Internacional

Após longo processo, brasileiro conquista credencial de fotógrafo oficial da PRCA

Fotógrafo André Silva tornou-se o primeiro brasileiro a integrar o seleto quadro da associação americana do rodeio completo

A PRCA conta com apenas 61 profissionais autorizados a trabalhar nos cerca de 600 rodeios sancionados pela entidade por temporada. Em virtude de muito empenho, após passar por um longo e difícil processo de aprovação, André Silva tornou-se o primeiro brasileiro – e latino-americano – a conquistar o direito de ser fotógrafo oficial da associação.

Com toda certeza, esse foi mais um passo de André Silva em sua série de conquistas na carreira como fotógrafo. Recebeu, portanto, o cartão profissional da PRCA – Professional Rodeo Cowboys Association, a maior e mais antiga entidade do rodeio mundial.

O paulista, que está nos Estados Unidos desde 2016, é o fotógrafo oficial do Velocity Tour, principal campeonato da divisão de acesso da PBR. Assim como, também se tornou o primeiro brasileiro contratado diretamente pelo escritório central da entidade no país.

Ele continuará dando prioridade aos eventos da PBR, onde é contratado em tempo integral, mas que ao longo do ano deve encaixar alguns eventos da PRCA em sua agenda.

“Ser aprovado entre os fotógrafos oficiais da PRCA sempre foi um dos objetivos de carreira. Já que como fã sempre acompanhei os rodeios completos e desejava muito poder trabalhar nestes eventos. É mais um sonho que se realiza”, afirma o brasileiro.

A PRCA tem um processo de ingresso de profissionais bem rígido em todos as áreas de atuação. Não só para os competidores, mas também para os profissionais contratados – juízes, salva-vidas, tropeiros, entre outros.

Modalidade Sela Americana (Saddle Bronc) capturada pelas lentes de André Silva em Cleburn, Texas

O processo

Para obter o cartão profissional da PRCA o fotógrafo brasileiro teve que passar por um longo e difícil processo. Dessa forma, iniciou a jornada há cerca de três anos. Neste meio tempo, ele precisou enviar diversas fotos para a PRCA, mostrando a qualidade de seu trabalho.

Além disso, necessitou de uma carta de recomendação de vários fotógrafos com mais de dez anos de atuação com cartão profissional. Para tal, se submeteu a avaliação desses profissionais também.

Por exemplo, André conta que um dos fotógrafos mais conhecidos dos Estados Unidos ao ver seu material, aprovou as fotos das modalidades Montaria em Touros, Três Tambores e Bulldog. Mas disse que o material de Sela Americana e Bareback precisava melhorar muito se quisesse ser aprovado entre os profissionais da PRCA.

“As fotos estavam boas, mas ele apontou alguns detalhes que precisava melhorar. Ele disse que só me daria a carta de recomendação quando as fotos de todas as modalidades estivessem perfeitas. Então eu pedi algumas dicas sobre o que precisava melhorar e fui praticar. Viajei, fui a muitos treinos e rodeios menores para fotografar essas modalidades, até acertar o tipo de foto ideal”, revela.

Após longo processo, brasileiro conquista credencial de fotógrafo oficial da PRCA
Modalidade Três Tambores no famoso Rodeio de Cheyenne pelas lentes de André Silva em 2019

A aprovação

Em 2019, André Silva atuou em 11 eventos com o Permit, uma espécie de cartão provisório que todos que pretendem ingressar na PRCA devem obter – incluindo os competidores. Como parte do processo, ele precisou enviar fotos de todos estes eventos para a aprovação da entidade, além de outras avaliações criteriosas.

Os fotógrafos já consagrados que trabalharam com ele em cinco destes eventos fizeram relatórios sobre sua atuação. Respondendo, sobretudo, questionamentos sobre se estava vestido adequadamente – com camisa de manga longa, por exemplo. E se soube se posicionar na arena para não atrapalhar a competição e as demais câmeras, entre outros.

“Depois de cumprir todos esses requisitos, no final do ano recebi a carta confirmando que meu cartão havia sido aprovado e agora eu integrava o quadro oficial de fotógrafos da PRCA. A rigidez no processo e o profissionalismo com que tudo é feito dá um sabor ainda mais especial a esta conquista. É de fato uma grande realização pessoal e profissional”.

Foto: Scott Galvin/Reprodução Instagram

Futuro

A experiência nos rodeios da PRCA, com um ambiente totalmente diferente dos eventos da PBR, foi extremamente desafiadora para o brasileiro. A PRCA exige que as fotos dos campeões ou dos melhores de cada dia sejam entregues a equipe de mídia em até 20 minutos após o término da competição.

“Esta agilidade é exigida também na PBR, mas nos rodeios da PRCA são sete modalidades e eu não conhecia os competidores. Ainda não estava familiarizado com eles e havia dificuldade para identificá-los nas fotos. Porém aos poucos tudo foi dando certo”, lembra André.

Devido a agenda semanal das competições do Velocity Tour nos primeiros meses do ano, o fotógrafo só poderá se dedicar a PRCA no verão americano. É quando os eventos da PBR diminuem, mas os tradicionais rodeios completos não param.

Até o momento ele está em negociação para atuar em pelo menos seis eventos da PRCA no meio do ano. Entre os confirmados está o tradicional rodeio de Denton, conhecido como o maior do norte do Texas e que reúne alguns dos principais competidores de montarias e provas cronometradas.

“Nas folgas dos eventos da PBR quero ir ao máximo de eventos da PRCA que puder. Apesar da minha carreira nas arenas ter sido em grande parte em eventos de montaria em touros, eu sou um apaixonado por rodeio, por todas as modalidades. Então estar neste ambiente da PRCA é algo que me deixa extremamente satisfeito também”, finaliza.

Colaboração: Abner Henrique/ Portal Rodeio S.A.
Foto de chamada/crédito: Scott Galvin/Reprodução Instagram

Veja mais notícias da editoria Internacional no portal Cavalus