Cavalgadas Brasil

Viagem a cavalo no Egito

Paulo Junqueira conta em sua coluna sobre a relação do cavalo Árabe com a história do Egito

Publicado

⠀em

O cavalo Árabe, sem dúvida, tornou-se um elemento essencial na história egípcia. Desde muito tempo essa raça proporcionou a seus guerreiros sucesso nas batalhas. E, além disso, a capacidade de fazer uma viagem a cavalo para longe e de forma rápida por terrenos, muitas vezes, difíceis.

O cavalo árabe-egípcio é um dos cavalos mais notáveis e bonitos do mundo. Com toda a certeza, um magnífico exemplo de beleza e proporção.

Localizado no nordeste da África, o Egito faz fronteira com o Mediterrâneo e o Mar Vermelho. É um país incrível para ser descoberto a cavalo.

Paulo Junqueira conta em sua coluna sobre a relação do cavalo Árabe com a história do Egito; mais um relato de experiência em viagem a cavalo

Viagem a cavalo: uma lição e uma história

A viagem começa no Cairo e o café da manhã já é com vista para as pirâmides! No primeiro dia, a cavalgada segue rumo as majestosas Grandes Pirâmides de Gizé e a Esfinge.

Embora existam mais de 100 pirâmides no Egito, as Pirâmides de Gizé são de longe as mais famosas e são as últimas das Sete Maravilhas do Mundo. Quéops, Khafre e Menakaure são impressionantes!

A fim de poder entrar em uma das pirâmides menores, os guias cuidam dos cavalos do lado de fora. Logo depois, a cavalgada continua cruzando o planalto com destino a Esfinge, símbolo enigmático do Egito. Ela tem o corpo de um leão e a cabeça de um rei.

Após o almoço com vista para pirâmides, na programação da tarde as pirâmides de Abu Sir e Sakkara. Abu Sir formam a necrópole da 5ª Dinastia, enquanto as de Sakkara, no Reino Antigo, tem ligação com faraós.

Nelas, os faraós foram enterrados dentro das 11 principais pirâmides. Ao mesmo tempo em que seus súditos foram enterrados em centenas de tumbas menores.

No final desse primeiro dia tão especial, uma verdadeira lição de história. O Egito Antigo ganha vida em seis horas de cavalgada.

Paulo Junqueira conta em sua coluna sobre a relação do cavalo Árabe com a história do Egito; mais um relato de experiência em viagem a cavalo

No dia seguinte, já em Luxor, despertamos com o som do chamado de oração das mesquitas e uma bela vista do Rio Nilo. Depois do café da manhã, saímos para visitar (de carro) o Vale dos Reis, Tutankhamon e o templo de Hatshepsut.

À tarde, a cavalgada é pelos vilarejos e pelos campos, até chegar no famoso templo Habu. Enquanto a equipe cuida dos cavalos, os cavaleiros exploram um dos templos mais bonitos e preservados do Egito.

Cavalgada no Vale dos Reis

A cavalgada no Vale dos Reis começa bem cedo. A ideia é vermos o nascer do sol enquanto balões de ar quente iluminam o céu. No caminho o templo Ramesseum, vemos o cossal de Memnon e as estátuas gigantes do avô de Tutankhamon.

A tarde, a visita (de carro) é ao templo de Karnak, a Avenida da Esfinge e o Museu de Luxor. 

Cavalgada ao longo do rio Nilo

Segundo rio mais longo do mundo e o mais longo da África (mais de 6.000 km), o rio Nilo atravessa o país de sul a norte, até o grande Delta do Nilo, onde estão as cidades do Cairo e Alexandria.

Nesse dia, a cavalgada mostra o verdadeiro Egito, com visita a aldeias locais e trilhas através de plantações.

O Vale do Nilo representa menos de 10% do território do Egito, no restante do território estão os Deserto do Saara e o Deserto da Arábia.

Cavalgar no deserto e nadar com os cavalos no Mar Vermelho  No último dia, após o café da manhã, saída da cavalgada cruzando o deserto até chegar na deslumbrante Baía de Makadi, no Mar Vermelho.  Depois de tirar as selas, é hora de entrar com o cavalo nas tranquilas águas cristalinas do Mar Vermelho. Uma experiência incrível para encerrar uma viagem a cavalo tão especial.  Por Paulo Junqueira Arantes Cavaleiro profissional e Diretor da agência Cavalgadas Brasil www.cavalgadasbrasil.com.br  Veja outras notícias da editoria Turismo Equestre no portal Cavalus

Cavalgar no deserto e nadar com os cavalos no Mar Vermelho

No último dia, após o café da manhã, saída da cavalgada cruzando o deserto até chegar na deslumbrante Baía de Makadi, no Mar Vermelho.

Depois de tirar as selas, é hora de entrar com o cavalo nas tranquilas águas cristalinas do Mar Vermelho. Uma experiência incrível para encerrar uma viagem a cavalo tão especial.

Por Paulo Junqueira Arantes
Cavaleiro profissional e Diretor da agência Cavalgadas Brasil
www.cavalgadasbrasil.com.br

Veja outras notícias da editoria Turismo Equestre no portal Cavalus

WordPress Ads
WordPress Ads