Breakaway

Laçadoras aproveitam as férias para fazer curso de Breakaway

Publicado

⠀em

Curso de Breakaway bastante aproveitado pelas laçadoras

Gabriela Savio, umas das pioneiras na modalidade, ministrou curso em Brotas/SP, de 10 a 12 de janeiro

O Haras Cowboy do Rei, em Brotas/SP, viveu momentos marcantes nesse começo de 2020. Em outras palavras, uma das pioneiras do Breakaway Roping Feminino no Brasil, Gabriela Savio, ministrou um curso da modalidade.

“O Breakaway Roping está em crescimento aqui no Brasil. E, sem dúvida, quanto mais adeptas conseguirmos para modalidade melhor! As meninas sempre me perguntam no Instagram a respeito de cursos, por isso resolvi montar esse”, conta Gabriela Savio.

Experiente e versátil, Gabi é uma referência no Brasil para o Breakaway. Conta com 17,75 pontos na ABQM na modalidade, por exemplo. Entre os títulos mais recentes, campeã Nacional ABQM na Aberta Feminina 2019.

Curso de Breakaway bastante aproveitado pelas laçadoras Curso de Breakaway bastante aproveitado pelas laçadoras

“Optei por fazer o curso agora, já que o começo de ano é mais tranquilo, não tem tanta prova”. Todavia, Gabi garante: tentará formatar outros ao longo da temporada. Nesta oportunidade compareceram nove meninas, nível iniciante.

“O que mais gostei deste curso é que a maioria nunca havia pego em uma corda. Dessa forma, logo no primeiro dia já estavam batendo cavalete de cima da sela. Todo mundo saiu aqui de casa laçando e foi muito legal”.

Foi o quarto curso ministrado por ela. “Nunca vi um avanço tão grande em pouco tempo como nesse grupo, muita dedicação”. A treinadora conta que nos três dias de curso trabalhou bastante giro, arremesso, posicionamento.

Curso de Breakaway bastante aproveitado pelas laçadoras

“Fiz com elas bastante cavalete do chão e da sela, a famosa ‘panelinha’ no chão que elas odeiam (risos). Também laçada de cima do brete em bezerros de verdade, montadas nos cavalos laçando a vaquinha em várias velocidades. Enfim, fiquei muito satisfeita com o curso!”

Aprendizado

Marcela Soriani, de Uberlândia/MG, está entre as meninas que não tinha nenhuma intimidade com a corda. “O primeiro dia foi aquele desastre. Pensei comigo que se em três dias eu conseguisse acertar o cavalete, já estaria ótimo”, conta.

De acordo com ela, Gabi deixou todo mundo a vontade logo no começo. Deu uma tranquilidade de saber que, como ela, outras meninas também nunca tinham laçado. “A ideia era fazer errado mesmo para que a gente aprendesse. Sem ter vergonha de nada”.

Gabi e Marcela

Surpreendentemente, conforme Marcela mesmo afirma, no final do primeiro dia já estava arriscando as primeiras laçadas. “Em três dias de curso sai de lá laçando a vaquinha montada a cavalo! Sem dúvida, a paciência, atenção e objetividade da Gabi como instrutora foram os diferenciais. Mesmo as meninas estando muito comprometidas com o curso”.

A existência de cursos é importante para o crescimento e fortalecimento do Breakaway Roping. Marcela acredita que toda praticar, para ser bem feita, exige técnica. Não só para o esporte a cavalo, mas também para qualquer outra área da vida.

“Enxergo o curso de Breakaway exatamente assim! Você precisa conhecer a técnica para poder executar da melhor forma possível. Ainda mais o ato de laçar que, a princípio,  é algo muito comum nas fazendas. Todo peão precisa saber laçar, mas laçar Breakaway exige técnica e treino. Dessa forma, só consegue-se atingir com um curso ou instrutor. Além de, indiretamente, profissionalizar e deixar mais competitiva a modalidade!”

Por Luciana Omena
Fotos: Lucas Campos

Veja mais noticias da modalidade Breakaway Roping no portal Cavalus

Breakaway

Reforço das provas de Breakaway em Minas Gerais

A primeira etapa do CMLB de Breakaway Roping aconteceu no dia 20 de fevereiro, no Rancho Colorado, em Itaúna/MG

Publicado

⠀em

O sábado, dia 20 de fevereiro de 2021, ficará marcado para sempre como a retomada das provas de Breakaway em Minas Gerais. A competição aconteceu como parte do Campeonato Mineiro de Laço de Bezerro – CLMB, no Rancho Colorado, em Itaúna/MG.

Antes de mais nada, vale lembrar que o Breakaway em Minas Gerais não acontecia desde 2015. Na época, organizaram apenas uma prova só e nunca mais aconteceu. “Por isso esse ano ficamos ansiosas para participar. Quando recebemos o convite da organização não hesitamos”, afirma Tania Alves, competidora e que esteve à frente dos preparativos.

Ela conta que, primeiramente, criou um grupo de Whatsapp a fim de reunir as meninas. E, em seguida, convidou as competidoras para participar. “O destaque da prova, sem dúvida, foi a participação das meninas. Tivemos sete competidoras, onde cinco eram iniciantes”, reforça Tania.

As sete são mineiras e treinam o Breakaway em Minas Gerais. Ainda de acordo com Tania, a presença das iniciantes foi uma surpresa. “Nos surpreendemos, mas com muita alegria, já que é um estímulo para nós que queremos alavancar a modalidade em nosso Estado”.

Na volta das provas de Breakaway em Minas Gerais, a primeira etapa do CMLB de Breakaway Roping aconteceu no dia 20 de fevereiro
Homenagem a Nicholas Collard

Desafios e bons resultados

Como toda retomada, há desafios, ainda mais em tempos de pandemia. “Entre os desafios, inicialmente, era a confirmação do evento, e que incluíssem realmente o Breakaway Roping. Com tudo certo, a partir daí, tínhamos conquistar a presença das competidoras”. 

Para isso, Tania e os organizadores do CMLB contaram com o entusiasmo gerado, principalmente, pelo curso ministrado pelo laçador profissional Daniel Lopes em Minas. “Esse, sem dúvida, foi um diferencial”.

Além disso, ela conta que esperam ter superado as expectativas da comissão organizadora do CMLB para dar continuidade a essa parceria por muitos anos ainda. “Queremos fazer outras provas e que outras competidoras também se sintam motivadas a participar”, finaliza.

Classificação: 
1° lugar – Fernanda Souza
2° lugar – Tânia Alves
3° lugar – Lilian Gontijo
4° lugar – Gabriela Dacanal

Por Luciana Omena
Crédito das Fotos: Cedidas
Na foto de chamada, Fernanda e Tânia

Veja mais notícias da modalidade Breakaway Roping no portal Cavalus

Continue lendo

Breakaway

Breakaway Roping cresce a cada ano no Brasil

Uma modalidade praticada essencialmente por mulheres que vem se fortalecendo passo a passo nos quatro cantos

Publicado

⠀em

Breakaway Roping – algo como ‘laçada que se abre’, em tradução livre – tem origem americana. Por lá, remonta a meados dos anos 90, modalidade exclusivamente feminina. No Brasil, começou em caráter experimental em 2012 na ABQM. Avaré/SP ‘parou’ para ver Eliziane Nogueira laçar. Foi, sem duvida, um ‘ponta pé’ inicial de respeito.

Antes de mais nada, o Breakaway Roping é uma modalidade do rodeio cronometrado que deriva do Laço Individual, nome que hoje é conhecido o antigo Laço de Bezerro. Logo após partir do brete com seu cavalo, a competidora deve laçar um bezerro em movimento no menor tempo possível.

A amazona e o cavalo ficam em uma área ao lado à do bezerro no brete. Prova liberada e uma barreira de barbante que está em volta do pescoço do animal se rompe. Então, ele segue rumo a arena. A competidora tem a permissão de correr e efetuar a laçada.

Está tudo ok quando o laço deve entrar pela cabeça do bezerro e provocar o rompimento do fio preso à sela. Assim, o final do laço fica preso ao pito da sela com um fio de barbante. Fio que, geralmente, possuí uma fita de cor vermelha presa à sua extremidade.

Com efeito, esse recurso permite que o juiz enxergue melhor o momento em que o fio se rompe e laço se solta. Ao rompê-lo, a amazona sinaliza para que o cavalo pare imediatamente. O cronômetro dispara assim que a barreira abre e continua até o rompimento do laço preso ao pito.

Vence, portanto, quem marcar o menor tempo. Como penalidade, acrescenta-se 10 segundos ao tempo final pelo rompimento da barreira. Ou seja, quando o conjunto romper a barreira antes do boi. E a laçada é invalidada – a competidora fica sem tempo – caso não acerte o laço no local correto.

O Breakaway Roping é uma modalidade praticada essencialmente por mulheres que vem se fortalecendo passo a passo nos quatro cantos

Breakaway Roping nos Estados Unidos

O Breakaway Roping é amplamente praticado nos Estados unidos, país de sua origem. Inegavelmente, há um número bem grande de laçadoras espalhadas pelas regiões. As disputas acontecem, geralmente nos rodeios.

A saber, as meninas começam cedo por lá, desde as categorias júnior, ensino médio e colegial. Entre os campeonatos que apoiam as mais novas, a Little Britches Rodeo Association e outras organizações semelhantes.

Evoluindo para os rodeios universitários e semi-profissionais. O Breakaway também tem seu espaço nas competições da American Quarter Horse Association, associação americana do Quarto de Milha. Nas provas da AQHA, todavia, participam homens e mulheres.

Por outro lado, na Women’s Professional Rodeo Association, o maior órgão de nível profissional do esporte, apenas mulheres competem. Aliás, é através da associação mundial de rodeio feminino que conhecemos as maiores ‘feras’ do Breakaway. Verdadeiras lendas da modalidade, como Lari Dee Guy e Jackie Crawford, com inúmeros títulos mundiais no currículo.

Mesmo existindo há muitos anos nos Estados Unidos, foi só apenas de uns dois anos para cá que o Breakaway ganhou a devida notoriedade. Conquistou espaço, portanto, em alguns dos maiores e mais ricos eventos, como o The American, circuito mundial da PRCA e WCRA.

O Breakaway Roping é uma modalidade praticada essencialmente por mulheres que vem se fortalecendo passo a passo nos quatro cantos

No Brasil

No Brasil o Breakaway Roping também é disputado na categoria Jovem, além da Feminina Aberta, Amador e Amador Principiante. Contudo, é a Feminina a grande ‘meninas dos olhos’ de quem pratica e busca melhorias para o esporte. Muitas meninas migraram de outros esportes, enquanto outras já começaram direto laçando.

De fato, cada vez mais regiões aderem à modalidade. E cada vez mais campeonatos tornam-se parceiros, provas não só de Team Roping, como também de Laço Individual. Fomento de todos os lados, mais fortes no Estado de São Paulo, mas ganhando força em Brasília, Minas e Paraná. Ao mesmo tempo, as meninas estão investindo mais, indo as provas e batendo recordes.

A temporada 2020, por exemplo, começou aquecida. A pandemia da Covid-19 deu um freio nos eventos. Contudo, o ano encerrou de forma positivo para a modalidade. De acordo com informações das próprias laçadoras, mesmo em um ano de crise, o Breakaway Roping premiou com quase R$ 30.000,00.

A fim de trilhar um caminho ainda mais forte, as meninas formaram uma comissão para representar e dar voz ao Breakaway Roping frente a provas, organizadores de eventos e associações de raça e modalidade. Com toda a certeza, a modalidade passou de caráter experimental à consolidação entre eventos e competidoras.

O Breakaway Roping é uma modalidade praticada essencialmente por mulheres que vem se fortalecendo passo a passo nos quatro cantos

Detalhes

A traia do cavalo é composta por sobremanta, manta, sela de laço individual, protetores para as patas dos cavalos (caneleira, cloche e skidboots), gamarra e freio. As cordas de Breakaway são mais curtas do que quaisquer outras no mercado, com cerca de 7 a 9 metros.

Mas as especificações são iguais a uma de laço comum: boias, cabo, sirigola na ponta. A competidora tem que aprender a girar e alimentar a corda de acordo com a necessidade da sua laçada.

Por Equipe Cavalus
Fonte: Breakaway Roping Journal, Wikipedia, WPRA
Crédito das Fotos:

Veja mais notícias da modalidade Breakaway Roping no portal Cavalus

Continue lendo

Breakaway

Breakaway Roping encerra o ano com saldo positivo

A modalidade passou de caráter experimental à consolidação entre eventos e competidoras; após 5 anos, qual o cenário desse esporte no Brasil?

Publicado

⠀em

Desde que chegou ao Brasil, o Breakaway Roping teve o começo de temporada ‘mais aquecido’ de todos os tempos. Provas marcadas em diversos eventos, não só de Laço Individual, como também de Laço em Dupla. O caminho se desenhava forte quando veio a pandemia. Tudo parou e os planos mudaram.

Mas, o que era para ser uma temporada perdida encerra com saldo totalmente positivo. “Sem dúvida, demos um salto com a modalidade. Crescemos a cada ano e caímos no gosto da mulherada de outras modalidades. Com isso, conquistamos cada vez mais adeptas”, comenta Anália Fonseca.

De acordo com ela, houve outra conquista importante. “Ganhamos espaço nas associações e nas provas. Os incentivos aumentaram, quer seja em premiação, quer seja na qualidade do gado. Além disso, o formato dos eventos para o Breakaway Roping ficou muito mais fácil das meninas aderirem”. Por conseqüência, mesmo em um ano de crise, o esporte premiou com quase R$ 30.000,00.

“A ABQM deu premiação de fomento de R$ 8 mil, enquanto a ANLI premiou a modalidade com R$ 10.200,00 mil. Um cenário que mudou totalmente o rumo das coisas. Então, além de aumentarmos nossa participação na ABQM – de 51 inscrições ano passado para 81 no Campeonato Nacional -, garantimos mais duas vagas para o The American”.

Em resumo, o Breakaway Roping bate cada vez mais recordes de número de provas, em inscrições, premiações e incentivo. “Acredito que em 2021, se tudo voltar ao normal, com toda a certeza, cresceremos ainda mais”, reforça Anália, competidora e uma das responsáveis por movimentar a modalidade nos bastidores.

Breakaway Roping passou de caráter experimental à consolidação entre eventos e competidoras; após 5 anos, qual o cenário desse esporte aqui?
Campeonato Nacional ABQM com recorde de participações

De caráter experimental à consolidação

Aliás, as laçadoras formaram uma comissão para representar e dar voz ao Breakaway Roping frente a provas, organizadores de eventos e associações de raça e modalidade. “Eu gosto muito de competir, mas adoro o trabalho nos bastidores, cuidar da imagem do esporte, difundir e inserir a modalidade em provas e rodeios”, reforça Anália.

Assim como ela, outras pessoas estão envolvidas nesse processo. Uma delas é a Dona Nina. Não é competidora, tem uma pequena criação de cavalos QM, e exerce grande influência no meio. Já contamos aqui no portal a história dela com o Breakaway. Sua paixão pelo Laço nasceu, sobretudo, por conta do filho, Nicholas Collard, competidor de Laço Individual.

“Proativa como é, não demorou para ela fazer parte da Comissão do Laço dentro das Associações, como a ABQM e a ANLI. Dona Nina também é conselheira e a Madrinha do Breakaway Roping. Sempre atenta e atuante, nada foge do seu radar. Está sempre presente, uma querida no meio por todos”.

E foi dessa forma, fazendo a ‘lição de casa’, que elas todas conseguiram mudar o cenário desse esporte. De 2015 para cá, formaram a comissão e estão sempre reunidas e traçando estratégias. “Buscamos soluções para aumentar o número de competidoras, fomento, bem como formar alianças com grandes organizadores de provas e associações”.

Por fim, Anália comenta do maior desafio e o que almejam para o futuro da modalidade: “Nosso maior desafio é, sem dúvida, permitir que as mulheres que laçam tenham espaço favorável para competir. E almejamos, assim como muitos competidores, a volta do rodeio completo e a adesão do Breakaway Roping à grade.”

Por Luciana Omena
Crédito das fotos: Divulgação

Veja mais notícias da modalidade Breakaway Roping no portal Cavalus

Continue lendo