Working Cow Horse

Todo o time do Working Cow Horse esteve reunido em premiação

Regulamento do ABQM Awards, no entanto, não é muito claro em relação à pontuação dos animais castrados, o que gerou uma polêmica nas redes sociais

A ‘festa de gala’ que premia os destaques da raça Quarto de Milha aconteceu no último dia 21 de fevereiro no Espaço das Américas em São Paulo. Na oportunidade, nove personagens foram selecionados para o 9° Hall da Fama e os mais pontuados em suas modalidades receberam troféus no 12° ABQM Awards.

Foram premiados os que mais somaram pontos na temporada 2018 nas categorias: Ranking Geral, Machos, Fêmeas, Reprodutor, Reprodutora, Puro Castrado, Competidor Aberta, Amazona, Competidor Amador, Competidor Jovem, Proprietário, Criador. Para o Working Cow Horse, modalidade que no Brasil tem um círculo bem fechado de adeptos, foi uma festa.

First Dance EMB foi a melhor Fêmea da modalidade em 2018 e também o animal que mais somou pontos entre todas as categorias – 11,5. A égua é filha de Play At Second e Misty Playlena HAD (por Briganlena) e de propriedade da QR Construções Empreendimentos e Agropecuária Ltda, de Avaré/SP. Entre os títulos conquistados, foi campeã da Copa dos Campeões, Campeonato Nacional, Congresso Brasileiro e AQHA na Master B ano passado.

Working Cow Horse
First Dance EMB

Depois veio o rosilho Pepto Roan Cat com 10 pontos, Melhor Macho e Melhor Puro Castrado.  Filho de Cat Fortune USA e Peptoberry (por Peptoboonsmal), pertencente a Robson Carlos Gomes da Silva, de Castro/Paraná. O animal foi destaque, entre outras provas do ano passado, nas provas a ANCH e também da ABQM, campeão Nacional e do Congresso na categoria Aberta Junior.

Entre os competidores, os destaques foram integrantes de família Rodrigues. Nelsinho Rodrigues, nove vezes campeão do Potro do Futuro ABQM, somou 24,5 pontos, maior soma entre todos os pontuados, e recebeu mais um troféu como Melhor Competidor Aberta. Com 7,75 pontos, Karoline Rodrigues também colocou na estante recheada de prêmios mais um troféu como melhor Amazona de Working Cow Horse.

“As provas da ABQM são as principais provas de Cow Horse, as que distribuem mais prêmios, portanto, as que têm maior número de inscritos. Dessa forma, são também as mais disputadas e os títulos do Awards, especialmente nessa nossa modalidade, são especiais também por esse motivo. O prêmio, sem duvida, é um reflexo da consistência do trabalho que vem sendo feito no Rancho, o sétimo do meu pai no total. Então estamos muito felizes”, falou Karol como porta-voz do Rancho Karoline.

Working Cow Horse
Karol, Nelsinho e Tânia Rodrigues

Também foram premiados: Reprodutor – Cat Fortune USA; Reprodutora – Misty Playlena HAD; Competidor Amador: Abelardo Ferreira Mendes; Competidor Jovem: Ana Theresa Freitas Mendes; Proprietário: Karoline Kazue Rodrigues e Robson Carlos Gomes da Silva; Criador: Fabio Mesquita de Oliveira. Destaque para as premiações de pai e filha, Abelardo e Ana Thereza, família que também contribui muito para a modalidade, seja dentro ou fora das pistas.

Apesar de toda a alegria pela premiação, uma questão foi levantada por Karoline Rodrigues em suas redes sociais assim que o ranking foi fechado. A competidora foi apoiada por nomes importantes do meio equestre e do Quarto de Milha, que comentaram a publicação dando forças ao assunto, que precisa ser melhor esclarecido.

A polêmica girou em torno dos animais Castrados. Segundo informações, não há um regulamento escrito sobre o ABQM Awards. Sem aviso prévio, de acordo com a maioria das pessoas que se manifestaram, a pontuação dos Puros Castrados acabou somando com a categoria Machos. Em anos anteriores, os pontos dos Castrados não eram computados na categoria Machos.

Working Cow Horse
Abelardo e Maria Theresa Mendes

“Fui informada em contato telefônico com a ABQM que os castrados são, antes de tudo, machos. O que na prática, a meu ver, não funciona. Se o ranking é apurado por pontos obtidos, é óbvio que devem ser computados numa determinada categoria os pontos que os cavalos disputaram entre si igualitariamente. Em outras palavras, um cavalo que disputa Aberta Junior e Aberta Junior Castrado está concorrendo duas vezes e somando pontos duas vezes, porque são duas categorias diferentes e independentes”, conta Karoline.

Segundo uma linha de pensamento, não só dela, mas de muitas pessoas que se mostraram solidárias ao depoimento, o cavalo castrado que correr na categoria Aberta, por exemplo, ganha pontos para essa categoria que disputou. Caso ele dispute na Aberta Castrado a que também tem direito, os pontos obtidos devem somar apenas para o ranking dos Castrados. “Da forma como fizeram, um castrado sempre vai ganhar de um garanhão, porque pode pontuar na categoria normal (Junior ou Sênior) e também na categoria castrado”.

Além de não concordar com o critério, Karol também levantou outras duas questões bastante pertinentes: nada foi divulgado pela ABQM a respeito dessa mudança de regulamento e não há um meio de sugerir mudanças ou registar uma reclamação. “Mesmo que não exista um regulamento escrito sobre o Awards, a ABQM tinha a obrigação de divulgar essa alteração de critério de apuração, e fazê-lo com antecedência”.

Ela também comenta que buscou na área dos Serviços Online no site da Associação uma forma de fazer formalmente uma sugestão de alteração dessa regra para a Convenção Anual, “que é uma via legítima de fazer críticas/propostas/sugestões, porém como não existe um regulamento escrito sobre o Awards, o sistema não permite registrar”.

E ainda arremata: “quero deixar claro que estamos MUITO felizes com o nosso resultado, com cinco dos 11 prêmios vindo para o Rancho Karoline e seus clientes, com cavalos treinados pelo meu pai. Mas nem por isso ia deixar de fazer a minha crítica, que sei que é a de muitas pessoas.”

Buscamos informações com a ABQM e estamos aguardando um retorno do Departamento de Esportes. Todos os premiados e informações sobre o ABQM Awards e ainda o Hall da Fama encontram-se no site oficial da ABQM.

Por Luciana Omena
Fonte: ABQM
Fotos: ABQM/Divulgação