Foram 30 rodeios no período de 4 a 10 de junho e todos os competidores tiveram diversas chances de aumentar seus ganhos e se posicionar melhor na corrida pelo título

Os tempos mais rápidos e as notas mais altas podem nem sempre chegar ao livro dos recordes, mas certamente deixam uma doce memória para os fãs do rodeio e também para os atletas. Com cerca de 650 competições da ProRodeo por ano, realizadas em todo o Hemisfério Ocidental, as oportunidades de se fazer uma grande apresentação são muitas. E a temporada de verão está apenas começando.

101 Wild West Rodeo

Se no inverno, com grandes e tradicionais rodeios, os competidores lutam para alcançar boas posições no ranking mundial da PRCA, é no verão que eles precisam ter mais atenção. Entrando na reta final do período de classificação para a National Finals Rodeo, qualquer soma importa. E os bons ventos estão soprando para o lado do brasileiro Junior Nogueira.

Cada atleta tem 75 rodeios para escolher pontuar, mesmo que o número de participações acabe sendo superior a esse número a cada temporada. É uma jornada árdua, mas que compensa tudo quando os objetivos são alcançados.

Meta número um: chegar à NFR. Meta número dois: ganhar o título de campeão mundial. Desde 2014, quando passou sua primeira temporada nos Estados Unidos, Juninho se classifica e vem batendo na trave. Os êxitos são muitos, como o título de campeão mundial All-Around em 2016, mas ele quer a fivela no Laço Pé.

Esse é o seu sonho. Depois de um começo de temporada mais tímido, as últimas semanas estão sendo boas para o brasileiro, ídolo no mundo todo. Depois de mais uma final de semana de competições, em que a PRCA realizou 30 etapas, Juninho agora é o nono no ranking mundial, com US$ 30.085,09.

Juninho Nogueira durante a NFR 2017

Ao lado de seu parceiro Kaleb Driggers, ele laçou em Ponca City, Oklahoma, 101 Wild West Rodeo, e conquistou um sexto lugar, 5s9. Em Coleman, Texas, no Coleman PRCA Rodeo, a laçada deles foi de 5s1, os colocando em quarto lugar na classificação final. Passo a passo, laçada a laçada, rodeio a rodeio, ir subindo na classificação geral é importante. Mas para o título, é preciso estar melhor posicionado, pois na final a coisa aperta mais.

Talento ele tem de sobra. Agora é estrada, nos rodeios de norte a oeste dos Estados Unidos, fazendo o que ele sabe fazer de melhor. “Agora nessa temporada de verão, são quatro meses de estada, viajando bastante, competindo, até setembro. Não temos chances para muitos erros, pois agora é a reta final, é a chance de assegurar a vaga e entrar bem para a NFR. São muitos rodeios e todo mundo está nesse mesmo objetivo”, contou Juninho.

Silvano Alves

Segundo ele, agora é a hora de bastante trabalho, dedicação e foco. Temos que estar com a cabeça boa, focado 100%. Estou bem, os cavalos estão trabalhando bem e feliz. Todo ano é aquela adrenalina, a expectativa. É uma jornada longa, todo rodeio é importante, todo boi é importante. Muitas vezes vamos de uma ponta a outra para correr só um boi. Mas já sabemos como é o esquema e estamos bem focados. Mas Deus vai nos abençoar e tudo vai dar certo! O foco é a NFR e vamos com tudo.”

Além das boas notícias de Juninho Nogueira e também da brasileira Keyla Polizello, a primeira amazona a ganhar uma etapa oficial da PRCA nos Três Tambores, o final de semana também teve vitória de Silvano Alves. O brasileiro que aproveita a parada da PBR para montar nos rodeios de verão da PRCA ganhou sua terceira fivela.

Ele marcou 87.5 pontos no touro Rafiki, no Livermore Rodeo, em Livermore, Califórnia. No mesmo final de semana, ele pontuou no Gladewater Round-Up Xtreme Bulls, em Gladewater, Texas, ao marcar 82 pontos e ficar em quinto lugar. Aos poucos ele vai subindo de posições. A NFR esse ano fica distante, mas ano que vem poderemos ter surpresa boa por ai!

Por Luciana Omena

Escreva um comentário