Corrida

Fantastic Fly Apollo vence GP Campeão dos Campeões 2020

Cavalo tornou-se o único animal a vencer três grandes prêmios em 2020 no Jockey Club de Sorocaba

Publicado

⠀em

Os melhores cavalos em atividade no Jockey Club de Sorocaba entraram em pista, no sábado (19), para a disputa do último Grande Prêmio do ano. Trata-se do GP Campeão dos Campeões, de 365 metros. Sobretudo, estava em jogo uma bolsa de R$ 180.000,00 de bolsa, além de um carro 0 Km ao proprietário, oferecido pela ABQM.

Favorito nas apostas, Fantastic Fly Apollo (Fantastic Corona Jr, Fly Apollo Eyesa, Eyesa Special) venceu com autoridade. Pela baliza 3, o tordilho de criação do Haras Fazenda São José e propriedade do Haras Três Climas e Fabio Mattos, largou bem e veio constante para vencer com a marca de 19,459s, com 3/4 de vantagem de Only For Me PK (Corona For Me x Nordika Only VM, Nordick Only VM).

Com a vitória no GP Campeão dos Campeões, Fantastic Fly Apollo tornou-se o único animal a vencer 3 grandes prêmios em 2020 no Jockey Club de Sorocaba. Antes de mais nada vale lembrar que ele foi conduzido por B Guimarães e treinado por R Rosa. 

Fantastic Fly Apollo tornou-se o único animal a vencer 3 GPs em 2020 no Jockey Club de Sorocaba – Foto: Divulgação/JCS

Páreo Flo Bryan

Abrindo a última reunião do ano em Sorocaba, cinco animais disputaram o páreo Flo Bryan de 275 metros para animais com IV até 84. Contudo, quem se deu melhor foi Dama Jess (Gold Medal Jess x Dama Chico Dash, Granite Lake) de criação e propriedade do Haras São Matheus.

Partindo da raia 4, ela disputou os primeiros metros com The Eagle Dasher (One Famous Eagle x BP First Fling, First Down Dash) para tomar, portanto, a dianteira e vencer com a marca de 15,711s, tendo em seu encalço Bart Verde (Get Down Perry x Katrina SA, Carters Cartel) que ficou em segundo lugar.

Ademais, vale citar que Dama Jess teve R Pereira como jóquei e contou com treinamento de M C Cruz.

Páreo Flo Bryan JCS – Foto: Divulgação/JCS
Dama Jess teve R Pereira como jóquei e contou com treinamento de M C Cruz – Foto: Divulgação/JCS

Páreo Darlin Bryan PK

No segundo páreo, de 275 metros para animais com IV até 89, quatro competidores entraram na pista. Como resultado, o vencedor foi Hayden For Me STM (Corona For Me x Curls Girl, First Down Dash), macho alazão de criação e propriedade do Haras Santa Maria.

Com autoridade, ele cruzou o disco final com a marca de 15,404s, com mais de um corpo de vantagem para o segundo colocado. Hayden For Me STM correu sob sela de D Oliveira e treinamento de J Bispo.

Páreo Darlin Bryan PK – Foto: Divulgação/JCS
Pódio do Páreo Darlin Bryan PK – Foto: Divulgação/JCS

Páreo Space Ease

Já na terceira corrida da tarde, vitória de Augustus Verde (No Secrets Here x Orly Vista, Nordick Only VM) de criação do Haras Vista Verde e propriedade do Stud dos Amigos. Com quatro animais na disputa, o páreo de 275 metros para animais com IV até 94 teve, sem dúvida, uma bela disputa.

Teller Dashing MRL, Facynio Perry e Augustus Verde fizeram uma corrida equilibrada. No entanto, nos metros finais Augustus tomou a frente e cruzou em primeiro marcando 15,326s. Augustus Verde foi guiado por D Macedo e treinado por A J Macedo.

Páreo Space Ease – Foto: Divulgação/JCS
Pódio do Páreo Space Ease – Foto: Divulgação/JCS
 

Páreo Vereador João Donizete Silvestre

No último páreo antes do GP Campeão dos Campeões, aconteceu o páreo de 275 metros em homenagem ao vereador da cidade de Sorocaba João Donizete Silvestre. Sobretudo, para animais com IV até 99, sete competidores entraram na disputa e protagonizaram um páreo equilibrado.

Vindo pela baliza 7, MISTER EAGLE MRL (One Famous Eagle x Gather The Roses, Mr Eye Opener) de criação e propriedade do Haras Portofino, foi melhor e venceu com a marca de 15,187s, com um pescoço de vantagem do segundo colocado. MISTER EAGLE MRL contou com R F Costa na condução e M O Artemam no prepraro.

Páreo Vereador João Donizete Silvestre – Foto: Divulgação/JCS
Pódio do Páreo Vereador João Donizete Silvestre – Foto: Divulgação/JCS

Fonte: JCS
Crédito das fotos: Divulgação/JCS

Veja mais notícias da modalidade Corrida no portal Cavalus

Corrida

Jóquei brasileiro obtém sua milésima vitória em Hong Kong

Conhecido como “o Fantasma de Cidade Jardim”, João Moreira conquistou sua vitória de número 1.000 em menor espaço de tempo

Publicado

⠀em

O jóquei brasileiro João Moreira, mais conhecido como “o Fantasma de Cidade Jardim”, ou “Magic Man” como é chamado internacionalmente, conquistou um feito inédito. Afinal, venceu no fim de 2020 o 7º páreo da reunião do Hipódromo de Happy Valley, com Kinda Cool, e, consequentemente, sua vitória de número 1.000 em Hong Kong.

Dessa forma, o jóquei brasileiro tornou-se o primeiro a alcançar tal feito no menor espaço de tempo. Antes de mais nada vale mencionar que ele já havia vencido o 1º páreo do dia na reunião do Hipódromo de Happy Valley, com Perfect to Play e o 2º, com Incanto Prepared.

Além disso, vale lembrar que em Hong Kong são realizadas 18 corridas semanais, 10 meses por ano. Assim, Moreira, líder da temporada atual, busca o tetracampeonato nas estatísticas

Aos 36 anos, natural de Curitiba, no Paraná, Moreira iniciou sua brilhante trajetória na Escola de Preparação de Jóqueis do Jockey Club de São Paulo, em 2005 e em Cidade Jardim venceu 4 estatísticas.

João Moreira, que atua no exterior desde 2009, é reconhecidamente um dos melhores jóqueis em atividade no mundo.

Fonte: Jair Balla/Jockey Club de S. Paulo
Crédito da foto: Divulgação

Veja mais notícias no portal Cavalus

Continue lendo

Corrida

Haras Portofino é primeiro, segundo e terceiro no GP Taça de Ouro

Trifeta foi o destaque da reunião 17 do Jockey Club de Sorocaba; na programação também classificatória do Campeão dos Campeões

Publicado

⠀em

Com R$ 45 mil de bolsa, a final do GP Taça de Ouro (301m) aconteceu no dia 5 de dezembro, entre os vencedores de cada páreo classificatório e mais dois menores tempos. Com toda a certeza, a trifeta do Haras Portofino foi o destaque do dia. Antes de mais nada, três animais de criação e propriedade do Haras Portofino cruzaram na frente.

Portanto, na ponta, a grande favorita Moon Roses MRL (Separatist x Gather The Roses) conquistou a vitória. A égua alazã (foto) cruzou o disco final com a marca de 16s675s (IV-87). Em seguida, Mister Eagle MRL (One Famous Eagle x Gather The Roses), 16s777. E em terceiro lugar, Teller Apollo MRL (Teller Cartel x Amanda Jumpim VM), 16s799.

Moon Roses MRL, a mais rápida da classificatória 15 dias atrás, foi guiada por A Santana e treinada por M O Artemam. Completaram o páreo: Fascynio Perry (16s854), Fahrenheit For Me (17s072) e Espirit Seis (17s270).

Trifeta do Haras Portofino foi o destaque da reunião 17 do Jockey Club de Sorocaba; na programação classificatória do Campeão dos Campeões
Only For Me PK

A programação ficou completa com as classificatórias do GP Campeão dos Campeões. Disputado nos 365 metros, tem R$ 180 mil de dotação e reúne os melhores cavalos da temporada. Classificaram-se para a final os três vencedores dos páreos classificatórios e mais os três melhores tempos entre os não vencedores.

O menor tempo, por conseqüência, o favorito para a final, foi de Only For Me PK (19s748). Venceram seus páreos também Fantastic Fly Apollo (19s776) e Habibi Seis AD (19s893). Se juntam a eles na final do dia 19 de dezembro Bueno Lake (19s833), Monaco Roses MRL (19s857), Noticia Lake HWS (19s951)

No Páreo Call Me Blue RLT (301m), vitória de Hayden For Me STM (16s877), por um corpo de vantagem do segundo colocado.

Fonte: JCS
Crédito das fotos: Divulgação/JCS

Veja mais notícias da modalidade Corrida no portal Cavalus

Continue lendo

Corrida

Corrida, ou Turfe, é um esporte popular de velocidade

A corrida competitiva de cavalos é um dos esportes mais antigos da humanidade

Publicado

⠀em

Turfe é o esporte que promove e incentiva a Corrida de cavalos. Em sua forma mais difundida, teve origem no Reino Unido e é hoje um dos esportes mais tradicionais. Envolve, acima de tudo, treinamento do cavalo, competição e apostas. Tudo começou 1689, quando os britânicos resolveram importar do Oriente Médio e da África alguns cavalos. Entre eles, animais das raças Byerley Turk, Darley Arabian e Godolphin Barb, em outras palavras, árabes e berbéres.

Para as competições, foram selecionados cavalos com aptidão para corridas, comprados ou tomados em batalhas. Portanto, ao chegarem a terras inglesas foram cruzados com éguas da região e deram à luz a animais de grande velocidade e resistência. Ademais, a palavra Turfe vem do inglês ‘turf’, que designava os primeiros eventos de corrida de cavalos.

Os cavalos podem correr montados por jóqueis – corrida a galope – ou atrelados a uma aranha ou charrete (harness racing) – corridas de trote. O traçado comum em linha reta, como as canchas no meio rural ou as corridas do Quarto de Milha. Do mesmo modo que encontramos o traçado de forma ovalada, ou triangular, como em sofisticados hipódromos nas grandes cidades.

A corrida mais comum tem o percurso plano, mas há corridas com obstáculos, chamadas steeplechase. Outra particularidade é a distância, que varia de 201 a 2400 metros. Alguns raças são de explosão, tiros mais rápidos, distancias mais curtas. Enquanto outras possuem os chamados fundidas, dos percursos mais longos. Há registro de que um cavalo de corrida atinja 60 km/hora. Nos diversos hipódromos espalhados pelo mundo, é comum que a disputa aconteça no sentido horário, contudo há locais que realizam corridas no sentido anti-horário.

Corrida, ou Turfe, é um esporte popular de velocidade. Então, a corrida competitiva de cavalos é um dos esportes mais antigos da humanidade
Foto: Americas Best Racing

A corrida no Brasil

O esporte tradicionalmente britânico chegou ao Brasil em meados do século 19. Inicialmente, os proprietários dos animais treinavam e corriam eles mesmos. Com o passar do tempo, isso mudou. Hoje os donos focam sua atenção em criar os mais velozes animais do mundo e deixam a montaria para os profissionais chamados de jóqueis. Quer seja lá no século 17 ou nos dias de hoje, o que importa é velocidade e equilíbrio.

No Brasil existem quatro Jockeys Clubs principais: o Jockey Club Brasileiro, que fica no Hipódromo da Gávea no Rio de Janeiro, o Jockey Club de São Paulo, no Hipódromo de Cidade Jardim em São Paulo. Assim como o Jockey Club do Paraná no Hipódromo do Tarumã em Curitiba e o Jockey Club do Rio Grande do Sul no Hipódromo do Cristal em Porto Alegre.

Além de outras entidades espalhadas por todo país, como o Jockey Club de Sorocaba, o mais importante hipódromo do Quarto de Milha de Corrida na América do Sul. Além disso, a corrida tem seu lugar em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, e no Nordeste. Os studs (um ou mais donos) e os proprietário têm sempre uma cor estampada na camisa dos jóqueis, assim como os times de futebol.

Corrida, ou Turfe, é um esporte popular de velocidade. Então, a corrida competitiva de cavalos é um dos esportes mais antigos da humanidade
Foto: Americas Best Racing

Peculiaridades

O calendário das provas varia de país para país. E cada uma delas existe um ritual de apresentação. Por exemplo, os jóqueis montam os animais em frente aos espectadores e fazem um desfile. É dessa forma que vão ao encontro da linha de partida. Dentro de cada box, previamente designado, aguardam o sinal de largada. Os percursos variam de acordo com cada competição.

O temperamento do animal, por muitas vezes, era algo que ficava em segundo plano. Mas isso vem mudando hoje em dia. Os proprietários investem em treinamento tanto do animal quanto da montaria e em troca recebem uma percentagem dos lucros obtidos com os visitantes e apostadores das corridas. Aliás, o animal é treinado não apenas para ser veloz, como também para saber largar corretamente, sem se assustar com o barulho dos portões, por exemplo.

Para montar um cavalo de corrida é necessário ter certas peculiaridades. Assim, um jóquei deve pesar no máximo 48 kg e ter uma altura recomendável de 1,50m. O preparo físico daquele que vai montar tem que ser tão bom quanto do animal que será seu parceiro nas corridas. É praxe nos hipódromos treinos logo ao raiar do dia, onde os treinadores fazem as tomadas de tempo para possíveis ajustes.

Do mesmo modo que o cruzamento no Reino Unido resultou o Puro Sangue Inglês, nos Estados Unidos nasceu o Quarto de Milha. Na época da guerra da Independência, os colonizadores popularizaram a disputa entre dois cavalos que corriam a distancia de até um quarto de milha. As primeiras corridas, então, aconteceram em Enrico County, Virgínia, em 1674. Na era Colonial, qualquer campo inculto ou rua servia como pista de corrida.

Corrida, ou Turfe, é um esporte popular de velocidade. Então, a corrida competitiva de cavalos é um dos esportes mais antigos da humanidade
Foto: GGF Race

O que você precisa saber para acompanhar

Todo o cavalo é classificado de acordo com o Índice de Velocidade. Através dos resultados dos últimos anos, cada hipódromo realiza uma tabela com os Índices de Velocidades (I.V.). Esta tabela atribui um índice, de acordo como tempo que o cavalo fez em determinada distância. Os animais também recebem Registro de Mérito: animais com IV entre 80 e 89, o registro é o AA (Double A); em seguida, com IV entre 90 e 99, recebem o AAA (Triple A); por fim, os animais com IV superior a 100 receberem o AAAT (Top Triple A).

Antes de cada corrida acontece o enfrene, um jogo realizado no sistema de leilões. Os animais de cada páreo ou torneio têm suas pules (jogos) leiloadas. O comprador da primeira pule tem o direito de escolher o animal de sua preferência para vencedor. O comprador da segunda pule poderá escolher outro animal, com exceção do primeiro já escolhido. E assim por diante até que todos os animais tenham suas pules compradas.

Chama-se Futurity os Grandes Prêmios reservados aos potros que iniciam o ano com dois anos hípicos. E no segundo semestre contarão três anos hípicos. Por outro lado, no Derby os Grandes Prêmios abrigam os animais que iniciam o ano calendário já com três ou mais anos hípicos. Nos Estados Unidos, os Derbys são apenas para animais de três anos hípicos.

O Torneio é o Grande Prêmio com uma quantidade de animais que impossibilita a realização de um só páreo. Então, acontecem as eliminatórias, chamadas de ‘ternos’, cujos vencedores (e às vezes os melhores tempos) classificam-se para a final. É comum existir um lance de obrigação nos páreos ou torneios. Este lance vale como uma pule (jogo) do proprietário do animal em uma das rodadas do enfrene.

Tríplice Coroa da Corrida

No meio equestre, a Tríplice Coroa da Corrida é a mais famosa. Consiste em três grandes eventos de determinada modalidade, região ou hipódromo. Antes de mais nada, é considerado tríplice coroado o conjunto que vencer as três provas no mesmo ano hípico. Nos Estados Unidos, são provas clássicas o Kentucky Derby, o Preakness Stakes e o Belmont Stakes. Só 13 cavalos, desde 1919, conquistaram a façanha em de vencer as três corridas no mesmo ano.

Em rápida pesquisa, você chega à informação que nos Estados Unidos cada região tem a sua tríplice na Corrida. Assim como a de Ruidoso Downs, que fica no Novo México, e tem três grandes prêmios milionários no calendário: Rainbow Futurity, Ruidoso Derby e All American Futurity. Entre outros. No Brasil, no Quarto de Milha de Corrida, as provas atuais da tríplice são GP São Paulo, GP Brasil e GP Consagração, ocorridas no Jockey Club de Sorocaba. Desde 1981, temos nove tríplices coroados.

Fonte: Rural Centro, Wikipedia, Jockey Ckub de Sorocaba, Horse Racing Nation
Crédito da foto: Divulgação/Wikimedia Commons

Veja mais notícias da modalidade Corrida no portal Cavalus

Continue lendo
X
X