Geral

O que fazer quando falta velocidade na sua prova de Três Tambores

Por mais que você se esforce, ainda falta velocidade? Veja o que Cláudia Ono tem a dizer sobre o assunto

Publicado

⠀em

Quando a velocidade não acontece por mais que você se esforce. Portanto, será que esse esforço está no caminho certo para que você atinja o seu objetivo nas provas? Ou será que está te prejudicando lentamente na prática dos Três Tambores?

Antes de mais nada, durante muito tempo, eu usei o reio e descobri depois que ele atrasou muito a minha evolução como competidora. Sim, atrasou, porque enquanto eu pensava em tocar e bater o reio me esquecia de executar o melhor percurso possível.

Dessa maneira, nenhuma ferramenta anda sozinha. Elas nunca farão algo por você. Mas a ferramenta errada ou na hora errada, certamente, causará mais mal do que bem. Fato!

Quantas vezes você assistiu passadas onde o competidor se desdobra no malabarismo com o reio e cruza a fotocélula com um tempo nada animador? E quantas vezes você viu passadas de 16 segundos onde o reio não foi usado ou foi pouquíssimo usado? Mero acaso? Acho que não.

Velocidade nos Três Tambores

Se você não for capaz de adicionar velocidade com o seu corpo, levar o seu cavalo até os pontos ideais, se manter totalmente estável nos giros, trabalhar com o menor contato de rédea possível e desejar mais e mais velocidade, mesmo que use o reio, o seu tempo não será bom.

Mas se fizer tudo isso a sua marca virá; sem reio mesmo. Alguma vez já reparou em quantas competidoras batem o reio com o corpo vertical na sela e com a outra mão dando dezenas de toques nas rédeas e pegando na boca do cavalo? Acredita que esse reio esteja ajudando em algo? Bater o reio e puxar as rédeas fazem um cavalo correr mais?

É mais ou menos como acelerar puxando o freio de mão. Além disso, a atenção dessas competidoras está tão focada no ‘preciso bater o reio’ que o foco no ‘preciso trabalhar direito’ fica esquecido. Também existe outro ponto que muitas vezes não é observado: muitos cavalos se encolhem sob a ação do reio. E essa nunca será uma ação positiva para ele.

Seu cavalo nunca achará legal apanhar. Nem o cavalo de ninguém. Já parou pra pensar em porque ele dá um pulo para a frente quando é chicoteado? Sou completamente a favor de conquistas que alimentem os meus princípios. E não há conquista melhor e mais verdadeira do que ganhar a confiança e o coração de um cavalo. Saber como lidar com ele e obter gentilmente todas as ações que você deseja. Isso se tornará algo simples a partir do momento em que puder olhar a relação de vocês sob a ótica dele.

Novo olhar

Quando o percurso nos tambores se torna algo pesaroso para o cavalo, ele passa a apresentar vários problemas como:

  • nervosismo excessivo
  • rabejar demais
  • correr com a frente para o alto ao invés de se esticar
  • passar reto pelo tambor
  • deixar de virar o tambor
  • se negar a partir
  • correr descontrolado.

Mas quando um cavalo gosta do percurso, quando o tambor é divertido e ele se sente seguro sob a sua sela, coisas sensacionais acontecem como:

  • esticar o corpo e correr sem receio de chegar aos tambores
  • reunir e virar rápido sem usar pressão nas rédeas
  • correr com energia e foco,
  • não apresentar problemas de comportamento.
Por mais que você se esforce nos Três Tambores, ainda falta velocidade? Veja o que Cláudia Ono tem a dizer sobre o assunto

Qual a melhor forma de acertar?

Se você ainda se sente desconfortável com a aproximação rápida dos tambores, é sinal de que precisa aprimorar a sua equitação e estabilidade. Se as suas mãos usam demais as rédeas, cheque se elas estão ‘dizendo’ ao seu cavalo o que você quer ou apenas confundindo ele.

Seu corpo deita sobre ele nas retas, mas você fica solta na sela e demora para se encaixar nas entradas dos giros? Está faltando assento para virar realmente firme e ter condição de empurrar com gana nas retas.

Na real: baixar tempo pode ser um objetivo, mas se o foco não for trabalhar bem, executar um percurso sensacional, é provável que demore um bom tempo para chegar lá.

Desejar velocidade precisa ser verdadeiro. Repetir atos como bater pernas e reio sem estar confortável e se divertindo com giros rápidos e retas alucinantes, não fará o seu tambor deslanchar.

Coloque seu foco em executar um bom trabalho e no conhecimento sobre as reações do seu cavalo, e o seu tempo virá.

Por Claudia Ono
Três Giros
Crédito das fotos: Reprodução/Facebook

Veja outras notícias no portal Cavalus

Geral

Cleveland Bay é uma das raças inglesas mais antigas do mundo

Uma raça de cavalos que se originou na Inglaterra durante o século 17

Publicado

⠀em

O Cleveland Bay tem esse nome em homenagem a sua coloração: bay = castanho. Assim como também homenageia o distrito de Yorkshire de Cleveland, Inglaterra. É um cavalo bem musculoso, com pernas fortes. Porém curtas em relação ao corpo. Os cavalos são sempre da cor castanho. Embora alguns pelos claros na crina e na cauda sejam característicos de algumas linhagens.

Um dos mais antigos da Inglaterra, o Cleveland Bay tem ancestrais que desenvolvidos durante a Idade Média. Como resultado, usados como cavalos de carga (tração). Eram puros e derivados da extinta raça Chapman. Os cruzamentos mais na frente, portanto, foram com andaluz e berber. Logo depois, com árabes e thoroughbred. Seu uso em carruagens e passeio selecionou, em seguida, animais mais leves.

Cleveland Bay é uma das raças inglesas mais antigas do mundo. Uma raça de cavalos que se originou na Inglaterra durante o século 17
Cavalos da raça ao redor de Buckingham

A popularidade do Cleveland Bay oscilou muito desde que foi importado em primeiro lugar para os Estados Unidos no início do século 19. Apesar de um declínio depois da Segunda Guerra Mundial, com a industrialização, os exemplares voltaram a ser procurados a partir da década de 1970. Dados do Wikipedia, no entanto, mostram que apenas cerca de 550 cavalos existissem em todo o mundo em 2006.

Além de ser um cavalo de tiro, o Cleveland Bay também é bastante apto para puxar carroças. Era um dos cavalos preferidos para a agricultura antes do aparecimento das máquinas de trabalho. Hoje em dia esta raça marca presença nas cavalariças da monarquia britânica (a puxar carruagens), como também em competições, tanto de Salto como de Dressage (Adestramento).

Apesar de estar em perigo de extinção, este não é um perigo eminente. Graças aos apreciadores da raça. Portanto, existem alguns pontos espalhados pelo mundo em que fazem todos os esforços possíveis para multiplicá-los.

Fonte: cavalos.animals.info, Wikipedia
Crédito das fotos: Wikipedia

Veja outras notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Geral

10 dicas para comprar seu primeiro cavalo

Você sempre teve vontade de comprar um cavalo e agora acha que chegou a hora certa! Mas, é preciso ficar atento a alguns pontos para que essa experiência seja realmente prazerosa

Publicado

⠀em

Quando a gente sabe que chegou a hora de realizar um sonho antigo, quer logo mergulhar de cabeça no projeto. Por exemplo, você sempre quis comprar um cavalo e, finalmente, isso será possível.

Tenha em mente que seu primeiro cavalo será inesquecível. Aquele que sempre terá um lugar especial na sua história, independente do que aconteça no processo. Por isso, é importante prestar atenção em alguns pontos para que esse momento seja positivo em sua memória para sempre.

Dizem por ai que se conselho fosse bom a gente não dava, vendia. Mas, nesse caso, ajudará você a começar na direção certa!

Você sempre teve vontade de comprar um cavalo e agora acha que chegou a hora certa? Preste atenção nessas dicas que são super importantes!

Então vamos as dicas para comprar seu primeiro cavalo

  1. Peça ajuda a um cavaleiro experiente. Nem todo mundo no meio do cavalo é verdadeiro. Seu treinador ou amigo perceberá sinais sutis de problemas de saúde ou de comportamento.
  2. Nunca compre por impulso. A emoção é real, mas evite tomar decisões precipitadas.
  3. É uma boa ideia dar uma olhada em alguns cavalos. E embora o primeiro possa ser o seu favorito, você vai querer ter certeza.
  4. Tire muitas fotos e grave vídeos e mostre ao seu instrutor ou treinador, especialmente se eles não puderem comparecer.
  5. Observe o cavalo do chão, não monte logo de cara. Peça para vê-lo no pasto, na cocheira, sendo preparado. É essencial ter uma ideia do comportamento dele nessas situações.
  6. O vendedor deve montar o cavalo primeiro. Não confie quando ele disser que o animal é quieto e bem-educado. Você vai querer ver por si mesmo.
  7. Conheça a história e a experiência do cavalo. Não tenha medo de fazer muitas perguntas e pesquisas.
  8. Pague o seu próprio veterinário para examinar o cavalo. Também conhecido como exame pré-compra . Essa é uma dica muito útil na identificação de problemas de integridade e saúde.
  9. Peça uma ou duas semanas de teste. Nem todo vendedor concorda com isso, mas é algo que pode ser muito útil. Você verá as verdadeiras ‘cores’ desse cavalo.
  10. Um contrato assinado é obrigatório! Seria bom se tudo pudesse ser um acordo de aperto de mão, mas isso não vai protegê-lo no tribunal.

Além dessas dicas, se você tiver algum outro alerta, compartilha com a gente!

Por Equipe Cavalus
Fonte: Cowgirl Magazine
Crédito das fotos: Divulgação/Pixabay

Confira outras Dicas no portal Cavalus

Continue lendo

Geral

O nobre ofício da doma

Karoline Rodrigues, em sua primeira coluna de 2021, aborda sobre esse tema tão peculiar

Publicado

⠀em

Domar cavalos é um trabalho nobre. Sem dúvida, quase uma arte. E que merece todo reconhecimento dada sua importância na vida de um cavalo que vai iniciar seu treinamento. No quesito doma, qualquer pessoa aprende o ofício. Mas, poucos têm o dom.

Sobretudo, cada domador tem um método. Quer seja pelo dom, quer seja pelo esforço do aprendizado, cada método tem seus méritos, finalidades e objetivos. Cada treinador, por sua vez, gosta que seus cavalos sejam iniciados de certa maneira. Tem uma filosofia de trabalho e um programa de treinamento.

Eu, por exemplo, já tentei muitas vezes domar potros, só que nunca completo o processo. Acho que eu até aprendi a doma pelo tanto de vezes que tentei. Seja como for, ainda tenho medo. E não tenho o dom, definitivamente.

Três fases da doma

Da forma como eu enxergo, e isso é só teoria da minha cabeça com base no que eu aprendi, a doma tem três fases:

1 – o trabalho de chão, com e sem sela;

2 – com sela, quebrar o potro e amansar;

3 – levar para fora ou para a pista, e ter controle dele.

Entendo, então, que tudo além disso já diz respeito a treinamento. Aliás, abro um parênteses aqui para dizer que nesse caso estamos falando de cavalos de performance, de genética apurada, características aperfeiçoadas, que já tiveram dois anos de manejo. Não de cavalos semi-selvagens, de índole duvidosa e comportamento repulsivo.

Trabalho de chão, na minha humilde opinião, com os animais que trabalhamos hoje em dia, é introdutório. Uma apresentação de sela e cavaleiro ao cavalo, futuros parceiros, melhores amigos inseparáveis.

Não uma punição, castigo ou sofrimento, para o que eles ainda sequer fizeram de errado. Estão aprendendo. E são incrivelmente receptivos a tudo que são solicitados a fazer.

LEIA TAMBÉM

Karoline Rodrigues, em sua primeira coluna de 2021, aborda sobre esse tema tão peculiar. doma de cavalos é um trabalho nobre, quase uma arte

Praticidade da doma

Feita essa ressalva, afirmo que eu acredito na praticidade da doma. Tá, você que está lendo pode até pensar quem sou eu pra falar de doma? Compreensível. Mas nunca disse que eu era boa nisso. O que não me impede de ter opinião sobre o assunto.

Uma opinião formada com base no que eu vi meu pai fazendo ao longo dos anos (só eu tenho 33, sim, 33! Ele tem mais uns tantos anos de cavalo). No que ele ensinou outras pessoas a fazer, no que ele pede para quem doma para ele fazer. Ou no que ele me ensinou e eu tentei fazer. E, por fim, no que vi outras pessoas fazendo.

Portanto, o trabalho de chão é importante para introduzir o processo, sem dúvida. Mas ele tem que ter um propósito dentro do treinamento, que convenhamos, é feito montado, obviamente.

‘Quebrar’ o potro para mim significa fazê-lo entender os comandos de controle básicos, respeitar o que lhe é pedido por quem está em cima dele. E, depois disso, fazer o mesmo na pista. Para, então, iniciar o processo de treinamento propriamente dito. Sem violência e sem exaustão, que também é uma forma de violência, embora quem a pratique não admita.

Marco

E falando de doma, eu queria mesmo era falar do Marco. Ele é um daqueles que têm o dom. Dá gosto de vê-lo mexer num potro. Sente cada movimento, sem medo. Conversa com o potro.

E não importa o quanto o animal resista ou se assuste, ele consegue fazer o potro entender o que ele quer. Mexendo um potro do chão, mais parece uma dança. Uma dança linda de admirar, de ver progredir, de ver finalizar numa relação de confiança e entrega absoluta.

O Marco é conhecido na região [de Avaré] pelo apelido ‘Amarelo’. Ele treina cavalos para o pessoal aqui e corre provas de Laço Comprido. Reconhecido como um grande cavaleiro. Há anos ele doma pra gente e confiamos absolutamente nesse trabalho que ele faz com maestria.

Mexeu em seis potros nossos de 2 anos, cinco vezes no total, não consecutivas. Um dia numa semana só trabalhou do chão, dessensibilizou. Em seguida, na semana posterior (porque choveu) colocou sela no redondel. E mais dois dias montou na pista de boi, de dois em dois.

Eu, que sou a medrosa, monto em qualquer cavalo que ele mexeu, porque confio no que ele faz. No meio do ano passado, montei nos potros que ele iniciou. Selei nas baias com ajuda do Marcelo, rodei, quebrei do chão, montei, trotei, guiei e galopei. Só fiz isso porque ele não pode vir mexer nos potros, e vou falar disso em outro post.

Nesse artigo, quero só mandar um salve para quem tem o dom, como o Marco. E também para quem aprendeu a fazer isso bem, um trabalho tão essencial e nobre, que é a base de todo esse universo dos cavalos de performance que tanto amamos.

Colaboração: Karoline Rodrigues/Plusoneandahalf
Crédito das fotos: Arquivo Pessoal

Veja outras notícias no portal Cavalus

Continue lendo
X
X