‘Boa Noiteeee, Boa Noiteeee, Boa Noiteeee’! Se você já ouviu essas palavras na voz de Zé do Prato, é porque conhece um pouco da história do rodeio brasileiro

Há 31 anos, um locutor ajudou a idealizar um dos maiores rodeios do Brasil. José Antônio de Souza nasceu em Regente Feijó, em 29 de abril de 1948. Zé do Prato faleceu em São Paulo, em 27 de janeiro de 1992. Foi com seu apelido que ele ganhou o mundo dos rodeios, conhecido como o maior locutor desse gênero no País.

O ‘Anjo Negro’, ou ‘Grande Pai’, do rodeio ensinou, com humildade, talento e credibilidade o Brasil amar e respeitar o rodeio. Muito do que temos hoje, começou com ele. A maneira de falar, o jeito de brincar e fazer amizade atraía grande público às arenas nas realizações das festas de peão.

Entrou para esse meio por intermédio de Jorge dos Santos, quando o rodeio estava apenas engatinhando. Em 1987, junto com o Clube dos Cavaleiros de Americana, ele foi o responsável por lançar uma festa que passaria de 25 mil pessoas para 400 mil em poucos anos. Até hoje quando se pensa, ou se fala, em Festa do Peão de Americana, se fala em Zé do Prato.

Zé do PratoCom sua estrondosa voz, difundiu ao país a expressão ‘seguuuura, peãããão!’. Criada por ele, oferece garra aos peões e anima o público. Até hoje é considerado o maior locutor de rodeio de todos os tempos. Quando trabalhava, era um dos mais requisitados em todo país. Foi contemplado com inúmeros prêmios, troféus e medalhas.

Seu nome também está ligado ao famoso e extinto Rodeio dos Campeões, na arena coberta do Rancho Quarto de Milha, em Presidente Prudente/SP. Quando começou a trabalhar nos rodeios, inovou a atuação da categoria, inserindo os bordões e músicas durante a locução.

O apelido Zé do Prato surgiu quando ele faz parte da fanfarra do grupo escolar Prof. José Domiciano Nogueira. A escola ficava em sua cidade natal, por volta de 1960, e José Antônio tocava sempre o mesmo instrumento, o prato.

Zé do PratoSua atuação ia além das arenas. Foi técnico de som na Rádio Regente, em Regente Feijó. Desempenhou, na mesma cidade, a função de sonoplasta na Rádio Difusora AM 1580 kHz. Foi vereador da cidade, no mandato de 1973 a 1977. Nessa época, já integrava a Cia de Rodeios Marca Estrela. Também apresentava um programa sertanejo na rádio.

Em 27 de dezembro de 1991, foi internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Realizou uma cirurgia bem-sucedida para sanar uma pancreatite. Durante a sua convalescença, inesperadamente, foi acometido por uma infecção generalizada, falecendo na UTI.

Atualmente encontra-se sepultado na cidade de Piracicaba, cidade que tinha adotado para morar após o casamento com d. Áurea Bonfilho.

Imagens antigas da Festa do Peão de Americana no ano em que adoeceu:

 

Fonte e Fotos: Wikipedia

1 Comentário

  1. Aí fica a lenda do rodeio brasileiro como ficou o eterno Airton Sena um Nara rodeio o outro corre duas lenta brasileira que marcou istorio no mundo todo quando se fala em rodeio pelo mundo se lembra Zé do prato e quando se fala em altomobilistido se fala em Airton Sena i fica meu abraço a todos vocês noite boa noiteeee boa noiteeee a todo vocês

Escreva um comentário