Publicado

⠀em

PBR

Os apaixonados pela PBR já estão com saudades da grande Finals que se encerrou no último final de semana? Calma! Na última segunda, em Fort Worth, no Texas foi realizado o Draft, evento em que as oito equipes da recém criada PBR Team Series escolheram seus times.

A boa notícia é que teremos 14 brasileiros selecionados para participar dessa nova temporada da PBR.

A ordem de escolha já havia sido definida em um sorteio no início do ano, e os técnicos e gerentes das oito equipes se alternaram durante cinco rodadas selecionando os cinco primeiros integrantes de seus times.

No início de junho será realizado um draft extra para selecionar mais dois atletas para cada equipe, que serão designados como reservas.

De acordo com o departamento de competições da PBR, 269 competidores de todos os países que fazem parte da organização se inscreveram para participar das equipes. Dos 37 brasileiros inscritos, 14 foram selecionados e irão integrar seis equipes diferentes, incluindo duas equipes onde são maioria.

Dentre os brasileiros selecionados, destaque para o bicampeão mundial José Vitor Leme que entrou para a história como a primeira escolha da liga, sendo selecionado pelo Austin Glambers.

Em seguida, o campeão mundial Kaique Pacheco foi o segundo a ser selecionado e fará parte do time do Nashville Stampede. Luciano de Castro também foi selecionado na disputada primeira rodada e fará parte do Arizona Ridge Riders.

Confira como ficaram as oitos equipes

AUSTIN GAMBLERS

José Vitor Leme (1)

Austin Richardson (16)

Lucas Divino (17)

Cláudio Montanha Jr. (32)

Conner Halverson (33)

Técnico: Michael Gaffney

NASHVILLE STAMPEDE

Kaique Pacheco (2)

Dener Barbosa (15)

Ryan Dirteater (18)

Manoelito Junior (31)

João Henrique Lucas (34)

Técnico: Justin McBride

ARIAT TEXAS RATTLERS

Cody Jesus (7)

João Ricardo Vieira (10)

Brady Oleson (19)

Brady Fielder (26)

J.C. Mortensen (35)

Técnico: Cody Lambert

KANSAS CITY OUTLAW

Dalton Kasel (4)

Kyle Oliver (13)

Rafael Henrique (20)

Bob Mitchel (29)

Tate Pollmeier (36)

Técnico: J.W. Hart

MISSOURI THUNDERS

Colten Fritzlan (5)

Clayton Sellars (12)

Cody Teel (21)

Andrew Alvidrez (28)

Jessi Petri (37)

Técnicos: Luke Snyder e Ross Coleman

ARIZONA RIDGE RIDERS

Luciano de Castro (6)

Maurício Moreira (11)

Eduardo Aparecido (24)

Chase Dougherty (25)

Marco Eguchi (38)

Técnicos: Colby Yates e Paulo Crimber

CAROLINA COWBOYS

Daylon Swearingen (3)

Mason Taylor (14)

Boudreaux Campbell (23)

Ramon de Lima (30)

Cannon Craves (39)

Técnico: Jerome Davis

OKLAHOMA FREEDOM

Eli Vastbinder (8)

Derek Kolbaba (9)

Chase Outlaw (22)

Briggs Madsen (27)

Cade Bunch (40)

Técnico: Cord McCoy

Anote na agenda: o primeiro evento da PBR Team Series acontece nos dias 25 e 26 de julho durante o Cheyenne Frontier Days.  

PBR Team Series

A primeira temporada da PBR Team Series contará com 10 eventos e mais a Final, que será realizada em Las Vegas no mês de novembro. Cada uma das oito equipes terá direito a sediar um evento durante a temporada regular, com mais dois eventos extras realizados pela PBR em campo neutro.

O campeonato será disputado no formato de confrontos diretos entre duas equipes (jogos), onde a cada noite de um evento uma equipe “joga” diretamente contra outra equipe definida por sorteio.

Os “jogos” consistem em cinco montarias de cada time, em que a equipe que somar mais pontos nestas cinco montarias recebe uma vitória na tabela de classificação. Nos eventos de dois dias, cada equipe faz dois jogos e nos de três dias cada equipe fará três jogos, sendo considerada a equipe vencedora de cada evento a que somar mais vitórias no fim de semana.

Montaria extra

No último dia de cada etapa haverá ainda uma montaria extra para cada equipe, feita por um competidor escolhido pelo técnico. Esta montaria extra servirá como critério de desempate (nota ou tempo) caso duas ou mais equipes tenham o mesmo número de vitórias no fim de semana.

A premiação total de cada etapa será de US$ 50 mil divididos proporcionalmente entre as equipes de acordo com a colocação de cada uma, sendo que a equipe campeã do fim de semana recebe US$ 15 mil, a segunda US$ 12,5 mil e assim por diante. Ao final dos 10 eventos da temporada regular as equipes dividem mais US$ 400 mil proporcionalmente, sendo que a que tiver mais vitórias recebe US$ 100 mil, a segunda US$ 75 mil e assim por diante. Os times também terão um bônus de US$ 2,5 mil por vitória durante os eventos.

Durante a grande Final, que acontece em Las Vegas, o evento da série pagará um total de US$ 1,225 milhões, sendo que a equipe campeã da temporada irá receber US$ 750 mil, ou seja, US$ 150 mil por competidor titular. Também recebem premiação extra a equipe vice-campeã, US$ 300 mil, a terceira colocada, US$ 125 mil e a quarta colocada US$ 50 mil.

Além das premiações ganhas pelas equipes, os competidores terão um bônus de participação pago pela liga, distribuído proporcionalmente de acordo com a ordem que cada um foi escolhido no draft. Os oito primeiros escolhidos recebem um prêmio extra de US$ 10 mil e mais um prêmio por participação em cada etapa, proporcional à sua ordem de escolha. Como exemplo, José Vitor Leme irá receber US$ 10 mil de bônus e por ter sido o primeiro a ser escolhido e recebe mais US$ 6 mil por evento que participar na temporada regular e US$ 10 mil na Final, podendo totalizar até US$ 80 mil de bônus.

Cronograma da Temporada 2022

Cheyenne, WY – 25 e 26 de julho

Kansas City, MO – 05, 06 e 07 de agosto

Anaheim, CA – 12 e 13 de agosto

Nashville, TN – 19, 20 e 21 de agosto

Austin, TX – 26, 27 e 28 de agosto

Winston-Salem, NC – 09, 10 e 11 de setembro

Oklahoma City, OK – 16, 17 e 18 de setembro

Ridgedale, MO – 23, 24 e 25 de setembro

Fort Worth, TX – 07, 08 e 09 de outubro

Glendale, AZ – 14, 15 e 16 de outubro

Las Vegas, NV – 04, 05 e 06 de novembro

Por: Camila Pedroso

Fonte: PBR Brazil

Foto: PBR Brazil

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Categorias

COPYRIGHT © 2021 CAVALUS. TODOS DIREITOS RESERVADOS
ESSE SITE É PROTEGIDO PELO GOOGLE RECAPTCHA
POLÍTICA DE PRIVACIDADE | TERMOS DE SERVIÇO