Team Roping

Papo com JD Yates

Publicado

⠀em

Com exclusividade, o astro contou como se prepara para as provas e o que lhe faz desembarcar três vezes por ano no Brasil para competir 

Foi em 2009 que o super campeão e astro do cavalo no mundo veio ao Brasil pela primeira vez participar de provas de laço. O norte-americano JD Yates sempre chama a atenção dos laçadores locais, não só pela sua simpatia, mas também pelo seu talento com a corda na mão. Ele costuma vir três vezes por ano, para competir nos três eventos da ABQM. Além de ficar perto do ídolo, já que muitos laçadores acompanham a carreira dele há muitos anos, há uma rivalidade saudável. JD é sempre favorito nas categorias que disputa e nenhum brasileiro quer perder para ele. E não é difícil ele ser chamado ao pódio todas as vezes que visita nosso país.

Fotos: Miguel Oliveira

JD Yates é um dos treinadores mais reconhecidos na indústria do cavalo de performance nos Estados Unidos, com inúmeros títulos conquistados, incluindo 38 vitórias no Campeonato Mundial AQHA, com quatro títulos SuperHorse. O competidor também detém US$1,3 milhões em ganhos pela PRCA, tendo sido um dos mais jovens a participar do maior rodeio completo do mundo, quando começou.

Nós, claro, conversamos com ele em uma dessas visitas!

Portal Cavalus: Como é para você participar das competições brasileiras?

JD Yates: O Brasil, assim como os Estados Unidos, têm bons cavalos e bons cavaleiros. É um prazer competir aqui.  Os cavalos que se destacam nas provas aqui teriam chances de ganhar lá também. Sou muito bem recebido sempre e adoro a alegria dos brasileiros. Sinto-me muito bem competindo no Brasil e tenho a família do Rafael Paolielo como se fosse a minha própria família.

PC: Qual a diferença em competir no Brasil e nas pistas americanas?

JD: A diferença do esporte nos dois países são alguns equipamentos que os brasileiros não possuem, então trago alguns acessórios: como freios. Tudo no Brasil é tão bom quanto nos Estados Unidos, e também  gostaria até de levar alguns cavalos brasileiros para lá.

PC: Qual seu preparo para competir nas provas, já que só vem em tempo de competição?

JD: Para laçar aqui chego ao Brasil alguns dias antes das competições e monto nos cavalos do Centro de Treinamentos RP, em Rubiácea/SP (região de Araçatuba). A escolha dos animais para a competição é feita junto com o Rafael. Nós trabalhamos juntos, ele é meu parceiro, sua família faz parte do meu time. Não competimos um contra o outro, mas com foco em desenvolver cada vez mais os animais. Na escolha, nós vemos qual cavalo se sai melhor com cada laçador.

PC: Quantas provas já correu no Brasil?

JD: Venho três vezes ao ano para competir nas principais provas da ABQM: Congresso Brasileiro, Campeonato Nacional e Copa dos Campeões. Nestes anos, perdi apenas um Campeonato Nacional devido a uma operação. Já participei de mais de 260 provas no Brasil, e a cada ano que volto vejo melhorias na organização das provas da ABQM.

PC: Quais os seus principais títulos conquistados em pista?

JD: Tenho vários títulos de Campeão Congresso, Nacional, Copa dos Campeões, mas os mais recentes são: 1º lugar no Laço de Cabeça – Aberta  Castrado com Jack Jay Bee Dee, 2º e 3º lugar na Aberta-Sênior com os animais Mr Fritz Wood e Heaven Gun, reservado campeão na Aberta Junior com Peppy Jewelette.

PC: Como avalia as competições?

JD: As provas melhoram a cada edição, o gado melhorou muito nos últimos anos e as categorias estão bem divididas. Uma das coisas que mais gosto nessas provas é o incentivo dado aos cavalos castrados. Em minha opinião, a AQHA deveria adotar esse incentivo também.

 

Por Juliana Antonangelo

Team Roping

Berço do Quarto de Milha recebe Circuito Rancho Quarto de Milha de Laço Individual

Credenciada à ANLI, etapa distribuirá mais de R$ 150 mil em premiação e reunirá laçadores dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Goiás

Publicado

⠀em

Laço Individual

A cidade berço do Quarto de Milha, Presidente Prudente/SP, realiza neste sábado (28) a primeira etapa do Circuito Rancho Quarto de Milha de Laço Individual, a mais disputada e desejada da modalidade.

Credenciada pela Associação Nacional do Laço Individual (ANLI), a etapa distribuirá mais de R$ 150 mil em premiação.

A prova surgiu da união de Gustavo Bertocco e mais 19 amigos, que se reuniram para realizar o Circuito, pois há muitos não haviam provas de Laço Individual parecidas na região. “A ideia é que esse circuito seja feito todo ano, filiado à ANLI, com premiação fixa, gado de qualidade e na arena mais icônica do país!”, afirma Bertocco.

O gado da etapa de Laço Individual será selecionado pelo Artur Rodrigues (conhecido como Zoião de Martinópolis). “Ele está reunindo o que há de melhor na região, domando todos os bezerros (um a um) para garantir o sucesso da prova de Laço Individual ”, garante o organizador.

A etapa reunirá competidores dos estados de São Paulo, Paraná, Goiás e Minas Gerais, “todos em busca do sonho de ser campeão na arena do RQM”, ressalta.

A expectativa da organização é receber mais de 100 inscrições para competir nos handcaps Categoria 1, Categoria 2, Categoria 3 e Categoria 4, sendo essa categoria com a possibilidade do laçador realizar duas inscrições diferentes, porém o cavalo não pode correr com outro competidor.

A etapa contará ainda com a modalidade de Breakaway, com premiação de 80% das inscrições.

As inscrições para o Circuito Rancho Quarto de Milha de Laço Individual pode ser realizada pelo e-mail drgabrielizar@clinicaidc.com.br.

Rancho Quarto de Milha

Considerado o primeiro Clube do Cavalo de Trabalho do Brasil, o Rancho Quarto de Milha é o maior divulgador da raça Quarto de Milha no país.

Localizado na cidade de Presidente Prudente/SP, está no centro da região para onde vieram os primeiros animais da raça Quarto de Milha, importados na década de 1950 dos Estados Unidos pela Swift King Ranch (SKR), que possuía fazendas na região.

Com as primeiras provas equestres rurais realizadas durante as exposições regionais, nos anos de 1971 e 1972, foi despertado o interesse dos criadores locais nos cavalos Quarto de Milha, vencedores absolutos nestas competições pioneiras.

Como consequência, um grupo de entusiastas e dedicados criadores da região adquiriu uma área de 10 alqueires, próxima ao aeroporto da cidade, que mais tarde se transformaram na sede de campo da primeira e única entidade do gênero em todo o país, com a denominação de Clube de Adestramento do Cavalo Rural, fundada oficialmente em 20 de janeiro de 1974, anos após transformada na Sociedade de Adestramento do Cavalo Rural (SACR).

O Rancho Quarto de Milha, como a SACR ficou nacionalmente mais conhecido, sempre teve como objetivo principal o adestramento de animais para competição e serviço de fazenda, bem como a promoção da raça Quarto de Milha em todo o país, fato confirmado pelas inúmeras apresentações pioneiras realizadas em diversos pontos do Brasil, sendo a primeira em Corumbá/MT, seguida de muitas outras, como em Vacaria/RS, Goiânia/GO, Rio de Janeiro/RJ, Maceió/AL, Londrina/PR, Blumenau/SC, além das constantes presenças das principais exposições e feiras anuais da época, como em Bauru, Novo Horizonte, Ourinhos e, é claro, Presidente Prudente.

Atendendo os vários convites para apresentações e demonstrações das provas rurais do Quarto de Milha, o Rancho foi o grande incentivador da criação das primeiras pistas de provas de Laço Individual, verdadeiras “pontas de lança” para a introdução da criação do Quarto de Milha no país, a exemplo da região de Presidente Prudente, Sul de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, Norte do Paraná, Sul de Minas Gerais e Sul de Goiás.

Num raio de 200 quilômetros ao seu redor, que engloba o norte do Paraná, sul do Mato Grosso do Sul, região Sorocabana, Paulista e Noroeste, Presidente Prudente chegou a concentrar em sua época de ouro cerca de 2/3 do rebanho da raça no Brasil.

Em parceria com a ABQM, através da promoção de diversos cursos de adestramento, inclusive com a vinda de profissionais americanos, o Rancho também foi pioneiro na busca de novos conhecimentos técnicos e aperfeiçoamento de criadores e de seus peões.

No Rancho foram realizados os primeiros leilões de cavalo de Trabalho, o primeiro Potro do Futuro, as primeiras competições de Laço de Bezerros, de Laço em Duplas e de Laço Individual, daqui saindo vários campeões nacionais. Foi também nos leilões anuais do Rancho Quarto de Milha que os criadores nordestinos, amantes da tradicional Vaquejada, aprovando a eficiência do Quarto de Milha, vieram buscar seus primeiros animais da raça, os quais foram posteriormente campeões do Nordeste, alguns sendo valorizados em milhares de dólares, mesmo sendo mestiços castrados!

Atualmente o Rancho Quarto de Milha, transformado em ABCTER- Associação Brasileira do Cavalo de Trabalho e Empreendimentos Rurais, possui cerca de 100 associados, dentro de uma das melhores estruturas para estas atividades, com uma confortável sede, cocheiras, tattersal com cadeiras individuais para 500 pessoas, quatro pistas de provas, sendo a principal uma arena coberta de 12.000 m2, onde, além das consagradas competições do Quarto de Milha, se realizava um dos melhores rodeios do país, o “Rodeio de Campeões”, onde o Rancho também foi pioneiro, realizando o primeiro Rodeio Completo do Brasil.

Serviço

Circuito Rancho Quarto de Milha de Laço Individual

Data: 28 de maio

Local: Rancho Quarto de Milha/Presidente Prudente/SP

Por: Camila Pedroso

Fonte: facebook.com/ranchoqdm/

Fotos: Arquivo

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Team Roping

2ª Copa World Trailers de Team Roping reúne mais de 200 competidores em Brasília/DF

Realizada no último domingo (22), prova ofereceu premiação t otal de R$ 300 mil nas três modalidades Team Roping, Calf Roping e Breakway

Publicado

⠀em

Team Roping

No último domingo (22), mais de 200 competidores e 150 cavalos estiveram em Brasília/DF para prestigiar a 2ª Copa World Trailers de Team Roping.

Realizada no Parque de Exposições Granja do Torto, na pista coberta, a etapa ofereceu uma premiação total de R$ 300 mil, em todas as três modalidades Team Roping, Calf Roping e Breakway e reuniu atletas dos estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Tocantins, Bahia e Distrito Federal.

Segundo Marcelo Pity, diretor da modalidade de Laço do Núcleo do Quarto de Milha de Brasília, o grande diferencial da etapa foi a estrutura montada no Parque da Granja do Torto, com área para show, praça de alimentação e área de camping para os competidores.

Nessa edição, a modalidade de Breakway entrou na Copa World Trayller, o Team Roping contou com a Elite Tem Roping (ETR) e Calf Roping a Associação Nacional do Laço Individual (ANLI), que são as duas maiores associação de Laço do Brasil.

Confira os grandes campeões 2ª Copa World Trailers de Team Roping

No World Trailers 8.5, o cabeceiro Luan Araújo e o peseiro Felipe Rosa foram os grandes campeões com a média 5,125 e receberam R$ 20 mil de premiação e um carro oKM.

Araújo ainda conquistou o segundo lugar ao lado do peseiro Nonete, com a média de 5,257 e receberam R$ 10 mil de premiação e um trailler, seguidos pela dupla Ricardinho Round e Maycon Unai, com a média de 5,445 que receberam R$ 5 mil de premiação e uma moto 150 cc.

Já no World Trailers 5.5, o cabeceiro Bibi e o peseiro Tales Perilo com a média de 5,430 foram os grandes campeões.

Hugney Filho, cabeceiro e Jeferson Procopio peseiro com a média 6.000 forma os grandes campeões.

David Jaragua, cabeceiro e Brutim, peseiro, com a média 7,370 ficaram com o terceiro lugar.

As três duplas receberam R$ 20 mil de premiação cada.

Na Elite Team Roping, o cabeceiro Pedro Borges e o peseiro Luiz Eduardo foram os grandes campeões.

Diogo Campos, cabeceiro e Luan dos Reis, peseiro, ficaram com o segundo lugar, seguidos por Atos e Diego Barone (cabeceiro e peseiro) ficaram em terceiro lugar.

No Calf Roping categoria 01, Rogério Alvarenga foi o grande campeão, seguido por Ronaldo e Paulo Henrique. Na categoria 2, Jorge Alves ficou em primeiro lugar, seguido por Pablo Gontijo e Caio Vieira.

Na categoria 03 no Calf Roping, Rafael Rezende ficou em primeiro, Sávio Alves em segundo e Lucca Alvarenga em terceiro.

Finalizando a modalidade de Calf Roping, na categoria 04, José Neto ficou em primeiro, seguido por Marcelo Pit e Douglas Renato.

No Breakway, Letícia Vieira foi a grande campeã, seguida por Beatriz Alvarenga e Valéria Valença.

“Eu queria agradecer o PGT, o Thiago da Word por incluir o Laço Individual dentro da prova dele, e aos competidores que saíram de suas casas em pleno domingo, para competir, e em especial ao Fábio Parizi e Gabriel Parizi, que não mediram esforços e mandaram seus cavalos”, finalizou Marcelo Piti.

Por: Camila Pedroso

Foto: Divulgação

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Team Roping

2ª Etapa da Team Roping Arena Two Brothers foi um sucesso

Com 520 inscrições e mais de R$ 48 mil em prêmios, o evento reuniu conjuntos dos estados do Paraná, Mato Grosso e São Paulo

Publicado

⠀em

Team Roping

A 2ª Etapa da Team Roping Arena Two Brothers realizada no dia 21 de maio, no Haras Two Brothers, em Umuarama/PR, foi um sucesso!

Com 520 inscrições e mais de R$ 48 mil em prêmios, o evento reuniu conjuntos dos estados do Paraná, Mato Grosso e São Paulo, nas disputas das somatórias dos handcaps #9, #8, #6, #5, #4 e #3.

Com um formato trazido dos Estados Unidos pelo Two Brothers, cada laçador teve direito a quatro inscrições na sua categoria e a premiação por porcentagem.  A prova é realizada sempre em um dia, com todos somando ganhos para o ranking geral em dinheiro.

Para a final, então, 15 de cada naipe (cabeça e pé) não importando o handcap. De acordo com os organizadores, o mais interessante é que as somatórias mais baixas, por ter mais gente e dar mais dinheiro, levou mais competidores ao ranking. Além disso, na final Top 15 houve o sorteio de quatro parceiros (ou seja, quatro chances de chegar ao trailer) e a média de quatro bois. Os finalistas não pagaram inscrição para a decisão e uma regra para formação das duplas foi que o handcap não podia ultrapassar a soma 9.

Nessa edição, a 2ª Etapa da Team Roping contou com a inscrição antecipada e online pelo aplicativo Horsesport, facilitando a vida dos laçadores.

Campeões da 2ª Etapa da Team Roping Arena Two Brothers

Na somatória #9 #8, Juan de Chico e Alexandre Lobo ficaram em primeiro lugar, seguidos por Alexandre Xuriunga e Alexandre Lobo. O terceiro lugar ficou com Bruno Balan e Vitinho Cruzeiro.

Já na Somatória #7, Juninho Oliveira e Alexandre Lobo foram os grandes campeões, seguidos por Leonardo Lovera e Alexandre Lobo.  Juninho Oliveira com Fabio Trecossi ficaram com o terceiro lugar.

Novamente Alexandre Cruzeiro e Foguinho foram os grandes campeões na Somatória #6, seguidos por João Lucas dos Santos e Eder Manga.

João Lucas dos Santos também levou o terceiro lugar com Fábio Trecossi, seguidos por Chupetinha da Silva e Vitinho Cruzeiro.

Na PROAM, Valdir Kucinski e Tiago Shampoo foram os grandes campeões, seguidos por Bruno Balan e Luquinha Otilio.

Somatória #5 foi liderada por Dezenove e Luquinha Otilio, seguidos por Thiago Santana e Foguinho.

O terceiro lugar ficou com Eder Burbinha e Foguinho, seguidos por Sergio Perobal e Manin Fagner.

Na Somatória #4, Fabinho Cianorte e Octavio Goes foram os grandes campeões, seguidos por Renan Crusco de Souza e Luquinha Otilio.

Eder Sakurada Souza e Oscar Antonio Rosalen ficaram em terceiro, seguidos por Fernando Mantovani e Octavio Goes. Batore e Ivan Rossoni foram os quinto colocados.

Finalizando a lista de campeões no Team Roping, na Somatória #3 Alan Ribeiro e Japoneis Perobal foram os grandes campeões, seguidos por Tiago Tek e Marcelo Tikinho. Cepacol e Alber Dorneles ficaram terceiro, seguidos por Lucas JoseCeccon e Gabriel Henrique da Silva e Eduardo Loro com Leonardo Sarti.

O proprietário do Haras Two Brothers agradeceu ao prestigio dado pelos atletas ao evento e colaboraram para o sucesso do campeonato. “A cada etapa o campeonato se firma como um dos maiores do estado. Gostaria de agradecer a todos pelo apoio e prestígio”, finaliza Eduardo Kucinski.

Por: Camila Pedroso

Fotos: Arquivo Revista Ropers Sports/ Hugo Lemes

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Team Roping

2ª Copa World Trailers de Team Roping agita o Distrito Federal neste domingo

Etapa oferecerá premiação total de R$ 300 mil nas três modalidades Team Roping, Calf Roping e Breakway

Publicado

⠀em

Team Roping

Os laçadores de Brasília/DF possuem um compromisso imperdível neste final de semana. O Parque de Exposições Granja do Torto, na pista coberta, recebe neste domingo (22) A 2ª Copa World Trailers de Team Roping.

Etapa oferecerá uma premiação total de R$ 300 mil, em todas as três modalidades Team Roping, Calf Roping e Breakway e reunirá atletas dos estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Tocantins, Bahia e Distrito Federal.

Segundo Marcelo Pity, diretor da modalidade de Laço do Núcleo do Quarto de Milha de Brasília, a expectativa da organização é receber até cinco mil apaixonados pelas laçadas.

Entre os laçadores, a expectativa é receber 200 competidores e 150 cavalos.

Ainda de acordo com Pity, “o grande diferencial da etapa é a estrutura montada no Parque da Granja do Torto, com tudo que a de melhor: área para show, praça de alimentação, área de camping para os competidores e o mais importante, tendo horário para começar e terminar todos dias”, afirma.

World Trayller

Para essa edição, a modalidade de Breakway entrou na Copa World Trayller. No Team Roping, terá a Elite Tem Roping (ETR) e Calf Roping a Associação Nacional do Laço Individual (ANLI), que são as duas maiores associação de Laço do Brasil.

Desafio Laço Individual

Outra prova emocionante que acontece durante a 2ª Copa World Trailers de Team Roping é o Desafio Laço Individual. A etapa será com um bezerro para cada competidor, com Handcap 1 tira 3,5 segundos, Handcap 2 tira 2,5 segundos, Handcap 3 tira 1,5 segundos e handcap 4 com tempo normal.

Além disso, com barreira de 3 metros. O grande campeão será o laçador com menor tempo e ganhará um brete.

Team Roping no Distrito Federal

Sendo o único núcleo que promove todas as modalidades oficiais do Brasil, o Núcleo de Brasília é sediado dentro do Parque de Exposiçãoes da Granja do Torto, e recebe atividades das modalidades de Laço em dupla, Laço individual, Rédeas, Team Penning, Tambor e Baliza, Vaquejada, Breakway e Ranch Sorting.

O núcleo possui em média 200 associados, e mais de 300 cavalos competindo nas modalidades citadas.

Serviço:

2ª Copa World Trailers de Team Roping

Data: 22 de maio

Local: Parque de Exposições Granja do Torto, Brasília/DF

Por: Camila Pedroso

Foto: Divulgação

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Team Roping

Haras Sulera promove a ES Roping de Laço Individual neste final de semana

Uma das maiores provas do ano, a ES Roping de Laço Individual oferece ainda R$ 70 mil de premiação garantida

Publicado

⠀em

Haras Sulera promove a ES Roping de Laço Individual neste final de semana

Balsamo, no interior de São Paulo, vai tremer no próximo dia 14. O Haras Sulera realiza a ES Roping de Laço Individual.

Uma das maiores provas do ano, a ES Roping oferece ainda uma das melhores premiações garantidas. Serão mais de R$ 70 mil em prêmios subdivididos entre as modalidades de Breakway Roping, Feminino, Jovem e Laço individual.

Na categoria 1 média, o primeiro lugar receberá R$ 1.500, segundo R$ 1.000, terceiro R$ 600 e quarto colocado R$ 400, além de R$ 600 para o Slot Go com menor tempo.

Na categoria 2 média, R$ 2.800 para o primeiro lugar, R$ 1.600 para o segundo, R$ 1.200 para o terceiro e R$ 800 para o quarto lugar, com menor tempo do Short Go menor tempo de R$ 800.

Já na categoria 3 média, a premiação do primeiro lugar será R$ 4 mil, seguida de R$ 2.500 para o segundo, R$ 1.200 para o terceiro e R$ 1.000 para o quarto lugar, com Short Go menor tempo de R$ 1.500.

Finalizando, na categoria 4 serão R$ 6 mil ao primeiro lugar, R$ 4 mil ao segundo, R$ 2 mil ao terceiro e R$ 1.500 ao quarto lugar, com menor tempo no Short Go de R$ 2 mil.

Prova de Laço Individual oficializada pela ANLI

A etapa, afiliada a Associação Nacional do Laço Individual (ANLI), é considerada a maior etapa do ano, e receberá aproximadamente 250 laçadores em busca da premiação.

“Nossa prova possui uma das maiores premiações da etapa e é a única da modalidade com transmissão ao vivo pelo canal do fotógrafo Rodolfo Lesse no Youtube. Tudo para deixar o apaixonado pelo Laço Individual bem próximo da emoção das laçadas”, frisou Lucas Vilalta, organizador da etapa.

As inscrições para participar da etapa podem ser realizadas no site JV Sistema. Os animais inscritos deverão apresentar obrigatoriamente as documentações como Guia de Transporte e os Exames em dia.

Por: Camila Pedroso

Fotos: Rodolfo Lesse

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Laço Comprido

Você conhece todas as modalidades de Laço?

O juiz de provas e inspetor da ABQM Thiago Nitta detalha quais são as modalidades. Bem-estar animal é um dos mais importantes a ser julgado

Publicado

⠀em

Apaixonado por cavalos desde pequeno, Valter Firmino de Holanda fez um curso de Três Tambores e no mesmo dia conheceu o Laço; até hoje

As provas de laço nada mais são do que a representação da rotina diária dos criatórios de gado espalhados pelo mundo. Cada modalidade é utilizada na lida diária do manejo com gado, adaptada à realidade e ao relevo da região.

No Brasil existem três modalidades de laço: Laço em Dupla, também chamado de Team Ropping; Laço Individual, o Tie Down Ropping; e o Laço Comprido, modalidade exclusiva do Brasil.

Para entender um pouco mais sobre cada uma das modalidade, conversamos com médico veterinário, o juiz de prova e inspetor técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM), Thiago Nitta.

Nitta explica, primeiramente, a representação na lida diária de cada modalidade. “O Laço Individual, por exemplo, simula quando nasce um bezerro no campo. O peão precisa laçar o animal para ele fique contido para fazer o curativo do umbigo, identificação, entre outras atividades cotidianas”, explica.

Já o Laço em Dupla, afirma o juiz, é a simulação de quando um animal que está a campo precisa ser contido para um tratamento médico, por exemplo, sem a necessidade de levá-lo para o curral.

“Sem o laço, o peão precisaria tocar todo o rebanho até o curral, um estresse muito maior do que simplesmente laçar o animal que precisa de tratamento”, exemplifica.

Já o Laço Comprido, pontua, como nasceu no Mato Grosso do Sul, devido ao bioma da região, os campos são muito extensos, e o boiadeiro precisa de um laço mais comprido para laçar o animal. “Na Vaquejada é a mesma lógica. É uma região com muita caatinga, e como o vaqueiro iria laçar o animal? Por isso se usa a técnica de pegar o animal pelo rabo para fazer a contenção”, explica.

Laço Individual ou Tie Down Ropping

A modalidade consiste em o cavaleiro laçar o pescoço do gado, enquanto está montado no cavalo. O laçador pode realizar apenas uma laçada e em 30 segundos.

Após laçar o bezerro, o laçador precisa descer do cavalo e pear ele em três patas. Ao terminar a manobra, o atleta dele levantar as mãos para indicar que terminou a prova.

Existem dois tipos de provas de Laço Individual, pontua Nitta: a cronometrada, que consiste na vitória do conjunto que realizar a prova no menor tempo e a técnica que avalia a técnica utilizada, vencendo o conjunto com a maior perfeição das habilidades.

Laço em Dupla ou Team Ropping

Como o próprio nome diz, a prova é realizada por uma dupla de laçadores o cabeceiro e o pezeiro. O cabeceiro é o cavaleiro que fica a esquerda do brete, e tem a tarefa de laçar a cabeça do animal.

Já o pezeiro fica ao lado direito e, como o próprio nome diz, é o responsável por laçar as patas traseiras do animal.

Os cavalos precisam ficar frente a frente antes da largada. Ambos os animais não podem sair antes do boi, para não sofrer punições.

Ao abrir a barreira, o bezerro sai em disparada e o cabeceiro começa a atividade, saindo do brete para laçar o animal. Após, é a vez do pezeiro laçar.

 “Não é qualquer gado que pode participar da prova de Laço em Duplas. São bezerros treinados e desmamados”, ressalta o juiz.

Nessa modalidade existem dois tipos de avaliação: cronometro, que a dupla mais rápida ganha e a prova técnica em que os laçadores são avaliados individualmente e nenhum deles pode ser desclassificado.

Laço comprido

A prova é realizada com um laço confeccionado com couro, com 18 a 20 metros de comprimento e em uma das pontas possui um argola, na outra uma presilha.  

O cavaleiro fica com seu animal no brete à espera do boi. Assim como nas outras modalidades, o cavalo não pode sair antes que o gado, para não sofrer penalização.

O laçador lança o laço antes do cavalo ultrapassar os 100 metros da pista, chamado de raia. Na sequência, o atleta tem 30 metros para fazer a laçada nos chifres do animal.

Laçado o boi, é preciso dar uma volta com ele para retornar ao brete, exigindo sintonia total entre cavaleiro e cavalo.

Se a prova estiver ok, o juiz levanta uma bandeira branca, caso contrário, é levantada uma bandeira vermelha.

O vencedor será aquele chegar ao final sem errar nenhuma laçada.

As notas podem variar entre zero e cem, sedo setenta considerado uma laçada normal.

Bem-estar animal

Nitta reforça que em todas as modalidades os juízes possuem uma conduta muito criteriosa com relação ao bem-estar dos animais, tanto dos bezerros quanto dos cavalos. “Somos muito rígidos com relação aos instrumentos utilizados, a fim de averiguar se estão dentro das regras, observamos a forma como o bezerro cai no solo, se ele cai com as costas no chão, o chamado Jerky Down, o conjunto também é desclassificado, entre outras ações realizadas pelos juízes durante as provas a fim de garantir o bem-estar dos animais”, finaliza o juiz.

Por: Camila Pedroso

Fotos: Arquivo                     

Mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Team Roping

Junior Nogueira vence o Fort Worth Stock Show & Rodeio

Ele e sua dupla Kaleb Driggers reassumem a liderança do ranking rumo a Finals

Publicado

⠀em

No último sábado (5), o brasileiro Junior Nogueira sua dupla Kaleb Driggers foram os grandes campeões do rodeio Fort Worth Stock Show & Rodeio, realizado no Texas, pela PRCA.

Competindo na modalidade de Team Roping, a dupla fechou com o tempo de 4s2, levando o título e US$ 25.903 mil em premiação para casa.

O Fort Worth Stock Show & Rodeo possui 23 dias de competição. Este formato contou com sete turmas em uma semifinal, onde quem fizesse a melhor nota na final ficava com o título.

O evento é um dos mais tradicionais rodeio de inverno americano. Realizado deste 1896, é também um dos mais antigos, estando na 125ª edição. Conta com provas das modalidades de Bareback, Bulldog, Breakway, Sela Americana, Laço Individual, Três Tambores e Touros.

Confira a lista de campeões do Fort Worth Stock Show & Rodeo 

Bareback – Kaycee Feild

Bulldog – Tristan Martin

Breakaway – Kelsie Domer

Sela Americana – Stetson Wright

Laço Individual – Bryson Sechrist

Três Tambores – Wenda Johnson

Touros – Sage Kimzey

Ranking geral

Com o resultado, Junior Nogueira que estava na sétima posição no ranking geral e Kaleb Drigger que estava na oitava posição sobem para a liderança novamente.

Por: Camila Pedroso

Fonte: eugeniojose.com.br/ wranglernetwork.com/

Foto:  FWSSR por James Phifer.

Mais notícias sobre Team Roping no portal Cavalus

Continue lendo

Team Roping

21° Prova do Issao leva Laço em Dupla a Presidente Prudente/SP

Serão dois dias de provas com mais de R$ 330 mil em premiação

Publicado

⠀em

Atenção praticantes do Laço em Dupla. A tradicional Prova do Issao está agitando a cidade de Presidente Prudente, interior de São Paulo.

A 21° edição do evento é realizada entre hoje e amanhã (14 e 15/01) no Rancho Quarto de Milha, na arena coberta.

Serão mais de R$ 330 mil em prêmios, divididos entre as somatórias, além de mantas e outros produtos equinos oferecidos pelos patrocinadores.

Confira a programação:

Sexta, 14 de janeiro

1° Corrida – Classificatória #8

                      Classificatória #6

                      Classificatória #4

                      Classificatórias finais (todos juntos)

Sábado, 15 de janeiro

1° Boi – Metade corre na pista 1

1° Boi – Metade corre na pista 2

2° Boi – Metade que correu na pista1, corre na pista 2

2° Boi – Metade que correu na pista 2, corre na pista 1 Finais (todos correm juntos) 

    

Protocolos sanitários

Durante o evento, serão respeitados todos os protocolos de segurança sanitária a fim de evitar a proliferação da doença.

Por isso, o evento não contará com a presença de público, na portaria do evento haverá um termômetro para aferir a temperatura dos participantes, será obrigatório o uso de máscaras, distanciamento social de 2m, com fiscalização durante todo o evento, exigência do comprovante de vacinação, além de álcool em gel disponível ao público em vários pontos do evento.

Edição anterior

Comemorativa aos 20 anos da prova, em 2021 a Prova do Issao reuniu laçadores dos estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Acre, Paraná, Goiás e Minas Gerais. Foram quase 3 mil inscritos, com carro, caminhonete, saveiro, sela, fivela, jaqueta, chapéu, sacola, manta, além de um valor em dinheiro como premiação.

Confira no portal Cavalus a lista de campeões da 21° Prova do Issao.

Por: Camila Pedroso

Fotos: Arquivo/divulgação

Mais notícias sobre Laço em Dupla no portal Cavalus

Continue lendo

Team Roping

Curso de Team Roping será ministrado pelo Campeão Nacional 2021, Hugo Alves

Clínica acontece entre os dias 25 e 26 de setembro, no Rancho GP, em Andradina (SP); inscrições já estão abertas

Publicado

⠀em

Curso de Team Roping será ministrado pelo Campeão Nacional 2021, Hugo Alves

Entre os dias 25 e 26 de setembro, o Rancho GP, em Andradina (SP), receberá o Campeão Nacional ABQM 2021 Laço Pé e Reservado Campeão Laço Cabeça, Hugo Alves. O competidor irá ministrar uma clínica de Team Roping.

Organizado pela Jaca Produções e por Alexandre, que tiveram a ideia do curso para levar mais técnica e oportunidades aos laçadores da região. A clínica levará o ensinamento de técnicas teóricas e práticas de Laço Cabeça e Laço Pé.

Então, é a segunda vez que Hugo Alves estará ministrando o curso na cidade, ano passado ela esteve no Rancho Tk, também organizado por Jaca e Alexandre.

Hugo Alves

Hugo Alves é competidor do Elite Team Roping – ETR Elite Team Roping, um campeonato onde participam apenas competidores acima do handcap 4. Com um vasto currículo, competidor já conquistou dois carros, três trailers, 42 motos, e mais de R$ 100 mil em dinheiro. Em sua trajetória, Hugo detém títulos de Campeão Potro do Futuro Goiânia 2020, Campeão Nacional ABQM Laço Pé 2021, Reservado Campeão Nacional ABQM Laço Cabeça 2021.

Inscrições

Então, as inscrições já estão abertas e com poucas vagas restantes. Bem como, além do curso, o valor cobrado agrega café da manhã e almoço para os dois dias, além é claro, do certificado.

Por fim, para mais informações é só entrar em contato com Jaca 18 – 99785-8408 (Whatsapp) / Alexandre 18- 99752-9465 ou através do Instagram @jacaproducoes.

Agradecimento, Gustavo Pizzo (Ranhco GP), Terrasemen, Royal Rope’s, Full Horse, Rocket, Brasil Sadlles, JC Moda Country, Morimoto’s Ranch, Eletronmix, Gator Boots, Easy Rope, TXC, Slide, Portal Cavalos, MB Fotos, Alves Edições.

Colaboração: Jaca Produções
Crédito da foto: Divulgação/WTR Produções

Veja mais notícias da modalidade Laço em Dupla no portal Cavalus

Continue lendo

ROPER'S SPORTS

Laçador Elton Ogata conta como a modalidade está presente na sua vida e o que ela representa

Apesar de ser um hobby atualmente, Elton pretende voltar a treinar firme e, quem sabe, correr alguma prova com seus filhos

Publicado

⠀em

Laçador Elton Ogata conta como a modalidade está presente na sua vida e o que ela representa

Nascido em Apucarana (PR), Elton Ogata, de 38 anos, vem há 22 anos no Team Roping. Contudo, atualmente o laçador, fez da modalidade um hobby, se dedicando a outros projetos que envolvem o cavalo. Apesar disso, ele não descarta a possibilidade de retornar às pistas e, até correr uma prova com os seus filhos.

Confira a entrevista com Elton Ogata

Elton Ogata
Idade: 38 anos
Cidade: Apucarana (PR)

Elton Ogata

Como começou na modalidade?

Sempre fui apaixonado por cavalos desde pequeno, aprendi andar a cavalo no sítio do meu avô no município de Rio Bom (PR), e sempre nas férias escolares e fins de semanas ia para lá ficar andando a cavalo.

Então teve uma vez que tinha um rodeio em Rio Bom (PR), e iria ter provas de Tambor e Laço e nesta ocasião estava no sítio e um funcionário iria para participar das provas. Na mesma hora liguei para minha mãe e pedi para deixar participar da prova de Tambor. Ela autorizou e meu vô levou nós para participar.

Chegando lá participei, porém não fui muito bem e por uma mãozinha divina o professor Valtinho e o diretor de esporte Marcos Rezende da Sociedade Rural de Apucarana me convidaram para ir fazer aulas de equitação. Na segunda-feira fui com meu pai e já iniciei nas aulas de Tambor. Comecei então a frequentar a Sociedade Rural de Apucarana e sempre após o treino de Tambor tinha Laço. Como os laçadores precisavam sempre de alguém para soltar boi e tocar eu ficava e os ajudava e no fim do treino sempre deixavam corre “um” boi como gratificação desde que eu acertasse 10 cordas seguidas no cavalete (Clóvis /Valtinho). E foi então que surgiu a vontade de lacar e começar a laçar.

O que o Laço significa para você?

Representa minha vida. Do laço formei minha família, conheci minha esposa Marienen e tenho um casal de filhos. Conquistei grandes amigos, me fez crescer pessoalmente e é uma válvula de escape para estresse do dia a dia.

Qual sua conquista que mais é importante para você?

São três: primeira moto laçando com Junior Cardia em uma prova em que Eduardo kuscinki organizou em 2003, em Cascavel (PR). Naquela época era rara prova em dava moto como premiação. Dava muito prêmio em dinheiro e quando tinha uma prova dessas era muito disputada. Outra prova que no Paraná era almejada era o Campeonato Paranaense de Laço. E Deus me abençoou sendo Reservado Campeão aberta 2003/2004 e Campeão no ano seguinte na categoria Amador laçando com meu parceiro Ronaldo Sardanha.

Melhor cavalo?
Sweet Sunjay
Melhor prova?
Nos dias atuais são CPLD, Revolution, CVLD e Prova do Issao.

Melhor média?
5,15

Melhor Laçada?
Final em Cascavel (PR) precisava de 4,10 para liderar, saímos e laçamos 4,05.

Ídolo no Laço?
Zé Soares na cabeça e Marcelo Pepa no pé.

Como se vê no futuro?
Hoje optei por dedicar mais a minha família e a Apac – Associação Paranaense Amigos do Cavalos criada em 28/12/17 por cinco casais amigos amantes dos cavalos na Sociedade Rural de Apucarana onde iniciei e estava desativada há 3 anos a parte de esporte com cavalos (atualmente temos projetos sociais onde atendemos através de padrinhos e doações em torno de 50 crianças na equitação terapêutica, em torno de 100 alunos de Tambor e Baliza, Ranching Sorting e Laço em Dupla). Deixei o Laco como hobby esporádico, mas espero voltar a treinar firme se algum dos meus filhos optarem por laçar e se Deus abençoar correr alguma prova com eles.

Recado para a geração futura

Que vocês consigam encontrar no Laço ou qualquer esporte que envolva cavalo uma oportunidade de crescimento pessoal, profissional, encontrar grandes amigos para vida inteira.

E se você, conhece algum competidor do Laço e acha que ele tem um história bacana, que todos devem conhecer, entre em contato através do nosso perfil no Instagram @revista_ropers_sports_

Por: Heloísa Alves
Crédito das fotos: Arquivo Pessoal

Veja mais notícias da modalidade Laço em Dupla no portal Cavalus

Continue lendo

Categorias

COPYRIGHT © 2021 CAVALUS. TODOS DIREITOS RESERVADOS
ESSE SITE É PROTEGIDO PELO GOOGLE RECAPTCHA
POLÍTICA DE PRIVACIDADE | TERMOS DE SERVIÇO