Hipismo

Cesinha Almeida é o campeão do GP Troféu Perpétuo Francisco Moreno Sanches

Medalhista pan-americano, montando Little Queen Império Egípcio, chegou à vitória com a marca de 38s66

Publicado

⠀em

29 conjuntos largaram neste domingo (5) no GP Troféu Francisco Moreno Sanches, Chiquinho (in memorian) fechando o ranking de Salto SHP 2021.

Dos 29 conjuntos, quatro habilitaram-se ao desempate no percurso idealizado por Rafael Ferrarez.

Cesar Almeida, medalhista pan-americano, com arrojo e categoria levou Little Queen Império Egípcio, uma filha de Chester Z em Quinar Z de apenas 8 anos, à vitória na ótima marca de 38s66.

Lucio Osório com GHS Caron JMen, sagraram-se vice-campeões, pista limpa, com o tempo de 42s31.

Em 3º lugar chegou o top Marcello Ciavaglia apresentando Premier 2 S, uma falta, 39s02.

Gabriel Gouveia, cavaleiro que representa a SHP, com Campitello, cruzou a linha de chegada no melhor tempo: 37s69, mas acabou cometendo dois derrubes.

A amazona top da casa Jordana Laffranchi, a Kika, montando Chicago O garantiu o 5º posto, com apenas 2 pontos perdidos por excesso de tempo na 1ª passagem.

Em 6º lugar chegou Raphael Machado Leite apresentando Hilde Império Egípico, mais rápido entre os 10 conjuntos que fecharam o percurso inicial com uma falta.

A disputa distribui R$ 80 mil em premiação.

Sobre Francisco Moreno Sanches

Desde 2019, o GP Final do Ranking da Sociedade Hípica Paulista passou a contar o Troféu Perpétuo Francisco Moreno Sanches, o querido Chiquinho.

Atuante nas décadas de 50/60/70, Chiquinho foi pioneiro e exímio professor formando campeões de destaque no Brasil e no exterior como Caio Sérgio de Carvalho, Alberto Muylaert, Romeu Loureiro Ferreira Leite Jr, e outros já falecidos como Roberto Luiz Joppert, José Roberto Reynoso Fernandez, o Alfinete, e Gianni Samaia.

Com sua atenção especial a cada cavaleiro e cavalo, Chiquinho vive na memória de todos que tiveram o privilégio de conhecer e treinar com ele.

Por: Equipe Portal Cavalus

Fotos: Luis Ruas

Mais notícias sobre hipismo no Portal Cavalus

Hipismo

Winter Equestrian Festival 2022 começa oficialmente nesta semana

O evento, point do hipismo nas Américas, terá forte participação de atletas brasileiros

Publicado

⠀em

Amanhã (11) começa oficialmente a Winter Equestrian Festival 2022 no Palm Beach Internacional Equestrian, em Wellington, na Flórida (EUA).

Considerado a mais longa competição do hipismo mundial e grande point do hipismo nas Américas a competição segue até o dia 3 de abril, totalizando 13 semanas de duração, com cerca de U$ 10 milhões em premiação.

Como de costume, a cada semana a competição começa às quartas-feiras e segue até domingo com as principais provas sendo disputadas na arena internacional.

A boa notícia é que a presença de público volta a ser permitida com uso de máscara em todos os espaços fechados.

De olho no Mundial 2022

Confirmando a tradição, a participação brasileira será forte na temporada 2022, com a participação de Rodrigo Pessoa, Rodrigo Lambre, Eduardo Menezes, Fabio Leivas da Costa.

Vindos do Brasil, Luciana Lossio, campeã do ranking brasileiro sênior top 2021, que já enviou sua égua Louise JMen aos EUA; Stephan Barcha, campeão brasileiro sênior top; e também a amazona amadora Ana Eliza Aguiar Ramos, que normalmente disputa a temporada europeia, porém também embarcou uma montaria vinda do Brasil para Wellington, entre outros atletas também estão embarcando para representar o Brasil nas provas.

A lista de inscritos é divulgada a cada semana de provas.

Em ano de Mundial, que em 2022 acontece em Herning, na Dinamarca, entre 6 e 16 de agosto, nas modalidades Salto, Adestramento, Adestramento Paraquestre e Volteio, Philippe Guerdat, técnico do time Brasil de Salto, também vai acompanhar o Winter Equestrian Festival, especialmente, a Copa das Nações na oitava semana do evento, no início de março.

Seguimos na torcida pelo Brasil no pódio.

Por: Camila Pedroso

Fonte: CBO

Fotos: Sportfot

Mais notícias sobre hipismo no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Brasileiros conquistam vagas para a final da copa do mundo de salto

Ambas as classificações são com animais de criação nacional. Competição acontecerá de 6 a 10 de abril, em Leipzig, na Alemanha

Publicado

⠀em

A Federação Equestre Internacional (FEI) divulgou a Classificação FEI Jumping World Cup ™ – N ° 4 da Liga Sul-Americana 2021/22, validando os resultados de 20/04/2021 a 05/12/2021. Um total de 38 atletas participaram do ranking e 31 marcaram pontos ao longo da temporada.

O cavaleiro com melhor pontuação foi Flavio Grillo Araújo que conduziu o Brasileiro de Hipismo Lorentino Jmen (Landário Jmen x Calisco Jmen) nos CSI-W em SP, RJ e SP. Entre os bons resultados, destaque para dois segundos lugares e um terceiro.

Em segundo lugar no Ranking está Stephan Barcha que somou pontos com três produtos, sendo dois BHs:  Primavera Montana (Calvaro Z x Paroli) e Veron JC (Cardento x Sioux De Baugy).

Com Primavera Montana foram dois primeiros lugares no CSI-W de São Paulo e Rio de Janeiro. Já com Veron JC o melhor resultado internacional em provas qualificatórias foi o sexto posto no último evento válido do ano.

Na duas colocações subsequentes, podendo substituir as vagas em caso de desistência, estão mais dois conjuntos formados pela criação nacional: Daniel Cesar Khury/ Euclides Método (Zodiaco Método x Sidney Método) e Carlos Eduardo Massenzi Filho / Diegus Ipiranga (Voltaire x Capitol).

A Longines FEI Jumping World Cup™ Final acontecerá de 6 a 10 de abril, em Leipzig, na Alemanha.

Clique aqui e confira o ranking completo.

Por: Camila Pedroso

Fonte: ABCCH

Fotos: Arquivo LC Ruas

Mais notícias sobre Hipismo no Portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Quabri de L’Isle se aposenta das pistas

Pedro Vennis fez o anuncio em cerimônia no CHI de Genève, templo do hipismo mundial na Suíça. Agora, o destino do garanhão é a reprodução.

Publicado

⠀em

O último sábado (11) marcou a aposentadoria do grande garanhão Quabri de L’Isle (Kannan GFE x Socrate de Chivre). Em uma despedida emocionante, montado por seu amigo de longa data, o cavaleiro olímpico Pedro Vennis, o animal de 18 anos se despediu das pistas durante uma cerimônia no CHI de Genève, templo do hipismo mundial na Suíça.

Sobre a sela, estava o cavaleiro olímpico e amigo de longa data, Pedro Vennis. Emocionado, Pedro Vennis não conteve as lágrimas ao se despedir do parceiro. Juntos, a dupla venceu muitos concursos importantes, incluindo o Rolex Grand Prix de Genebra, em 2016, um dos prêmios mais importantes e lembrados de suas carreiras.

Histórico Quabril

Um dos cavalos mais consistentes do mundo, Quabri participou de duas edições dos Jogos Olímpicos: em Tóquio, no Japão, quando ficou em sexto lugar por equipes, e nas Olimpíadas do Rio, em 2016, quando ficou em quinto lugar por equipes.

Quabri ainda venceu a BMO Nations Cup em Spruce Meadows em 2015, o Longines Challenge Cup em Barcelona em 2016, a Longines FEI Nations Cup de La Baule em 2018, a Longines FEI Nations Cup de Geesteren em 2019, bem como o ouro da equipe para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos em Lima em 2019. 

Pedro Vennis e Quabri estão juntos há 8 anos. Ele chegou até o cavaleiro com 10 anos e troxe muitas alegrias. O grande prêmio de Geneve, em 2016, foi uma das conquistas relembrada por Vennis, durante uma entrevista a CBH. “Um cavalo especial como ele muda a vida de um cavaleiro. Nesses 8 anos, ele foi o meu melhor amigo. Ele me fez realizar vários dos meus sonhos de infância. É um cavalo muito nobre”, destacou.

O futuro de Quabri será para servir como garanhão e quando acabar a estação de monta, ele vai pra Espanha descansar ao lado de Vennis.

Bom caráter

Durante uma live realizada pelo Canal do Hipismo, em abril de 2020, Pedro Veniss comentou sobre a parceria com Quabri ao longo dos anos, ressaltando que ele tinnha melhor caráter que já havia visto.

“O Quabri pode chegar no paddock (piquete), relinchar um pouco ou até ir pra cima de algum cavalo, mas ele tem um amor ao ser humano que é incrível. Tudo o que você pede pra ele, ele faz. Se eu pedir pra ele saltar uma casa, ele vai tentar saltar. Se chegar um dia e você não estiver muito bem e falar pra ele: Quabri, me ajuda aí, me dá uma mão que hoje eu não estou muito legal, ele vai te dar a mão. Ele é um cavalo muito generoso”, ressalta.

Na live, Pedro Vennis ainda comentou sobre a personalidade de Quabri. “Eu acredito muito que cada cavalo é de um jeito e o bom cavaleiro é aquele que consegue entender cada cavalo. Ele é muito brincalhão, não tem maldade. Quanto mais você deixa ele à vontade, mais ele se sente bem e mais ele se sente importante e forte. Então, pode ter certeza, quando o Quabri está relinchando, pode contar com ele que ele tá bem”, brinca.

O legado de Quabri de L Isle continua agora fora das pistas. O garanhão tem mais de 180 filhos cadastrados na base de dados Horse Telex e a expectativa é ver nas pistas sua genética campeã em seus descendentes.

Por: Camila Pedroso

Fonte: CBH

Fotos: Divulgação/T Van Halle

Mais notícias sobre hipismo no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Luciana Lóssio vence qualificativa GP Internacional Top Riders

Dos 14 conjuntos que largaram na qualificativa do GP apenas três foram ao desempate

Publicado

⠀em

Mais uma vez, o Concurso Internacional – CSI-W Top Riders válido como última etapa seletiva da liga sul-americana para final da Copa do Mundo 2022 e ranking brasileiro sênior top na Sociedade Hípica Paulista, encerra a temporada internacional no país.

Dos 14 conjuntos que largaram na qualificativa do GP, três foram ao desempate. Somente Luciana Lossio com sua Lady Louise JMen, dupla vice-campeã brasileira sênior top 2021 e que está na briga pela liderança do ranking anual, voltou a garantir percurso limpo conquistando a primeira colocação em 40s20.

A consagrada dupla Marcello Ciavaglia com GR Garuda, vice-campeão ranking sênior top 2019/2020, emplacou em segundo lugar com um derrube, 38s52. Já cavaleiro top da casa José Luiz Guimarães de Carvalho cada vez mais afiado com Con Chello´s Son JMen fechou em terceiro, com uma falta, 39s29.

Grand Slam de Cavalos Novos

Ao mesmo tempo, a Sociedade Hípica Paulista está realizando a 12ª e última etapa de seu tradicional ranking de Salto. Na sexta-feira, 2/12, já foram conhecidos os campeões do Grand Slam de Cavalos Novos, uma iniciativa da Sociedade Hípica Paulista em parceria com o Clube Hípico de Santo Amaro. 

Ao longo de seis etapas – três em cada clube – foram definidos os campeões da séries Cavalos Novos 8,7,6,5 e 4 anos. O Haras Império Egípcio colocou nada menos que três produtos no topo do pódio: Nefertite do Arete Império Egípcio (Cardento x Socrate de Chivre), com Cesar Almeida, série 8 anos, Demi Império Egípcio (Clinton x Darco) com Raphael Machado Leite, 7 anos, Navajo B Império Egípcio (Diamant de Semilly x Baloubet du Rouet) com Raphael Machado Leite, 5 anos.

Na série 6 anos, a vitória foi de Fantasy HR (Arezzo VDL x Bacarole VDL), apresentado por Victor Evangelista e na de 4 anos, Chrysler C Jmen (Carbacan JMen x Troyca JMen), na condução de Fernando Capovila.

Por: Equipe Cavalus

Fotos: Luis Ruas

Mais notícias sobre hipismo no Portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Qualificativa do GP nos 83 anos da Sociedade Hípica Brasileira no Rio vai para Stephan Barcha

A disputa foi válida com qualificativa para o GP Internacional Troféu Roberto Marinho que encerra o 83º Aniversário da Sociedade Hípica Brasileira

Publicado

⠀em

O cavaleiro olímpico Stephan com Chevaux Montana, dupla que vem de vitória no GP Indoor e Campeonato Brasileiro Senior Top na Hípica Paulista, mais uma vez confirmou a excelente fase e faturou o Prêmio Sportv, 1.40/1.60m, na última sexta (26).

A premiação é válida como esquenta para o GP Internacional Troféu Roberto Marinho, que encerra as festividades do 83º Aniversário da Sociedade Hípica Brasileira.

Dos 22 conjuntos, somente dois viraram para a segunda volta sem faltas. Stephan, carioca radicado em Brasília, e Primavera Montana, de apenas 9 anos, zeraram em 54s82, deixando a pressão sobre o medalhista olímpico Doda Miranda que com sua nova montaria Argentinissima acabou cometendo uma falta no último obstáculo fechando em quarto lugar. Com apenas um ponto perdido na primeira volta e pista limpa na segunda, Flavio Grillo apresentando PHBr Lorentino JMen garantiu o vice, em 58s21.

“Sou carioca e é muito bom vencer aqui em casa na Hípica Brasileira. O Doda, que é um amigo, um irmão, esteve perto da vitória, mas acabou cometendo uma falta. Agora é seguir e focar nas próximas disputas”, disse Stephan, em entrevista ao Sportv, que deu nome à disputa.

Já a terceira colocação coube a Lucio Osório, campeão do GP Roberto Marinho em 2018, montando Haradette S, que fechou com apenas uma falta na primeira volta e pista limpa na segunda, 48s10. José Roberto Reynoso Fernandez Filho, campeão do GP Troféu Roberto Marinho em 2020, levou seu Azrael ao quinto posto, uma falta 48s99. Fechando o placar, a disputa válida pelo ranking internacional FEI Longinese ranking brasileiro senior Top, a sexta colocação ficou com Daniel Khury apresentando Euclides Método, uma falta, 52s23.

O GP Troféu Perpétuo Roberto Marinho foi criado em 1988 e a cada ano é a principal prova do Aniversário da Sociedade Hípica Brasileira. A última disputa Internacional do ano acontece durante o CSI-W Internacional Top Riders, entre 1 e 4 de dezembro, na Sociedade Hípica Paulista, onde o GP Top Riders encerra a contagem do ranking brasileiro senior top e seletivas para a convocação rumo ao Winter Equestrian Festival 2021 na Florida (EUA), a cada ano o maior point do hipismo das Américas a cada início de temporada com duração de três meses.

Stephan Barcha e Luciana Lossio, vice-campeã brasileira senior top, já estão qualificados e a terceira vaga pode ser alcançada somente por Flávio Grillo e Marcello Ciavaglia. O evento nos Estados Unidos vale como observatória para as seletivas na Europa para formação do Time Brasil no Mundial em agosto de 2022, em Herning, na Dinamarca.

Por: Camila Pedroso

Fotos: Luis Ruas

Mais notícias sobre hipismo no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

1º Troféu Rodolpho Figueira de Mello vai para a amazona Mariana Cassettari

Disputa homenageou Rodolpho Luiz Figueira de Mello, sócio da Hípica e ex-presidente da Federação Equestre do Rio de Janeiro, falecido precocemente em 2020

Publicado

⠀em

Sábado (27), 46 conjuntos largaram no Clássico ARM Gestão que instituiu o Troféu Perpétuo Rodolpho Luiz Figueira de Mello (in memorian), ex-presidente da Federação dos Esportes Equestres do Rio (FEERJ), no 83º Aniversário da Sociedade Hípica Brasileira, no Rio de Janeiro.

Dos 46 conjuntos somente dois garantiram percurso limpo no difícil percurso idealizado por Rafael Ferrarez levando a decisão ao desempate. Primeira a largar, a catarinense Mariana Cassettari, uma das principais amazonas em atividade no país, com Cehip Ana Carol Ipiranga Botupharma, fechou com uma falta em 39s05, resultado que veio a lhe garantir o título de campeã.

O sempre competitivo mineiro Rodrigo Sarmento apresentando AD Daughter of Cool 2GMS cruzou a linha de chegada em 39s08, também com um derrube, ficando com o vice-campeonato. Outros três conjuntos fecharam com apenas um 1 ponto perdido por ultrapassar o tempo concedido da 1ª passagem e José Roberto Reynoso Fernandez Filho, mais premiado ginete em atividade no país, apresentando Cornet Dor JMen, dupla campeã do GP Troféu Roberto Marinho em 2020, garantiu o 3º posto com a marca de 85s55.

Garantindo presença carioca no pódio o top da casa Tiago Mesquita apresentando Caron JMen II obteve o 4º posto, seguido pelo jovem talento paulista Raphael Mari montando Henso que cruzaram a linha de chegada em 86s19 e 86s51. Completou o pódio na 6ª colocação André Moura, atual campeão brasileiro Under 25, montando Henessy M, que foi o mais rápido entre os nove conjuntos com apenas um derrube no 1º percurso.

Na cerimônia de premiação, os filhos de Rodolpho, Maiza Figueira de Mello, e a esposa, a jornalista Ana Luiza Guimarães, foram homenageados e também entregaram o prêmio a Mariana Cassettari, primeira vencedora do Troféu Perpétuo.

Sobre Rodolpho Luiz Figueira de Mello

Rodolpho, o Do, como era carinhosamente conhecido, foi criado na Sociedade Hípica Brasileiro e presidente da Federação Equestre do Rio de Janeiro por três mandatos, o último até novembro de 2020, deixando um grande legado no hipismo carioca e brasileiro. Entre outras ações, Rodolpho foi criador dos Jogos Equestres Fluminenses que tiveram sua primeira edição em 2012 ainda tímida na Sociedade Hípica Brasileira com provas de salto, adestramento e enduro e no ano seguinte, em 2013, no Condomínio Herdade das Palmas, reuniu pela primeira vez quatro modalidades em só evento no país: salto, adestramento, enduro e rédeas.

“A Federação Equestre do Estado Rio de Janeiro gostaria de agradecer a presença de todos e a Sociedade Hípica Brasileira que apoiou a homenagem ao nosso querido amigo, cavaleiro e ex-presidente da FEERJ. Estamos orgulhosos de homenagear o Dô, instituindo o troféu Rodolpho Luiz Figueira de Mello. O Dô, era amigo, gentil, educado, dono de um sorriso acolhedor e talvez seu apelido fosse esse, exatamente porque ele era uma pessoa doce. Como cavaleiro subiu aos pódios, cresceu dedicado ao hipismo e aos amigos e foi sempre atuante e presente apesar de discreto e reservado com sua família (…) Era um Lord na arte de gerir! Lutou incessantemente, sem nunca perder a simpatia, e está vivo em nossas melhores lembranças”, descreve um post na rede social da FEERJ, assinado por sua atual presidente Alejandra Fernandez, que foi diretora de adestramento na gestão de Rodolpho.

Por: Equipe Cavalus

Fotos: Luis Ruas

Mais notícias sobre hipismo no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Campeonato Brasileiro de Adestramento Indoor reuniu mais de 100 cavaleiros

Na série Senior Top Victor Avila garantiu o bi consecutivo. Já na concorrida série Senior, Eduardo Alves de Lima, da equipe do olímpico João Victor Oliva, garantiu o título com Florisbela, de apenas 7 anos. Entre campeões e vice, representantes da casa garantiram 14 títulos.

Publicado

⠀em

Foram quatro dias de intensas disputas no Campeonato Brasileiro de Adestramento Indoor, entre 17 e 21/11, na Sociedade Hípica Paulista. Pela primeira vez, desde 2016, o picadeiro coberto Jayme Loureiro Filho da entidade que esse ano completou 110 anos de história, foi palco de uma disputa de Adestramento, a mais clássica dentre as modalidades olímpicas do hipismo. Pelo terceiro ano consecutivo com mais de 100 concorrentes, estiveram no picadeiro 105 conjuntos nas disputas de cavalos novos 4, 5, 6 e 7 anos, séries elementar, preliminar, média I e II, forte I e Special (Grand Prix).

Formaram o júri Sandra Smith de Oliveira Martins, presidente, ao lado de Cel Marcio Camargo, Lindinha Macedo, Marcio Bastos Costa, Cel Rui Cesar Mello e Bruno Magalhães que atuaram em revezamento.

Lista de campeões

No Campeonato Brasileiro o título máximo do alto rendimento categoria Senior Top coube ao jovem cavaleiro Victor Trielli Avila, 25, com Corsario IGS conquistando o bicampeonato 2020/2021, com um 2º lugar no Grand Prix e um 1º lugar no Freestyle Grand Prix, fechando com a média final de 67,134%. A disputa contou com três conjuntos e o vice-campeonato coube a experiente amazona Micheline Schulze montando Domino.

Na categoria Senior, disputada em três provas, Eduardo Alves de Lima, o Duda, montando Florisbela, égua oldenburger de apenas 7 anos, garantiu duas vitórias na reprises St Georges, Inter I e um 3º lugar conquistando seu primeiro título brasileiro com a boa média final de 70,822% de aproveitamento. Duda, 42, integra a equipe da Coudelaria Ilha Verde, liderada por José Victor Oliva que tem como atleta nº 1 seu filho o cavaleiro olímpico João Victor Macari Oliva, atualmente radicado em Portugal.

“Monto a Florisbela desde a doma e passamos por todas as fases. Em nosso dia a dia em casa na Coudelaria Ilha Verde, também cuidamos dos cavalos nas cocheiras, fazemos tudo com eles, o que muito bom para a gente conhecê-los bem”, conta Duda, que começou no adestramento há somente 10 anos. “Sempre tive contato com cavalo e também fazia montaria em boi no interior paulista, Boituva, onde nasci”, revela o cavaleiro. “Agradeço muito a José Victor Oliva, seu João Oliva e toda equipe da Ilha Verde.”

O vice-campeonato coube a Paulo Cesar do Santos, 38, irmão gêmeo do medalhista pan-americano João Paulo Santos, que montando Fidel da Sasa garantiu o vice-campeonato com dois segundos lugares na St Georges e Inter I e vitória no Freestyle Inter I, fechando a média final de 70,822%. A trajetória de Paulo Cesar e João Paulo é semelhante à de Duda, uma vez que também começaram no Adestramento há cerca de 10 anos e chegaram a fazer montaria em bois. A série Forte II Senior contou com boa participação de 12 conjuntos.

Um dos diferenciais foi a forte participação dos cavaleiros e amazonas da SHP, considerado o principal polo da modalidade no país, contando inclusive com diversos representante da Escola de Equitação da SHP. Na categoria mini-mirim para atletas entre 8 e 11 anos – a amazona da casa Valentina Toledo, 11, montando Felice do Nico, venceu de ponta a ponta garantindo o título brasileiro.

Ao todo, os representantes da casa garantiram 14 títulos, 7 de campeões e sete vice-campeonatos fazendo jus a força da casa na modalidade. Na série Elementar Amador Luiza Dias Ferreira Leite Mendonça com Hector MC foi vice.

Por: Camila Pedroso

Fotos: SHP/C.May/Brunna Netto

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Clássico nos 83 anos da Sociedade Hípica Brasileira tem Stephan Barcha e Chevaux Zilverstone como campeões

Evento também recebeu provas válidas pelo ranking da casa, a Final do Longines XTC com vitória na classificação geral do time Imperium, integrado por Doda Miranda, que também foi vice no Clássico

Publicado

⠀em

Duas semanas de competição reúniram a família do hipismo brasileiro em comemoração ao 83º Aniversário da Sociedade Hípica Brasileira, no Rio de Janeiro. A primeira semana, entre 18 e 21/11, contou com 16 provas de 0.60 a 1.45m, válidas pelo ranking Village Mall da entidade anfitriã, final do Longines Extreme Challenge e ranking brasileiro.

No domingo, 21/11, o Clássico, a 1.40/1.45m, encerrou a competição. A disputa contou com 49 conjuntos em que os 12 conjuntos zerados mais rápidos habilitaram-se- para a 2ª volta e oito voltaram a garantir pista limpa no percurso armado pela course-designer internacional Lucia Faria Alegria de Simões.

Fazendo jus à condição de um dos mais premiados conjuntos chegando a 51 vitórias no circuito nacional, Stephan Barcha, carioca radicado em Brasília e atual campeão brasileiro senior top, levou seu Chevaux Zilverstone à vitória com duplo zero em 40s52.

Sagrou-se vice-campeão, o medalhista olímpico e pan-americano Doda Miranda com Argentinissima Z, que garantiu seu duplo zero, em 41s03. Em 3º lugar chegou o top Luiz Francisco de Azevedo, o Chiquinho, integrante do Time Brasil no Mundial 2018 e especialmente vindo dos EUA, que montando Le Care fez duas apresentações perfeitas e o tempo de 43s17 na 2ª e decisiva volta.

Completaram o placar da da 4ª à 6ª colocação o cavaleiro da casa Rodrigo Ullmann Lima com Kent do Santo Antonio, Stephan, dessa feita, com Chevaux Cooper e Rodrigo Sarmento com AD Daughter of Cool 25 GMS, por Minas Gerais.  A disputa distribuiu R$ 50 mil. 

A 7ª Etapa e final do Longines XTC, badalada disputa por equipes com provas a 1.20, 1.30 e 1.40m, teve vitória do Time Exitum representado na decisiva disputa a 1.40m por Thiago Mattos/Hermes do Santo Antonio, Luiz Felipe Pimenta/Akron JMen e Stephan Barcha/Veron Fortis. Mas o time Imperium liderado por Doda Miranda já era campeão antecipado. O badalado circuito terá seu playoff no Doda Training Center, Itatiba (SP), entre 14 e 19/12, com nada menos que R$ 1.574.000 em premiação, 

Essa semana, a 2ª semana do competição agita a Sociedade Hípica Brasileira na lagoa Rodrigo, aos pés do Cristo Redentor, dessa vez, com 15 provas desde 1 a 1.50/1.60, fechando com o GP Troféu Roberto Marinho com R$ 120 mil em jogo, válido como etapa seletiva para a Final da Copa do Mundo 2022 e penúltima etapa do ranking brasileiro senior top 2021 que terá sua última etapa na Sociedade Hípica Paulista, entre 2 e 5/12.

Fonte: Equipe Cavalus
Crédito: Divulgação

Veja mais notícias do Hipismo no portal Cavalus

 

Continue lendo

Hipismo

Sociedade Hípica Paulista recebe Campeonato Brasileiro de Adestramento e Taça Brasil de Adestramento Indoor

Provas ocorrem até domingo e podem ser acompanhadas ao vivo pela internet

Publicado

⠀em

Até o próximo domingo, o coberto Jayme Loureiro Filho, na Sociedade Hípica Paulista (SHP), em São Paulo, capital, é palco do Campeonato Brasileiro de Adestramento e Taça Brasil de Adestramento Indoor, principal evento da modalidade na temporada 2021.

O Campeonato Brasileiro é aberto a todas as categorias de jovens talentos com idades entre 8 e 21 anos, amadores até senior top, com mais alto rendimento, incluindo ainda cavalos novos.

Já a Taça Brasil é voltada aos profissionais que apresentam cavalos em formação até a série forte I.

São 115 conjuntos representando os Estados de São Paulo, grande polo da modalidade, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e ainda a Escola de Equitação do Exército. 

Dentre os destaques estão os olímpicos Luiza Tavares de Almeida, Pedro Almeida, além dos medalhistas pan-americanos Giovana Pass, Sarah Waddell, ao lado de premiados cavaleiros e amazonas amadores e jovens talentos.

Os juízes Sandra Smith de Oliveira Martins, Coronel. Marcio Navarro de Camargo, Lindinha Macedo, Ricardo Micheletto Leão, Marcio Bastos Costa, Tenente PM Bruno Muniz Magalhães, André Ganc, a norte-americana Sarah Geike e o português Carlos Lopes serão os responsáveis por avaliar os cavaleiros.

Transmissão ao vivo

Os apaixonados pelas modalidades que querem acompanhar o evento podem assistir, ao vivo, a transmissão pelo link: https://shp.org.br/noticias/adestramento/17-a-22-11-programas-brasileiro-taca-brasil-e-freestyle-adestramento-indoor/

A SHP é o maior polo de Adestramento do país, palco de seletivas olímpicas e pan-americanas. Mais clássica das modalidades olímpica, o Adestramento também é considerado base para todos os demais esportes hípicos.

Por: Camila Pedroso

Fotos: Luís Ruas

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Prêmio Brasil Olímpico no Hipismo Adestramento vai para João Victor Marcari Oliva

Atleta se consolida como o principal representante brasileiro no esporte

Publicado

⠀em

Pela sexta vez, João Marcari Oliva recebe o “Oscar” dos esportes na categoria Hipismo de Adestramento. A conquista foi divulgada na noite do dia 7 pelo Comitê Olímpico do Brasil, COB. A cerimônia de premiação dos melhores atletas da modalidade acontece no dia 7 de dezembro, no Teatro Tobias Barretos, em Aracaju, Sergipe.

Oliva vem em uma crescente de bons resultados no circuito europeu, depois de registrar a maior nota do Brasil em Olimpíadas, nos Jogos de Tóquio, se consolidando como o principal representante brasileiro no Hipismo Adestramento.

O primeiro Prêmio Brasil Olímpico foi conquistado em 2014. O filho da ex-jogadora Hortência Marcari voltou a vencer em 2015, 2016, 2017 e 2018, além de ter sido indicado em 2019, 2013 e 2012. João Victor Oliva divide o palco do PBO 2021 com outros dois parceiros nos Jogos de Tóquio: Marlon Modolo Zanotelli, vencedor no Salto, repetindo o feito de 2019, e Carlos Eduardo Parro no Concurso Completo de Equitação (CCE), vencedor em 2019 e 2016.

Filho de peixe, peixinho é

O paulistano João Victor Marcari Oliva, 25 anos, começou a montar por lazer no haras dos pais, a ex-jogadora Hortência Marcari e o empresário Victor Oliva, em Araçoiaba da Serra/SP. Aos 12 anos, fez sua estreia nas pistas e nos pódios.

Com 17 anos se transferiu para a Europa, morando na Alemanha – “meca” mundial do esporte – vivendo até 2019 na Alemanha e depois se transferindo para Portugal.


João Victor vem registrando seguidos recordes de notas, incluindo nos Jogos de Tóquio, quando foi o melhor resultado do Brasil em Olimpíadas (70,419% de nota e 26º entre 59 competidores na classificação geral).

Sua estreia olímpica foi nos Jogos do Rio 2016, também registrando o melhor resultado do Brasil.

Em Pan-americanos foi bronze por equipe nos Jogos de Lima 2019 e Toronto 2015. Na soma de importantes conquistas estão também: o melhor brasileiro em uma Final da Taça do Mundo de Dressage, em 2017, em Omaha, Estados Unidos; campeão Sul-Americano individual e por equipe no Chile em 2014; melhor atleta da equipe brasileira nos Jogos Equestres Mundiais da Normandia, na França, em 2014, e de Tryon, em 2018, nos Estados Unidos. João Victor Oliva é também pentacampeão brasileiro. No momento, ocupa o 89º lugar no ranking mundial, o melhor resultado já conquistado pelo Brasil no Adestramento.

Créditos: Camila Pedroso

Fotos: Luis Ruas

Acompanhe mais notícias no portal Cavalus


Continue lendo