A sul-mato-grossense hoje mora em outra cidade e estuda Medicina

Helba Ribeiro, 38 anos, natural de Campo Grande, mora em Dourados, também no Mato Grosso do Sul. Em 2008, ela conta que viveu uma das grandes emoções da sua vida ao ser convida para narrar o Rodeio Junior durante a Festa do Peão de Barretos. Hoje ela não está mais no rodeio e também não realiza mais locuções, mas a paixão pelo meio permanece.

“Sou acadêmica de Medicina em uma faculdade Federal no meu Estado, na UFGB, cidade onde moro. Quero me especializar em Pediatria, poder ajudar as crianças. E, quem sabe um dia, poder atuar junto ao Hospital de Câncer de Barretos, hoje Hospital de Amor. Sinto muita falta dos tempos de rodeio, das amizades, de tudo que vivi e que fez parte da minha vida por alguns anos. Mas agora meu foco é a área da saúde”.

Muito expansiva e simpática, Helba conta que na juventude fazia provas de Três Tambores e Seis Balizas em Naviraí/MS e foi assim que tomou contato. Em 2008 ela teve a oportunidade de narrar o Rodeio Junior de Barretos (para jovens aspirantes a bullriders). “Foi uma honra muito grande! Estive ao lado do grande Barra Mansa. Conheci Valtinho dos Santos e Gleydson Rodrigues, grandes ‘artistas’ do rodeio que pude narrar ao lado. Sem dúvida, uma conquista muito grande ter chegado até Barretos”.

Desse tempo, já se passaram 11 anos. “Hoje, se eu tivesse a oportunidade de pisar de novo naquela arena, narrando algumas montarias, com certeza faria com muito carinho. O rodeio é algo que estimo muito. E considero a narração algo muito importante”. Helba se inspira em Mara Magalhães. “A nossa grande rainha e que tenho a felicidade de poder conviver, converso sempre com ela por telefona”.

Quando narrou Barretos, foi a convite dos organizadores do rodeio. O certificado de locutora é motivo de orgulho. “Sempre nos meus momentos de privacidade, fico relembrando todos esses momentos, olhando as fotos e o certificado. Foram dias de muitas alegrias. E como já disse, tenho muito carinho e orgulho por ter tido essa oportunidade”. Quem deu um empurrãozinho para que ela seguisse na época foi o juiz de rodeio Edson Matsuda. “Ele me disse que eu tinha talento, foi muito especial”.

Por conta desse dom da voz, Helba seguiu o conselho do amigo e procurou as comissões de rodeios em diversos locais. Durante alguns anos, narrou rodeios de em São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. “Muitas vezes, a vida nos leva a outros caminhos e acabei saindo do rodeio. Mas é uma fase da minha vida que vai morar no meu coração para sempre, essa paixão que tenho pelo rodeio.”

Por Luciana Omena
Fotos: Arquivo Pessoal

Escreva um comentário