Geral

Três Tambores: quando não é mais aceitável pensar em técnicas apenas para os cavalos

Claudia Ono fala em sua coluna da semana sobre a diferença que existe entre treinar cavalos e treinar as pessoas que os montam. Confira!

Publicado

⠀em

O mito de que basta treinar o cavalo e dar uma incentivada no amador, está caindo por terra. Ufa, já não era sem tempo. Com toda a certeza, já não basta mais pensar em técnicas apenas para os cavalos, o cavaleiro é peça chave na equação.

Bom, isso é o que eu acho, o que vejo entre a galera que me segue e os alunos. Treinar cavalos não tem absolutamente nada a ver com treinar pessoas. Assim como não basta ter um cavalo bem treinado para correr e vencer.

A prova disso são os inúmeros cavalos bons pra caramba, subaproveitados, correndo mal com tempos altos nas selas de seus amadores.

Desde que iniciei meu trabalho junto aos competidores eu venho batendo nessa tecla e comprovando que a ação do competidor muda tudo.

Um cavalo corre com duas pessoas, entretanto, parece dois cavalos diferentes. Corre bem com um e faz um percurso ruim com o outro.

LEIA TAMBÉM

Claudia Ono fala em sua coluna da semana que já não basta pensar apenas em técnicas apenas para os cavalos, o cavaleiro deve estar no meio

De fato, não é mais aceitável pensar em técnicas apenas para os cavalos

E se, com o exemplo acima, você pensou que sempre vai bem com o treinador e mal com o amador, é porque esse é o cenário mais comum

E aí está o grande problema. Quem treina o amador? ‘Monta aí. Firme os joelhos e toca a lenha!’. Não é assim?

Por isso temos uma enxurrada de amadores que tem medo da velocidade. Eu recebo muitas mensagens e pedidos de ajuda por esse motivo.

Medo da velocidade, falta de equilíbrio, falta de ação no percurso, insegurança, falta de habilidades, é tudo resultado da falta de técnica.

E se você é um amador e já pensou que não vai conseguir, porque nunca será bom pra tocar como o seu treinador, eu te dou um conselho: As suas crenças limitantes nunca farão de você um vencedor. Jogue isso no lixo.

Só para ilustrar: entre 2009 e 2015 corri com o Shadynho e passamos por cinco CTs. Nenhum treinador deu tempo menor do que eu e a minha irmã. Mesmo quando a gente errava, os nossos tempos eram mais baixos do que os dos treinadores.

Você não precisa montar todos os dias nem montar em dez cavalos por dia. Você só precisa saber o que fazer e como fazer.

Conhecer os melindres do percurso e as reações do seu cavalo, para empurrar sem medo e com a certeza do que está fazendo.

Claudia Ono fala em sua coluna da semana que já não basta pensar apenas em técnicas apenas para os cavalos, o cavaleiro deve estar no meio

Como começar?

1- Coloque-se à frente de tudo; você é a prioridade para correr com seu cavalo.

2- Informe-se sobre as técnicas para ficar de bem com a velocidade.

3- Observe quem vale a pena. Veja os conjuntos que correm soltos, cavalos sem ‘rabejar’, cavalo sem stress e sem ansiedade. Observe e veja como o cavalo se movimenta.

4- Devore os vídeos da Lisa Lockhart, Ivy Conrado, Sarah Rose, André Coelho, Ashley Schafer, Jack Widmer, Hailey Kinsel. Não apenas como montam, mas também como pensam a respeito dos cavalos.

5- Melhore o seu conhecimento sobre cavalos. Eles não são como nós ou como os cães

Por Claudia Ono
Três Giros
Crédito das fotos: Reprodução/Facebook

Veja outras notícias no portal Cavalus

WordPress Ads
WordPress Ads