Modalidade vem sendo difundida no Brasil especialmente entre as mulheres

Mais uma oportunidade para colocar as meninas do Breakaway Roping em ação. No começo de outubro, em Rio Claro/SP, em uma etapa da ARLI, Lucy Fazzio organizou uma prova da modalidade. “O Ícaro Dellai, organizador do circuito, me ligou convidando para termos o Breakaway nessa etapa deles e topei na hora. Como faço todas as vezes, fui atrás dos brindes para premiar as meninas e convidei todo mundo a participar”, contou ela.

As campeãs – da esquerda para direita – Gabi, Lucy, Karol e Joyce

A princípio, a prova seria em Santa Cruz da Conceição, no rancho do Ícaro, mas por causa da chuva, mudaram para outra cidade. São provas de Laço Individual com baixo custo e uma boa premiação, então os laçadores compareceram em peso. “No Breakaway, cinco meninas se inscreveram, mas uma não pode ir, pois quebrou o trailer. Então, ficamos em quatro”.

Lucy conta que essa foi a prova de Breakaway mais disputada que foi até hoje. “Ninguém errava, todo mundo laçava, e a seguinte sempre fazendo um tempo menor que a anterior, todo mundo ‘brigando’ até a final. Foi muito top”. No resultado final, Gabriela Savio foi a campeã, com Lucy em segundo, Karoline Rodrigues em terceiro e Joyce Cristiane Corrêa em quarto.

Além do empenho de cada laçadora, Lucy credita o bom nível também ao gado bacana que foi disponibilizado para a categoria. “O pessoal da prova nos incentivou muito, nos deram toda a ajuda. Colocaram a gente em um horário muito bom, com arquibancada cheia. E isso é muito importante, pois apresenta a modalidade para muitas pessoas que, com certeza, não conhecem muito. Até já ouviram falar, mas talvez nunca tinham visto de perto”, reforça.

E essa exposição é boa para o esporte. Ao ver a dedicação das meninas que já fazem, outras podem se sentir motivadas a começar também. Por exemplo, ver Gabriela Savio, uma amazona completa, que laça e faz tambor também, laçar ao vivo. E Gabi até se aventurou a laçar não só no Breakaway, mas também na categoria Incentivo, junto com os homens. “E ela deu show! Laçou muito, não errou nenhuma corda, por um detalhe ela não ganhou nessa categoria também”.

Laçando há cerca de dois anos e organizando provas desde o começo do ano, Lucy assumiu a missão de fomentar o Breakaway Roping da maneira que puder. O Circuito Inter Ranchos, por exemplo, serviu como base para que nos próximos anos tudo fique ainda mais redondo. “Sempre que eu puder, quero ajudar a fazer o nosso esporte crescer e incentivar cada vez mais meninas”.

Tendo parceria somente em eventos do Team Roping, ela está satisfeita com essa no Laço Individual. “Essa experiência com a ARLI foi fantástica, fomos muito bem recebidas, valeu muito e só tenho a agradecer a todos.”

Por Luciana Omena
Fotos: Cedidas

Escreva um comentário