Hipismo

Brasileiros do Salto emplacam bons resultados nos Estados Unidos

Competidores estão na Flórida para esse início de temporada na modalidade; no CCE, Nilson da Silva registrou mais um índice olímpico com Rock Phantom

Publicado

⠀em

A tarde de sábado, 27 de março, foi especial para os competidores brasileiros do Salto que estão nos Estados Unidos nesse início de temporada. O Brasil esteve em pista no GP5* Rolex, a 1.60m, na arena de grama Global International.

A disputa na Equestrian Village foi o ponto alto do final de semana no Winter Equestrian Festival 2021. Aliás, o destaque de todo o evento desde seu início em janeiro, já que pagou a maior premiação, US$ 500 mil, entre todos as demais provas nas outras semanas.

A saber, um dos eventos de Salto mais importantes do calendário da modalidade, que chegou sua penúltima de 12 semanas de competição. Nomes de destaque da modalidade seguem até esse domingo (4) em Wellington, na Flórida.

Antes de mais nada, o GP5* Rolex teve armação de pista do course-designer olímpico, o brasileiro Guilherme Jorge. Dentre os 44 conjuntos da prova, oito habilitaram-se ao desempate. A melhor colocação para o Brasil foi de Yuri Mansur (foto) montando Vitiki. Com dois derrubes em 38s35, a dupla fechou na oitava colocação.

Dois dias antes, no WEF Challenge Cup, Yuri foi décimo colocado com Ibelle Ask, 4 pontos perdidos no desempate em 41s91. Outros dois brasileiros do Salto também tiveram atuação muito boa na primeira passagem desse GP. Rodrigo Pessoa e Carlito´s Way fecharam com apenas um derrube (4 p.p.), enquanto Rodrigo Lambre e Catover registram apenas uma falta (4p.p.) e 1 ponto por excesso tempo.

Os três brasileiros garantiram índice olímpico e estão entre os candidatos ao Time Brasil de Salto nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A definição da equipe se dará na Europa – que no momento está com suas competições internacionais suspensas até 11 de abril devido a um surto de herpes vírus equino.

Eduardo – Foto: Cedida/CBH

Hits Ocala Winter Circuit

Em outra parte da Flórida, Ocala, pelo 39° Hits Ocala Winter Circuit, sexta-feira (26) produtiva para Eduardo Menezes. Com Calypso des Matis, foi sexto colocado em GP com US$ 25 mil de premiação. Um dia antes, quinta-feira (25), Eduardo e Calypso de Matis ficaram no Top 5: segundo posto do Prêmio Hits Open, dotado em US$ 10 mil.

Do mesmo modo, o evento contou com 12 semanas de duração e encerrou a edição 2021 no domingo (28) com GP Great American, a 1,60m, US$ 1 milhão em prêmios. Mais um vice para Eduardo Menezes na prova mais importante da rodada. Dessa vez com H5 Chaganus foi um dos três a zerar o percurso na primeira volta, de 60 conjuntos que largaram.

Com oito habilitados ao desempate, entrando na pista em sexto, Eduardo e H5 Chaganus fizeram um desempate perfeito em 35s7, garantindo não só o segundo lugar como também a fatia de US$ 200 mil da premiação. A dupla, entre outros feitos, integrou o Time Brasil medalha de ouro no Pan Lima 2019. 

Satisfeito com seus resultados, Eduardo, 40, que monta H5 Chaganus desde o final de 2018, ficou feliz com sua participação nesse evento. Ele vinha de várias semanas de boas disputas e algumas classificações positivas no WEF em Wellington. Ademais, o cavalo já teve sob sua sela Rodrigo Pessoa e Yuri Mansur, então proprietário. E está com Eduardo desde que foi vendido para a H5 Stables.

Os competidores brasileiros do Salto que participam das provas nos Estados Unidos ainda terão o encerramento do WEF essa semana e mais três semanas no próprio Palm Beach International Equestrian, um Nacional e dois Internacionais 3*. Como dito a cima, a reta final de preparação para as Olimpíadas será na Europa, para onde todos devem rumar em seguida.

Competidores brasileiros do Salto estão na Flórida para esse início de temporada na modalidade; no CCE, mais um índice para Nilson da Silva
Nilson – Foto: Cedida/CBH

Brasil com mais um índice no CCE

Dando sequencia em sua busca por uma vaga no Time Brasil de Concurso Completo de Equitação nos Jogos Olímpicos de Tóquio, o cavaleiro brasileiro Nilson Moreira da Silva voltou a registrar índice olímpico com Rock Phanton.

Eles competiram no Internacional 4* curto – CCI4*S – no Aiken Horse Park, Carolina do Sul, Estados Unidos, nos dias 26 e 27 de março. Nilson e Rock Phantom registraram -30,80 pontos no Adestramento, duas faltas no Salto e percurso zerado no Cross e 5,20 pontos por ultrapassar a faixa de tempo fechando com 44 pontos perdidos na 12ª colocação.

Nilson, cavaleiro que integrou o Time Brasil no Mundial 2018 e foi reserva na Rio 2016, e Rock Phantom também registraram índice olímpico em 14 de março, no CCI4* Curto Red Hills International na Flórida. Anteriormente, em 15 de novembro do ano passado, já tinham índice no Internacional CCI4* Longo, em Tryon, Carolina do Norte.

Ele apresentou quatro cavalos nesse evento, dois na série 4* e mais dois na série 2*. “Estou satisfeito com o desempenho dos meus cavalos e, acima de tudo, animado para seguir o calendário. Se Deus quiser serei convocado representar o Brasil nas Olimpíadas. Mantendo um trabalho duro, evoluo para representar o Brasil da melhor forma possível. Agradeço a CBH e a todos que torcem por mim”, comenta o cavaleiro.

Além de Nilson, estão na briga Rafael Losano, Marcio Appel, Marcelo Tosi, Carlos Parro e Ruy Fonseca Filho.

Fonte: Assessoria de Imprensa CBH
Crédito da foto de chamada: Divulgação/Nuno Vicente

Veja mais notícias do Hipismo no portal Cavalus

WordPress Ads
WordPress Ads