A segunda noite da decisão da temporada 2018 da PBR foi ainda mais emocionante para os brasileiros

Desde que os finalistas foram definidos, e acompanhando especialmente o último mês da Professional Bull Riders, eu, que não sou especialista nem nada, acreditava que o título mundial não só seria do Brasil esse ano, como seria definido de forma antecipada. Matematicamente, até quinto colocado ainda têm chance de vencer, mas depois das duas primeiras rodadas tudo está caminhando para essa minha ‘previsão’.

São quatro brasileiros nas primeiras quatro posições do ranking. Então, até ai, fácil prever que o título mundial de 2018 da PBR é do Brasil. Mas o que Kaique Pacheco e José Vitor Leme vêm fazendo nos últimos meses dá toda a pinta de que o campeão está entre eles. Depois de apenas dois rounds da final mundial, para quem gosta de esporte, seja qual for, percebe a atitude de quem está lá para colocar a mão na taça.

Kaique Pacheco x José Vitor Leme

Eu escrevi sobre todas as etapas esse ano e acompanhei todas as notícias. Foi uma temporada muito positiva para os brasileiros. Está aí o ranking mundial que não me deixa mentir. E a esperança de trazer para o Brasil o décimo título mundial de montaria em touros nunca foi tão real. A garra de Kaique e Vitinho, a comemoração deles depois dos oito segundos e tudo que vem envolvendo essa disputa, mostra isso.

Vamos aos fatos! Kaique Pacheco e José Vitor Leme são primeiro e segundo do ranking mundial. A diferença entre eles agora é de 1347,5 pontos. Os dois têm duas paradas em dois touros na PBR World Finals. “Estava confiante no meu touro, pois já esperava um certo comportamento dele. Mesmo que ele não fizesse, eu estava preparado para parar. Sabia que podia marcar alto e foi o que aconteceu”, contou José Vitor.

Vitinho, até o momento, tem uma performance melhor na etapa final que Kaique. Pontuou em terceiro e segundo, e lidera na soma de notas. Kaique, com um rasgo no ligamento cruzado do joelho esquerdo, pontuou em sexto e quinto, e está em sexto na soma de notas da etapa. “A dor é maior do que depois do primeiro round. Mas o programa de tratamento é fantástico, vou fazer tudo hoje ainda e amanhã durante o dia para estar tranquilo para a terceira rodada”, disse Kaique.

Dois jovens brasileiros travam duelo pelo título mundial da PBR 2018

Na segunda rodada, Marco Antonio Eguche, do Brasil, marcou nada menos que 94 pontos em cima do touro Spotted Demon, ganhando 300 pontos e US$ 35 mil de bônus. José Vitor Leme teve nota 91 pontos em cima de Bad Beagle, somando 180 pontos e US$ 20 mil de bônus. O bicampeão mundial J.B. Mauney, que fez uma temporada de recuperação, foi o terceiro melhor da noite, 90,5 pontos em M.A.G.A..

Somente oito atletas pararam nos seus touros. Paulo Lima, do Brasil, o quarto da segunda noite, com 89,5 pontos. Kaique o quinto com 88,75 pontos. Eduardo Aparecido, o sexto, 87 pontos. Sétima nota foi de Guilherme Marchi, 88,75 pontos, sua 634ª montaria de oito segundo na PBR. O mais guerreiro do ano, que se recupera ainda de uma lesão onde quebrou 30 ossos da face, Chase Outlaw foi a oitava nota, 85 pontos.

Em duas rodadas, seis fizeram duas paradas. Além de Vitinho e Kaique, Marcho Eguche, Guilherme Marchi, Eduardo Aparecido e Chase Outlaw. Eguche, no entanto, é dúvida para a terceira rodada, foi diagnosticado com uma concussão após se chocar com seu touro no final da montaria. Ele terá que passar por uma avalição feita pelo Dr. Freeman para ser liberado.

Para quem deseja ganhar a etapa ou o mundial, ficar entre os três primeiros em cada round é muito importante, pois são as posições que oferecem maior pontuação. Para Kaique, por exemplo, que vem montando com uma proteção especial no joelho, uma boa vantagem no ranking geral, o importante é não cair e se posicionar melhor na classificação da etapa. Ou seja, manter regularidade. Até o momento, nossos adversários diretos não estão conseguindo ficar nos touros.

Marco Antonio Eguche

A PBR World Finals acontece de 7 a 11 de novembro, na T-Mobile Arena, em Las Vegas. São seis touros e aproximadamente três mil pontos em jogo. Todos os 40 finalistas montam nos cinco primeiros rounds. A decisão, tanto do título da etapa como o do mundial, fica para a sexta rodada, onde montam apenas os 15 primeiros na soma de notas do evento. Muita água para rolar debaixo da ponte ainda, mas ainda acredito que vamos comemorar esse título de forma antecipada.

Só para lembrar um pouco da trajetória dos dois jovens, de 24 e 22 anos, respectivamente, que lutam pelo título: Kaique chegou em 2013 à PBR americana, mas foi em 2015 que passou a se destacar. Foi Rookie Of The Year e vice-campeão mundial. Na temporada seguinte, também disputou o título, terminando novamente em segundo lugar. Ano passado, foi o quinto melhor do mundo.

José Vitor conseguiu vaga ano passado através da PBR Brasil e arrebentou na final da RVT e na World Finals, sem cair de nenhum touro, ficando com o título da etapa e o de Rookie Of The Year. Resultados completos: www.pbr.com.

Por Luciana Omena
Fotos: PBR

Escreva um comentário