Paint Horse

Retrato da raça Paint Horse

Colorido e atlético, o Paint Horse está pronto para qualquer tarefa

Era uma vez um lugar onde os cavalos pareciam todos os mesmos. Em seu retrato, era como se usassem casacos desenhados pela natureza para se misturarem no mundo das trevas e da luz através do qual se moviam.

Nas eras que se seguiram, suas cores mudaram e seus corpos cresceram. Mesmo assim, seus casacos sempre continham alguma irregularidade que os ajudavam a escondê-los dos predadores que governavam seu mundo.

Quando o homem primitivo se tornou um desses predadores, as marcas que vemos nos cavalos Paint de hoje surgiram. Isto é, há mais de 20.000 anos os habitantes das cavernas da Europa desenhavam cavalos Paint nas paredes de pedra.

Milhares de anos depois, pinturas de Paints apareceram no túmulo de Menna, um rico proprietário de terras egípcio que viveu em 1.400 a.C. De tal forma que o cavalo que puxa sua carruagem tem as marcas que hoje associamos ao Paint.

Os cavalos assim marcados foram valorizados não apenas na África, mas também pelas culturas orientais do início da China, Tibete e Índia. Os romanos, séculos mais tarde, também apreciaram este cavalo colorido, usando-o em corridas de carruagens e outros esportes, bem como em cerimônias públicas.

Através da presença romana no mundo, cavalos com essas marcas de Pinto (palavra espanhola para pintado) se espalharam por toda a Europa. Na Península Ibérica, o gene Pinto esteve presente nos melhores cavalos da Andaluzia, Barb e Arábia. Tanto que quando os espanhóis zarparam para explorar novos mundos, levaram esse sangue com eles.

Os cavalos Paint se destacam em eventos de gado e outras disciplinas ocidentais. Foto: James Mattil / Shutterstock
Os cavalos Paint se destacam em eventos de gado e outras disciplinas ocidentais. Foto: James Mattil/Shutterstock

American Paints

É aqui que começa a história do Paint Horse na América. Em principio, os conquistadores espanhóis se aventuraram no Novo Mundo, trazendo alguns de seus cavalos de dois tons.

Em 1519, de acordo com os registros do explorador Hernando Cortes, os dois primeiros cavalos Pinto pisaram nas costas americanas. Pertenciam aos homens da expedição de Cortés ao México.

As palavras de Cortes sugerem que um era um Tobiano e o outro um Overo. Ao passo que a chegada deles foi apenas o começo do que seria uma enxurrada de cavalos – alguns dos quais tinham marcas de Pinto – em solo americano.

Nas fazendas do sudoeste, cavalos Pinto viviam e trabalhavam ao lado de equinos de cor sólida. Os índios Pueblo, agricultores nativos que viveram em paz por séculos, foram levados à submissão pelos espanhóis.

Embora os espanhóis tenham decretado que os Pueblos não deviam andar, os povos nativos pegaram o cavalo imediatamente. Eles invadiram as fazendas em missões e trouxeram os cavalos para suas terras.

Com o passar dos séculos e os cavalos se espalhando por todo o Ocidente, tribos de muitas partes do país passaram a conhecer o cavalo. Desse modo, nestes rebanhos nativos americanos, havia muitos Pintos.

Leia mais notícias sobre o cavalo Paint

Em meados do século XIX, vastos rebanhos de longhorns haviam substituído os búfalos em todo o Ocidente, e eram necessários cavalos para trabalhar o gado. Quando os cavalos de raça espanhola – incluindo aqueles com marcas de Pinto – foram convidados a mover o gado pelo campo, eles o fizeram.

Muitas décadas depois, na década de 1960, um grupo de cavaleiros apreciou o talento, o atletismo e as belas marcações desses cavalos de trabalho e, assim, surgiu a American Paint Horse Association (APHA). Até hoje, a APHA registrou mais de 1 milhão de cavalos Paint em 59 países e territórios ao redor do mundo.

O padrão de overo geralmente inclui branco na barriga, uma cor mais escura nas costas e uma cabeça principalmente branca. Foto: Shutterstock
O padrão de Overo geralmente inclui branco na barriga, uma cor mais escura nas costas e uma cabeça principalmente branca. Foto: Shutterstock

Casacos de cromo

Embora o Paint Horse tenha muitas qualidades, a raça é mais conhecida por suas marcações. Tobianos são as cores mais abundantes da raça Paint, com a maioria das pernas e corpos brancos cobertos com salpicos de cor bem formados.

Além disso, o branco, geralmente, cobre as costas dos cavalos e se estende sobre a cernelha, enquanto o peito e os quartos traseiros costumam ser escuros.

Overos são o próximo tipo mais comum, com cabeças, principalmente, brancas e alguns têm olhos azuis. Seus peitos são escuros, assim como seus flancos e garupa. A barriga é branca e se espalha nas laterais do cavalo, mas raramente atravessa as costas.

As tintas podem ser uma combinação de branco e qualquer outra cor de cavalo, incluindo baía, roan azul, marrom, pele de camurça, castanha, Dun, cinza, grullo, palomino, Dun vermelho, azeda e ruan vermelho.

O Paint Horse é a segunda raça mais popular nos Estados Unidos, e é fácil entender o porquê. Sua combinação de atletismo, inteligência e cor dificulta a superação.

Leia também: Paint Horse x Pinto

Por Audrey Pavia/Horse Illustrated
Tradução e Adaptação: Natália de Oliveira
Crédito da foto em destaque: Divulgação/APHA